Pesquisando (e lendo) o jornalismo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> O Homem Eterno de G. K. Chesterton pela Mundo Cristão (2010)
>>> O Observador no Escritório de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1985)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2004)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2019)
>>> Nada a perder volume 3 de Edir Macedo pela Planeta (2014)
>>> Campinas no início do século 20: percursos do olhar de Suzana Barretto Ribeiro pela Annablume (2006)
>>> A privataria tucana de Amaury Ribeiro Júnior pela Geração Editorial (2012)
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
COLUNAS

Terça-feira, 23/4/2013
Pesquisando (e lendo) o jornalismo
Duanne Ribeiro

+ de 4100 Acessos

A crítica ao jornalismo e à mídia, em geral, me parece insuficiente, por não lidar com o seu objeto de uma forma completa, isto é, desconsiderando sua prática e tomando como foco de análise apenas a sua aparência final. Há uma distância entre o publicado e a práxis que leva à publicação, distância ou simplesmente ignorada ou exclusivamente abordada via paranoia - como nos discursos sobre Grandes Conspirações Midiáticas, que, se podem apontar para alguma verdade, distorcem e confundem por sua conta outra cota de dados. Como pesquisar de forma íntegra e consequente a imprensa? Eu tinha umas ideias soltas sobre isso, eis aqui um esboço de conclusão. O leitor não-jornalista, nessa era em que somos todos jornalistas, talvez encontre alguma utilidade, meios de pedir mais e melhor das "denúncias" eventuais.

Essas dificuldades se tornaram mais prementes pra mim porque atualmente estou produzindo um artigo para a pós-graduação em Gestão Cultural do Celacc/USP. Meu tema é a cobertura de políticas públicas na área de cultura pelo caderno Ilustrada, da Folha de S.Paulo. Meu material de pesquisa são as matérias neste âmbito publicadas entre 2001 e 2004 - na cidade de São Paulo, toda a gestão Marta Suplicy, com Marco Aurélio Garcia e Celso Frateschi à frente da secretaria de Cultura; no estado, Geraldo Alckmin governador e Marcos Mendonça e Cláudia Costin secretários; no país, Fernando Henrique Cardoso, com Francisco Weffort, e Luis Inácio Lula da Silva, com Gilberto Gil. A interpretação preliminar indica que discutir política cultural a partir da Folha é pensar sobretudo em cinema, teatro, música e artes visuais; na tensão estado versus mercado; em diversidade e inclusão (cultural e social).

Isso, entre alguns outros enquadramentos menores. Meu objetivo aí será discutir a forma da cobertura - não o conteúdo. Estamos agendados para pensar nesses termos, e não noutros - é isso o que trabalho pretende ressaltar, com respaldo, entre outros autores, no Poder no Jornalismo, livro de Mayra Rodrigues Gomes. Nesta pesquisa eu me coloco justamente na análise daquela aparência que citei no primeiro parágrafo, no produto midiático derradeiro. É o que me basta para esses meus propósitos restritos. Não obstante, se isso pode falar com bom alcance da conformação da compreensão do leitor, fala muito pouco do jornalismo em si mesmo. Assumamos que pude extrair uma "essência" da cobertura, com base em cerca de 200 textos do jornal, e assumamos que o fato de tratar de tais assuntos e não de outros, com tais enfoques e não outros, condiciona as possibilidades de reflexão do leitor. Pois bem; não posso afirmar que essa "essência" guie a edição do jornal ou o trabalho dos repórteres.

Em outras palavras, essa "essência" não pode ser posta como princípio de produção, assim, num passe de mágica. Não posso dizer: "A Folha tem uma agenda na área de cultura / tem determinada ideologia sobre este campo / seus jornalistas escrevem para cumprir tal agenda ou divulgar tal ideologia". E isso não porque seja impossível que tenha, de fato. Porém esse resultado que tenho somente demarca um sintoma, sem ter a capacidade de esclarecer como funciona a doença. O que foi posto enfim em tinta e celulose é um início, não um final.

O problema crítico nesta transposição é a simplificação do objeto. Um veículo (jornal, revista, site, o que seja) é um complexo em que se envolvem repórteres, editores e donos: a crítica costumeira à mídia atinge indiferenciadamente esse conjunto fragmentário em que se desenrolam relações de poder e saber variadas em intensidade e frequência. Acrescente-se a essa variedade os articulistas convidados, estranhos ao cotidiano de produção, e a influência de outros complexos, externos, como grupos políticos e financeiros. A mesma crítica supõe forças tremendas nesse sentido, porém não consegue rastreá-la, dizer como, quando e onde, em específico, age, se encontra resistência e de que tipo, entre outros condicionantes.

Ainda mais, existe um modus operandi próprio a cada tipo de ator nessa configuração. Se, no limite, eu conseguir atribuir ao veículo uma determinada tendência, por decisão dos donos, por mando do poder político em plantão, não consigo, no mesmo golpe, atribuir aos jornalistas, aos indivíduos, a mesma característica. O que eles cobrem, editam ou chegam a publicar é influenciado, a princípio, por sua adesão maior ou menor à ética jornalística (um, a busca por objetividade; dois, a separação entre opinião e informação, etc) e sua eficiência maior ou menor em cumprir essa ética; depois, as condições circunstanciais de publicação: competição dos assuntos por espaço (diário, semanal ou mensal...), tamanho de equipe ou equipamentos disponíveis em dado momento, assim como o tempo existente para pesquisa e redação. A comparação com o que outros veículos publicaram, o que os editorem pensam que é a demanda do público, assim como a auto-imagem do repórter enquanto repórter - os fatores em interação são múltiplos e dinâmicos.

Desse modo, quando leio frases como "estes meios de comunicação empresariais de massa (...) exercem uma censura brutal em seu âmbito de atuação" (entrevista, ao jornal Unidade, do jurista Fábio Konder Comparato), eu sinto que lhes falta sutileza. E essa falta de sutileza - de "conhecimento do inimigo" - é também causa do problema. O que não quer dizer, é bom repetir, que eu sustente não existir qualquer "censura".

Pegue por exemplo o artigo de Luiz Carlos Azenha, "Globo consegue o que a ditadura não conseguiu: calar imprensa alternativa". Avalie duas de suas afirmações: "Pessoalmente, tive uma reportagem potencialmente danosa para o então candidato a governador de São Paulo, José Serra, censurada. (...) "Tive reportagem sobre Carlinhos Cachoeira 'deslocada' de telejornal mais nobre da emissora para o Bom Dia Brasil". Há aí a influência externa; note no entanto os dois efeitos distintos que têm, o segundo encontrando menos permeabilidade. Há aí a cisão entre repórter e edição; perceba que a produção da matéria em si continuou da mesma maneira e que o jornalista foi mantido depois dela. E esses são dois casos em que o que está em jogo é politicamente grandioso - imagine os graus diferentes de intervenção e não-intervenção, externa ou interna, em matérias de menos determinância. Acima de tudo, veja que só sabemos disso tudo porque vislumbramos a prática, o ponto de vista de alguém dentro do processo. Como concluir tudo só com o levantamento dos produtos finais?

Avalie "Nem imparcial, nem engajado: o repórter como artífice da notícia", depoimento de Marcelo Canellas para o livro Políticas Públicas Sociais e os Desafios para o Jornalismo. "Há uma hierarquia de fatos jornalístico que conquistam o direito de frequentar as pautas (...). Os temas sociais, sempre tão recorrentes, perdem potência e acabam tendo de esperar na fila por alguma futura oportunidade, talvez num caderno especial de fim de ano". Pouco adiante, ele continua: "Eu mesmo levei quatro anos para convencer meus superiores de que a fome no Brasil era, sim, um fato jornalístico que merecia nova abordagem (...). É preciso entender que a dinâmica das redações é cheia de contradições e de demandas sazonais". Vê-se um filtro de outra natureza daquela citada por Azenha, tão atuante quanto, gerado por um número imenso de fatos abordáveis e pela obsessão da novidade, contraposto pelo urgência pessoal do jornalista. Assistindo à série de Canellas, essa dialética é imperceptível.

Enfim, como eu disse: um esboço. Que sirva pelo menos de antídoto contra uma falácia de autoridade muitíssimo comum nessa época: tudo que é denunciado com os rótulos "a mídia não mostra", "ninguém fala nada" e outros do gênero recebe um poder de persuasão maior, e dá ao denunciante a cara de Promotor da Verdade contra a Imprensa da Mentira. Pode ser realidade um maniqueísmo assim? Digamos que possa. Será necessário provar.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 23/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2009 e minhas leituras de Rafael Fernandes
02. Ruy Castro n'O B_arco ― parte 2/2 de Rafael Fernandes
03. DVDteca Arte na Escola: uma luz no fim do túnel de Jardel Dias Cavalcanti
04. Estamos nos desarticulando de Julio Daio Borges
05. Jovens blogueiros, envelheçam de Rafael Rodrigues


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013
05. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMPLEMENTOS DE CASAS, CHALÉS, PALACETES E MANSÕES
FEDERICO ULSAMER
MEC
(1977)
R$ 22,97



O RELATÓRIO POPCORN
FAITH POPCORN
CAMPUS
(1993)
R$ 10,00



GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DA HISTÓRIA DO BRASIL
LEANDRO NARLOCH
LEYA CASA DA PALAVRA
(2009)
R$ 20,00



UNITED STATES OF AMERICA
PATRIZIA RAFFIN
TIGER BOOKS INTERNAT
(1996)
R$ 21,00



MATEMÁTICA PARA ELETRÔNICA
JOHN J DULIN E VICTOR VELEY
HEMUS
R$ 169,00



A FELICIDADE DE CADA UM
HELEN VAN SLYKE
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 12,00
+ frete grátis



BOLETIM DA SOCIEDADE DE ESTUDOS FILÓGICOS ANO 1 N. 1 TOMO 1
SOCIEDADE DE ESTUDOS FILÓGICOS
SOCIEDADE DE ESTUDOS FILÓGI
(1945)
R$ 111,65



CINCO DIAS EM PARIS
DANIELLE STEEL
ALTAYA/RECORD
R$ 7,00



A CIDADE INTEIRA DORME E OUTROS CONTOS
RAY BRADBURY
BIBLIOTECA AZUL
(2019)
R$ 14,90



ARTE PARA SENNA 6288
PAULO SOLARIS
PIBLIHAUS
(2004)
R$ 20,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês