Leis de incentivo e a publicação independente | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> A Mulher Carioca aos 22 Anos de João de Minas pela Dantes (rj) (1999)
>>> O Poder Constituinte 3ª Edição de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1999)
>>> Questões Comentadas de Direito Ambiental de Terence Trennepohl e Natascha Trennepohl pela Juspodivm (2008)
>>> Máximo de Mínimos: Poesia Reunida de Elcio Fonseca pela Autor (2004)
>>> Acidente de Trabalho e Moléstias Profissionais de J R Feijó Coimbra pela Edições Trabalhistas (rj)
>>> O Direito e os Advogados nos Eua de Erwin N. Griswold pela Forense (rj) (1967)
>>> Crise e Escritura : uma Leitura de Clarice Lispector e Vergílio de Ivo Lucchesi pela Forense Universitária (1987)
>>> Denunciação da Lide no Direito Processual Civil Brasileiro de Sydney Sanches pela Revista dos Tribunais (sp) (1984)
>>> Estados Unidos - Textos Acadêmicos de Fundação Alexandre de Gusmão pela Fundação Alexandre de Gusmão (2008)
>>> Depositário Judicial de Edilton Meireles pela Lejus (1999)
>>> Crimes Contra a Honra de Marcelo Fortes Barbosa pela Malheiros (1995)
>>> Pragmática da Violência: o Nordeste na Mídia Brasileira de Daniel do Nascimento e Silva pela 7 Letras e Faperj (rj) (2012)
>>> Coisas de Menino (edição 2009) de Eliane Ganem pela José Olympio (2010)
>>> Processo Tributário 2ª Edição de Paulo Cesar Conrado pela Quartier Latin (2007)
>>> Capitalismo e Força de Trabalho de Seminário Ufbahia - 1983 pela Ufba (1983)
>>> Lart Medieval: Histoire de Lart de Elie Faure pela Livre de Poche (1964)
>>> A Cpi Municipal - 4ª Edição de Jose Nilo de Castro pela Del Rey Books (2000)
>>> Educação para o Século XXI de Jorge Cardelli, Miguel Duhalde e Laura Maffei pela Instituto Polis (sp) (2003)
>>> Fundamentos Filosóficos de La Clinica Homeopática de Dra Maria Clara Bandoel pela Albatros Ediciones (1986)
>>> Pensando o Espaço e o Território na Metrópole do Rio de Janeiro de Antonio de Ponte Jardim pela Autor (rj) (2007)
>>> A Politica Positiva e Seus Commentadores de Alfredo Severo pela Jornal do Commercio (rj) (1941)
>>> Portugal no Presente de Joaquim José Freire Lagreca pela Indústria Gráfica (1975)
>>> Time Out Amsterdam de Time Out pela Time Out (1995)
>>> Enciclopédia Estudo: 1500 Palavras Quarta Edição de Américo Areal (edição Portuguesa) pela Asa (1989)
>>> Revista de Filosofia Nº117 Jan Junho de 2008 de Ufmg pela Ufmg (2008)
>>> El Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Plaza e Janes (1984)
>>> Superdotados & Psicomotricidade de Rosa M. Prista pela Vozes (petrópolis, Rj) (1993)
>>> Ensino a Distância: Módulo 2 - Questões e Exercícios Navegação de Ministério da Marinha, Diretoria de Portos pela Dir de Portos e Costa (mm) (1996)
>>> Del Libro y Su Historia de Gaston Litton pela Bowker (buenos Aires, Argentin (1971)
>>> A Outra Face do Coronel de Antônio José do Couto Soares pela Bagaço (2001)
>>> The New Nineteenth-century European Paintings And de Gary Tinterow, Susan Alyson e Barbara Burn (comp.) pela Metropolitam Museum (n. Y.) (1993)
>>> O Advogado Perante a Previdência e a Assistência Social no Brasil de Francisco Costa Netto (dedicatória) pela Casa do Advogado (1976)
>>> Windsurf: Prancha À Vela de Jean-luc Marty pela Ediouro (tecnoprint - Rj) (1982)
>>> Ii Simpósio Nacional Sobre Aterosclerose Coronária de J. Eduardo M. R. Sousa (editor); Lylian Vasco pela Ayesrst Sp) (1973)
>>> Paraísos Fiscais (capa Dura) de Alexis Cavicchini (editor) pela Tama (sp)
>>> Português sem Segredos de Miriam Margarida Grisolia e Renata C Shorgia pela Madras (2004)
>>> Ministério Público: Provas e Concursos de Glauber Tatagiba (org) pela Del Rey (belo Horizonte) (2004)
>>> O Dicionário do Futuro: as Tendências e Expressões Que Definirão de Faith Popcorn e Adam Hanft pela Campus (2002)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 1 de Câmara dos Deputados pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 8 de Câmara dos Deputados (vol 8) pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Eduquer En Seduquant de Louis Evely pela Presto Print (bruxelas)
>>> Londres: Citypack Guia + Plano de Louise Nicholson; El País pela El País (2011)
>>> Abraham Lincoln: the War Years (1864-1865) Vol 3 de Carl Sandburg pela A Laurel (1963)
>>> Pour et Contre Saussure: Vers Une Linguistique Sociale de Louis Jean Calvet pela Petite Bibliotheque (1975)
>>> Court Serpent de Bernard Du Boucheron pela Gallimard Blanche (2004)
>>> Padrão de Balanços de Carlos Sanmartin e Solano Carlos Sanmartin pela Autor (rj) (1974)
>>> La Bourse des Valeurs et les Opérations de Bourse de Gaston Défossé e Yves Flornoy (12 Edition) pela Presses Universitaires (paris) (1984)
>>> La Otan... a Lo Claro 2ª Edicion de Luís Otero (elaboracion) pela Editorial Popular (madri) (1981)
>>> Perfect Phrases For Motivating and Rewarding Employees Second Ed de Harriet Diamond, Linda Eve Diamond pela Mcgraw-hill Education (2010)
>>> Eficácia das Normas Constitucionais Sobre Justiça Social de Celso Antônio Bandeira de Mello (relator) pela Conferência Nacional Oab (1982)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/1/2009
Leis de incentivo e a publicação independente
Pilar Fazito

+ de 12400 Acessos

"Todo aspirante a escritor deveria frequentar sebos para ver o que a poeira e os ácaros fazem com a gente." (Marçal Aquino)

Saem os milicos, entra a transição via Sarney, "fora Collor", Itamar, FHC e Lula. Ufa! Noves fora, se contarmos os 20 anos de ditadura e os 30 seguintes de democracia, a verdade é que nunca estivemos tão bem em termos de incentivo à produção cultural como agora ― o cinema que o diga, com os seus mais de 180 festivais anuais pelo país e a crescente produção de filmes nacionais. E se essa crise econômica não estragar tudo, cinema, literatura, música, artes plásticas e até mesmo categorias híbridas continuarão a se beneficiar das leis de incentivo que, se por um lado estimulam a produção, por outro ainda não resolvem o eterno gargalo da distribuição. Somadas as polêmicas em torno dos critérios de seleção dos projetos, o que é para ser considerado uma ajuda para toda a classe artística acaba virando motivo de disputa e acomodação.

Num ponto, pelo menos, todos concordam: as leis de incentivo não são o ideal, mas ao menos já são alguma coisa. E o que seria o ideal? Independentemente da área cultural, o melhor seria que o artista tivesse meios de sustentar a própria produção, garantir a distribuição e ter lucro com a venda de seus trabalhos, sem depender de mesada, financiamento, donativos ou esmola do governo e de quem quer que seja. A esta idéia, dá-se o nome de "indústria cultural" e, como qualquer indústria, o artista se auto-sustentaria com o seu trabalho. Mas aí começam os problemas e as discussões. Em geral, muitos artistas têm urticária só de ouvir o termo "indústria", como se isso significasse a pasteurização e a produção em massa de sua arte. A finalidade comercial prevaleceria, descaracterizando o espaço autoral, as inovações artísticas, os manifestos ideológicos etc. Logo, sua arte perderia o caráter exclusivo e, consequentemente, deixaria de ser arte.

Por outro lado, não é possível viver exclusivamente de arte sem pensar no seu escoamento e na sua comercialização. Exceto quando alguém ― ou alguma herança ― se dispõe a financiá-la e, nesse caso, o financiador recebe o nome de mecenas. A história está cheia deles, como no caso do Rei Luís XIV, sem o qual Molière talvez não entrasse para a história.

O conceito de indústria cultural é bem recente e, claro, surgiu nos Estados Unidos, onde tudo virava business até o dia em que o presidente Bush quase levou uma sapatada iraquiana. Bem antes disso, arte e mecenato eram conceitos siameses, o que não quer dizer que artistas não pudessem vender seus trabalhos para pagar as contas. Balzac, por exemplo, escrevia sob encomenda para um editor, garantindo, assim, o pagamento das contas do bar que freqüentava. É bem verdade que ele era um boêmio muito enrolado, atrasava a entrega dos livros e dizia que estava terminando a obra quando ainda não havia sequer começado a escrevê-la. Em seguida, tirava o atraso e escrevia direto, durante mais de quinze horas por dia, movido a xícaras e mais xícaras de café. Lambão desse jeito, o escritor conseguiu criar a Comédia Humana, universo literário composto por 88 romances, cada um melhor do que o outro. Diga lá...

Balzac não era nobre e escrevia por necessidade, diferentemente de Montaigne, que podia se dedicar aos seus ensaios do alto da torre de seu castelo. Temos aí dois retratos de algo que não mudou nada ao longo do tempo: a arte sob demanda e a arte pela arte. Em outros termos: os primórdios de uma indústria cultural e o mecenato. A diferença da França de outrora para o Brasil de agora é a institucionalização do mecenato, que, apesar de apregoar o "incentivo" à formação de uma indústria cultural, pouco tem feito nesse sentido: em vez de estimular a auto-sustentação de empresas e artistas, tem mais é contribuído para a acomodação de muitos setores.

Antes de receber pedrada, explico melhor o ponto de vista. A grosso modo, atualmente estão em vigor duas formas de incentivo que os governos federal, estadual e municipal disponibilizam para a área da cultura no Brasil. Na primeira, o projeto cultural recebe o dinheiro de um fundo próprio e, nesse caso, o artista embolsa o financiamento diretamente do governo. No segundo caso, o governo autoriza uma quantia determinada para a renúncia fiscal de empresas em troca do financiamento do projeto do artista. Essa modalidade recebe o nome de Incentivo Fiscal e é como se em vez de a empresa pagar R$ 10 mil de impostos ao governo, investisse esse dinheiro em projetos culturais.

A prestação de contas é indispensável em ambos os casos, mas o fundo dispensa a fase de captação, ao contrário do incentivo fiscal. Ou seja, como o dinheiro do fundo é previamente determinado, se a comissão da lei aprovar R$ 10 mil para um projeto que requer a publicação de um livro, por exemplo, ele receberá os R$ 10 mil que já existem nos cofres do governo. Se esse mesmo projeto for aprovado na modalidade de incentivo fiscal, o dono do projeto tem um prazo para fazer a captação: correr atrás de uma empresa que tope dar de cara os R$ 10 mil, ou correr atrás de várias que dêem R$ 10,00 cada, na esperança que de grão em grão a galinha encha o papo.

O teto da modalidade de incentivo fiscal é maior e, portanto, a única opção para projetos vultosos. Ainda assim, muitas peças de teatro, publicações de livros e outros projetos que prevêem duração, produção e público menores são aprovadas dessa forma. O desafio, para eles, é exatamente a captação de verba, já que concorrem com eventos grandes e consagrados, que tendem a dar maior visibilidade às marcas das empresas patrocinadoras. Convencer uma empresa a financiar eventos menores vai depender mais de relações pessoais e da contrapartida que o projeto dará em termos de publicidade do que da qualidade da proposta. Por mais que o artista anônimo seja talentoso, se ele encontrar um ator global no corredor da empresa, já sabe que perdeu o páreo e é melhor pedir R$ 10,00 na papelaria da esquina.

Essa frustração causa uma polêmica enorme no meio cultural: entidades famosas e consagradas deveriam/poderiam pleitear o incentivo? Ou ele deveria ser restrito a quem não tem eira nem beira?

No que concerne ao uso de leis de incentivo para publicações literárias independentes, o problema é outro e tem a ver com a falta de bom senso de muito candidato a escritor. É claro que os critérios de seleção dependem da qualidade do material a ser publicado e, por isso, nem preciso dizer o quão absurdo são os projetos que não enviam o texto para apreciação, mesmo que a exigência venha expressa no edital. Entretanto, o mais grave é que os proponentes desses projetos geralmente têm dificuldade em distinguir as etapas de uma produção literária e sua adequação aos editais. Eles entram com a proposta de publicação e requerem, por exemplo, remuneração pela escrita do livro, algo que já foi feito e que ninguém pediu que eles o fizessem.

Nesse sentido, é preciso deixar claro que o dinheiro público só "remunera" um autor pela escrita de um livro por meio de prêmios de residência artística, concursos e bolsas literárias. Já as leis de incentivo (fundo e incentivo fiscal) não se prestam a isso por uma simples razão: elas não financiam escrita de livros, nem contratam escritores. Elas empenham a função de mecenato e dão apoio para o autor publicar o próprio livro, mas não encomendam um texto ― caso isso acontecesse, estariam livres para estabelecer temas e interferir na obra. Por isso, além de não fazer sentido, chega a configurar abuso do dinheiro público quando um autor enfia na planilha orçamentária de seu projeto o item "remuneração do autor".

Se pararmos para pensar, o escritor que tem seu projeto aprovado por uma lei de incentivo ― qualquer que seja a modalidade ― teve liberdade para escrever o que quis e não arcará com os custos de edição, editoração e publicação ― cujos gastos são cobertos pelo programa. Além disso, continuará sendo o único detentor dos direitos autorais sobre a obra e, ainda por cima, ficará com o lucro sobre a venda dos livros. Geralmente, a contrapartida devida aos órgãos de cultura do governo restringe à doação de 5% a 10% dos livros para bibliotecas, escolas etc. e a presença de uma logomarca na capa, indicando o fomento; quase nada, se comparado às porcentagens de uma editora.

A vantagem de se publicar através de grandes editoras é que o autor não tem que se preocupar com a distribuição de seus livros, já que a tarefa está incluída na alta porcentagem que elas abocanham nos contratos. Mas as editoras não se interessam por autores considerados "desconhecidos", alegando a dificuldade de escoamento da produção e, consequentemente, a perda de lucro.

Se as editoras já reclamam disso, imagine quando a publicação é feita de forma independente e o autor tem que se virar sozinho para distribuir seus livros. Muito frequentemente, os autores que recorrem às leis simplesmente ignoram essa etapa e não planejam como será feita a distribuição. Por isso, chega a ser ridícula a proposta de uma tiragem de mil a 3 mil exemplares, por exemplo. Mesmo que o escritor tenha outros livros publicados, esse número é exagerado. Se se trata de sua primeira publicação, é insano.

Sem um esquema de distribuição profissional, com base na promoção da imagem do autor e da obra não apenas em âmbito local, mas nacional, o mais certo é que daqui a três anos os volumes continuem encalhados na casa do escritor, servindo de calço para a geladeira. E mesmo que ele tenha 3 mil amigos no Orkut, se conseguir que 50 comprem seus livros será muito. Com tanto livro sobrando, o autor incauto começa a distribuir "prá galera", só para se livrar da quantidade de papel.

O resultado dessa falta de planejamento é a falta de lucro com a venda do livro, desperdício de dinheiro público e incentivo nulo para a cultura, já que o produto foi despejado no mercado feito lixo, sem gerar recursos que garantissem a auto-suficiência do autor. Se ele diminuísse a tiragem para um número mais real, teria mais facilidade em conseguir vender os volumes e, com o lucro, poderia financiar a publicação de seu livro seguinte, sem haver necessidade de recorrer novamente à lei de incentivo. Neste caso, as leis estariam trabalhando em prol da construção de uma indústria cultural e, aí sim, estaríamos falando de incentivo: ensinar a pescar em vez de dar o peixe.

Por fim, leis de incentivo também não deveriam financiar reedições. Quando há grande demanda por uma reedição, é mais fácil haver o interesse das editoras e, portanto, a lei de incentivo torna-se desnecessária. E se não há demanda, há ainda menos necessidade de desperdiçar grana para entulhar sebos com mais papel ignorado e ácaros.

Obviamente, cada área artística é um caso e a discussão não termina aqui. Ainda bem, porque precisamos mesmo refletir sobre formas melhores de garantir que o dinheiro público ― meu, seu e de todos nós ― gere possibilidades, em vez de ser disputado a tapa, gasto sem critérios e evaporar por iniciativas e caprichos pessoais.

As leis de incentivo ainda são o que temos de melhor para a área cultural, mas quem lida com elas sabe exatamente os nós que precisam ser desatados. E essa tarefa não depende apenas do governo, mas também do comprometimento de quem se serve dessas leis e das empresas, que deveriam mesmo incentivar a cultura, em vez de usar a renúncia fiscal como moeda de troca para publicidade. Mas isso já é material para um outro quiproquó ― agora, sem trema.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 5/1/2009


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
04. @mores bizarros - 6/4/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS VOL 6
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



DESMUNDO
ANA MIRANDA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2017)
R$ 26,90



SITUAÇÃO VACINAL DOS TRABALHADORES DA SAÚDE NUM MUNICÍPIO DO INTERIOR
JOSÉ MILTON DE SENA FILHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ETNOGRAFIA VIRTUAL DOS ÍNDIOS PANKARARU NO SERTÃO PERNAMBUCANO
RICARDO BITENCOURT UND JURACY MARQUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LUXAÇÃO CONGÊNITA DO QUADRIL EM CAMPO GRANDE/MS
AURELIO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 153,00



RECENT PAINTINGS
STEVEN CAMPBELL
RIVA YARES GALLERY
(1989)
R$ 30,00



DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DE COMPRESSIBILIDADE DO SOLO
JERFSON LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CONTROLE ATIVO DE ESTRUTURAS COMPOSTAS INTELIGENTES COM INCERTEZAS
THALES RENATO BERTOLAZZO TREVILATO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FELIZ ANO VELHO
MARCELO RUBENS PAIVA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 10,00



LES PIERRES PRECIEUSES
HENRI JEAN SCHUBNEL
PUF
(1968)
R$ 22,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês