Anzol de pescar infernos, de Ana Elisa Ribeiro | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Folhetim
>>> A discreta crise criativa das novelas brasileiras
>>> Um post sem graça
>>> Política em perguntas
>>> Os Estertores da Razão
>>> Encontro com Marina Silva
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
Mais Recentes
>>> Os Dez Mandamentos. Princípios Divinos Para Melhor Seus Relacionamentos. de Loron Wade pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Esperança Para A Família. O Caminho Para Um Final Feliz de Willie E Elaine Oliver - Alejandro Bullón pela Casa Publicadora Brasileira (2018)
>>> Viva Com Esperança. Segredos para ter saúde e qualidade de vida. de Mark Finley - Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> Esperança Para Viver. O VERDADEIRO CAMINHO DA FELICIDADE. de Ellen G. White. pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Esperança Viva. Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora Brasileira (2016)
>>> Cascão 360 - Outubro/2000 - Uma Folha De Jornal, Mil Idéias na cabeça de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Chico Bento 354 - Agosto/2000 - O Fenômeno de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Magali 185 - Julho/1996 - Gato De Guarda - Editora Globo de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Ed & Lorraine Warren Lugar sombrio de Carmen Reed e AL snedeker & Ray Garton pela Darkside (2021)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> A cabana de William P. Young pela Sextante (2008)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta (2014)
>>> Eram os Deus Astronautas? de Erich von Daniken pela Edições Melhoramentos (1977)
>>> Pequena Filocalia - O Livro Clássico da Igreja Oriental de Vários Autores pela Paulus (1985)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> Búfalo - Zodíaco Chinês de Catherine Aubier pela Pensamento (1982)
>>> Sociologia e Sociedade - Leituras de introdução á Sociologia. de José de Souza Martins pela Livros Tecnicos (1977)
>>> Luz Emergente - A Jornada da Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (1993)
>>> Os homens dos Pés Redondos de Antônio Torres pela Francisco Alves (1973)
>>> Maça Profana de Wellington Soares pela The Books (2003)
>>> Teologia do Novo Testamento de George Eldon Laad pela Juerp (1985)
>>> Colette - Uma Biografia de Allan Massie pela Casa Maria (1989)
>>> Enigmas Bíblicos Revelados de Ernesto Barón pela Ceg (1998)
>>> Salvador de Sá e aluta pelo Brasil e Angola 1602-1686 Vol. 353 de C. R. boxer pela Ed. da usp (1973)
>>> Relações da Psicanálise com analistas, instituições e pacientes de David Zimmermann pela Artes Médicas (1988)
>>> Os Africanos no Brasil Vol. 9 de Nina Rodrigues pela Companhia Ed. Nacional (1997)
>>> Na Colméia do inferno - 1ª coleção veredas de Pedro Bandeira pela Moderna (1991)
>>> Os libertos: sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX de Pierre verger pela Corrupio (1992)
>>> Ao passar das caravanas ciganas de Valéria Sanchez Silva Contrucci pela Zenda (1995)
>>> O Jesus Histórico de Otto Borchert pela Sociedade religiosa edições vida nova (1985)
>>> Contra a Maré: Watchman Nee de Angus Kinnear pela Clc (1989)
>>> Encontro Com a Morte de Agatha Christie pela Record (1987)
>>> Por uma sociologia do protestantismo brasileiro de Vários autores pela Umesp (2000)
>>> Liberdade e Exclusivismo: ensaios sobre os batistas ingleses de Zaqueu Moreira de Oliveira pela STBNB edições (1997)
>>> Teologia Oriental: A identidade das igrejas orientais católicas no Codex Canonum Ecclesiarum Orientalum Vol. III de Thodoro Corrêa de Oliveira pela Gráfica (2009)
>>> Introdução ao estudo do novo testamento de Broadus David Hale pela Juerp (1985)
>>> Aquinas - Selected Philosophical Writings de Tomás De Aquino pela Oxford University Press (1993)
>>> Histórias Com Gente Dentro de Guaracy Pinto pela do Autor (2011)
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/12/2013
Anzol de pescar infernos, de Ana Elisa Ribeiro
Wellington Machado

+ de 5000 Acessos

É sempre difícil lidar com o que nos foge ao previsível. Tendemos a ignorar ou não calcular as coincidências e as intempéries, o outro lado da moeda. Insistimos em não aceitar que, como as nossas digitais, somos únicos. É um erro trilhar caminhos baseados em exemplos bem-sucedidos que se apresentam à nossa curta visão. No caso das relações afetivas, por exemplo, presenciamos vários casos em nosso meio de relações que duram anos; outras, se arrefecem em meses. Dois aspectos têm de coincidir nessa equação: achar um par ideal e construir com ele uma relação duradoura. Certamente não há nada muito previsível nessa busca.

Eu não tenho alma de corrimão / Eu sou mais do elo, da liga e do laço. O axioma íntimo é a tônica do mais recente livro de poemas Anzol de pescar infernos (Ed. Patuá), de Ana Elisa Ribeiro. A busca incessante desses "elo/liga/laço" a que se refere a autora diz respeito, em grande parte, às relações afetivas e suas implicações - humanamente complexas, como sabemos. AnaE (espécie de ideograma carinhosamente cunhado por Joca Reiners Terron, na apresentação do livro) não romantiza. Ela encara essa busca como uma viagem de Ulisses, mas sem dar muita chance à longa espera de Penélope.

A reflexão acerca das relações afetivas é tema constante nas obras de Ana Elisa (Poesinha [1997], Perversa [2002] e Fresta por onde olhar [2008]). Encontros e desencontros, decepções, promessas não concretizadas, acasos que viraram casos. Um possível amor intenso impossibilitado pela incoincidência de interstícios: o momento em que um estava disponível, o outro estava comprometido, e vice-versa (Se chego antes / te pego com respeitos demais / se chego atrasada / te pego casado e pai). As experiências narradas em Anzol..., sejam elas autobiográficas ou externas, dizem respeito a todos nós.

Ao contrário do que muitos possam pensar, não é demérito algum alicerçar uma obra poética na análise dos relacionamentos humanos - mesmo em tempos de extrema fartura de informações. Escrever, refletir poeticamente sobre afetividade é, ao contrário, um ato de coragem. Em Anzol..., AnaE vale-se de um discurso desvelado, sem rodeios e certeiro, surpreendendo o leitor ao desvendar-lhe uma realidade tão próxima e evidente, mas muitas vezes autoneglicenciada. A tentativa de entender e lidar com as idiossincrasias - próprias ou alheias - que determinam o sucesso ou a falibilidade de uma relação, é uma busca que gravita a temática dos poemas - toda a obra da poeta parece estar marcada por essa procura.

A ideia de que tudo já está posto, que os parceiros já se conhecem de forma dissecada é uma falácia. A iminência daquele momento culminante do "vamos discutir a relação" é um fantasma incômodo e atemporal que assombra a todos. Muda o mundo, mudam as relações. À contemporaneidade não caberia uma reflexão sobre a tensão entre a descartabilidade do outro e a tentativa de estabelecer um elo/liga/laço, a que se refere Ana Elisa?

O pensamento acerca da união entre pessoas é secular. No diálogo platônico O Banquete, o tema é discutido na roda de filósofos beberrões. Cabe a Aristófanes discursar sobre a origem do amor e do casamento. Segundo a história narrada pelo filósofo, não havia antes a divisão masculino-feminino, cada um possuía ambos os sexos. Marido e mulher constituíam um único ser, perfeito e harmônico. Diante dessa perfeição, eles eram tão "cheios de si", tão autossuficientes que o poder subiu-lhes à cabeça e eles se rebelaram contra os deuses. Como punição, Júpiter separou-os, criando então dois seres imperfeitos. Como mantiveram a lembrança de quando eram perfeitos, eles vivem tentando se unir novamente. Mas muitas vezes não ocorre a coincidência das suas imperfeições, motivo pelo qual procuramos avidamente a nossa metade ideal - com os sucessos e decepções que conhecemos bem. Eis a origem dos nossos infortúnios.

A obra de Ana Elisa Ribeiro aborda justamente esse conflito. Mas não de forma doutrinária. Pelo contrário, a escritora apresenta um antimanual, convidando-nos à reflexão, ante a complexidade e ambivalência das nossas relações afetivas, na nossa busca do outro.

No caso de Anzol de pescar infernos, os poemas estão distribuídos de forma assistemática. (...) é meio assim como soltar um buquê de balões de hélio no ar, avisa AnaE na apresentação do livro, deixando ao bel sabor dos leitores a tarefa da experimentação estética. Analogamente, é como iniciar um jogo de varetas, lançando-as num movimento como se jogássemos milho às galinhas. Mas não falo dessas varetas sintéticas, modernas, de plástico, flexíveis; refiro-me àquelas varetas antigas, de madeira, que desbotavam com o manuseio ou se molhadas. Varetas que se quebravam com facilidade e sobre cujas lascas aplicávamos fita adesiva, toscamente. Em Anzol..., o campo das afetividades está repleto de varetas desbotadas e coloridas. Apesar da assimetria na distribuição dos poemas, calhou de as desbotadas ficarem mais na primeira parte do livro; as coloridas, na segunda, como uma calda de chocolate, finalizando uma taça de sorvete.

No campo das varetas desbotadas, estão alguns abismos, desencantos (Tão ruins quanto as promessas / são as esperas), reflexões sobre o amor ([...] essa coisa tosca e desafinada); relações que se foram por um átimo; um acerto de contas com personagens sem caráter, que fissuram nossas vidas com hiatos incorrigíveis; ruminações indigestas (por onde anda aquela sua lima de alisar meninas?). Tudo isso é colocado por Ana Elisa em seus devidos escaninhos, sem rancor, mas com um certo deboche. Mas, na segunda parte de Anzol..., encontramos algumas varetas coloridas, frestas possíveis (temperatura e meu eixo / na medida do seu beijo), metáforas cirúrgicas (assina aqui nestas linhas da minha mão..), contingências felizes; jardins cujas flores se renovam, por que não, em flores melhores (Só porque eu já tinha desistido me aparece - sem alarde - um amor de olho verde).

Mas o tema da afetividade não é o único pilar em Anzol.... Esse jogo de varetas é muito mais diverso e colorido. Alguns poemas são dedicados ao(s) filho(s), à condição existencial de (ser) mãe, sobre a dificuldade em criá-los. Desde que engravidei / venho planejando não ter mais filhos / Porque filhos dão trabalho e são caros (...) são herdeiros de quê? (...) são uma sina e uma saga - afirma AnaE. O poema é corajoso. Alguém escreveria de forma tão escancarada sobre as dificuldades em se criar um filho, ciente de que este lerá o tal poema futuramente sem assumir uma nesga de culpa? A realidade é o que é. Sim, filhos dão trabalho, cansam, nos envelhecem mais, nos sugam tudo. Admitir isto não é desamor.

Assim como nas crônicas, há também alguns poemas de Ana Elisa cuja matéria-prima é a memória. Um retorno no tempo com análise das consequências atuais. Acontecimentos do passado determinantes à formação da sua personalidade. A influência da criação familiar, o contato com os amigos, a escola. No poema memorialístico "A tree I", a poeta faz uma analogia de um sonho plantado juntamente com uma árvore, em sua infância. Alguma coisa prevista no passado não se concretizou no presente, com o crescimento concomitante da árvore e da poeta. Em poucas linhas, uma história de anos é narrada envolvendo o pai, esperanças, decepções, perdas, como se a simples existência fosse responsável por alguma frustração.

Anzol de pescar infernos é contemporâneo, antenado com a velocidade do nosso tempo. O livro pode ser lido rapidamente, de uma vez. Alguns poemas saltam das páginas como borboletas pequenas e ligeiras. Mas a aparente simplicidade e concisão dos poemas não merece uma leitura afoita, pois a maioria deles não fecha um ciclo em si, eles transcendem no leitor, convidando-o a aliar imaginação e memória, criando suas próprias divagações. Mulher que grita quando goza, escreve Ana Elisa, só finge mais alto que as outras. Um poema curtíssimo como este não pode ser lido em vão, passando logo à página seguinte. Há varias questões sublineares nessas poucas palavras. Há ali uma sutil competitividade, ferina e felina entre mulheres; uma certa manipulação orgástica; e um joguete com a onipotência masculina.

Parte desse colorido das varetas nos poemas de AnaE vem de uma peculiaridade presente em toda a sua obra: o uso assistemático e aleatório de rimas, salpicadas em seus versos. A tarefa, como sabemos, é hercúlea. A opção de pulverizar rimas nos poemas torna a carpintaria, a procura da palavra exata um trabalho árduo, devido à incessante busca da confluência entre significado e sonoridade na distribuição dos versos. Nunca é demais lembrar Drummond, no poema "Procura da poesia": Chega mais perto e contempla as palavras / Cada uma tem mil faces secretas sob a face neutra. As rimas, da forma como são dispostas em Anzol..., cumprem a função de embalar o leitor durante a leitura. Elas dão aos poemas um colorido de matizes distintos, uma comicidade sutil; movimentos cíclicos e/ou elípticos, um ritmo de maria-fumaça mineira. Ao usar rimas, ainda que despretensiosas, Ana Elisa desfigura a dicotomia entre o contemporâneo e a tradição poética, ligando as duas vertentes como se usasse um longo fio de cabelo, quase invisível. Tal opção dá um verniz leminskiano à sua obra.

É comum o leitor atento e sensível, durante a leitura não só de Anzol..., mas de qualquer obra de ficção, ser acometido de reações das mais diversas: arrepio, melancolia, alegria, sublimação. Ana Elisa incute em alguns poemas um artifício poético incomum: surpreender o leitor revertendo a sua expectativa - geralmente no final dos poemas. A poeta dá um drible na lógica do leitor. Quando o leitor anseia por um desfecho cândido, redentor, a poeta lhe dá uma pancada. Tal artimanha provoca um susto, muitas vezes um riso involuntário proveniente do estômago, um engolfo de ar com ironia rara.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 13/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
02. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. As pedras de Estevão Azevedo - 10/10/2018
05. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La Sabiduría de los Ancianos
Lobdang Rampa
Troquel
(1966)
R$ 13,00



Da Planície aos Altiplanos
Aarão Burlamaqui Benchimol
Forense Universitaria
(1997)
R$ 12,00



A Cidade e Suas Margens
Fabio Valentim
34
(2008)
R$ 10,02



Folhas ao vento
Edvaldo Arlégo
Edificantes
(2011)
R$ 15,00



Laços Eternos
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(1997)
R$ 10,00



A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)
R$ 7,90



Strauss - Grandes Compositores da Música Clássica
Abril Coleções
Abril
(2009)
R$ 10,37



Garantia Fiduciária 8509
Paulo Restiffe Neto
Revista dos Tribunais
(1975)
R$ 13,00



Curso Completo de Fotografia - 2 volumes
Diversos Autores
Rio Gráfica
(2018)
R$ 50,00



Ria Agora ! para Não Chorar Depois
Evandro A. Daolio
Arx
(2005)
R$ 5,00





busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês