A Bienal e a Linguagem Contemporânea | Alberto Beuttenmüller

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
Mais Recentes
>>> Odisséia de Homero pela Abril Cultural (1981)
>>> Sobre a morte e o morrer de Elisabeth Kübler-Ross pela Martins Fontes (1994)
>>> O deus odioso, o diabo amoroso de Jacques Cazotte pela Escuta (1991)
>>> Odisséia de Homero pela Abril Cultural (1981)
>>> Sobre a morte e o morrer de Elisabeth Kübler-Ross pela Martins Fontes (1994)
>>> Chapeuzinho Vermelho e Outras Histórias Fábulas de Ouro de Paulinas pela Paulinas (2001)
>>> Biologia Volume Único 5ª Edição de César; Sezar; Caldini pela Saraiva (2011)
>>> Move Up Intermadiate Students Book de Simon Greenall pela Macmillan (1995)
>>> Move Up Advanced Students Book de Simon Greenall pela Macmillan (1999)
>>> Biologia Integrada Volume Único Ensino Médio de Luiz Eduardo Cheida pela Ftd (2003)
>>> Universo da Química Volume Único + Caderno de Resoluções de Bianchi; Albrecht; Daltamir pela Ftd (2005)
>>> Emagreça & Apareça! - Autografado de Wilson Rondó Júnior pela Gaia (2007)
>>> Entrega ao Deus Interior de Eva Pierrakos; Donovan Thesenga pela Cultrix (1999)
>>> Nosso Homem Em Havana de Henry Graham Greene pela Abril Cultural (1972)
>>> A Luz no Túnel de Jorge Amado pela Record (1982)
>>> Prática de Ensino os Estágios na Formação do Professor de Anna Maria Pessoa de Carvalho pela Pioneira (1987)
>>> Adolescência, psicanálise e educação: o mestre "possível" de adolescentes de Beatriz C. Cruz Gutierres pela Avercamp (2003)
>>> Nas Terras do Rei Café de Francisco Martins pela Melhoramentos (1973)
>>> A startup enxuta de Eric Ries pela Lua de Papel (2012)
>>> Prática pedagógica, aprendizagem e avaliação em educação a distância de Iolanda, B. de Camargo Cortelazzo pela Intersaberes (2013)
>>> Em Tudo, uma Lição água da Vida de Árvore da Vida pela Árvore da Vida (2001)
>>> Qutro vidas de um cachorro de W. Bruce Cameron pela Harper-Collins (2016)
>>> Adolescência, psicanálise e educação: o mestre "possível" de adolescentes de Beatriz C. Cruz Gutierres pela Avercamp (2003)
>>> A Pedagogia de Jesus de J. M. Price pela Juerp (1975)
>>> Os colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (2004)
ENSAIOS

Segunda-feira, 10/6/2002
A Bienal e a Linguagem Contemporânea
Alberto Beuttenmüller

+ de 7800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Os meios de comunicação se equivocam, quando pretendem impor à Bienal de São Paulo erros que pertencem aos artistas, ao curador e até aos visitantes, estes quase sempre ignorantes das novas linguagens da Arte atual. A Bienal é uma fundação que, a cada dois anos, é o suporte da arte produzida no mundo e mantém relação diplomática com os países convidados. E é também a visão de um curador contratado. Pelo regulamento, os países são convidados pela via diplomática. O Itamaraty (ou seja, o governo do Brasil) é que convida. Isto implica em uma posição política alheia à mostra internacional e, portanto, nada tem a ver com arte. Este é o principal empecilho para que a Bienal se modernize e cumpra seu papel. Política é política; arte é arte, não é? Errado. As duas coisas se confundem e se fundem na Fundação Bienal.

Até 1977, quando fiz parte da curadoria, a Bienal aceitava tudo aquilo que os países convidados mandassem. Era a diplomacia. Não havia uma leitura possível, uma vez que, ao lado dos Estados Unidos, que traziam um artista de linguagem contemporânea, exibia-se o pobre Haiti, com um artista primitivo, com seus três quadrinhos embrulhados em jornal e o artista chegando de carona. Isso eu presenciei várias vezes em países da América Central, sem dinheiro para pagar sequer a viagem do seu representante.

Em 1977, pela primeira vez, a Bienal teve uma programação cultural, graças ao empenho do Conselho de Arte e Cultura. O curador da mostra era um colegiado com sete membros: Alberto Beuttenmüller, Maria Bonomi, Leopoldo Raimo, o arquiteto Mindlin, Yolanda Mohalyi, Clarival Valladares e o vice-presidente Rodrigues Alves. Apesar disso, coube-me a viagem aos países para explicar o regulamento e ver se estavam dentro dos conceitos, bem como o texto final, redigido por este redator e assinado por todos. Exemplo de democracia em tempos de ditadura militar. O regulamento nasceu do próprio circuito de arte; e foram selecionadas sete linguagens contemporâneas, desde o vídeo, dos anos 60, à Arte Catastrófica, que emergira havia pouco mais de três anos. Foi o modo de driblar a política. O regulamento era conceitual e ninguém entendeu nada. Assim, os representantes da diplomacia vieram até nós para compreender e lhes demos uma relação de artistas dos seus próprios países, que se enquadravam em cada uma das sete propostas.

O exemplo acima serve para que o leitor entenda as dificuldades de montar-se uma Bienal. O Alfons Hug deve ter passado o diabo para conseguir montar a 25ª Bienal, apesar de que esta possui um tema que envolve o público, mas este mesmo público está defasado em relação às conquistas da Arte Contemporânea. A Arte de Linguagem Contemporânea parte de conceitos da própria Arte e o faz de modo auto-referente. Ou seja, se você, leitor, desconhece as referências dessa linguagem, fica atônito e se sente constrangido e, claro, nada entende...

A linguagem possui no seu âmago dois elementos que são antagônicos entre si: o Sistema de regras, de conceitos, de elementos, e a Expressão. Quando o artista obedece a um Sistema rígido, como Piet Mondrian, por exemplo, o Sistema é dito fechado; quando o artista privilegia a Expressão, como Vincent van Gogh, o sistema se diz aberto. Assim, quanto mais rigor, menos expressão e vice-versa. Ora, o observador que dizia entender a pintura figurativa, não a entendia, mas sim a reconhecia. Ele não analisava a composição, a perspectiva, o equilíbrio das cores, apenas reconhecia o mar, as montanhas, as árvores etc.

Este mesmo público quer entender (seria melhor sentir) a Arte Contemporânea, uma linguagem que se refere a si própria, que não sai do seu universo, que mais parece um ensaio sobre a arte, em vez de ter qualquer elo com a sociedade e com o humanismo.

A Arte Conceitual nasceu com Marcel Duchamp (1887-1968), o destruidor de todos os conceitos de Arte; em troca, criou novos conceitos, com o intuito de desmistificar a Arte, que era vista por um prisma romântico, uma inspiração dos deuses. Duchamp destruiu até a própria definição de Arte. Duas definições importantes são as de Hegel e de Heidegger. A de Hegel diz: "Arte é manifestação do espírito que o próprio espírito vem a superar" – um conceito dialético. A de Heidegger: "Arte é a projeção da verdade do ser como obra". Verdade, em Heidegger é advento, é um acontecer, um fazer-se temporal cujas figuras mundanas variam.

Duchamp, ao criar os ready-mades, o já feito, criou um produto industrial, que se tornou arte, somente por ele ter-se dele apropriado e ter-lhe dado um nome. A Arte deixava de ser uma manifestação do espírito e também não mais poderia ser a projeção da verdade do Ser. Para exemplificar, o porta-garrafas de Duchamp era em si mesmo um produto da indústria, no qual Duchamp sequer colocou a mão. Virou Arte somente porque ele o nomeou. Para Duchamp, o artista não mais poderia competir com a indústria, pois ela produzia artefatos impecáveis; assim o artista da nova era nomearia o que lhe parecia ser Arte, acumulando ainda o papel de crítico.

A Arte atual, esta que se vê na 25ª Bienal de São Paulo, possui uma linguagem que se auto-refere e é um idioma pós-Duchamp. Não há mais qualquer referência à natureza ou à realidade, mas uma discussão acerca das definições de Arte e dos seus elementos. Uma escultura discute suas dimensões e, por isso, há esculturas bidimensionais, rompendo com o volume. Até o ar que a envolve, não só faz parte dela, mas a integra. A pintura deixou de ser bidimensional para ser um ensaio sobre cores. As técnicas tradicionais, que definiam a escultura, a gravura, o desenho, a pintura deixaram de sê-lo. Uma pintura pode ser uma tela colorida de três dimensões ou um acúmulo de objetos, como na obra de Nuno Ramos, por exemplo. O observador precisa decodificar o conceito que está sendo discutido pelo artista na obra, além da própria definição de arte. Arte é tudo aquilo que você crê que seja Arte; e isso é um alívio. Nem tudo que foi exibido nesta 25ª Bienal, pois, é Arte, bem como tudo que faz parte dos acervos de museus e galerias.

Será que a Bienal já não cumpriu o seu papel de informar as novidades da Arte Contemporânea e formar opinião sobre os novos conceitos? Entrevistando Alfons Hug, ele disse que o Núcleo Histórico foi abandonado porque os centros culturais e até galerias já expõem obras dos artistas históricos. Como exemplo, citamos a pequena retrospectiva de Jesus Rafael Soto, na Dan Galeria.

A pergunta que não quer calar: será que a Bienal ainda traz novos conceitos de arte? Ou será que as galerias e os centros culturais já cumprem este papel? As Bienais dos anos 50 e 60 tinham um papel inovador, mas a partir dos anos 90, com a Internet e com as revistas especializadas on-line, o internauta pode hoje surfar nas ondas das novidades de qualquer museu ou galeria de arte. A Internet está inclusive obrigando as galerias a se tornarem mais atualizadas. Volto a Dan Galeria com a exposição de Soto, um dos papas da arte cinética venezuelana e que, outrora, esteve em diversas bienais dos anos 60. A Dan Galeria vendia somente artistas modernos e já está chegando ao pós-moderno, embora com atraso. A Brito Cimino só faz exposições de artistas conceituais e até a Nara Roesler exibe instalações em seu espaço. Mas voltemos à Bienal.

Nas salas especiais dessa 25ª Bienal pode se ver melhor os conceitos que o público desconhece. A escultura de Carlos Fajardo, dentro de um labirinto, discute o isolamento da arte, mas também é um bloco de granito deitado no chão, a nos propor que não há volume, que ela é bidimensional e que ela rompe com a escultura tradicional de ser um volume no espaço.

A Arte Conceitual é um enigma e tem a ver com a definição de como a verdade acontece na filosofia de Heidegger. "De que maneira a verdade acontece?" – pergunta Heidegger. Ele próprio responde: "um dos modos como a verdade acontece é o ser obra da obra".

Nota do Editor
Texto inédito, especialmente redigido pelo autor, para o Digestivo Cultural. Alberto Beuttenmüller é poeta, jornalista e crítico de arte (membro da AICA). Foi curador da 14ª Bienal de São Paulo e da I Bienal Latino-Americana de 1978.


Alberto Beuttenmüller
São Paulo, 10/6/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Maupassant e Flaubert de Claudia Lage
02. Perto do coração da linguagem de Claudia Lage
03. Achtung! A luta continua de Sérgio Augusto


Mais Alberto Beuttenmüller
Mais Acessados de Alberto Beuttenmüller
01. Modernismo e Modernidade - 9/9/2002
02. Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual - 16/6/2003
03. Sérgio Buarque de Holanda: o homem cordial - 29/7/2002
04. Matisse e Picasso, lado a lado - 28/10/2002
05. A Bienal e a Linguagem Contemporânea - 10/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/6/2002
13h57min
No oitavo dia desta última Bienal, um estudante de jornalismo, não sei bem como, conseguiu pregar um quadro pitando por ele mesmo numa parede da exposição. E só foi pedi-lo de volta quando, encerrado o evento, as obras estavam sendo recolhidas. Ninguém da organização percebeu a obra pirata. Ou seja: decididamente, não há qualquer diferença entre o que eu ou esse jornalista colorimos em casa do que é exposto na Bienal. A intenção do pintor amador, diga-se, foi exatamente criticar a organização da mostra. Alfons Hug deveria, se lhe restasse vergonha na cara, pedir desculpas publicamente, no mínimo, porque isso é uma palhaçada - que confirma, ainda, a palhaçada que é o evento pelo qual ele é, em parte, responsável. Mas não: disse que o cara tinha vocação para a Arte Conceitual, considerando o sucesso de sua performance. Ridículo.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
14/8/2003
02h01min
As Bienais dos anos 50 e 60 tinham um caráter inovador, conforme foi dito, e depois, na década de 90, os salões são invadidos pelas cinzentas instalações de amontoados, quinquilharias, espaços vazios de arte e poesia. Os belos salões de arquitetura impecável rendidos expõem, dão força, publicam, apoiam e vendem a falsa imagem, num bárbaro retrato da morte da beleza e da vida. Arte Moderna,que é isso? Conceito que é senão o modo de reduzir, de expremer, comprimir, sufocar o que nasceu para expandir-se levemente na dança das cores das luzes, ternas, voláteis? Ai de nós artistas de muitos sonhos, nós pintores de mil pinceladas, de almas sedentas de novos matizes. A tela era nosso espelho, clamando por um gesto original, ardente quase cantante na busca da harmonia. O que faz um artista que há 30 anos faz do pincel sua batuta, que se entrega de alma ao seu oasis vibrante, um vivo caleidoscópio onde retira o sustento do corpo, para intensa e verdadeiramente viver? Quando as Bienais vão voltar a promover e exaltar a delicadeza da Arte? Quando o anônimo poderá mostrar sua arte, adentrar os nobres salões e com dignidade e cabeça erguida, viver? Poeta, veja meus trabalhos e me diga onde é que estou errando? Meus melhores estão latejando dentro de mim, gritando para nascer. E é por eles que insisto. Um grande abraço, Adheir
[Leia outros Comentários de AdeirT.Reis]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Direito Constitucional - Coleção Oab Questões Comentadas
Gustavo Barchet
Elsevier
(2009)



Direto da Pindaíba: um Jornalista no Front
Ney Reis
Talento (niterói Rj)
(2000)



O Fundo Falso Pesquisas: a Ciência das Verdades Torcidas
Cynthia Crossen
Revan
(1996)



Gente da Madrugada
Bororó (alberto de Castro Simoens da Silva)
Guavira
(1982)



Variante - Requiem For the World 01
Iqura Sugimoto
Sampa
(2013)



Rangers Ordem dos Arqueiros Livro 2. Ponte Em Chamas
John Flanagan
Fundamento
(2009)



Dias Melhores Virão
Max Lucado
Thomas Nelson Brasil
(2006)



Menino Diamantino
Nicolas Behr
Teixeira
(2012)



Médicos de Pindamonhangaba Nascidos no Século Xix
Mateus Romeiro Neto
Nagycolor (sp)
(1987)



Exportação a Solução Global
Carlos Tavares de Oliveira
Aduaneiras
(1997)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês