Um imenso Portugal | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/6/2003
Um imenso Portugal
Adriana Baggio

+ de 6600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O que a História do Brasil significa para você? A exploração dos recursos naturais do período colonial? A vergonha da escravatura? A farsa da Independência?

A História mais interessante não é aquela que a gente precisou decorar na escola, formada por datas remotas e nomes sem rosto. É preciso ir além da cronologia e dos grandes personagens para entender em que bases o nosso país foi construído.

O historiador Evaldo Cabral de Mello nos leva por um passeio pelos detalhes do Brasil Colônia até o Império através de Um imenso Portugal – história e historiografia, coletânea de 36 ensaios publicados pela Editora 34.

Ao confessar a “pirataria” do verso do Fado tropical, de Chico Buarque e Ruy Guerra, para dar nome ao livro, Evaldo já dá uma pista de uma das temáticas que aborda nos textos: a questão da falta de nacionalismo do povo do Brasil, cujas conseqüências se refletem até os dias de hoje. Para Evaldo, o Brasil não se tornou independente por ter se tornado nacionalista, mas o contrário. A independência proporcionou o início de um sentimento nacionalista. Ela aconteceu por uma necessidade de manutenção dos interesses da elite de funcionários públicos que, já naquela época, parasitava nos palácios brasileiros, e não por uma vontade de liberdade e autonomia.

A Nova Lusitânia, um dos nomes dados ao Brasil na época colonial, foi povoada por portugueses que não queriam abandonar de jeito nenhum os modos de vida da pátria mãe. Imaginem que, mesmo no século XVI, o consumo de produtos importados já era um sinal de status. Quem tinha condições não queria abandonar o consumo do azeite, vinho e da farinha de trigo. Poucos foram os que substituíram esses alimentos pelos seus correspondentes coloniais, como o azeite de dendê, a cachaça e a farinha de mandioca. Essa substituição aconteceu de forma mais efetiva durante a ocupação holandesa, que dificultou o transporte entre a metrópole e a colônia. A situação volta ao normal quando El Rei reconquista o Nordeste brasileiro. Este episódio, por sinal, ganha ares de trama de romance. Evaldo conseguiu acompanhar, através de documentos históricos, todo o processo de decisão da retomada das terras dos holandeses, uma ação de envolveu diplomacia, mensagens codificadas e portadores disfarçados.

Um outro texto muito interessante de Um imenso Portugal mostra as artimanhas de um escravo, que manipula com habilidade o tribunal da Santa Inquisição para escapar do domínio de seu patrão. Mesmo os escravos portugueses viam como um destino desagradável a vinda para a Colônia. Primeiro porque no Brasil a vida dos escravos era mais dura que na metrópole. Em Lisboa, eles trabalhavam mais nos serviços domésticos e artesanais. E a capital portuguesa oferecia maiores oportunidades de diversão, mesmo para um escravo. No Brasil, a maior parte trabalhava nas plantações de cana, tendo pouco contato com a vida das cidades.

O escravo em questão foi vendido para um senhor de engenho pernambucano e veio para o Brasil. Insatisfeito com a vida no engenho, o escravo, ardilosamente, começa a ter atitudes que podem levá-lo à condenação pela Inquisição. Já em Recife, depois de cumprir pena por blasfêmia, o escravo protela ao máximo sua volta para o engenho. Quando isso se torna inevitável, ele recorre mais uma vez à blasfêmia. Sabendo que sua punição seria a de trabalhar nas galés, o escravo arma para que seja punido, preferindo a vida remando a sofrer as humilhações e maus tratos do senhor de engenho. É impressionante a forma como essa história, de foco tão particular, pode ser reconstituída em detalhes tão precisos.

Os textos de Evaldo mostram como a conformação do país foi diretamente influenciada pelo cultivo da cana e pela escravatura. As primeiras plantações de cana seguiam o modelo praticado nas Ilhas Madeira, onde a geografia delimitava o espaço das plantações. Os lavradores vendiam a cana para os engenhos, que por sua vez fabricavam o açúcar. No Brasil, devido à geografia plana, as plantações ocupavam áreas enormes, e os donos dos engenhos produziam sua própria cana. O trabalho escravo viabilizou esse tipo de produção agrícola, e toda a sociedade brasileira foi influenciada por ele. Por não ter o que fazer dentro da propriedade da família, os filhos dos fazendeiros precisaram ser absorvidos pelo estado no funcionalismo público, um fardo que o Brasil carrega até hoje.

A escravatura foi responsável também pela formação das classes sociais, cuja divisão permanece até hoje. Ao analisar O abolicionismo, de Joaquim Nabuco, Evaldo mostra a visão do autor: o trabalho escravo trouxe conseqüências sócio-econômicas que frearam o desenvolvimento do país. Sem a escravatura, o Brasil, hoje, talvez fosse uma Austrália ou um Canadá.

A questão da identidade nacional é retomada em uma análise de Minha formação, outro texto de Joaquim Nabuco, que causou polêmica por confessar o dilema do mazombo, o descendente europeu que tem um pé na América e outro na Europa. A preferência pelas paisagens européias justifica-se pela carga de influência cultural, muito mais forte e arraigada que os tão recentes sentimentos nacionalistas pela pátria. Na verdade, é um reflexo do que Evaldo aborda em outros textos: a resistência do reinol em adotar os hábitos da nova terra, mesmo aqueles que poderiam tornar sua vida mais confortável, como roupas adequadas ao clima tropical.

O fato de Um imenso Portugal tratar de detalhes da vida da Colônia não significa que o conteúdo é superficial ou que o texto de Evaldo é simples. Ele é um historiador, usa termos próprios da disciplina, mas nem por isso deixa de ser ironicamente bem-humorado. Uma prova é o título do livro: resume a idéia que permeia a maior parte dos textos. O Brasil é dessa forma hoje porque, na verdade, por muito tempo não fomos nada mais do que um Portugal de proporções continentais.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 19/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. uma perversão de Fabio Danesi Rossi


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/9/2003
22h32min
Legal ver que tem uma Baggio muito inteligente. Li e gostei de seus artigos. Moro no Paraná.
[Leia outros Comentários de paulo t. baggio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 35 Nª 4
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1949)
R$ 10,89



MARTIN FIERRO
JOSÉ HERNANDEZ
BRUGUERA
(1984)
R$ 18,00



THE CHIBRET INTERNATIONAL AWARD
MERCK
MERCK
(1986)
R$ 5,00



PHYSICA MÉDICA 1ª VOL.
NEY CABRAL
GLOBO
(1935)
R$ 11,76



DEAD AS A DOORNAIL
CHARLAINE HARRIS
ACE BOOKS
(2006)
R$ 5,00



FOLGUEDOS POPULARES DO BRASIL
ROSSINI TAVARES DE LIMA
RICORDI
R$ 24,00



PAULINA AO PIANO
ALICE VIEIRA
EDITORIAL CAMINHO
(2005)
R$ 34,70



LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL VOLUME I
ALEXANDRE FREITAS CAMARA
LUMEN JURIS
(2007)
R$ 5,00



ON TRACK 2
ANGELA LLANAS LIBBY MARCELO
MACMILLAN
(2012)
R$ 9,90



AN INCONVENIENT TRUTH
AL GORE
RODALE
(2006)
R$ 22,82





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês