Ascensorista para o arranha-céu da literatura | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
>>> Oficina de Alegria encerra o mês das crianças com a festa Bloquinho na Praça - 27 de outubro
>>> EMP Escola de Música faz apresentação gratuita de alunos e professores
>>> Miami Ad School Rio promove curso sobre criatividade que desmistifica o padrão do que é ser criativo
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Queijos
>>> A trilogia da vingança de Park Chan-Wook
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
Mais Recentes
>>> Awakening the Buddha Within: Tibetan Wisdom for the Western World de Lama Surya Das pela Broadway Books (1998)
>>> Practicing Peace in Times of War de Pema Chodron pela Shambhala (2006)
>>> Nietzsche: O Humano Como Memoria e Como Promessa de Oswaldo Giacoia Júnior pela Vozes (2013)
>>> Nietzsche e Sião: a União de Duas Forças Ideológicas Opostas de Jacob Golomb pela Madras (2005)
>>> Mito e Música em Wagner e Nietzsche de Luiz Claudio Moniz pela Madras (2014)
>>> Ilusoes do Eu: Spinoza e Nietzsche de A Martins, H Santiago, L C Oliva pela Record (2011)
>>> Caitanya Sataka. Cem versões em glorificação de Chandramukha Swami pela Govinda (2013)
>>> The I Ching, Or, Book of Changes (bollingen Series Xix) de Ed Richard Wilhelm pela Princeton University Press (1997)
>>> A Experiência humana de Deus como experiência de graça de Inácio Luiz Rhoden pela Unisinos (2004)
>>> Origem do Ocidente. a antiguidade em Nietzsche de Alan Sampaio pela Unijuí (2008)
>>> Nietzsche Asceta de Mauro Araújo de Sousa pela Unijuí (2009)
>>> Em Busca de um Lugar ao Sol: Nietzsche e a Cultura Alema de Ivo da Silva Junior pela (vide) (2008)
>>> Wagner em Bayreuth de Friedrich Nietzsche pela Zahar (2009)
>>> Nietzsche... (dos companheiros) de Carlos Henrique Escobar pela 7 Letras (2000)
>>> Gilberto Freyre. Pensamento e Ação de Manoel Correia de Andrade (org) pela Fundação Joaquim Nabuco (1995)
>>> As Raízes do Separatismo no Brasil de Manuel Correia de Andrade pela Ufpe (1997)
>>> Ldb - 1996 Contemporanea: Contradicoes, Tensoes, Compromissos de Iria Brzezinski (Org) pela Cortez (2014)
>>> A Temática Indígena na Escola de Pedro Paulo Funari, Ana Piñon pela Contexto (2011)
>>> Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento de Michel Foucault pela Forense Universitária (2013)
>>> Tristes Trópicos de Claude Lévi-strauss pela Companhia das Letras (1996)
>>> O Pensamento Selvagem de Claude Lévi-strauss pela Papirus (1990)
>>> A Doença Como Caminho de Thornwald Dethlefsen, Rudiger Dahlke pela Cultrix (2002)
>>> Introdução à Linguística Africana de Margarida Petter pela Contexto (2015)
>>> Curso De Linguística Geral de Ferdinand de Saussure pela Cultrix (2012)
>>> Bartolomeu De Las Casas de Frei Carlos Josaphat pela Paulinas (2008)
>>> O Expressionismo de Jacó Guinsburg pela Persoectiva (2002)
>>> Avaliação: novos tempos, novas práticas de Edmar Henrique Rabelo pela Vozes (1998)
>>> Dicionario Paulo Freire de Danilo Streck pela Autêntica (2008)
>>> Atualidade de Paulo Freire de João Francisco de Souza pela Cortez (2002)
>>> Conscientização de Paulo Freire pela Cortez (2016)
>>> Conversas com Igor Stravinski de Igor Stravinski pela Perspectiva (2016)
>>> Um Jato na Contramão. Buñuel no México de Eduardo Peñuela Cañizal pela Com-Arte (1991)
>>> Som-Imagem no Cinema de Luiz Adelmo F. Manzano pela Perspectiva (2010)
>>> As sombras móveis: atualidade do cinema mudo de Luiz Nazário pela da UFMG (1999)
>>> Condicao Humana, A Um Tema Para Religioes Comparadas de Robert Cummings Neville pela Paulus (2005)
>>> El vuelo magico The Magic Flight (Spanish Edition) de Mircea Eliade pela Siruela (1995)
>>> La esencia del cristianismo (Spanish Edition) de Ludwig Feuerbach pela Claridad (2006)
>>> A Construção Histórica da Literatura Umbandista de Diamantino Trindade pela do Conhecimento (2010)
>>> Três Livros de Filosofia Oculta de Henrique Cornelio Agrippa de Nesttesheim pela Madras (2016)
>>> Estética da Melancolia de Marie-Claude Lambotte pela Companhia de Freud (2000)
>>> Bem-vindo ao Deserto do Real! de Slavoj Zizek pela Boitempo (2008)
>>> 500 Anos de Educação no Brasil de Eliane M. Lopes, Luciano Faria, Cynthia G. Veiga pela Autêntica (2007)
>>> Historia da Educação Brasileira de Paulo Ghiraldelli Jr pela Cortez (2013)
>>> Avaliação da Aprendizagem: Componente do Ato Pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Hegel y el Idealismo de Wilhelm Dilthey pela Fondo de Cultura Economico (1956)
>>> Introducción a las Ciencias del Espiritu Tomo I de Guilhermo Dilthey pela Espasa Calpe (1948)
>>> Linhas Fundamentais do Pensamento de Nietzsche de Werner Stegmaier pela Vozes (2013)
>>> Antropologia Cultural de Franz Boas pela Ed Zahar (2004)
>>> Eu, Pierre Riviere, Que Degolei Minha Mae, Minha Irma E Meu Irmao de Michel Foucault pela Graal (2012)
>>> Buddhismo de A Cura Di Giovanni Filoramo pela Laterza (2011)
COLUNAS >>> Especial O que ler

Sexta-feira, 13/7/2007
Ascensorista para o arranha-céu da literatura
Vicente Escudero

+ de 7000 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Enki Bilal


Naquela tarde em que recebi um e-mail solicitando indicações de livros para um leitor iniciante, não consegui trabalhar em mais nada. Fazer escolhas e descartar textos são tarefas que corroem a atenção de qualquer aficionado por literatura. "Como devo escolher?", "Devo selecionar por estilo?", "E hierarquia? Tenho que escolher entre os melhores?", "E se o tal leitor não gostar?".

Perdido entre tantas perguntas, deixei a tarde passar, espirrando o tempo todo em virtude de um resfriado que veio devagar e se instalou, mais pela baixa umidade do ar do que pelo meu descaso. Dezenas de fantasmas, alguns vivos, outros mortos, enquanto segurava meu nariz para que não voasse pela janela cada vez que espirrava, clamavam quase em uníssono ao pé do meu ouvido: "Me escooolha...!". O papel em branco na tela do monitor, estorricado pelo reflexo do laranja dégradé vindo do horizonte que se dissolvia, lá fora, era atordoante.

"Até agora não escolhi nada!" - pensei.

O cansaço veio para derrubar meus ombros, simultaneamente ao palpitar acelerado do meu coração. Minhas pernas e braços relaxaram sobre a cadeira. Uma última olhada pela janela revelou o horizonte negro engolindo o fim oblíquo de um dia de outono. Estava sozinho?

Tudo parecia dividido. Apesar de ouvir um som repetitivo e abafado, quase um mantra, ecoando de um templo religioso próximo daqui, não enxergava mais nada. Minha vista alcançava a dimensão da cegueira; em instantes também fiquei surdo.

Num espaço curto, dentro do que parecia ser uma sala, surgiu um velho caminhando calmamente através da massa escura. Seu rosto era quadrado, enigmático. Vestido sobriamente e se apoiando cuidadosamente em uma bengala com incrustações de prata, sua outra mão desapareceu no nada e seu braço balançou, sugerindo abrir uma porta. A resposta a minha dúvida, escondida nas rugas do velho, veio em forma de uma passagem sem moldura aberta por ele, revelando uma paisagem distante, um cenário bucólico e eufórico. O velho, desconfiado da minha relutância em seguir através dela, esboçou uma reação:

- Pode passar, é seguro.

Retomei a intuição instantaneamente e absorvi as simetrias do local. Sem hesitar mais, passei pelo portal, que em seguida desapareceu.

A imagem não passava de um simulacro. O horizonte azul com morros verdes cintilantes, parecido com o papel de parede do computador, não existia. A vista, em um passe de mágica, revelou-se simples: uma cidade distante, ilhada em uma planície enorme, alcançável a pé.

Independente, um prédio destoava entre as construções contemporâneas imitando frutas. Cercado por edifícios em forma de carambola, melancia e jaca, o arranha-céu atravessava as nuvens mais baixas sem deixar pista do seu cume.

"É para lá que eu vou!" - pensei.

Depois de meia hora de caminhada pela planície, sem interrupções, entro na cidade e sigo a enorme silhueta. Os habitantes não tomaram conhecimento da minha presença e permaneceram distantes; apenas nos intervalos do mau humor cotidiano alguns olharam desconfiados. Encerrei a caminhada na entrada do edifício e observei com cuidado o local. Sobre o arco da entrada, a identificação do prédio grudada em letras de aço escovado: A L. Não tinha a menor idéia do que estava fazendo ali, nem imaginava o significado do passeio. Apenas havia seguido a minha intuição sem decidir nada. "Por que não segui até a melancia?"

- Senhor? Está atrasado! Entre na fila, por favor.

- Pois não!

Por detrás do largo balcão de madeira escura da recepção, uma funcionária do prédio, em tom protocolar, indicou o local onde eu deveria aguardar, interrompendo a minha reflexão: "Mas aguardar o que, afinal?". Em seguida, fui chamado.

- Aqui está seu bilhete de entrada, senhor. Dirija-se ao elevador 5 do corredor 7 e aguarde o ascensorista chamá-lo. Não dá para errar, é só seguir este corredor principal e virar na sétima entrada à direita. Pró-xi-mo!

Tomei o rumo que ela indicou e que minhas pernas, por sorte ou não, seguiram. Sem espera, o elevador chegou no instante em que fixava os olhos no painel indicador de sua posição. A porta se abriu e uma ascensorista cordial estendeu a mão, pedindo o bilhete.

- Hmm, o senhor é um iniciante então? Já faz algum tempo que nenhum de vocês aparece por aqui.

Sem conseguir controlar minha iniciativa, entrei no elevador silenciosamente: "Mas que raios estou fazendo neste lugar?". A porta fechou e a ascensorista magra, com cabelos castanhos e compridos, e uma postura elegante, levantou o chapéu preso por um cordão entre o queixo e a garganta, num gesto de cortesia.

- Subindo...

- Para onde você está me levando?

- Não se preocupe... você terá uma surpresa agradável.

Detalhes dourados em espirais de madeira decoravam as extremidades da apertada cabine de mármore, um tapete persa com desenhos indecifráveis ocupava o piso sob o pequeno banco, de onde a ascensorista comandava.

- Primeiro andar! Edgar Allan Poe, ficção policial, A carta roubada, mil oitocentos e quarenta e quatro!

A porta do elevador abriu, revelando uma sala com móveis antigos, todos em madeira, onde Auguste Dupin, detetive, conversava com D. sobre o roubo de uma carta. Acompanhei a solução do crime e a reviravolta moral no final. Peguei o livro que estava encima da poltrona. O elevador surgiu em um átimo. Voltei para dentro dele.

- Então, pegou o livro? - disse a ascensorista.

- Peguei! Para onde vamos agora?

- Acalme-se... por que a pressa? Você não vai sair daqui tão cedo mesmo...

- Como eu não fui visto pelas pessoas da sala?

- Não se preocupe com isso. Apenas entre, assista, pegue o livro e volte.

Um minuto depois o elevador parou novamente.

- Segundo andar! William Shakespeare, drama, Romeu e Julieta, mil quinhentos e noventa e sete!

Saí do elevador direto para um baile de máscaras, onde Romeu conheceu Julieta e teve início o amor proibido. Coletei outro livro, sobre uma mesa da sala da casa de Capulet. O elevador surgiu em frente a uma grande janela com as cortinas amarradas. A ascensorista fez sinal para que eu entrasse.

- Queria levá-lo até a cena da declaração de amor na sacada mas não há tempo. Vamos para o próximo.

- Ok. Você comanda! - disse.

Comecei a sentir o calor entrar pelas paredes do elevador. Instantes depois a cabine parou e se abriu no que pareceu ser os fundos de um casarão em Manaus. Deixei a cabine, caminhei por entre algumas árvores até uma pequena casa onde um garoto, o filho de Domingas, estudava solitário. Ouvi uma briga no casarão, peguei um livro na estante do rapaz e fui ver o que acontecia do lado de fora. No meio do caminho a ascensorista junto ao elevador.

- Nossa, como você está suado! Esqueci de avisá-lo: Terceiro andar, Milton Hatoum, dois mil! Continuemos ao quarto andar.

Em segundos o elevador estacionou. Desta vez ela não errou.

- Quarto andar! Machado de Assis, realismo, A cartomante, mil oitocentos e oitenta e dois.

A porta se abriu e a maresia de um Rio de Janeiro onde as carruagens ainda serviam de táxi grudou em meu rosto. Uma carruagem caída no leito da rua e Camilo se dirigindo até a casa de uma cartomante chamaram a minha atenção. Segui os passos dele até a sala do templo da profetisa e encontrei outro livro. Retornei para o corredor de entrada, a cabine reapareceu na escada que levava até a rua.

- Estamos atrasados. Depressa! - disse a ascensorista.

Entrei no elevador e coloquei o último livro sobre os outros que coletei. Do teto do elevador começou a ressoar uma música dos Beatles. A ascensorista acompanhava o ritmo com as pontas dos pés num sapateado desengonçado.

- Quinto andar! John Le Carré, espionagem e ficção, O espião que saiu do frio, mil novecentos e sessenta e três.

Deixei o elevador e caminhei cortando uma leve neblina, por uma rua fechada com portões e sentinelas de ambos os lados. O cenário era a Berlim dividida. Logo na minha frente um homem pedalava uma bicicleta, após passar pela revista dos guardas do lado oriental. Entretanto, sem nenhuma razão aparente, os democráticos começaram a perseguí-lo e fuzilaram-no. Alec Leamas acompanhava através dos binóculos a saída do espião, de dentro da guarita do lado ocidental, sem acreditar que aquele desfecho trágico pudesse acontecer. Encontrei um livro dentro da jaqueta do cadáver. Antes que os guardas chegassem, o elevador ressurgiu: "Essa foi por pouco!".

- Assim funciona a espionagem - disse a ascensorista. Você não viu o caso do espião russo Alexander Litvinenko morto há alguns meses na Inglaterra?

- Acompanhei. Não há limites nesse negócio!

- Sem dúvida. Prossigamos para o sexto andar...

- Sexto andar! Clarice Lispector, A maçã no escuro, modernismo, mil novecentos e sessenta e um.

O ambiente agradável de uma fazenda, com seus perfumes desconhecidos, tomou conta do elevador. Martim encontrava-se sentado em um canto da varanda, refletindo sobre a morte da esposa. Entrei na casa e encontrei outro livro na mesa da cozinha. Voltei para o elevador que aguardava por entre algumas árvores, um pouco distante da casa.

- Limpe seus pés antes de entrar, por favor. Não quero ter que limpar o tapete depois do expediente.

- Ok!

Raspei a sola dos sapatos num pequeno tronco morto. A ascensorista estava com pressa:

- Vamos!

As subidas e descidas estavam ficando demoradas. Desta vez o elevador, além da demora, chacoalhou forte várias vezes. Os livros se espalharam pelo chão e tive que juntá-los. Mas antes que terminasse de ajeitar a pilha, precisei sair novamente.

- Sétimo andar! Jack London, O apelo da selva, poema em prosa, mil novecentos e três.

A temperatura caiu subitamente fazendo com que meus dentes batessem como uma metralhadora, tamanho era o frio do Yukon. Quando olhei para a ascensorista ela já vestia uma jaqueta grossa e branca, com as extremidades felpudas, além de calça e botas.

- Tome rapaz. Vista esta outra jaqueta e esta calça.

Um biombo desceu do teto do elevador nos separando. Troquei de roupa rápido. A ascensorista, tremendo, abriu a porta. O vento e a neve invadiram a cabine soberanos. Olhei para fora e vi uma matilha em um acampamento, cercada por uma tribo de índios prestes a atacá-lo. Buck dormia dentro de um buraco na neve e John Thornton esquentava o jantar na fogueira. Assim que apareci entre as árvores, Buck rapidamente se levantou e correu até onde eu estava, deixando outro livro e retornando para a cabana gelada.

Mal conseguia enxergar a cabine do elevador no meio de tanta neve. Percebendo minha dificuldade, a ascensorista acendeu uma lanterna na minha direção, indicando o caminho. Segui os sinais, limpei a neve colada sobre a roupa e entrei.

- Pode tirar essa roupa para neve. Ela não será mais necessária.

O biombo desceu, novamente, junto com a minha roupa dobrada em um cabide. Depois de me vestir, aguardei a próxima parada do elevador.

- Oitavo andar! Juan Carlos Onetti, Contos Completos, mil novecentos e trinta e três.

Escuridão total na saída. Quarenta e sete portas em um corredor. Assim que decidi abrir uma delas, ouvi um barulho insistente, que parecia ser alguém forçando a abertura de uma janela, seguido por reclamações e desafios. Um sujeito de pijama descia uma escada armado com uma espingarda. Peguei um livro sobre a escrivaninha, voltei para o corredor e entrei no elevador tentando não atrapalhar o silêncio. A ascensorista aguardava com as luzes da cabine apagadas.

Dois trancos seguidos sinalizam que o elevador se moveu muito pouco. A ascensorista, desta vez acompanhada pela música de violeiros, anunciou na minha saída.

- Nono andar! Gabriel García Márquez, realismo mágico, "Só vim telefonar", mil novecentos e noventa e dois.

Mulheres caminhavam pela entrada do que parecia ser um hotel localizado no alto de um morro; as paredes de pedras brutas revelavam um ambiente pouco amistoso e sem pretextos. Maria seguia as outras mulheres que desciam do ônibus, debaixo de chuva, insistindo em encontrar só um telefone para ligar para seu marido mágico. Encontrei outro livro na caixa de correio do portão e segui para o elevador, que havia brotado atrás do ônibus.

- Quer um antitérmico? - disse a ascensorista?

- Não, obrigado.

Antes mesmo que eu me levantasse da nova arrumação da pilha de livros, a porta do elevador se abriu novamente e a ascensorista anunciou que a viagem estava acabando:

- Esta última visita levará você ao epicentro de toda a literatura ocidental. Voltaremos para a Grécia Antiga.

Em meio a um sorriso largo, a chegada:

- Décimo andar! Homero, Odisséia.

O teatro a céu aberto, cercado por colunas e ocupado por uma platéia numerosa, circunspecta como dificilmente seria vista hoje, apresentava a Odisséia de Homero. O poeta com sua máscara extravagante e sua mímica guerreira tratava do retorno de Ulisses para seu palácio, onde os pretendentes de sua esposa atormentavam sua família e destruíam a sua propriedade. Procurei o livro pelo teatro todo mas não o encontrei. Ao passar por detrás do palco, alguns espectadores apontaram para mim, fazendo com que a peça parasse. Corri assustado, sendo perseguido por dezenas de gregos ensandecidos.

"Droga, onde está a ascensorista? Estou perdido!" - pensei.

Corri por muito tempo, acompanhando a perseguição dos gregos por sobre os ombros. O horror parecia próximo demais mas meu desespero não me afastava. Na multidão, todos gritavam a plenos pulmões "Cérbero, Cérbero!!!" Depois de alguns quilômetros encarei o horizonte. A paisagem escureceu; tudo sumiu. Despenquei em um abismo negro sem fim. Uma voz alta e grave encerrou a queda.

- Tá pensando que vai sair vivo daqui, rapaz?

De olhos abertos, encaro meu chefe sob a luz fria do escritório:

- Toma essa aspirina aqui, rapaz. Quem sabe agora você não pára de dormir no trabalho?


Vicente Escudero
São Paulo, 13/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
02. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3) de Marilia Mota Silva
03. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo
04. Uma noite de julho de Celso A. Uequed Pitol
05. Hércules reduzido a lenda de Carla Ceres


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2007
01. Ascensorista para o arranha-céu da literatura - 13/7/2007
02. Blogs, livros e blooks - 31/5/2007
03. O senhor do YouTube - 24/4/2007
04. A imprensa dos ruivos que usam aparelho - 23/8/2007
05. Um olhar desafiador - 5/3/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2007
14h19min
Muito legal, Escudero. Dá vontade de roubar seu elevador (com a ascensorista e tudo) e levar pra minha pirâmide, hehe. Só não sei se esse elevador só sobe, ou desce e sobe, aleatoriamente. Mas essa sua viagem vertical é muito boa de ler. Me lembrei de Dante e Virgílio transitando entre os níveis infernais. Mas aqui o negócio é mais paradisíaco. Grande achado, valeu!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
5/7/2007
19h33min
Olá Vicente, parabéns pelo teu texto, pra quem tá inciando-se no mundo maravilhoso da literatura o teu texto funciona como a primeira obra. Gostei das sugestões e principalmente como elas foram dadas. O texto ficou realmente legal.
[Leia outros Comentários de Tainá Veloso]
13/7/2007
21h41min
Pra que escolher uma pilha de livros a indicar, colocando-os direto sobre a mesa e gritando: LEIAM!!!, se a imaginação proporciona a maravilha de convidar a passear por ambientes de fantasia, venham, venham, é isso que os aguarda caso entrem inteiros nas páginas dos livros? Que importância tem a hierarquia, o estilo, os melhores? Muito mais importante a entrega, o que é melhor pra mim, quem sabe, sou eu, o que me agrada, me fascina, pode ser nada para os outros. Boa escolha a sua, Escudero. Mágica a forma de indicar livros a iniciantes. E escolher é tão difícil, dá uma pena não haver lugar pra todos, não poder selecionar um montão de uma vez só... sem falar no desespero de encontrar, mesmo só em pensamento, algum fantasma reclamando por ter ficado de fora, fazendo doer a consciência: ele devia ter sido incluído... Cada pessoa deveria ter direito a possuir uma biblioteca; pode ser sem elevador, piso único está bom, porque alguma seleção é importante. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
24/7/2007
4. !
17h35min
Muito criativo!
[Leia outros Comentários de Jose]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA DIONYSOS - Nº 22 (OS COMEDIANTES)
ORLANDO MIRANDA (ORG.)
SNT/MEC
(1975)
R$ 70,00



A DAMA DAS CAMÉLIAS - CAPA DURA
ALEXANDRE DUMAS FILHO
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 20,00



LE AVVENTURE DI PINOCCHIO
CARLO COLLODI
MARZOCCO
(1949)
R$ 79,54



IDOLATRIA PELO ESPIRITO DE ANA LEOCADIA - 15888
BENTA MARIA CROFFI
MENSAGEIROS
(1995)
R$ 10,00



ÁGUA PARA ELEFANTES
SARA GRUEN
ARQUEIRO
(2007)
R$ 9,90



DIREITO PROCESSUAL PENAL ESQUEMATIZADO
ALEXANDRE C. A. REIS E VICTOR EDUARDO R. GONÇALVES
SARAIVA
(2014)
R$ 135,00



ETNOGRAFIA E EDUCAÇÃO - RELATOS DE PESQUISA
CARMEN LÚCIA G. MATTOS / HELENA AMARAL
EDUERJ
(2010)
R$ 14,99



ESTAÇÃO TERMINAL
AUTOR BOILEAU-NARCEJAC
GLOBO
(1980)
R$ 8,99



O DRAMA DA BRETANHA
YVONNE A. PEREIRA
FEB
(1974)
R$ 20,00



SONETOS DO AMOR OBSCURO E DIVÃ DO TAMARIT
FEDERICO GARCÍA LORCA
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 22,00





busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês