Bibliotecas públicas, escolares e particulares | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevo deus com letra minúscula
>>> O Anvil e o amor à música
>>> Devendra Banhart
>>> Reflexões praianas
>>> 2006 e os meus CDs
>>> Executivos
>>> Gripe Suína por Nani
>>> O filme é uma merda, mas o diretor é genial
>>> Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> O que é ser jornalista?
Mais Recentes
>>> O Romantismo - Coleção Stylus/ST. 03 de J. Guinsburg (Organização) pela Perspectiva (2013)
>>> Os Cangaceiros de Carlos D. Fernandes pela Fundação Ernani Sátyro (1997)
>>> Lampião As Mulheres E O Cangaço de Antonio A.C. Araujo pela Traço (2012)
>>> Lampião Contra o Mata Sete de Archimedes Marques pela Info Graphiqs (2012)
>>> Lampião e Zé Saturnino16 Anos de Luta de José Alves Sobrinho pela Bagaço (2006)
>>> Assim Morreu Lampião de Antonio Amaury Correa de Araujo pela Traço (2013)
>>> Geografia do Cangaço: Nomenclatura de Paulo Medeiros Gastão pela Sebo Vermelho (2016)
>>> Lampião o Rei dos Cangaceiros de Billy James Chandler pela Paz e Terra (1980)
>>> Medo de Voar de Erica Jong pela Nova Cultural (1986)
>>> Pecadores de Jackie Collins pela Nova Cultural (1986)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> Sempre um Colegial de John Le Carré pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Cemitério de Stephen King pela Rio Gráfica (1986)
>>> Lembranças de Um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural (1986)
>>> Amante Indócil de Janet Dailey pela Nova Cultural (1986)
>>> Máquinas Mortais de Philip Reeve pela Harper Collins (2018)
>>> O Chalé de Moorland de Elizabeth Gaskell pela Pedrazul (2019)
>>> Maria Madalena de Margaret George pela Geracao Editorial (2002)
>>> Stonehenge de Bernand Cornell pela Record (2008)
>>> Aves De Rapina de wILLBUR sMITH pela Record (2005)
>>> Cruzada: No Reino do Paraíso de H.Rider Haggard pela Geracao Editorial (2005)
>>> A Missao - A pergunta e a Resposta - Livro 2 de Patrick Ness pela PandorgA (2012)
>>> Traição em Veneza de Steve Berry pela Record (2010)
>>> Autografado - Noite Americana Doris Day By Night de Ronaldo Werneck pela Ibis Libris (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/5/2011
Bibliotecas públicas, escolares e particulares
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Um repositório de livros que também serve para emprestá-los e para cobrar multas dos atrasadinhos. É desse jeito que se costuma conceituar uma biblioteca. E nem sempre é assim que elas são. Às vezes são bem piores, especialmente quando só têm livros velhos e desatualizados, quando as bibliotecárias vivem de mau humor ou quando a gente só espirra ao adentrar o espaço (nem sempre iluminado).

Certa vez, escrevi um texto para o Estado de Minas, nosso jornal mais antigo aqui nas alterosas, em que tratava das "bibliotecas dinâmicas". Eram aquelas em que o livro era um elemento importante, claro, mas também outros itens importavam muito, como cursos, lançamentos, eventos, palestras, etc. Algo que talvez os centros culturais estejam mais acostumados a fazer.

Não vou entrar no mérito das nomenclaturas ou dos centros culturais. Para isso, é legal dar uma lida nos livros do Luis Milanesi (principalmente A casa da invenção). O negócio é que bibliotecas têm má fama. E a gente quase não as frequenta. Isso quando elas existem ao nosso redor.

O porão da escola

As bibliotecas mais próximas de mim, na infância e na adolescência, eram as escolares. Talvez seja o que acontece com a maioria das pessoas, embora nem sempre elas notem. Nem toda escola tem biblioteca e, lastimavelmente, isso não é obrigatório no Brasil. Dei a sorte, portanto, de estudar em escolas públicas que tinham bibliotecas.

Na escola em que estudei mais tempo, a biblioteca tinha um acervo que eu achava, à época, razoável. Hoje, provavelmente, eu acharia pobre. Só me lembro de ser um ambiente escuro, uma espécie de porão do prédio (e essas localizações dizem muito...), atendido por bibliotecários que, em sua maioria, eram professores afastados da sala de aula. Uma espécie de castigo para eles? Não sei. Sei que eu gastava boa parte dos meus recreios enfiada naquele porão à procura de livros com títulos instigantes.

Nessa busca, encontrei vários autores, conheci muitos e li bastante. Era chato enfrentar a bibliotecária emburrada, era chato procurar livros no meio da poeira e era chato ter prazo curto para lê-los, mas eu curtia muito ter conhecido, por exemplo, Ana Cristina César ou Ignácio de Loyola Brandão. Não posso deixar de citar o grande impacto que foi ler A dança dos cabelos, do mineiríssimo Carlos Herculano Lopes.

Eu frequentava as bibliotecas das escolas em que estudei. Era uma leitora, uma usuária, uma assídua caçadora de livros. Sabia os procedimentos e tentava não pagar multas. Enfrentava o tom lúgubre do espaço porque, como nos videogames, precisava mudar de fase nesse jogo que é se tornar leitor.

Nenhum curso me tornou leitora, nenhuma aula específica, nenhuma palestra motivacional, nenhum programa de governo, nenhuma tarefa escolar. Eu me tornei leitora porque as palavras me conquistaram. Quando eu me dispus a aprender a ler literatura, a curtir a arte da palavra, eu corri todos os riscos, inclusive o de não gostar, mas eu me engajei e eu me vi apaixonada.

Vá lá fazer sua ficha

Além da biblioteca da escola (e ainda nem existiam esses programas de governo que as abastacem), havia uma biblioteca pública estadual no bairro ao lado. Era também um espaço pequeno e feio, perto da igreja local, com poucas prateleiras e umas moças conversadeiras. Minha mãe me perseguiu durante meses para que eu "fizesse a ficha" naquela biblioteca. Dizia que era importante conhecer aquele pequeno acervo, que poderia haver ali livros que eu ainda não conhecia e que seria um lugar interessante para fazer pesquisa escolar. De fato, o parco público que eu encontrava ali, depois que fiz a tal ficha (um cartão verde com minha foto 3x4), era de estudantes em busca de enciclopédias de onde copiar conceitos e vidas de cientistas. (E depois se alarmam com o atual copia e cola digital...)

Minha conclusão, tirada rapidamente, foi que a biblioteca da escola era melhor do que a pequena ramificação da biblioteca estadual no bairro ao lado. Para piorar, era preciso subir muitos morros (destes de BH) a pé para alcançar um livro, enquanto a da escola me parecia bem mais ao meu alcance (apenas uns degraus para baixo).

Biblioteca e preço de livro

Elizabeth D'Angelo Serra, secretária geral da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), afirmou, em sua participação no VI Seminário Beagalê, em Belo Horizonte (abril), que se existissem bibliotecas públicas (muito muito mais do que existem) no Brasil e se o governo realmente tivesse uma política de abastecê-las, o impacto para o preço do livro seria muito positivo. O raciocínio é matemático, pois bem: nossas tiragens médias são o que Serra chamou, muito apropriadamente, de "ridículas". São, quando muito, três mil exemplares de uma obra. Esse número de exemplares torna o preço unitário do livro alto. Caso tivéssemos para onde escoar essa produção, garantidamente, as tiragens cresceriam muito (dezenas ou centenas de mil exemplares) e os preços unitários cairiam sensivelmente.

Emendei, logo em seguida, dizendo que não sei, não... Não se trata apenas de reduzir preços. Na outra ponta, temos um problema crônico: é preciso criar uma cultura, dar valor ao livro. Mesmo quando uma obra bacana custa R$ 9,90, pouca gente a compra, não é? Sejamos sinceros. É dar valor, não é só dar preço, camaradas. Enquanto não tivermos bibliotecas, não tivemos para onde escoar a produção, não tivermos preço mais baixo e leitores que valorizem o livro e a leitura... nada feito. E assim caminha a humanidade neste país: com pouco livro, pouca leitura e muita preguiça. Arre! E não adianta mudar o livro de suporte. Valham as considerações aqui também para obras apresentadas em dispositivos digitais.

E havia ainda um outro tópico: as bibliotecas particulares. A esta altura, acho melhor nem comentar...

P.S. ― Não posso deixar de dizer que a biblioteca nova do campus I do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais é linda, arejada e iluminada. Resta fazer melhor exame do acervo.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 20/5/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Noel Rosa de Fabio Gomes
02. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
03. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
04. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes
05. Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. À primeira estrela que eu vejo - 7/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2011
14h19min
A maioria das pessoas que alegam o preço do livro para não lerem estão mentindo, pois são capazes de gastarem muito mais no cinema e em suas famigeradas pipocas, em chopes e batatas fritas, roupas descartáveis, etc. Apenas não se interessam e/ou não valorizam a leitura, não entendem como alguém possa perder tempo com algo sem imagens nem som.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Minha sombra
Sérgio Capparelli
L&Pm
(2001)



Dois Gigantes do Espiritismo
Orson Peter Carrara
Solidum
(2012)



O Tatuador de Auschwitz
Heather Morris
Planeta
(2019)
+ frete grátis



Dinastia Filipina (1581 - 1640) - uma cronologia
Fernando de Castro Brandão
Europress
(2012)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



The Beatles Complete-Piano Vocal - Easy Organ
Ray Connolly (org.)
Wise Publications /
(1976)



Outrarias
Paulo Ludmer
Massao Ohno
(1998)



Curso e Concurso - Direito Constitucional Volume 1
Barruffini Jose Carlos Tosetti
Saraiva
(2005)



O gênio nacional da historia do brasil
Roberto Sisson
Unidade
(1966)



Sherlock Holmes - o Vale do Terror
Sir Arthur Conan Doyle
Melhoramentos
(2006)





busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês