A imprensa dos ruivos que usam aparelho | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
Mais Recentes
>>> Pedra do Feitiço - Reportagens Africanas de Ferreira da Costa pela Len Pôrto (1945)
>>> Processo Decisório de Max Bazerman pela Elsevier (2014)
>>> Livro As Grandes Obras Politicas De Maquiavel A Nossos Dias Jean Jacques Chevallier 1998 de Jean-jacques Chevallier pela Fisicalbook (2001)
>>> Manual De Prática Jurídica Civil. Para Graduação E Exame Da Oab de Nehemias Domingos De Melo pela Atlas Juridico - Grupo Gen (2008)
>>> Drummond de Andrade Poesia e Prosa Volume Único de Carlos Drummond de Andrade pela Nova Aguillar (1979)
>>> Contos Chineses de Paulo Bazaglia - Coordenação pela Paulus (2024)
>>> Edith Head's Hollywood de Edith, Calistro, Paddy Head pela Angel City Press (2008)
>>> Neagle. Vivendo Um Sonho Nos Estados Unidos de Victor Trindade pela Astral Cultural (2017)
>>> Celso Furtado E O Brasil de Nd Perseu Abramo pela Fundaçao Perseu Abramo (2000)
>>> A Vida Contemplativa de Alan Watts pela Record (1971)
>>> Paula de Isabel Allende pela BestBolso (1994)
>>> O Cavaleiro da Mão de Ferro de Goethe pela Ultramar (1945)
>>> Energia Programada de José Amorim pela Centro Redentor (1996)
>>> A Magia das Velas de Eddie Van Feu pela Escola (2008)
>>> Camões Médico ou Medicina dos Lusíadas e do Parnaso de Afrânio Peixoto pela Aillaud e Bertrand
>>> Basic Grammar In Use de Raymond Murphy pela Cambridge University Press (1993)
>>> Dossie Peixotinho de Palhano Junior, Lamartine, Neves, Walace Fernando, Lins, Francisco Peixoto pela Lachatre (1997)
>>> Clavigo de Goethe pela Melhoramentos
>>> Por Toda Parte 9 de Solange Utuari pela Fisicalbook (2016)
>>> Impact 4 de Thomas Fast pela Cengage Elt (2016)
>>> Algebra Para Leigos ( For Dummies ) de Mary Janesterling pela Alta Books (2009)
>>> Alice No País Das Maravilhas de Lewis Carrol pela Scipione (2002)
>>> Protesto Extrajudicial de Domingo Pietrangelo Ritondo pela Campus (2015)
>>> The Official Guide To The Gre General Test de Educational Testing Service pela Mcgraw Hill (2016)
>>> O Livro De Dinaer de Jorge Tavares pela Novo Século (2006)
COLUNAS >>> Especial Para onde vai o jornalismo?

Quinta-feira, 23/8/2007
A imprensa dos ruivos que usam aparelho
Vicente Escudero
+ de 4500 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Voltaire: o ruivo n1.

Século V a.C., muito tempo ocioso e uma guerra para combater. Cinco séculos antes do nascimento da civilização cristã, o ser humano deu início ao que chamamos hoje de jornalismo. Foi na primeira Guerra Médica, travada entre soldados gregos e persas entre a cidade de Maratona e a costa do mar Egeu, que o comandante Milcíades, do exército grego, encarregou o valente soldado Fidípides da árdua tarefa de informar as cidades vizinhas que os gregos precisavam de reforços para combater o inimigo. Quarenta quilômetros percorridos até Atenas, seu esforço para divulgar a notícia rendeu mais dez mil soldados, a vitória dos gregos na guerra e a origem da prova de corrida que encerra as olimpíadas: a Maratona.

Alguns jornalistas não reconhecem este feito de Fidípides, já que, nessa época, sequer existia diploma.

Aí veio o Gutenberg, alemão, aparentemente um apreciador de bons vinhos, e criou a prensa: a imprensa impressa massificada. Adaptando a máquina utilizada para extrair o suco das uvas em meados do século XV, imprimiu diversas cópias de um mesmo texto - a Bíblia -, para a sorte dos punhos dos escribas.

Já em 1976 o futuro careca Steve Jobs e seu amigo Steve Wozniak, que se conheceram na HP, tiveram a sábia decisão de apostar na popularização da informática e construir o primeiro computador montado e barato, na garagem de Jobs, fugindo do arcaísmo tecnológico da época. O resultado você acompanha agora, em tempo real.

Um pulo para a internet do ano 2000: Blogs, Podcasting, YouTube e a pulverização da informação.

A imprensa acompanhou toda essa transformação e agora se esforça para compreender qual lugar deve ocupar na bagunça virtual.

Hoje, o mundo está on-line. Você lê o New York Times (que pretende apenas controlar a passagem do suporte papel para a internet, e não impedir) daqui do Brasil, sem ter que pagar nada - mas até quando?. A guerra no Iraque está lá no YouTube, ao vivo, seqüestradores do Taleban mantêm sul-coreanos como prisioneiros e exigem a libertação de comparsas presos.

Se tudo está aqui, no seu monitor, tão claro, sem papel, preto-no-branco, qual o motivo da resistência de alguns dos nossos jornais, em agregar os valores progressistas da Web? Se as emissoras de televisão estão surfando a onda, investindo pesado em portais diversificados para acompanhar a maré, por que tanta relutância dos jornais?

O modelo atual de imprensa escrita está sendo substituído radicalmente, assustando os mais conservadores. A troca instantânea de informações entre usuários da internet diminuiu a autoridade moral da imprensa impressa, que também perdeu leitores. Essa redução ocorreu ao mesmo tempo em que a Web se desenvolveu, mas não apenas em razão disso. A estabilização econômica e a péssima Educação trouxeram a diminuição do interesse pelas notícias do jornal. Se a vida não muda com a guerra no Iraque, por que comprar um calhamaço de papel sobre ela? O leitor só quer saber daquilo que gosta: fato consumado. O clique no mouse é mais fácil que a ida até a banca mais próxima. No Google, você não leva junto o "Caderno de Classificados" quando procura a classificação dos times no Brasileirão.

Não se trata de criticar o contéudo dos jornais tradicionais, já que apenas o formato da impressa impressa está se tornando ultrapassado.

E o leitor, agora, também quer participar. Não escondido na seção "Cartas do leitor", mas direto na notícia. Chega de monólogo. Resistir às redes sociais que se formam instantaneamente, sem filtros, tornou-se suicídio comercial. O mainstream terá que se adaptar, vai ter que dialogar para sobreviver. E lincar também.

O futuro se apresenta como uma volta ao ponto fundamental da democracia, com suas qualidade e defeitos: a participação disponível para todos, ruins ou bons.

Custo Brasil: Educação
Os jornais de Pindorama criaram seus próprios sites, contrataram alguns especialistas em tecnologia da informação, conseguiram aumentar o tráfego, mas ainda não entenderam o principal: aqui não é a América.

Lá nos EUA, a passagem da imprensa escrita para a web tem sido gradativa e até suave, considerando a velocidade com que as novidades surgem, também seguindo o ritmo da demanda. A parcela de poder que a imprensa possui por lá é proporcional à democracia que a população exerce: não é surpresa para ninguém um blog criticar o jornalista Jayson Blair, do New York Times, ou a parcialidade de uma notícia. Já no Brasil, o padrão educacional do cidadão não é o mesmo, além do acesso a internet alcançar apenas uma parcela mínima da população. A equação do jornalismo impresso, transformado em site, não fecha quando o número de usuários que navegam no país é pequeno e esta parcela restrita não tem interesse pela cultura, política ou economia. É neste ponto que mora o perigo: a queda na venda de jornais impressos precisa ser compensada com o sucesso na Web. Se não houver sucesso na Web, os jornais mais tradicionais podem naufragar no meio da transformação.

Em defesa da posição conservadora dos jornais tradicionais em resistir e esculhambar alguns instrumentos das redes sociais, pode se dizer apenas que o brasileiro internauta não está acostumado a participar de discussões de maneira educada, razão esta que enlouquece os jornalistas mais experientes, surpresos com os erros de português e com as grosserias de parte dos leitores.

Como foi dito no Haaretz: nos EUA, pelo menos o New York Times já se conformou em não ser mais o ponto central da vida urbana, como era há dez anos. Tal característica foi transferida para as redes sociais.

Já no Brasil, os jornais tradicionais se questionam: como manter o lucro, agregar as redes e ainda assim manter a importância do editorial, diante da pulverização? Se o jornal linca para um blogueiro qualquer que visitou a FLIP, significa que ele tem um conteúdo que o jornal não tem, logo, o jornal não deve lincar para ele, porque ele é um concorrente potencial... Como eu já disse, aqui não é a América, a terra onde a idéia sozinha dá à luz o empreendimento. Se uma estrutura de jornal impresso, trabalhando exclusivamente para a internet não sobrevive em lugar nenhum do mundo, por que sobreviveria em um país onde ninguém paga um centavo sequer por conteúdo navegável? A AOL daqui não gorjeou como a dos EUA. Também não temos ainda uma cultura de publicidade na internet suficiente para custear uma redação grande, de imprensa impressa, além da nova concorrência dos sites de classificados, atividade que era quase um duopólio dos jornais tradicionais.

A vocação da internet nacional é também a solução para os nossos jornais: as redes sociais, que não são redes de notícias, mas redes de informações. Conversar com os amigos não é o mesmo que informar o índice da inflação do mês de julho, assim como comentar um livro não é igual a escrever um ensaio. Se houver uma integração com estas redes, haverá demanda para a imprensa, do contrário, o jornal que der as costas para Orkut, Blogs, MySpace e Second Life, vai derrubar o último pinheiro para a gráfica.

O exemplo do El País
O jornal espanhol El País seguiu o sonhador Dom Quixote e inovou corajosamente ao criar um domínio próprio para blogs. Ao invés de reduzir o número de leitores, a tática agregou a grande massa de jovens ruivos que usam aparelho, leitores assíduos do jornal...


Vicente Escudero
São Paulo, 23/8/2007

Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2007
01. Ascensorista para o arranha-céu da literatura - 13/7/2007
02. Blogs, livros e blooks - 31/5/2007
03. O senhor do YouTube - 24/4/2007
04. A imprensa dos ruivos que usam aparelho - 23/8/2007
05. Um olhar desafiador - 5/3/2007


Mais Especial Para onde vai o jornalismo?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/8/2007
14h05min
Tenho acompanhado com legítimo interesse as observações a respeito do impacto da internet sobre a imprensa impressa. Noto uma preocupação em estabelecer comparações com países onde esta relação já ocorre. Acredito que haja algum valor nesta relação, no entanto vejo na singularidade de cada país, da formação de sua conjuntura social e mais ainda, na credibilidade da instituição imprensa; seja como parte da vida política de um país e cumprindo um papel importante de fiscalizar e articular com a sociedade, ou mesmo como ente jurídico da comunidade de negócios. Nossa imprensa sempre oscilou muito, seja na sua definição ideológica, seja na busca de uma representação social mais ativa. Alterna críticas ao óbvio com posturas servis e prostituídas, típicas nas sociedades em que o espectro democrático ainda não está sedimentado. A crise Internet é só mais um reflexo da crise de identidade, de uma imprensa opinativa, que cria heróis em detrimento de fatos. Qualquer comparação deprime.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
25/8/2007
17h48min
Um dia eu vi um jovem ruivo que usava aparelho. De dentes. Ele estava perdido na rua, ou parecia perdido, não sei. Talvez estivesse tentando ir para a Espanha. Tudo é possível. Mas o que eu queria comentar mesmo é que o texto está muito legal. É isso aí, Escudero.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Boas Vendas! Como vender mais e melhor no varejo
Vários Autores
Sebrae
(2007)



O cartaz
Abraham Moles
Perspectiva
(2005)



Einstein e o Universo Relativístico
José Cláudio Reis e outros
Atual
(2000)



O Processo do Trabalho e o Paradigma Constitucional Processual
Artur Torres
Ltr
(2012)



Trilogia o Século
Ken Follett
Arqueiro
(2010)



O Profeta
Sholem Asch
Companhia Nacional
(1958)



La Reina Jezabel
Jean Plaidy
Ediciones B
(2007)



Conheça e Defenda Seus Direitos
Nova Cultural
Nova Cultural
(2010)



Livro Literatura Estrangeira Assassins Creed 1 Renascença
Oliver Bowden
Galera Record
(2014)



O Brincar & A Realidade
D. W. Winnicott
Imago
(1975)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês