Da separacao e dos desalinhamentos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
>>> Viagem ao Âmago da Palavra
>>> Modelos plus size: as novas mulheres irreais
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Escrever não é para amadores
Mais Recentes
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
>>> Lost in the Woods de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Devastação Ou a Volta à Natureza de Rene Barjavel pela Círculo do Livro (1976)
>>> Os segredos da mente milionária de T harv eker pela Sextante (2010)
>>> A Day on the Farm de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Economia Solar Global de Hermann Scheer pela Cresesb (2002)
>>> Alguém Que já Não Fui de Artur da Távola pela Nova Fronteira (1986)
>>> Enquanto Eu Estivesse Fora... de Sue Miller pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Infâncias Roubadas o Ser Criança Como Desafio para o Reino de Silvana Bezerra de Castro Magalhães pela Coiô Coiô (2016)
>>> Já Pensou Se Alguém Acha e Lê esse Diário? de Nilza Rezende pela Record (2007)
>>> O Quiabo Comunista de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1977)
>>> Mulheres ajudando mulheres de elyse Fitzpatrick e carol Cornish pela c p a D (2005)
>>> O poder dos Quietos de Susan Cain pela Agir (2012)
>>> O segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Sextante (2008)
>>> Marley & eu de John Grogan pela Ediouro (2010)
>>> O grande conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Problemas? OBA ! de Roberto Shinyahiki pela Gente (2011)
>>> Ali and his Camera de Raymond Pizante pela Penguin Readers (2008)
>>> Os 10 hábitos da memorização de Renato Alves pela Gente (2009)
>>> Billy and the Queen de Stephen Rabley pela Penguin Readers (2008)
>>> O código da inteligência de Augusto Cury pela Ediouro (2008)
>>> Manual de Normas Internacionais de Contabilidade: IFRS versus Normas Brasileiras de Ernst & Young - FIPECAFI pela Atlas (2010)
>>> Quem mexeu no meu queijo ? de Spencer Johnson,M.D pela Record (2010)
>>> Desenvolvimento Pessoal e Profissional de Josiane C. Cintra; Keli C. de L. Campos; Tatiane R. Bonfim; Yaeko Ozaki; Rodolfo L. de F. Olivo pela Anhanguera Publicações (2011)
>>> Simon and the Spy de Elizabeth Laird pela Penguin Readers (2008)
>>> 0870707329 de Paola Antonelli pela The Museum of Modern Art (2008)
>>> Contabilidade Financeira de Alessandra Cristina Fahl; José Carlos Marion. pela Anhanguera Publicações (2013)
>>> Perícia Contábil de Antônio Lopes de Sá pela Atlas (2011)
>>> Contabilidade Gerencial: Um Enfoque em Sistema de Informação Contábil de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas (2010)
>>> Administração de Idalberto Chiavenato pela Elsevier (2010)
>>> João santana , um marqueteiro no poder de luiz Maklouf carvalho pela Record (2015)
>>> Custos e Formação de Preços de Eunir de Amorim Bomfim; João Passarelli; pela IOb (2011)
>>> Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras de Marcelo Cardoso de Azevedo; Fernando Coelho; José Carlos Ruiz; Paulo Neves. pela Alínea (2010)
>>> Desenvolvimento Econômico de Aderbal O. Damasceno; Ana Paula Avellar; Claúdio César de Paiva; Fernando C. B. Oliveira; Flávio V. Vieira; Michele P. Veríssimo; Suzana F. de Paiva. pela Alínea (2013)
>>> Educação Corporativa: Fundamentos, Evolução e Implantação de Projetos de Marisa Eboli; André Luiz Fischer; Fábio Cássio Costa Moraes; Wilson Ap. Costa de Amorim. pela Atlas (2012)
>>> 100 cronicas Escolhidas de Mauro Mota pela Cepe (2011)
>>> Mole at the Seaside de Julie Davies pela Richmond (2009)
>>> Contabilidade Avançada: Texto e Testes com as Respostas de José Hernandez Perez Junior; Luís Martins de Oliveira. pela Atlas (2012)
>>> Revista Civilização Brasileira 9 - 10 de Revista (Dias Gomes-Moacir Felix diretores) pela Civilização Brasileira (1966)
>>> Smellybear de John Foley pela Richmond (2009)
>>> Modelo de Competências e Gestão dos Talentos de Maria Rita Gramigna pela Pearson (2013)
>>> Contabilidade Pública de Heilio Kohama pela Atlas (2012)
>>> Fundamentos do Mercado de Capitais de Umbelina Cravo Teixeira Lagioia pela Atlas (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/11/2011
Da separação e dos desalinhamentos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4600 Acessos

Quem já se separou sabe a sensação avassaladora de romper uma relação importante. Oficialmente ou não, morar sob o mesmo teto é um exercício de adaptação, amor & ódio, respeito e transbordamento, dissabor e delícia, limites & fronteiras, eu & outro, sexo e sensatez, amizade, denúncia, confissão e reajuste de identidade que se pode experimentar. Há outra imensa lista de coisas para completar a descrição dessa experiência, mas neste texto elenquei apenas o que me apareceu primeiro. É a tirania da quantidade de linhas que uma crônica pode ter antes de nos cansar.

Todo mundo nesta Terra se casa com uma pessoa e se separa de outra. Só pode ser assim. Entre um parêntese e outro desta frase vivida (que pode ser poética ou não) é que está o nó da questão, o X do problema. Esse intervalo, lapso ou colapso entre o dia da chegada e o dia da partida, esse ínterim entre a compra dos cabides e a insuficiência das melhores malas é que é difícil de atravessar. Mudar junto é a prova dos nove, dos dez, das bodas de ouro. Morar junto não é problema. Transformar-se enquanto se está junto é que faz a diferença. Como garantir uma transformação em parceria? Como conjugar os eus e os tus? Como respeitar os desejos naturalmente diversos? Como crescer sem estar à sombra? Nem todo caule é virtuoso à sombra de outro. Nem toda folha se desenvolve sem sol. Como mudar sem se desalinhar?

Todo mundo neste mundo se casa com os efeitos de alguém. Ninguém se casa sabendo ao certo quem está do lado de lá da cama, do box, da janela ou da cabine do carro. Ninguém se casa com certeza do próximo minuto. Dia a dia as coisas vão ficando menos claras ainda porque os quereres e as oportunidades vão chegando, atravessando a relação, todas elas.

É comum que alguém mais dominador, mais ciumento ou mais invejoso tente, a todo custo, privar o outro do acesso às oportunidades. O risco é tudo, está em tudo, é estar vivo. O risco é a esquina, a escola, os colegas. Mudam os trabalhos, as amizades, os empregos. Com eles, mudam as direções pra onde se pode ir. E como não se desajustar então?

Todas as pessoas se casam com outras pessoas em processo. Todos nos casamos com projeções pálidas do que nunca se estabilizará. Todos nos casamos com um projeto. Casamo-nos com o efeito que traz alguém hoje. Daqui a sete anos seremos outros, certamente. Nesse trajeto é que estão escondidas nossas surpresas, as melhores e as piores. Imagine-se, então, casar-se aos vinte e poucos anos, quando tudo ainda está por acontecer? A não ser que alguém, tiranicamente, atravanque o processo do outro, como era comum ocorrer às moças, em geral.

Casamo-nos, a exemplo, com o recém-formado profissional que ainda não viajou o mundo nem ganhou dinheiro. Casamo-nos com a jovem universitária que não enfrentou ainda sua pós-graduação e não se pôs à prova numa viagem ao exterior. Casamo-nos com o jovem professor que ainda não se tornou um doutor da universidade. Casamo-nos com a jovem dona de casa que não perdeu os pais. Casamo-nos com aqueles que ainda não tiveram filhos, não sabem o que é ter vida sexual monogâmica, cujos corpos ainda são rijos e ágeis, cujas ideias ainda estão na mais célere transição.

Anos depois, experimentando uma trajetória difícil e conturbada, damo-nos conta de que habitamos a casa com um estranho. Onde está aquele sorriso gratuito? E onde os cabelos na testa? E o olhar, onde foi parar? E as conversas no café da manhã? Jamais. E as conversas quaisquer? Raras. E o interesse pela banda? Pelo livro? Pelo filme? E o que são estas sessões de cinema corridas, sem mãos dadas pelo shopping depois? O que é esta impaciência para as pequenas angústias alheias? E a desatenção com a gripe, a dor, o calor? A falta de propostas para as férias em família? A preguiça cada vez mais duradoura? A má vontade para atender à porta ou ao telefone? E o olhar cada vez mais para fora.

Casamo-nos em processo. Difícil coordenar cada corpo e cada mente para que cheguem de mãos dadas a algum lugar. Às vezes um espaço comum, outras vezes os espaços alternados de um e de outro. Casamo-nos com os efeitos. E eles mudam.

Se a admiração se extinguiu. Se o beijo é raro. Se o abraço é breve. Se o aconchego é nulo. Se a paciência é um suspiro. Se o carinho é rarefeito. Se o olhar é fugidio. Se não se percebe a beleza, a unha, o corte do cabelo. Se os planos são segredos. Se os papos são desafios. Descasamo-nos. Capitulamos. Desistimos, provavelmente, porque admitimos (não sem custo) que nem tudo tem conserto. Nem tudo tem emenda, remendo, ajuste. Nem tudo tem tradução. Nem isto. Nada se põe no lugar do que foi envenenado pela falta de sentimento. Não se produz amor sintético. Com ele, também não se fabrica beijo quente e abraço de aconhego. Não se finge prazer, se finge orgasmo. Beijo técnico é o fim. Daí ao desrespeito, à desconfiança, à traição, à deslealdade é um pulo fácil. Até que alguém dá uma de editor e corta a cena. Pronto.

E lá vamos nós continuar de outro jeito. Se há filhos, maiores as chances de continuar mesmo, fazendo visitas, falando ao telefone, lidando com a mais remota vida do outro, mesmo a contragosto (por um tempo). É vontade de matar e morrer. Quem será feliz primeiro? Quem conseguirá mudar o quadro? Quem arrastará mais correntes por estes corredores assombrados? Quem fica na casa das memórias recentes? Quem sai para um novo apartamento? Quem se renova antes? Quem dos dois tem mais potente fator de cura? Quem engana a si mesmo?

Continuar, só que de outro jeito. Vamos ser amigos? Antes fôssemos. Vamos ser parceiros? Seremos pais, certamente, e sempre dos mesmos filhos, ao menos em parte. Seremos inimigos? De certa forma. Seremos falsos? Quem sabe? Do que teremos certeza? De nada e de qualquer coisa. Por que deu errado? Porque não estivemos atentos. Será que é isso? Em certos momentos, perdemos o foco de nós e olhamos para fora. Mas quem é que só vive do lado de dentro? Sufocamento. Se até a casa precisa de ar renovado, do abrir as folhas da janela e receber o sol da manhã, por que não nós?

Continuar, só que de novo. Não sem antes parar e pensar: o que eu fiz? O que pode ser diferente? Mas numa nova interação, a história é outra e é imponderável. Eu sou um intervalo entre ontem e amanhã. Não sou um resultado. O que eu sou agora atrai pessoas que me veem neste instante e que compartilharão comigo, ou não, um outro episódio, menos ou mais duradouro. E como é que ocorre esta separação? Eu desisto.

Eu paro tudo, interrompo um ciclo, abro o circuito, reposiciono as coisas, penso se devia ter feito ou se deveria fazer. Sofro, sofro muito. A memória é um inferno neste instante. Ela me enfraquece com sua edição dos melhores momentos. É ela também que me dá forças com seus clipes dos mais duros episódios de uma história em que as pessoas se desalinharam, em algum momento. Ou porque viveram sem compartilhar direito; ou porque não estiveram atentas entre si; ou porque cada uma foi para a sua janela; ou porque confiaram demais nos efeitos e nas projeções; ou porque não souberam viver suas vidas numa composição possível com a interseção que as unia; ou porque não há mesmo explicação.

Conheço, entre tantas e tantas, apenas uma pessoa que fala muitíssimo bem de sua ex-mulher. Elogia desbragadamente aquela que foi da maior importância, mãe de seu único filho, lindíssima aos quase 60. E conheço apenas uma mulher que se refere ao casamento vivido (e já rompido - ou seria melhor dizer transformado?, à maneira de um Lavoisier) com certa alegria: "o casamento deu certo. Ele só se acabou". Só esses dois casos me parecem felizes, mesmo no fim. De resto só conheço outros efeitos de um episódio sofrido, em que as pessoas fazem projeções furiosas de suas experiências. O presente muda o futuro, mas muda também o passado. Como garantir que um e um sejam dois de mesma natureza? Como afirmar que um mais um serão dois daqui a um tempo? Ninguém disse que seriam. Nem na matemática.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Os defeitos meus de Renato Alessandro dos Santos
03. Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro de Jardel Dias Cavalcanti
04. Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS SOBRINHAS DA BRUXA ONILDA & CINDERELA - (LITERATURA INFANTIL)
M. COMPANY E R. CAPDEVILA
SCIPIONE
(1997)
R$ 10,00



A AGENDA DE CAROL
INÊS STANISIERE
LEITURA
(2007)
R$ 10,00



CURSO DE DIREITO CIVIL VOL. 1
WASHINGTON DE BARROS MONTEIRO
SARAIVA
(1997)
R$ 10,00



EMA LADY HAMILTON A DIVINA DAMA
F. W. KENYON
ITATIAIA
(1930)
R$ 10,00



O SORRISO DO GATO
FRANÇOIS MASPERO
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 10,00



FULL FRONTAL FASHION
MELISSA SONES
PENGUIN BOOKS
(2005)
R$ 10,00



A VIDA DE ALLAN KARDEC PARA AS CRIANÇAS 9600
CLÓVIS TAVARES E NINA ARUEIRA
LAKE
(2009)
R$ 10,00



SCRIPTA: LINGUISTICA E FILOLOGIA VOL2 NÚMERO 4
PTOF. PE. GERALDO MAGELA TEIXEIRA
PUC MINAS
(1999)
R$ 10,00



PARA QUERER BEM
MANUEL BANDEIRA
MODERNA
(2005)
R$ 10,00



REENCARNAÇÃO E VIDA
AMÁLIA DOMINGO SOLER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPIRITA
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês