Discutir, debater, dialogar | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
Mais Recentes
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 29/1/2013
Discutir, debater, dialogar
Duanne Ribeiro

+ de 6200 Acessos

Uma boa porção do meu tempo é gasta com discussões online. Você pode dizer que sou como o sujeito desta tirinha: vou me preocupar (talvez excessivamente) com o convencimento, a contestação, o aperfeiçoamento de uma ou outra ideia, mais por impulso do que por princípio. Embora, é claro, isso envolva princípios: o mais fundamental sendo a crença em um debate público do qual fazemos parte querendo ou não, participando através do nosso silêncio ou da nossa fala. Trata-se de uma malha de interconexões infinitas, e, se sou um ponto no circuito, posso qualificar o fluxo, interrompê-lo, encorpá-lo, modificá-lo.

Este texto ele próprio é um gesto nesse sentido, pulso elétrico que percorrerá tal malha de muitas maneiras e alcances, perceptíveis ou não. É difícil que você não compartilhe, portanto, da minha crença: as 131 palavras anteriores te atingiram, você provavelmente já se posicionou mesmo que só emocionalmente em relação às ideias essenciais que te passaram (o que seja minha personalidade, a visão de mundo que expus, a tese sobre o status desta coluna). Suas conclusões atuais e as posteriores são movimentos que tiveram ensejo por conta daquele pulso. Mudar, encorpar, interromper são escolhas suas. E assim por diante, de você aos outros.

Isso tudo, obviamente, vale para discussões além da internet, mas me foco nessa mídia porque é com ela que lidamos neste momento. Eventualmente direi coisas surpreendentes como: os "debates da internet" são debates reais, com efeitos na "realidade"; o pessoal "da internet" está também fisicamente em algum lugar, da mesma forma que você digitando palavras num aparelho; que um troll não é qualquer indivíduo que discorde de outro indivíduo, jamais alguém que provoca um debate, mas alguém que prejudica, impossibilita um debate; e, chocante!, as pessoas que discordam da sua posição têm motivos pra manter as delas.

Eu aprendi algumas coisas em alguns desses anos de discussão, e acho que atingi uma evolução significativa. Quero compartilhar quatro lições que aprendi vagarosamente, e que contrario de vez em quando.

Atenha-se ao seu propósito
Você tem que saber pelo que está discutindo, qual a ideia ou grupo de ideias que de fato lhe interessa transmitir. Imagine que estamos discutindo a legalização ou criminalização do aborto. Alguém elenca o argumento da sacralidade da vida; seu objetivo pode ser tão somente apontar que o termo vida é condicionado, ou seja, ele só pode ser entendido dentro de certos limites. De maneira que um qualquer que seja contrário ao aborto não é necessariamente vegetariano, nem mesmo crê que uma mosca ou barata possa esconder o Buda. Em outros termos, você diria: "Quando você diz vida, você já assume algumas princípios que a definem".

Seu propósito pode ser apenas o esclarecimento desses princípios. Não contesta que seja sagrada, não se envolve em disputas sobre a liberdade da mulher, a dor causada ou não ao embrião (até oito semanas de gestação) ou feto, etc. O campo do debate é extenso, e você selecionou aí uma fração somente. Deixe isso claro: se os rumos da conversa se dispersarem muito, reafirme suas teses básicas.

Renato Janine Ribeiro perguntou: "Por que temos de ter opiniões como pacotes?" - e é isso que está em jogo aqui: debates são feitos de séries de ideias, e elas são discutíveis separadamente. É possível estar certo e errado ao mesmo tempo. Há a mistura de ignorância e erudição no mesmo discurso. Sua participação desenha linhas específicas no campo extenso da discussão. Não se perca delas.

Não se atenha ao seu propósito
Porém reconheça que o campo recortado por essas linhas é extenso. Por um lado isso implica às vezes a discussão de várias ideias periféricas ou anteriores ao que se pretendia discutir. Suponha que a pauta é a retirada ou não da frase "deus seja louvado" das notas de Real, e lhe provocam com o que seria uma consequência: o nome de estados como São Paulo e Espírito Santo teriam de ser mudados e festas como o Natal excluídas do calendário. É um deslocamento interessante, além da sua linha de argumentação, mas possivelmente perturbador. Cabe aí procurar se há qualificativos que diferem uma coisa da outra (). Ou, para manter sua tese, você pode ter de afirmar a própria justificação de um estado laico.

Por outro lado você pode perceber a fraqueza do seu recorte. Por exemplo, frente à pergunta "você é a favor ou não da PM na USP?" as respostas sim ou não podem apenas dissimular a existência de uma variedade de debates implícitos. O reitor da USP e o tipo de relações que tem com a comunidade universitária; o histórico da Polícia Militar, seus problemas atuais, as dificuldades do modelo não-civil de policiamento; a infraestrutura da universidade (iluminação, guarda particular); a atuação de movimentos sociais e as respostas governamentais a eles. Sem visão íntegra, não se estará respondendo de fato à pergunta, a não ser que queiramos ficar na mera polêmica. Como disse Francisco Bosco, "o dissenso entre pessoas não garante que se transcenda o senso comum".

Suas ideias não são parte de você
No mesmo texto, Bosco também comenta: "Um sujeito que defende uma posição tende a identificar-se com ela, e então a sustentação de seu ponto torna-se a sustentação de seu próprio eu. Daí surge o conflito: a agressividade brota do imaginário (a autoimagem do eu) que se sente ameaçado pelo outro eu, o outro imaginário. Sob a superfície do simbólico, travasse uma luta imaginária, e é assim que o dissenso logo engendra a discórdia". Há um perigo de personalização toda vez em que se entra num debate, assim que o estímulo para continuar se dissocia das razões pelas quais uma ideia é acertada e passa se vincular ao nosso orgulho.

O ideal é perceber quando isso acontece e tentar evitar, ou apontar isso no outro quando achar que é o caso. Nada fácil, claro, no entanto mais fácil na internet ou em qualquer discussão escrita, já que você pode efetivamente parar e se afastar.

Seu objetivo é competir ou debater? Tenha a resposta em mente. Pare, abandone, assuma o que não sabe (não saber é 99% da nossa atividade intelectual). Corte as provocações, a não ser que haja um motivo para elas. Tendemos a escrever como pensamos, mas se seu pensamento se formula (por exemplo se referente ao que se usa chamar "bolsa-bandido") "Isso é estupidez, não é que damos um benefício para um criminoso, mas resguardamos sua família de um dano maior" - você se afastará de um conflito tosco se excluir o inútil "isso é estupidez".

Não "respeite a opinião alheia"
Ainda nesse sentido: saiba concordar. Deixe evidente os pontos com os quais se está de acordo. As pessoas num debate podem estar simultaneamente próximas e longínquas, e erigir um mapa preciso não só dá solidez ao diálogo como funda o espaço de ideias em uma relação de coabitantes, não de inimigos.

Mas não se reduza à essa caricatura da civilidade expressa pela frase "respeitar a opinião alheia". Por que é que se respeitaria assim por nada uma opinião? Ideias estão aí para serem postas na rua, apanhar, apanhar e ver se ficam de pé. Quando endeusamos um respeito abstrato, incondicional, o que fazemos é isolar cada um em uma redoma antipensamento, que não faz bem a ninguém.

Porque pensamento é movimento, e existe um valor no choque. Mesmo que após discussão explosiva feita não cheguemos a lugar nenhum: estaremos um passo diminuto além da certeza cheia de si, como se multiplicássemos a opinião por um - e tudo fosse o mesmo, não obstante algo de sutil se transformasse.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 29/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
04. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
05. A fada do dente sou eu de Ana Elisa Ribeiro


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013
05. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DESASTRES NATURAIS
ROSANGELA DO AMARAL
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
(2012)
R$ 8,25



OS ALICERCES DA FÍSICA
KAZUHITO- FUKE- CARLOS
SARAIVA
(1998)
R$ 45,90
+ frete grátis



O REI - IRMANDADE DA ADAGA NEGRA VOL 12
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2014)
R$ 30,00



CAPITALISMO: MODO DE USAR
FABIO GIAMBIAGI
CAMPUS - GRUPO ELSEVIER
(2015)
R$ 76,61



SS - GB
LEN DEIGHTON
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1979)
R$ 4,50



AVALIAÇÃO DO EFEITO DA SOLDAGEM A ARCO SOBRE A QUALIDADE DA ENERGIA
EZIO SILVA, AMÉRICO SCOTTI UND JOSÉ CARLOS DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00



SOL DA LIBERDADE
ÍRIS PAULA ROCHA
BOA NOVA
(2000)
R$ 10,00



HISTÓRIA ESSENCIAL DA FILOSOFIA VOL 5
PAULO GHIRALDELLI JR
UNIVERSO DO LIVRO
(2010)
R$ 15,00



ENTRE REAL E SURREAL: ANTOLOGIA DA LITERATURA BELGA DE LÍNGUA FRANCESA
MARC QUAGHEBEUR, ZILÁ BERND, LEONOR LOURENÇO DE ABREU, ROBERT PONGE
TOMO EDITORIAL
(2009)
R$ 47,00



CINE Y COMUNICACION VISUAL
ANDREW TUDOR
GUSTAVO GILI
(1975)
R$ 16,28





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês