É a mãe! | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
>>> Uma Técnica de Viver de Leonard A. Bullen pela Pensamento (1988)
>>> Avaliação de Programas - Concepções e Práticas de Blaine R. Worthen, James R. Sanders e Jody L. Fitzpatrick pela Gente (2004)
>>> Concentração de Mouni Sadhu pela Pensamento (1984)
>>> O Melhor Livro Sobre Nada de Jerry Seinfeld pela Frente (2000)
>>> A República de Platão pela Nova Cultural (2000)
>>> Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Edição Popular (1961)
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
COLUNAS

Segunda-feira, 2/2/2009
É a mãe!
Pilar Fazito

+ de 5700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"Las putas en el poder porque con los hijos no se fué bien!" (Pichação em muro argentino)

Se tem uma coisa que eu gosto de observar, analisar e catalogar é o xingamento nas mais diversas línguas. Xingamentos, palavrões e gírias costumam falar muito sobre os hábitos de um povo. No Québec, por exemplo, termos próprios ao catolicismo são usados para xingar. Proferir um "tabernáculo" ou uma "hóstia", quando se bate o dedinho do pé na quina da parede, pode ser mais escandaloso do que profanar o túmulo da mãe. Já o Brasil segue o modelo da maioria dos países ocidentais, em que as palavras mais chulas são aquelas ligadas à genitália masculina e feminina e os xingamentos costumam designar toda a fauna. Até aí, nada de novo. O problema é quando a gente começa a usar o idioma para propagar nossas injustiças sociais sem perceber.

De todas as disciplinas da minha graduação, acho que a mais entediante foi Morfologia. Talvez pelo fato de não me apetecer muito o exercício de dissecar sinais gráficos e analisar justaposições, prefixos e sufixos. Dos quatro meses de aula, só fui me interessar pelo último, quando começamos a listar os sufixos e conjugá-los com o sentido produzido no caso de criações de palavras. Pode parecer chato, mas acaba sendo engraçado perceber, por exemplo, que o "eiro", tão usado para designar profissões, também possa ser um poderoso ingrediente pejorativo. Desse modo, "padeiro", "pedreiro" e "confeiteiro" não se confundem com "fofoqueiro", "baderneiro" ou "mensaleiro".

Ainda assim, no Brasil, as profissões menos valorizadas costumam cair na voz do povo quando o assunto é xingamento. "Palhaço" e "quenga" ― ou "puta" e suas variantes ― ganharam uma conotação tão pesada e vulgar que ofendem qualquer um e reduzem o profissional do riso e a do sexo a uma categoria mais do que desprezível. Não é irônico que uma sociedade conhecida mundialmente pelo riso e pela sexualidade seja capaz de expressar de forma tão agressiva a rejeição de seus próprios valores?

A situação parece ser pior quanto mais provinciana é a cidade. Belo Horizonte se modificou bastante nos últimos quinze anos, mas ainda não temos o hábito de ver artistas de rua para todo lado, como nos metrôs de Paris ou do Québec, ou mesmo como as intervenções culturais tão comuns em São Paulo. Ainda me lembro de um dos primeiros Festivais Internacionais de Teatro ― FIT. Havia várias atrações de teatro de rua e, pela primeira vez, apresentações desse tipo davam uma sacudida no cotidiano da capital mineira. As pessoas paravam para ver e ouvir apresentações circenses na Praça Sete e, embora eu quisesse descer do ônibus para acompanhar, estava atrasada para um compromisso. Então, fiz como os outros passageiros: pus a cabeça para fora da janela e tentei assistir a um pedacinho do número de um mágico-palhaço, enquanto o sinal estava fechado.

Mais do que pela qualidade da atração, eu me encantava com o fato de finalmente Belo Horizonte abrir as portas para esse tipo de coisa. Eu já começava a me entregar a devaneios culturais progressistas quando um transeunte estúpido passou pela rodinha de gente, sem parar, e gritou "Ô, palhaço!" A minha indignação inflou instantaneamente, como as nadadeiras de um peixe beta. Mas o sinal abriu e eu acabei levando comigo todas as dores do mágico-palhaço que talvez nem tenha ouvido o paspalhão.

"Injustiça" foi a palavra que me veio à mente naquela hora e ainda bate cá dentro. Talvez por identificação com o palhaço-mágico; e aí eu tenho que fazer uma confissão para explicar isso: meu primeiro diploma na vida foi de palhaço. É isso mesmo. Segundo a antiga cadeia de lojas Sears, que funcionou na Rua da Bahia, em Belo Horizonte ― lá pelos idos de mil-oitocentos-e-refrigerante-com-rolha ― eu sou uma palhaça diplomada. A loja sediou, certa vez, um curso de palhaço para crianças e, como eu andava muito deprimida, minha mãe achou que aquilo poderia me deixar mais alegre; ora veja... O curso durou uma semana, eu acho. Minha irmã me levava e ficava lá, me esperando, sentada.

Não, eu não me tornei uma pessoa mais alegre por causa do curso, mas ao menos refleti bastante sobre o esforço descomunal e a tarefa árdua do profissional do riso. Postar-se em frente a uma multidão de infelizes com o encargo de fazer essa gente rir é um massacre para um ego frágil. Principalmente quando o objetivo não é alcançado e as críticas e o julgamento vêm sem piedade. Acho que meu respeito e a admiração por palhaços começou ali.

Mais tarde, comecei a ler sobre o tema e fiquei ainda mais agradecida aos palhaços que povoam o mundo. Toda civilização tem o seu palhaço. Eles fazem parte da estrutura social de todos os povos, independentemente do local e do período histórico. São bobos da corte, clowns, heyokas, pierrots, arlequins, Augustos e palhaços brancos e outros tantos com a mesma função: conscientizar pelo riso. Mais do que fazer rir, eles vestem a carapuça do ridículo e se põem no lugar em que ninguém quer ficar. Assim, espelham para os outros tudo aquilo que, normalmente, não queremos ver. Eles aliviam as pressões diárias ao nos mostrar que levar tudo a sério demais pode ser uma atitude ainda mais ridícula e que rir é mesmo um bom e santo remédio em muitas situações.

Enquanto o palhaço põe a própria cabeça na lâmina da guilhotina, costumamos a tratar por "senhor", "doutor" e "excelência", muita gente que não merece o menor respeito. Todo dia assistimos a casos de corrupção e abuso de poder. Em janeiro, então, quando a sociedade está mais preocupada com o carnaval do que com o fim do mundo, é um tal de vereadores, deputados e senadores aumentarem o próprio salário na surdina e aprovarem ajuda de custo ― como se precisassem delas ― que deixa em pé os cabelos de qualquer palhaço que os tenha. Ainda assim, nunca vi ninguém xingar na rua "ô, deputado corrupto!" ou "senadorzinho interesseiro de uma figa!". Nunca ouvi ninguém passar e gritar "Deixa de ser vereador, cara! Vai trabalhar!".

A inversão de valores que atinge o idioma reflete aquilo que fazemos no dia a dia. Por exemplo, depois de todas as investigações e manchetes de jornal, o ex-diretor da ABIN, Paulo Lacerda, afinal, foi demitido, promovido ou estrategicamente enviado ao ostracismo? Como o banqueiro Daniel Dantas, mesmo com todas as provas de lavagem de dinheiro escancarada em seus extratos bancários, pode ser considerado vítima de uma suposta armação? E por que a mídia insiste em fazer ouvidos moucos às investigações e bater na mesma tecla da transcrição de uma fita nunca vista e um grampo nunca provado contra um ministro do STF?

Se as coisas no Brasil fossem questionadas e os fatos viessem às claras, talvez fôssemos mais coerentes quanto ao uso da língua. Quem sabe não ouviríamos um "mensaleirinho fajuto", vez por outra. Ou um "ministro babaca". Ou ainda um "vá ser banqueiro bandido lá no banco que o pariu".

A gente lê jornal, tenta acompanhar o que acontece e percebe que palhaços e putas são os seres mais nobres em toda essa engrenagem social. Quem sabe da próxima vez que ouvir alguém gritar "ô, palhaço", eu consiga revidar a tempo, com um "muito obrigado!".


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 2/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
02. Filmes on-line de Rafael Fernandes
03. Machado sem corte de Guga Schultze
04. Vidas Secas e o nosso atraso histórico de Márcio Salgues
05. Eu, eu mesmo e idem de Bruno Garschagen


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/1/2009
01h22min
Bacana demais, Pilar!!
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
7/2/2009
11h15min
Texto excelente! Diverte, instrui e conscientiza o leitor. Parabéns, Pilar!
[Leia outros Comentários de simone]
18/2/2009
13h54min
Ô Pilar, que gostoso esse convite para "pensar a língua"! Quanta coisa aprendemos sobre nós mesmos e a sociedade em que vivemos (e cujas regras muitas vezes reproduzimos...). Parabéns!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
19/2/2009
16h26min
Você citou o provincianismo de Belo Horizonte, a cidade ainda parece imersa numa autossuficiência e uma sensação de ser a capital cultural do país. Só falta reabrir o aerporto de La Pampouille. É neste clima que convive uma certa riqueza cultural com uma falta de preparo, que resultam em algo que vi lá anos atrás: uma peça baseada em Fassbinder virar comédia, só porque era estrelada por Fernanda Montenegro e repleta de palavrões.
[Leia outros Comentários de Renato]
3/5/2009
01h58min
Como me identifiquei com este texto! É isso aí, Pilar.
[Leia outros Comentários de Dalila ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TRABALHO EM SAÚDE - ABORDAGEM QUANTITATIVAS E QUALITATIVAS
CELIA REGINA PIERANTONI E OUTROS (ORGS)
CEPESC; IMSUERJ
(2011)
R$ 19,82



MANGÁ OF THE DEAD
TERADA KATSUYA, HITOSHI KINO
JBC
(2013)
R$ 29,00



O PEQUENO PRINCIPE
ANTOINE DE SAINT-EXUPERY.
AGIR
R$ 14,00



MULHERES DE MÉDICOS
FRANK G. SLAUGHTER
NOVA CULTURA
(1985)
R$ 5,00



MICROECONOMIA
DONALD S WATSON E MARY A HOLMAN
SARAIVA
(1979)
R$ 5,00



AMAR SE APRENDE AMANDO
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1986)
R$ 8,00



IORA DI LETTURA - VOLUME 2
NÃO CONSTA
EDB
(1976)
R$ 49,16



INTERESSES CRIADOS / ROSAS DE OUTONO - NOBEL 1922
JACINTO BENAVENTE
DELTA
(1963)
R$ 10,00



TEORIA E PRÁTICA DOS TÍTULOS DE CRÉDITO
AMADOR PAES DE ALMEIDA
SARAIVA
(1999)
R$ 9,00



COMO GANHAR SEUS QUERIDOS PARA CRISTO
DON WILKERSON
BETÂNIA
(1979)
R$ 6,90





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês