Um imenso Portugal | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mondrian: a aventura espiritual da pintura
>>> 50 anos de poesia concreta
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
Mais Recentes
>>> Efeito Facebook de David Kirkpatrick pela Intrínseca (2011)
>>> Teatro: Lampiao A Beata Maria do Egito de Raquel de Queiroz pela Siciliano (2001)
>>> O Pacifista de John Boyne pela Companhia das Letras (2012)
>>> A descoberta da América pelos turcos de Jorge Amado pela Record (1994)
>>> Inverno do Mundo de Ken Follett pela Arqueiro (2012)
>>> Tracos & trocos de Odayr Miguel de Lima pela Reluz Grafica (2007)
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Eternidade Por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> A Linguagem do Corpo de David Cohen pela Vozes (2014)
>>> As margens da tradução de Gustavo Bernardo (org.) pela Faperj - Caetés (2002)
>>> A Voz e o Olhar do Outro (Vol. IV) de Leila Assumpção Harris (org.) pela Letra Capital (2012)
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
COLUNAS

Quinta-feira, 19/6/2003
Um imenso Portugal
Adriana Baggio

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O que a História do Brasil significa para você? A exploração dos recursos naturais do período colonial? A vergonha da escravatura? A farsa da Independência?

A História mais interessante não é aquela que a gente precisou decorar na escola, formada por datas remotas e nomes sem rosto. É preciso ir além da cronologia e dos grandes personagens para entender em que bases o nosso país foi construído.

O historiador Evaldo Cabral de Mello nos leva por um passeio pelos detalhes do Brasil Colônia até o Império através de Um imenso Portugal – história e historiografia, coletânea de 36 ensaios publicados pela Editora 34.

Ao confessar a “pirataria” do verso do Fado tropical, de Chico Buarque e Ruy Guerra, para dar nome ao livro, Evaldo já dá uma pista de uma das temáticas que aborda nos textos: a questão da falta de nacionalismo do povo do Brasil, cujas conseqüências se refletem até os dias de hoje. Para Evaldo, o Brasil não se tornou independente por ter se tornado nacionalista, mas o contrário. A independência proporcionou o início de um sentimento nacionalista. Ela aconteceu por uma necessidade de manutenção dos interesses da elite de funcionários públicos que, já naquela época, parasitava nos palácios brasileiros, e não por uma vontade de liberdade e autonomia.

A Nova Lusitânia, um dos nomes dados ao Brasil na época colonial, foi povoada por portugueses que não queriam abandonar de jeito nenhum os modos de vida da pátria mãe. Imaginem que, mesmo no século XVI, o consumo de produtos importados já era um sinal de status. Quem tinha condições não queria abandonar o consumo do azeite, vinho e da farinha de trigo. Poucos foram os que substituíram esses alimentos pelos seus correspondentes coloniais, como o azeite de dendê, a cachaça e a farinha de mandioca. Essa substituição aconteceu de forma mais efetiva durante a ocupação holandesa, que dificultou o transporte entre a metrópole e a colônia. A situação volta ao normal quando El Rei reconquista o Nordeste brasileiro. Este episódio, por sinal, ganha ares de trama de romance. Evaldo conseguiu acompanhar, através de documentos históricos, todo o processo de decisão da retomada das terras dos holandeses, uma ação de envolveu diplomacia, mensagens codificadas e portadores disfarçados.

Um outro texto muito interessante de Um imenso Portugal mostra as artimanhas de um escravo, que manipula com habilidade o tribunal da Santa Inquisição para escapar do domínio de seu patrão. Mesmo os escravos portugueses viam como um destino desagradável a vinda para a Colônia. Primeiro porque no Brasil a vida dos escravos era mais dura que na metrópole. Em Lisboa, eles trabalhavam mais nos serviços domésticos e artesanais. E a capital portuguesa oferecia maiores oportunidades de diversão, mesmo para um escravo. No Brasil, a maior parte trabalhava nas plantações de cana, tendo pouco contato com a vida das cidades.

O escravo em questão foi vendido para um senhor de engenho pernambucano e veio para o Brasil. Insatisfeito com a vida no engenho, o escravo, ardilosamente, começa a ter atitudes que podem levá-lo à condenação pela Inquisição. Já em Recife, depois de cumprir pena por blasfêmia, o escravo protela ao máximo sua volta para o engenho. Quando isso se torna inevitável, ele recorre mais uma vez à blasfêmia. Sabendo que sua punição seria a de trabalhar nas galés, o escravo arma para que seja punido, preferindo a vida remando a sofrer as humilhações e maus tratos do senhor de engenho. É impressionante a forma como essa história, de foco tão particular, pode ser reconstituída em detalhes tão precisos.

Os textos de Evaldo mostram como a conformação do país foi diretamente influenciada pelo cultivo da cana e pela escravatura. As primeiras plantações de cana seguiam o modelo praticado nas Ilhas Madeira, onde a geografia delimitava o espaço das plantações. Os lavradores vendiam a cana para os engenhos, que por sua vez fabricavam o açúcar. No Brasil, devido à geografia plana, as plantações ocupavam áreas enormes, e os donos dos engenhos produziam sua própria cana. O trabalho escravo viabilizou esse tipo de produção agrícola, e toda a sociedade brasileira foi influenciada por ele. Por não ter o que fazer dentro da propriedade da família, os filhos dos fazendeiros precisaram ser absorvidos pelo estado no funcionalismo público, um fardo que o Brasil carrega até hoje.

A escravatura foi responsável também pela formação das classes sociais, cuja divisão permanece até hoje. Ao analisar O abolicionismo, de Joaquim Nabuco, Evaldo mostra a visão do autor: o trabalho escravo trouxe conseqüências sócio-econômicas que frearam o desenvolvimento do país. Sem a escravatura, o Brasil, hoje, talvez fosse uma Austrália ou um Canadá.

A questão da identidade nacional é retomada em uma análise de Minha formação, outro texto de Joaquim Nabuco, que causou polêmica por confessar o dilema do mazombo, o descendente europeu que tem um pé na América e outro na Europa. A preferência pelas paisagens européias justifica-se pela carga de influência cultural, muito mais forte e arraigada que os tão recentes sentimentos nacionalistas pela pátria. Na verdade, é um reflexo do que Evaldo aborda em outros textos: a resistência do reinol em adotar os hábitos da nova terra, mesmo aqueles que poderiam tornar sua vida mais confortável, como roupas adequadas ao clima tropical.

O fato de Um imenso Portugal tratar de detalhes da vida da Colônia não significa que o conteúdo é superficial ou que o texto de Evaldo é simples. Ele é um historiador, usa termos próprios da disciplina, mas nem por isso deixa de ser ironicamente bem-humorado. Uma prova é o título do livro: resume a idéia que permeia a maior parte dos textos. O Brasil é dessa forma hoje porque, na verdade, por muito tempo não fomos nada mais do que um Portugal de proporções continentais.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 19/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
02. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
03. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
04. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
05. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/9/2003
22h32min
Legal ver que tem uma Baggio muito inteligente. Li e gostei de seus artigos. Moro no Paraná.
[Leia outros Comentários de paulo t. baggio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUATRO RODAS--NOVO HONDA CR-V--JAC J3 E QUENTE OU UMA GELADA?.
ABRIL
ABRIL
(2012)
R$ 16,00



ATRACAO DECODIFIQUE A LINGUAGEM DO AMOR
TRACEY COX
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 14,00



A ALIMENTAÇÃO DOS PEIXES DE AQUÁRIO
GASTÃO BOTELHO E OUTROS
NOBEL
(1984)
R$ 10,00



AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES
LUIZ CARLOS DE FREITAS
KOMEDI
(2018)
R$ 60,00



TRANSITIONS 1 - STUDENT BOOK + WORK BOOK (INTEGRATED ENGLISH)
LINDA LEE
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1998)
R$ 90,00



MANUAL GERAL DA REDAÇAO
FOLHA DE SAO PAULO
FOLHA DE SAO PAULO
R$ 8,00



MANGÁ - O LIVRO MONSTRO DO MANGÁ
DANIEL DE ROSA
LIVROS ESCALA
(2009)
R$ 15,00



REVISTA NINTENDO WORLD--41--QUEBRA-PAU.
CONRAD
CONRAD
R$ 22,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO E MARCELO ALEXANDRINO
MÉTODO
(2016)
R$ 100,00



O AVESSO DAS COISAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 12,90





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês