Da separação e dos desalinhamentos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/11/2011
Da separação e dos desalinhamentos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4300 Acessos

Quem já se separou sabe a sensação avassaladora de romper uma relação importante. Oficialmente ou não, morar sob o mesmo teto é um exercício de adaptação, amor & ódio, respeito e transbordamento, dissabor e delícia, limites & fronteiras, eu & outro, sexo e sensatez, amizade, denúncia, confissão e reajuste de identidade que se pode experimentar. Há outra imensa lista de coisas para completar a descrição dessa experiência, mas neste texto elenquei apenas o que me apareceu primeiro. É a tirania da quantidade de linhas que uma crônica pode ter antes de nos cansar.

Todo mundo nesta Terra se casa com uma pessoa e se separa de outra. Só pode ser assim. Entre um parêntese e outro desta frase vivida (que pode ser poética ou não) é que está o nó da questão, o X do problema. Esse intervalo, lapso ou colapso entre o dia da chegada e o dia da partida, esse ínterim entre a compra dos cabides e a insuficiência das melhores malas é que é difícil de atravessar. Mudar junto é a prova dos nove, dos dez, das bodas de ouro. Morar junto não é problema. Transformar-se enquanto se está junto é que faz a diferença. Como garantir uma transformação em parceria? Como conjugar os eus e os tus? Como respeitar os desejos naturalmente diversos? Como crescer sem estar à sombra? Nem todo caule é virtuoso à sombra de outro. Nem toda folha se desenvolve sem sol. Como mudar sem se desalinhar?

Todo mundo neste mundo se casa com os efeitos de alguém. Ninguém se casa sabendo ao certo quem está do lado de lá da cama, do box, da janela ou da cabine do carro. Ninguém se casa com certeza do próximo minuto. Dia a dia as coisas vão ficando menos claras ainda porque os quereres e as oportunidades vão chegando, atravessando a relação, todas elas.

É comum que alguém mais dominador, mais ciumento ou mais invejoso tente, a todo custo, privar o outro do acesso às oportunidades. O risco é tudo, está em tudo, é estar vivo. O risco é a esquina, a escola, os colegas. Mudam os trabalhos, as amizades, os empregos. Com eles, mudam as direções pra onde se pode ir. E como não se desajustar então?

Todas as pessoas se casam com outras pessoas em processo. Todos nos casamos com projeções pálidas do que nunca se estabilizará. Todos nos casamos com um projeto. Casamo-nos com o efeito que traz alguém hoje. Daqui a sete anos seremos outros, certamente. Nesse trajeto é que estão escondidas nossas surpresas, as melhores e as piores. Imagine-se, então, casar-se aos vinte e poucos anos, quando tudo ainda está por acontecer? A não ser que alguém, tiranicamente, atravanque o processo do outro, como era comum ocorrer às moças, em geral.

Casamo-nos, a exemplo, com o recém-formado profissional que ainda não viajou o mundo nem ganhou dinheiro. Casamo-nos com a jovem universitária que não enfrentou ainda sua pós-graduação e não se pôs à prova numa viagem ao exterior. Casamo-nos com o jovem professor que ainda não se tornou um doutor da universidade. Casamo-nos com a jovem dona de casa que não perdeu os pais. Casamo-nos com aqueles que ainda não tiveram filhos, não sabem o que é ter vida sexual monogâmica, cujos corpos ainda são rijos e ágeis, cujas ideias ainda estão na mais célere transição.

Anos depois, experimentando uma trajetória difícil e conturbada, damo-nos conta de que habitamos a casa com um estranho. Onde está aquele sorriso gratuito? E onde os cabelos na testa? E o olhar, onde foi parar? E as conversas no café da manhã? Jamais. E as conversas quaisquer? Raras. E o interesse pela banda? Pelo livro? Pelo filme? E o que são estas sessões de cinema corridas, sem mãos dadas pelo shopping depois? O que é esta impaciência para as pequenas angústias alheias? E a desatenção com a gripe, a dor, o calor? A falta de propostas para as férias em família? A preguiça cada vez mais duradoura? A má vontade para atender à porta ou ao telefone? E o olhar cada vez mais para fora.

Casamo-nos em processo. Difícil coordenar cada corpo e cada mente para que cheguem de mãos dadas a algum lugar. Às vezes um espaço comum, outras vezes os espaços alternados de um e de outro. Casamo-nos com os efeitos. E eles mudam.

Se a admiração se extinguiu. Se o beijo é raro. Se o abraço é breve. Se o aconchego é nulo. Se a paciência é um suspiro. Se o carinho é rarefeito. Se o olhar é fugidio. Se não se percebe a beleza, a unha, o corte do cabelo. Se os planos são segredos. Se os papos são desafios. Descasamo-nos. Capitulamos. Desistimos, provavelmente, porque admitimos (não sem custo) que nem tudo tem conserto. Nem tudo tem emenda, remendo, ajuste. Nem tudo tem tradução. Nem isto. Nada se põe no lugar do que foi envenenado pela falta de sentimento. Não se produz amor sintético. Com ele, também não se fabrica beijo quente e abraço de aconhego. Não se finge prazer, se finge orgasmo. Beijo técnico é o fim. Daí ao desrespeito, à desconfiança, à traição, à deslealdade é um pulo fácil. Até que alguém dá uma de editor e corta a cena. Pronto.

E lá vamos nós continuar de outro jeito. Se há filhos, maiores as chances de continuar mesmo, fazendo visitas, falando ao telefone, lidando com a mais remota vida do outro, mesmo a contragosto (por um tempo). É vontade de matar e morrer. Quem será feliz primeiro? Quem conseguirá mudar o quadro? Quem arrastará mais correntes por estes corredores assombrados? Quem fica na casa das memórias recentes? Quem sai para um novo apartamento? Quem se renova antes? Quem dos dois tem mais potente fator de cura? Quem engana a si mesmo?

Continuar, só que de outro jeito. Vamos ser amigos? Antes fôssemos. Vamos ser parceiros? Seremos pais, certamente, e sempre dos mesmos filhos, ao menos em parte. Seremos inimigos? De certa forma. Seremos falsos? Quem sabe? Do que teremos certeza? De nada e de qualquer coisa. Por que deu errado? Porque não estivemos atentos. Será que é isso? Em certos momentos, perdemos o foco de nós e olhamos para fora. Mas quem é que só vive do lado de dentro? Sufocamento. Se até a casa precisa de ar renovado, do abrir as folhas da janela e receber o sol da manhã, por que não nós?

Continuar, só que de novo. Não sem antes parar e pensar: o que eu fiz? O que pode ser diferente? Mas numa nova interação, a história é outra e é imponderável. Eu sou um intervalo entre ontem e amanhã. Não sou um resultado. O que eu sou agora atrai pessoas que me veem neste instante e que compartilharão comigo, ou não, um outro episódio, menos ou mais duradouro. E como é que ocorre esta separação? Eu desisto.

Eu paro tudo, interrompo um ciclo, abro o circuito, reposiciono as coisas, penso se devia ter feito ou se deveria fazer. Sofro, sofro muito. A memória é um inferno neste instante. Ela me enfraquece com sua edição dos melhores momentos. É ela também que me dá forças com seus clipes dos mais duros episódios de uma história em que as pessoas se desalinharam, em algum momento. Ou porque viveram sem compartilhar direito; ou porque não estiveram atentas entre si; ou porque cada uma foi para a sua janela; ou porque confiaram demais nos efeitos e nas projeções; ou porque não souberam viver suas vidas numa composição possível com a interseção que as unia; ou porque não há mesmo explicação.

Conheço, entre tantas e tantas, apenas uma pessoa que fala muitíssimo bem de sua ex-mulher. Elogia desbragadamente aquela que foi da maior importância, mãe de seu único filho, lindíssima aos quase 60. E conheço apenas uma mulher que se refere ao casamento vivido (e já rompido - ou seria melhor dizer transformado?, à maneira de um Lavoisier) com certa alegria: "o casamento deu certo. Ele só se acabou". Só esses dois casos me parecem felizes, mesmo no fim. De resto só conheço outros efeitos de um episódio sofrido, em que as pessoas fazem projeções furiosas de suas experiências. O presente muda o futuro, mas muda também o passado. Como garantir que um e um sejam dois de mesma natureza? Como afirmar que um mais um serão dois daqui a um tempo? Ninguém disse que seriam. Nem na matemática.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/11/2011


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE DIREITO PENAL - VOLUME 2 - PARTE ESPECIAL
JULIO FABBRINI MIRABETE
ATLAS
(2003)
R$ 9,50



VENTO NOTURNO
CHARLES DICKENS
CLUBE DO LIVRO
(1975)
R$ 7,00



BIBLIORAMA BRINCANDO E APRENDENDO
SILVIO NAKANO
A D SANTOS
(2006)
R$ 10,00



COMISSÃO COORDENADORA DE ESTUDOS DO NORDESTE - ESTUDO 01
ARENA (ALIANÇA RENOVADORA NACIONAL)
SENADO FEDERAL
(1971)
R$ 19,82



ISTO É 2030 - MÉDIUNS
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
TRÊS
(2008)
R$ 9,00



DETECÇÃO DE BATIMENTOS CARDÍACOS UTILIZANDO FPGA
ALEXANDRE TOMAZATI OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



REVOLUÇÕES DE INDEPENDÊNCIAS E NACIONALISMOS NAS AMÉRICAS
MARCO A. PAMPLONA; MARIA E. MADER ORG - VOL 2
PAZ E TERRA
(2008)
R$ 15,00



CULTURA E OPULÊNCIA DO BRASIL
ANDRÉ JOÃO ANTONIL
PROGRESSO
(1955)
R$ 29,70



ATLÂNTIDA: O GENE
A. G. RIDDLE
GLOBO ALT
(2015)
R$ 9,00



CONHECIMENTO QUE CONDUZ À VIDA ETERNA
NAO CONSTA
WATCHTOWER
(1995)
R$ 4,90





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês