Modernismo e Modernidade | Alberto Beuttenmüller

busca | avançada
57128 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Universidades públicas apresentam lições aprendidas com as crises
>>> Mega evento de preparação ao ENEM reúne personalidades e conteúdo exclusivo ao público jovem
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meus melhores discos de 2008
>>> O guia do consumidor de livros
>>> Unsigned and independent
>>> Os Insones, de Tony Belloto
>>> 27 de Agosto #digestivo10anos
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Filosofia cai no gosto popular
>>> Bailes & Festas
>>> Une jeune fille normale
>>> O retorno dos que não foram
Mais Recentes
>>> Ariadne contra o Minotauro de Marie- Odile Hartmann pela Sm (2006)
>>> Física 3 – Os Fundamentos da Física – Parte II de Ramalho Nicolau Toledo pela Moderna
>>> Coleção Física Aula Por Aula – Volume 3 de Claudio Xavier & Benigno Barreto pela Ftd (2010)
>>> Coleção Física Aula Por Aula – Volume 2 de Claudio Xavier & Benigno Barreto pela Ftd (2010)
>>> Coleção Química Volume 3 - Meio ambiente, Cidadania, Tecnologia de Martha Reis pela Ftd (2010)
>>> Química 2 - Conexões com a Química – Parte 1 de Marcelo Dias Pulido pela Moderna (2015)
>>> Química na Abordagem do Cotidiano – Suplemento de Teoria e Tabelas Para Consulta de Tito & Canto pela Moderna
>>> Biologia Hoje – Volume 3 de Sérgio Linhares & Fernando Gewandsznajder pela Ática (2012)
>>> Biologia 1 de Felipe Beijamini & Tâmille Stella Anacleto pela Edebe (2013)
>>> Colombo - 100 anos no dia-a-dia da cidade do Rio de Janeiro de Betty Mattos e Alda Rosa Travassos pela Companhia Brasileira de Artes Gráficas (1994)
>>> Ápis – Ciências 5º Ano de Rogério G. Nigro pela Ática (2017)
>>> Ligamundo – Ciências 5º Ano de César da Silva Júnior, Sezar Sasson, Paulo Sérgio Bedaque Sanches, Sonelise Auxiliadora Cizoto e Débora Cristina de Assis Godoy pela Saraiva (2017)
>>> Francisco Adolfo de Varnhagen, Visconde de Porto Seguro de Renato Sêneca Fleury pela Melhoramentos
>>> Agostinho de a a z de Franklin Ferreira pela Vida (2007)
>>> Patrística - Padres Apostólicos - Vol. 1: Clemente Romano | Inácio de Antioquia | Policarpo de Esmirna | O pastor de Hermas | Carta de Barnabé | Pápias | Didaqué de Vários pela Paulus (1997)
>>> A Ferro e Fogo - Trilogia (Parte I, volume 2) de Henryk Sienkiewicz pela Record (2004)
>>> A Ferro e Fogo - Trilogia (Parte I, volume 1) de Henryk Sienkiewicz pela Record (2004)
>>> O Dilúvio - Trilogia (Parte II, volume 3) de Henryk Sienkiewicz pela Record (2005)
>>> Gestão da Produção Industrial de Moacyr Paranhas Filhos pela Ibpex (2007)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Paulus (1997)
>>> Cristologia do novo testamento de Oscar Cullmann pela Hagnos (2008)
>>> Espinosa e Vermeer imanência na filosofia e na pintura de Sara Hornäk pela Paulus (2010)
>>> O Deus pródigo de Timothy Keller pela Thomas Nelson Brasil (2016)
>>> Cristo é a questão de Wayne A. Meeks pela Paulus (2007)
>>> Eclesiastes ou Qohélet de José Vílchez Líndez pela Paulus (1999)
>>> Além da hipótese essênia a separação dos caminhos entre Qumran e o judaísmo enóquico de Gabriele Boccaccini pela Paulus (2010)
>>> Mig&Meg para datas especiais (8 músicas) Uma musiquinha para cada ocasião Livreto com letras ilustradas e partituras + CD músicas, playback. de Vários pela Arco (2006)
>>> A mentalidade primitiva de Lucien Lévy-Bruhl pela Paulus (2008)
>>> O Jesus do povo Trajetórias no cristianismo primitivo de Robin Scroggs pela Paulus (2012)
>>> De Babel a Pentecostes ensaios de Teologia inter-religiosa de Claude Geffré pela Paulus (2013)
>>> Cristo e império de Paulo aos tempos pós-coloniais de Joerg Rieger pela Paulus (2009)
>>> Matemática 2º Grau – 1º Volume de Luiz Carlos de Domênico pela Ibep
>>> Matemática Contexto & Aplicações – Volume 3 – Ensino Médio de Dante pela Ática (2012)
>>> História 3°ano Ensino Fundamental Coleção Aprendendo Sempre de J.William Vesentini - Dora Martins - Marlene Pécora pela Ática (2012)
>>> Matemática Contexto & Aplicações – Volume 2 – Ensino Médio de Dante pela Ática (2012)
>>> Os Mandarins de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (2017)
>>> Novo Praticando Matemática – Volume 1 – 5ª Série – Ensino Fundamental de Álvaro Andrini e Maria José Vasconcellos pela Brasil (2006)
>>> Revista Força Aérea Nº 21 de Diversos Autores pela Action (2000)
>>> Revista Força Aérea Nº 17 de Diversos Autores pela Action (1999)
>>> A Escola é Nossa - Matemática 5º Ano de Fábio Vieira, Jackson Ribeiro e Karina Pessôa pela Scipione (2015)
>>> Revista Força Aérea Nº 15 de Diversos Autores pela Action (1999)
>>> A nova mulher e a moral sexual de Alexandra Kolontai pela Expressão Popular (2000)
>>> Revista Força Aérea Nº 09 de Diversos Autores pela Action (1997)
>>> Revista Força Aérea Nº 04 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Criminologia de Sérgio Salomão Shecaira pela Revista dos tribunais (2014)
>>> O inferno como absoluto menos de Juan Luis Segundo pela Paulinas (1998)
>>> A Arte de Reencontrar-se de Edoardo Giusti pela Nova Fronteira (1988)
>>> Nem anjos nem demônios: Interpretações sociológicas do pentecostalismo de Alberto Antoniazze e outros pela Vozes (1994)
>>> Lampião Documentário de Ranulfo Prata pela Sebo Vermelho (2010)
>>> Palestra adicionais sobrea vida da igreja de Watchman Nee pela Fonte de vida (1985)
ENSAIOS

Segunda-feira, 9/9/2002
Modernismo e Modernidade
Alberto Beuttenmüller

+ de 43500 Acessos

O modernismo é, antes de tudo, um estilo, uma linguagem, um código, um sistema de signos com normas e unidades de significação. Ou seja, implica em uma visão de mundo. Ser moderno é estar em um tempo e espaço que promete aventura, poder, crescimento, alegria, transformação do ego e do mundo ao redor, mas, ao mesmo tempo, ameaça destruir tudo o que temos, tudo o que somos e sabemos. O que se disser aqui acerca de modernismo e modernidade vale também para o pós-modernismo e a pós-modernidade.

Antes vamos definir modernismo e modernidade. Modernismo é o fato; modernidade, a reflexão sobre o fato. Teixeira Coelho no seu livro Moderno Pós-Moderno (Iluminuras) nos lembra que Henri Lefebvre definia modernismo como a consciência que cada uma das gerações sucessivas teve de si mesma e a consciência que as épocas e os períodos tiveram de si mesmos. Teixeira Coelho crê que consciência é uma palavra forte demais e a substitui por representação, que se encaixa melhor, e por épocas e períodos entende-se um conjunto de pessoas, num certo espaço-tempo, e as relações estabelecidas entre elas. Representação é melhor porque não elimina, como o uso de consciência, o fenômeno da alienação, uma constante histórica.

"O mais comum – diz Teixeira Coelho – é que as pessoas, numa situação de alienação, se façam uma representação de suas condições de existência e das relações que com estas mantêm – representação nem sempre pertinente. De todo modo, resta saber se as épocas e os períodos se sabem realmente modernistas ou se vêem a si mesmos como modernos, apenas" (Os grifos são de T.C.).

"Sendo uma representação, o modernismo é mais uma fabricação do que uma ação. Ambas têm um ponto de partida, mas só a fabricação conta com um plano claro para a viagem e um ponto determinado de chegada". Digamos que talvez os "grandes" modernismos, os modernismos radicais, sejam uma ação; a maioria é fabricação. Neste caso pode-se abrir uma discussão na História da Arte para saber quais os movimentos modernos de ação e de fabricação. Exemplo: o Dadaísmo seria um modernismo de ação, enquanto o Cubismo seria um modernismo de fabricação. E a Pop Art seria modernismo de ação ou de fabricação?

O leitor pode fazer a sua aposta. Quanto ao nosso modernismo, que está comemorando 80 anos da Semana de Arte Moderna (1922), não há dúvida, foi um modernismo de fabricação. Os integrantes sabiam aonde queriam chegar, desde 1917, quando Anita Malfatti expôs o Expressionismo aprendido na Alemanha, e o escritor Monteiro Lobato, pintor acadêmico e domingueiro, escreveu o famoso artigo: "Paranóia ou Mistificação", publicado em O Estado de S. Paulo, destruindo a carreira da pintora paulista.

Concluindo: se o modernismo é fabricação, a ação é a modernidade. Voltamos ao ponto de partida: o modernismo é o fato, a modernidade é a reflexão sobre o fato; e, segundo Henry Lefebvre, a modernidade é a crítica ou o esboço de crítica, menos ou mais desenvolvidos; é ainda a autocrítica, quando esta existe. É uma tentativa de conhecimento. O modernismo é a certeza e não raro a arrogância do produtor, enquanto a modernidade é a interrogação, a dúvida e a reflexão. É claro que existe muita reflexão arrogante, demasiadamente certa, mas de suas dúvidas.

A modernidade é uma ação por ser um processo de descoberta; tem um ponto de partida e um programa de trabalho, mas o ponto de chegada é incerto e desconhecido. Seu trajeto não é resultante de um projeto individual de uma só pessoa, mas da somatória ocasional, por acaso, da escolha de vários e variados projetos.

Teixeira Coelho lembra que "A modernidade, sim, poderia ser a consciência que uma época tem de si mesma (e fica evidente que toda consciência é uma modernidade) – não fosse a alienação um processo social interveniente cuja finalidade é, exatamente, evitar essa consciência de si ou gerar uma consciência de si neurotizada. O moderno é, não raro, a consciência neurotizada da modernidade". Uma tal época (será a nossa?) pensa a si mesma mais como moderna do que como modernidade; possui seus modernismos e às vezes os identifica, tem consciência de sua própria existência, mas não se pensa como modernista e sim, quase sempre, neuroticamente como moderna.

O moderno é o novo e o novo não passa da consciência neurotizada da modernidade. Moderno vem do latim vulgar modernus, de modo, quer dizer recente, da mesma forma que hodierno derivado de hodie, hoje. Essa idéia de novo e sua valorização desmedida não é uma constante na história da cultura. O novo ou o original não chamava a atenção nas culturas orientais, notadamente na China. Pelo contrário. Um pintor só era considerado bom quando conseguia copiar fielmente um mestre, portanto, ser igual a um mestre. No século XVII, os pintores eram considerados bons quando pintavam à maneira de outros grandes pintores. A partir do século XIX, com a industrialização e a mercantilização exacerbada, incluindo-se a cultura e a arte, o original (ou novo) passa a ter um valor supremo, por exigência de um mercado sempre ávido em coisas novas, diferentes, que possam, exatamente por isso, gerar mais dinheiro. O mercado tem fome de novidades e a novidade é a consciência neurotizada do novo. Portanto, o moderno é a consciência neurotizada da modernidade.

Moderno e Pós-Moderno
A experiência ambiental da modernidade anula todas as fronteiras geográficas e raciais e une a espécie humana, mas de forma paradoxal, uma união sem unidade, pois despeja todos num turbilhão de permanente desintegração e mudança, de luta e contradição, de angústia e ambigüidade. Para Nietzsche, bem como para Marx, as correntes da história moderna eram irônicas e dialéticas: o ideal cristão de integridade da alma e aspiração à verdade levou a implodir o Cristianismo. O resultado foi o que Nietzsche chamou de a morte de Deus e o advento do niilismo. A humanidade moderna se vê em meio a um enorme vazio de valores, ao mesmo tempo em que se percebe cercada de imensas possibilidades. Temos progresso, mas nos falta civilização, no sentido mais amplo da palavra.

No Fausto de Goethe, o herói é levado a um impulso de desenvolvimento, mas a este desenvolvimento associa-se um custo. Ao mesmo tempo em que Fausto consegue realizar um grande empreendimento, ao expulsar os antigos moradores de uma área e criar uma nova sociedade, ele sofre um processo de esvaziamento. É como se o processo de desenvolvimento criasse uma terra arrasada no âmago do próprio herói. O desenvolvimento é colocado por Goethe como tragédia. Construir São Petersburgo implicou em um processo semelhante de destruição criativa. Para que fosse erigida em tempo recorde aquela cidade moderna, muitas vidas humanas foram perdidas. O modernismo é atraente, envolvente e dinâmico, mas traz a destruição em sua essência.

"A moderna sociedade burguesa, uma sociedade que liberou tão formidáveis meios de produção e troca é, como a feiticeira, incapaz de controlar os poderes ocultos desencadeados por seu feitiço" – escreveu Marx.

O pós-modernismo depende de um modo particular de interpretar, experimentar e ser no mundo – o que nos leva talvez ao que seja a mais problemática faceta do pós-modernismo: seus pressupostos psicológicos quanto à personalidade, à motivação e ao comportamento. Em oposição ao modernismo, no qual predomina a alienação e a paranóia, o pós-modernismo é marcado pela esquizofrenia como desordem lingüística, como ruptura na cadeia dos significados. Quando essa cadeia se rompe, temos a esquizofrenia na forma de uma reunião de significantes distintos entre si e sem relação entre si, ou sem significados.

Diferença esquemática entre modernismo e pós-modernismo
Modernismo/ Pós-Modernismo
Simbolismo/ Dadaísmo
Forma/ Antiforma
Propósito/ Jogo
Projeto/ Acaso
Hierarquia/ Anarquia
Presença/ Ausência
Centralização/ Dispersão
Paranóia/ Esquizofrenia
Seleção/ Combinação
Significado/ Significante
Metafísica/ Ironia

Nota do Editor
Texto inédito, especialmente redigido pelo autor, para o Digestivo Cultural. Alberto Beuttenmüller é poeta, jornalista e crítico de arte (membro da AICA).


Alberto Beuttenmüller
São Paulo, 9/9/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um abraço em Moacyr Scliar de José Castello
02. As noites do Cine Marachá de Antônio do Amaral Rocha
03. A Geração Paissandu de Ruy Castro


Mais Alberto Beuttenmüller
Mais Acessados de Alberto Beuttenmüller
01. Modernismo e Modernidade - 9/9/2002
02. Sérgio Buarque de Holanda: o homem cordial - 29/7/2002
03. Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual - 16/6/2003
04. Matisse e Picasso, lado a lado - 28/10/2002
05. A Bienal e a Linguagem Contemporânea - 10/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CANÇÕES DAS ÁGUAS PROFUNDAS
SELEÇÕES DOS SALMOS E O CÂNTICO DAS CRIATU
PAULINAS
(1993)
R$ 5,00



CLARICE NA CABECEIRA
CLARICE LISPECTOR
ROCCO
(2009)
R$ 35,00



CINCO DE NOVEMBRO A DATA FATAL
MAX FRANKLIN
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1976)
R$ 6,00



INSTITUIÇÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO
RUY REBELLO PINHO - AMAURI MASCARO NASCIMENTO
ATLAS
(1981)
R$ 5,00



A RELÍQUIA
EÇA DE QUEIRÓS
KLICK
(1999)
R$ 10,70



VIAGEM DE INVERNO
HELDER MACEDO
RECORD
(2000)
R$ 22,00



HISTÓRIAS DO TIO MARCIANO
ANTONIO GREGORIO GOIDANICH
NOVA PROVA
(2001)
R$ 5,00



BASIC STATISTICS FOR BUSINESS AND ECONOMICS 2 ED
LEONARD J. KAZMIER E NORVAL F. POHL
MCGRAW-HILL EDUCATION
(2015)
R$ 50,00



O PODER DA MULHER QUE ORA
STORMIE OMARTIAN
MUNDO CRISTÃO
(2010)
R$ 25,00



PORTRAIT OF THE ARTIST AS A YOUNG MAN
JAMES JOYCE
WORDSWORTH
(1992)
R$ 19,00





busca | avançada
57128 visitas/dia
2,0 milhão/mês