Matisse e Picasso, lado a lado | Alberto Beuttenmüller

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> Relationships Matter
>>> Notas de um ignorante
>>> Alumbramento
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Rumos do cinema político brasileiro
>>> Black Sabbath 1970
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Manual prático do ódio
>>> Rhyme and reason
Mais Recentes
>>> Reaprendendo o Português [Capa Dura] de Carlos Eduardo de Bruin Cavalheiro (org.) pela Edic (2010)
>>> Revista Conexão Geraes: Seguridade Social Ampliada n6 ano 4 de Taysa Silva Santos; Soraya Magalhães Pelegrini; Matheus Thomaz da Silva pela Crssmg (2015)
>>> Revista Conexão Geraes: A Dimensão Técnico-Operativa no Serviço Social n3 ano 2 de Kênia Augusta Figueiredo; Elaine Rossetti Behring; Ana Cristina Brito Arcoverde pela Crssmg (2013)
>>> Revista Conexão Geraes: Expressões socioculturais n5 ano 3 de Carlos Montano; Cézar Henrique Maranhão; Yolanda Demétrio Guerra pela Crssmg (2014)
>>> Revista Conexão Geraes: Relatório de Gestão n8 ano 6 de Luana Braga; Rosilene Tavares; Marisaura pela Crssmg (2017)
>>> Revista Conexão Geraes:30 Horas Lei é Para Cumprir n7 ano 5 de Ivanete Boschetti; Ricardo Antunes; Marisaura dos Santos Cardoso pela Crssmg (2016)
>>> Revista Conexão Geraes: Direito à Cidade n4 ano 3 de Maria Lúcia Martinelli; Duriguetto; Joviano Mayer pela Crssmg (2014)
>>> Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial de Ministério da Saúde pela Sas (2004)
>>> Ensaios Ad Hominem 1: Tomo 3 - Política de J. Chasin pela Ad Hominem (2000)
>>> Revista Histórica de Contagem 102 Anos de Ciro Carpentieri Filho pela Fundac (2013)
>>> O Brasil Desempregado de Jorge Mattoso pela Perseu Abramo (1996)
>>> Caderno do Plano de Manejo Orgânico de Mapa pela Secretaria de Cooperativismo (2014)
>>> Manual de Arborização Capa Verde de Cemig pela Cemig
>>> Manual de Arborização de Cemig pela Cemig (1996)
>>> Mata Atlântica: Mapa da Área de Aplicação da Lei n 11.428 de Ibge pela Ibge
>>> MG Biota v. 11 n 1 de Biologia Floral; aposematismo pela Ief (2018)
>>> MG Biota v. 10 n. 2 de Anfíbios pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 1 de Germinação; Capões de Mata pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 3 de Recuperação de Áreas Degradadas pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 6 n. 1 de Cerrado; Vale do Jequitinhonha pela Ief (2017)
>>> Informe Agropecuário 244 de Áreas Degradadas pela Epamig (2008)
>>> Informe Agropecuário 285 de Déficit Hídrico pela Epamig (2015)
>>> Informe Agropecuário 287 de Agricultura Orgânica e Agroecologia pela Epamig (2015)
>>> Contos de Amor e Morte de Arthur Schnitzler; George Bernard Sperber (trad.); Wolfgang Bader (apr.) pela Companhia das Letras (1999)
>>> Um Jovem Americano de Edmund White; Augusto de Oliveira (trad.) pela Siciliano (1995)
ENSAIOS

Segunda-feira, 28/10/2002
Matisse e Picasso, lado a lado
Alberto Beuttenmüller

+ de 16300 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Tao Te King: (...) significado e palavra se harmonizam, mutuamente; diante e detrás se seguem, mutuamente; é a lei da natureza. Por isso, o sábio permanece na não-ação, pratica o ensinamento sem palavras. Lao Tse

O Grand Palais de Paris expõe - até o dia 6 de janeiro de 2003 - o diálogo pictórico entre dois artistas geniais do século XX, diálogo silencioso e provocativo entre o francês Henry Matisse (1869-1954) e o espanhol Pablo Picasso (1881-1973), dois pintores que tinham só um ponto em comum: amavam Paul Cézanne (1839-1906).

Matisse e Picasso conheceram-se através de Gertrude Stein, em 1906, talvez um pouco mais tarde. Observaram-se, estranharam-se, dialogaram de perto e de longe, detestaram-se e respeitaram-se até a morte.

Em 1906, Matisse era o reconhecido chefe dos Fauves. Picasso era ainda um novato, mas já fazia críticas ácidas, após chegar a Paris, em 1904. Os dois artistas foram rivais, odiando-se e amando-se a um só tempo. Possuíam temperamentos diametralmente opostos, como Apolo e Dionísio. Foi o encontro do sábio Matisse com o camaleão Picasso, do intelectual Matisse ante o impulsivo Picasso, do burguês conservador Matisse contra o boêmio sensual Picasso. Apesar disso, nasceu entre os dois artistas uma fraterna rivalidade.

Houve disputas amigáveis e visitas mútuas aos ateliês, daí a mostra no Grand Palais estar atraindo grande público, depois de ter sido exibida na Tate Gallery de Londres. Se ao leitor tivesse a oportunidade de ver a mostra inglesa, perceberia que a exposição inglesa foi mais didática do que a mostra francesa.

A curadora francesa Isabelle Monod-Fontaine explica: Uma exposição como esta, que pretende reproduzir um diálogo entre os dois pintores, deve ter por objetivo afiar o olhar do visitante sobre ambos os artistas. O espectador é convidado a discernir as identidades de cada um incentivar o exercício do olhar. Há, é claro, um certo confronto aqui, mas procuramos, sobretudo, incentivar o exercício do olhar, contrapondo obras aparentemente diversas em uma mesma parede. Seguindo esta lógica, pareceu-nos inoportuno discursar por meio de muitos textos nas paredes. Ao contrário, quisemos fazer o espectador trabalhar.

Sei, não. Não se deve partir de pré-conceitos. Como afiar o olho de um observador que ignora a disputa havida entre os dois pintores? Como fazer trabalhar o fruidor que entra na exposição desarmado de informações? Pelo menos o inglês desinformado, que esteve na Tate Gallery, recebeu um pequeno fascículo gratuito, junto com o seu bilhete.

Não cairei nesse erro. Em 1905, no Salão de Outono, em Paris, pintores jovens ocupavam uma sala. Eram eles: Henry Matisse, Raoul Dufy, Albert Marquet e Maurice Vlaminck. Havia na sala uma pequena estátua de Cupido ou Eros, esculpida em estilo florentino, uma contrafação de Donatello. Ao comentar o Salão de Outono, um crítico disse que Donatello se encontrava em uma verdadeira cage aux fauves (jaula de feras selvagens). Isso porque os jovens pintores usavam cores violentas, sempre em tons puros, sem misturas ou nuanças. Eram vermelhos, azuis, verdes e amarelos estridentes, de doer nos olhos. A denominação pegou, fez sucesso, universalizou-se e passou a designar os jovens atrevidos no uso das cores. Nascia o Fauvisme ou Fovismo, influenciado por Gauguin e Van Gogh.

Por isso, quando Picasso conheceu Matisse na casa da escritora norte-americana Gertrude e do colecionador Leo Stein, Matisse estava na plenitude do sucesso como Fauve, e Picasso estava às vésperas de realizar seu primeiro grande feito, o Cubismo, com o famoso quadro Les Demoiselles D'Avignon, que não eram senhoritas, mas prostitutas, e não eram de Avignon, interior da França, mas de Avignon, um bairro onde ficava o bordel.

Há um verdadeiro desafio de temas na mostra: de um lado a Lição de Piano, de Matisse; e de outro, os Três Músicos, de Picasso. Este disse certa vez que jamais alguém observou tão bem a pintura de Matisse, como eu; e ele a minha. Mais que exposição, trata-se de um confronto entre dois gênios pintores do século XX, um ensaio pictórico, em que ambos se provocam, mutuamente.

O que há na verdade é uma luta surda entre os dois pintores para tentar provar o que é mais importante na pintura: a cor (Matisse) ou a forma (Picasso). Aliás, Picasso estilhaçou a forma, quando quase a destruiu, no Cubismo Analítico, afastando-se da idéia de Cézanne que era, justamente, tornar o objeto na pintura mais nítido, nitidez esta perdida quando os impressionistas usaram a luz fugaz da natureza em suas telas, fazendo com que suas obras ficassem quase abstratas. Além disso, o Cubismo analítico foi monocromático, Picasso só usava tons cinzas; Braque apenas tons terras. O Cubismo Sintético foi à volta a Cézanne e à sua tese: "com o cone, a esfera e o cilindro posso recriar a natureza".

O Cubismo nasceu em 1907-8 com As Senhoritas de Avignon, embora haja divergências. Há quem diga que Picasso se apossou da descoberta de Georges Braque (1882-1963) e que este teria sido o verdadeiro descobridor do Cubismo.

Muitos exegetas dos dois artistas faziam comparações sem fim da rivalidade, esquecendo-se da amizade que fruía entre ambos e que os dois cultivavam; de suas disputas amigáveis, das visitas mútuas em seus ateliês, das obras que trocaram em 1907, troca que demonstra cada vez mais as diferenças de temperamentos: o Retrato de Marguerite, de Matisse, versus a Moringa, xícara e limão, de Picasso.

A relação de fraterna rivalidade insere-se em outra mostra, a do Kimbell Art Museum, em Forth Worth, Texas, que sintetizou os resultados da pesquisa do historiador da Arte Yves-Alain Bois, a quem todos devem, notadamente os curadores da mostra do Grande Palais. O resultado desta mostra é a celebração da alegria da criação e da vida, com obras de grande valor e importância, ao mesmo tempo em que discutível, pelas aproximações e ausências de comparações, ao longo de seu percurso. E para ilustrar, ao mesmo tempo, a alegria que emana dessa mostra discutível, basta o exemplo do confronto na mesma sala de A Lição de Piano e A Dança, de Matisse, contra Os três músicos e A Dança, de Picasso.

- Jamais alguém olhou tão bem para a pintura de Matisse, como eu; e ninguém olhou para a minha pintura melhor do que ele - enfatizou Picasso.

Este comentário de Picasso por si só já daria ensejo ao confronto, ora realizado. No entanto, esse tipo de exercício do olhar apresenta dificuldades. O que será olhar bem para um quadro de um pintor? Olhar o quê? Olhar para o quê? Um pintor tem um olho treinado para olhar os problemas essenciais da pintura: linha, cor, densidade, textura etc, mas isso interessa ao público? Picasso e Matisse miravam os quadros de Cézanne e entravam em êxtase, enquanto toda a Paris ria, porque Cézanne passava por cima das regras, às quais o olhar do espectador já se acostumara. A perspectiva de Cézanne derruía o olhar do fruidor, notadamente o observador que olhasse mediante as regras neoclássicas. O nosso Volpi, quase analfabeto tinha um olho inteligente, por isso chegou a ser eleito o melhor pintor brasileiro. Ele sabia olhar e perceber o que na obra dos outros lhe interessava.

De volta ao confronto entre Matisse e Picasso, seria bom lembrar que os grandes pintores não param de copiar uns aos outros. Picasso foi mestre nessa antropofagia, por sua destreza em deglutir, digerir e regurgitar quadros de seus colegas do passado. Às vezes, ele o fazia décadas depois, como parece que ele fez com Braque. Picasso plagiava até a si mesmo, mas com grande talento, sem dúvida. O confronto entre Matisse e Picasso é uma idéia e tanto; falta saber que quadros melhor se adaptariam à confrontação. Este é o cerne da questão. Por isso, toda essa questão não é para leigos, mas para quem possui o olhar que sabe.

- Picasso quebra as formas, enquanto eu sou o servente delas - disse Matisse.

- Eu acrescento, subtraio, desloco, enquanto Matisse deixa o traço vir naturalmente e a se compor sozinho e, assim, refazer o modelo - responde Picasso.

Essas frases estão nas paredes da exposição, em tons marrons, e servem para chamar a atenção do visitante para o confronto ali existente. As frases ressaltam os diferentes modos de cada um dos pintores resolver os problemas de espaço, cor, linhas, além das relações que existem, quando o pintor tenta representar a realidade à sua maneira. Este problema da representação do mundo físico é o cerne da questão, depende do psicofísico de cada qual. O percurso da exposição é quase todo cronológico, mas há exceções, e, ao mesmo tempo, é temático: naturezas mortas, retratos, nus. Os desenhos talvez sejam o ponto alto desta luta entre os dois gigantes da pintura do século XX. Estes conjuntos de desenhos estão em cada andar da exposição. Lembram-nos que, antigamente, atrás de um bom pintor havia sempre um ótimo desenhista.

Muitas dessas demonstrações são forçadas, mas valem, apesar de que algumas delas são aberrações da curadoria. Tais confrontações são perdoadas, uma vez que a intenção de fazer da fraterna rivalidade entre os dois pintores trouxe obras pouco vistas em uma mostra, como é o caso do Retrato de Madame Matisse, 1913, obra que vale ser vista e que veio do Museu de São Petersburgo.

Cronologia de encontros e desencontros
* Inverno de 1906 - encontro de Matisse com Picasso na casa de Leo e Gertrude Stein.

* Outono de 1907 - Matisse oferece o seu Retrato de Marguerite a Picasso; em troca este lhe dá o seu quadro Moringa, Xícara e Limão.

* 1907-1914 - Matisse se mantém nas próprias pesquisas com as cores, afastado do Cubismo de Picasso.

* Janeiro de 1918 -primeira mostra conjunta Matisse-Picasso, na Galeria de Paul Guillaume.

* Janeiro de 1920 - O Balé Russo apresenta no mesmo espetáculo El Sombrero de Três Picos, de Manuel De Falla, com cenários e costumes de Picasso, e O Canto do Rouxinol, de Stravinsky, com cenários e costumes de Matisse.

* 1920-1937 - Matisse mora em Nice; Picasso em Paris. Eles se encontram muito raramente, mesmo quando expõem na mesma galeria. Suas glórias crescem nos Estados Unidos e na Europa.

* 1937 - durante o verão eles se visitam mutuamente.

* Dezembro de 1945 - Expõem juntos no Victoria and Albert Museum, Londres.

* 1947-1949 - Picasso mora em Golfe Juan, mas logo se muda para Vallauris, enquanto Matisse instala-se em Vence, duas cidades do sul da França muito próximas, o que permite encontros freqüentes entre os dois pintores.

* 3 de novembro de 1954 - Matisse morre.

Nota do Editor
Texto inédito, especialmente redigido pelo autor, para o Digestivo Cultural. Alberto Beuttenmüller é poeta, jornalista e crítico de arte (membro da AICA).


Alberto Beuttenmüller
São Paulo, 28/10/2002

Mais Alberto Beuttenmüller
Mais Acessados de Alberto Beuttenmüller
01. Modernismo e Modernidade - 9/9/2002
02. Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual - 16/6/2003
03. Sérgio Buarque de Holanda: o homem cordial - 29/7/2002
04. Matisse e Picasso, lado a lado - 28/10/2002
05. A Bienal e a Linguagem Contemporânea - 10/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2002
23h21min
Tal como o famoso confronto entre Delacroix (cor) e Ingres (linha) foi o centro da guerra artística do século XIX, Matisse e Picasso, como você salientou tão bem, realizaram o confronto no século XX. Dois monstros que se respeitavam sem desrespeitarem a si próprios na sua liberdade de criar. Temos que escolher o maior. eu já fiz a minha escolha: Picasso. sem, claro, diminuir Matisse. afinal, são dois planetas maravilhosamente habitáveis. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de jardel]
4/11/2002
11h40min
Quero agradecer a oportuidade, que o Jardel me dá, de acrescentar mais algumas questões essenciais:A dificuldade em conceber uma linha e uma cor usadas como mesmo elemento provém da tradicional dicotomia entre o linear (desenho)e o pictórico(cor abudante não contida pelo desenho) estabelecido por Heinrich Wolflin, em Principles of Art History (1915). venezianos e florentinos são considerados em rígidos termos de história da arte como representantes dessas polaridades em fins do século XV. Do mesmo modo, os adeptos de Poussin versus os de Rubens, no século XVII; a ruptura entre clássicos e românticos simbolizada por Ingres e Delacroix, como bem enfatizou o Jardel, acima. Alberto Beuttenmüller.
[Leia outros Comentários de AlbertoBeuttenmüller]
15/11/2002
00h49min
Parabéns para Alberto Beuttenmüller pelo texto sobre Matisse e Picasso. Li o livro e continuo relendo pois nele temos bastante do processo de pintura dos dois grandes artistas.Que bom se nossos pintores "contemporâneos lessem seu artigo.
[Leia outros Comentários de Cleusa Arantes]
15/11/2002
09h37min
Querida Cleusa: obrigado pelos parabéns. Também creio que seria saudável para os nossos pintores estudarem esses dois mestres, mas nossos artistas acreditam que a pintura já era; preferem novos meios, novas tecnologias, porque o novo passou a ser a obsessão de toda a sociedade. Infelizmente, os nossos contemporâneos já não são pintores, mas instaladores, vidioastas, alguns vidiotas. Parabéns pelo alto grau de suas leituras. AB
[Leia outros Comentários de AlbertoBeuttenmüller]
19/11/2002
11h35min
Caro Alberto ,leí tu texto "Matisse y Picasso lado a lado". Ya conocía la historia .Pero lo que importa siempre en las historias , es la manera como está contada .Fuí cautivado nuevamente por tu narración . Cuando era niño , pedía a mis padres que repitiesen los cuentos, No era otra la intención que la de resuscitar a los personajes y comprobar en definitiva el estilo y la creatividad del narrador .La forma de narrar puede y debe llevarnos , a la esencia de la historia en cuestión .Esto ocurre con tu exelente texto. Muchas gracias ,un gran abrazo NINO
[Leia outros Comentários de Nino Patrone]
19/11/2002
12h26min
Para aqueles que não conhecem Nino Patrono,ele é um artista uruguaio, discípulo de Torres-Garcia, o grande teórico e artista, que fez parte da comunidade parisiense da Circle e Carré, revista de arte e ensaios da primeira metade do século XX. Nino dá aulas de técnica de pintura na Escola Panamericana. Grande abraço.AB
[Leia outros Comentários de AlbertoBeuttenmüller]
21/11/2002
22h46min
Interessante texto. Mas se Matisse não criou algo tão inovador quanto o cubismo, me parece que foi mais honesto ao longo da carreira, enquanto Picasso montou uma linha de produção e fez muitas coisas descartáveis.
[Leia outros Comentários de Ana Couto]
22/11/2002
09h24min
Querida Ana:conforme o título, quem inventou o Cubismo foi Céxanne, quando conceituou que podia sintetizar a natureza em três formas geométricas: o cone,a esfera e o cilindro.Picasso pegou o conceito e o aplicou, junto com Braque. A dúvida que divide os experts é: foi Braque o primeiro a aplicar o conceito de Cézanne ou foi Picasso. Quanto ao comentário de "mais honesto", não existe mais ou menos honesto; ou Picasso foi honesto ou não foi. Picasso realmente produziu demais, por isso a qualidade de sua obra é irregular, mas tecnicamente impecável, da mesma forma que Matisse; daí nasceu a rivalidade entre eles, pois ambos queriam ser os continuadores de Cézanne. Não creio que haja nada descartável na obra de Pablo Picasso, suas obras menores são superiores às maiores obras dos demais de sua geração.Lembro que o pai de Picasso,professor de pintura,largou os pincéis,quando viu uma obra do filho; e Picasso tinha apenas doze anos, na ocasião.Aconselho-a a evitar o adjetivo qualificativo "interessante",que usamos quando não sabemos como qualificar. Como dizia um dos meus velhos mestres, interessante é mulher grávida. Beijão Ana. AB
[Leia outros Comentários de AlbertoBeuttenmüller]
23/11/2002
07h31min
Eu me esqueci de um fato essencial: Matisse colocou a cor no centro do universo da pintura,ao criar o fovismo ou Fauvisme.O meu texto já estava pronto, quando Yax, meu gato digitador apagou tudo,ao passar correndo pelo meu teclado. Por isso, Ana, ambos criaram, mas as dúvidas persistirão sempre.Pouco importa quem foi o primeiro,o que nos interessa é a obra de cada qual e a rivalidade sadia que Matisse e Picasso desenvolveram.AB.
[Leia outros Comentários de AlbertoBeuttenmüller]
23/11/2002
08h09min
Professor Alberto, É um privilégio participar de seus cursos de História da Arte e também de "embarcar" em seus textos tão "redondos" e também "diretos". Matisse e Picasso, de Ive-Alain Bois e outros livros de Arte, as exposições que eu já vi desses "gênios" da Pintura, ganham uma nova dimensão através de "seu olhar" de apaixonado pela Arte, pela Vida e pelo Homem. Eu amo Cézanne, Picasso, Gauguin, Matisse, e amo também, de paixão, Van Gogh, Munch, Pollock, Anselm Kiefer,Baselitz, Antoni Tàpies, Iberê Camargo, Frida Kahlo... Quero ainda ouvir muito de você sobre todos eles e sobre a Pintura que "ainda é Arte". Digestivo Cultural já está nos meus favoritos. Um grande abraço Tania Nitrini
[Leia outros Comentários de Tania Nitrini]
29/11/2002
09h15min
Caro Alberto, te envío lo que J.Torres García opinaba sobre sus contemporáneos,Picasso y Matisse, escritos en su libro "Universalismo Constructivo". PICASSO - ..."A Picasso jamás le ha gustado ir solo, prefiere ir en compañía. Así tenemos a Picasso-Toulouse-Lautrec,Picasso PuvisdeChavannes, Picasso-Ingres,Picasso-Steinlen, Picasso-impresionista,Picasso-Cézanne, Picasso-Miró,...o salvaje de Oceanía ...o lo primero que encuentra.Pues él dice: "yo no busco encuentro..." "Pero es el caso que, al imitar, lo hacía mejor que los otros, los superaba, de ahí en gran parte su éxito"..."Pero hay que reconocer y ser justos ,que es todo un pintor y que ha contribuido y grandemente a sacar la pintura del mal camino..." "Picasso debe quedar como el punto de arranque de una nueva plástica.." (Agosto 1936). MATISSE - ..."es de un atrevimiento extraordinario. Delante del modelo hace los más soberbios arabescos juntando lo próximo a lo lejano; y, sin quitar espacio, todo diríase en un solo plano: la tela sobre la cual pinta. Levemente decorativo,siempre se detiene a tiempo. Y cuanta luz ! y cuanta sensibilidade en esa fragil pintura,y qué encanto el color, siempre en fresco tono ajustado ! . Pintor siempre pintor, enamorado de la realidad por ser pintor, su sabia habilidad lo lleva al derroche de todas las posibilidades de la paleta." (Mayo 1936)
[Leia outros Comentários de Nino Patrone]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Personalizando Produtos e Serviços: Customização Maciça
B. Joseph Pine II
makron books
(1994)



História do Brasil de Terra Ignota ao Brasil Atual
Ana Maria dos Santos
log on
(2002)



O Ócio Criativo
Domenico de Mais
sextante
(2000)



Livro - Eu Vezes Três
Alex Witchel
Arx
(2003)



Vozes na Casa
R. A. Dick
o clarim



As mentiras que os homens contam
Luis Fernando Verissimo
objetiva
(2001)



As Sombras da Vinha
Maria Carpi
Bertrand Brasil
(2005)



O Alienista
Machado de Assis
Komedi
(2009)



Alimentos Geneticamente Modificados
Abia
Abia
(2002)



Renovando Atitudes
Francisco do espírito Santo Neto
Boa Nova
(1997)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês