Carga mais leve para Pedro e Bino | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/5/2003
Carga mais leve para Pedro e Bino
Adriana Baggio
+ de 12900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Lembro de assistir Carga Pesada quando era criança. O seriado está no ar novamente depois de 22 anos. Ou seja, faz um tempão. Não recordo muita coisa, mas o que ficou foi marcante. Lembro claramente de uma cena onde bandidos esmagavam as mãos de um homem com um pedaço de pedra, talvez fosse um paralelepípedo.

Não sei se em geral o seriado era violento, mas acho que não era tão suave quanto o remake que a Globo passou a reapresentar desde terça-feira da semana passada. Apesar do clima pesado, eu gostava. Devo ter visto poucas cenas, pois se nem Roque Santeiro minha mãe me deixou ver, imagina Carga Pesada.

Quando a emissora anunciou a volta do seriado protagonizado por Antonio Fagundes e Stênio Garcia, fiquei esperando o mesmo clima do antigo Carga Pesada: aquela coisa dura da estrada, a pobreza dos lugares por onde Pedro e Bino passavam, os conflitos nos quais se envolviam. A estética zona sul da nova versão foi uma surpresa. Até o caminhão velho foi trocado por um novinho em folha!

A troca de caminhão fez parte da contextualização do novo momento da série. Pedro e Bino agora são dois senhores. Bino casou, deixou a estrada e montou um escritório. No entanto, ficou viúvo e descobre que tem um tumor. Aguarda o resultado do exame que vai dizer se é maligno ou não. Sem saber o quanto lhe resta de vida, Bino entra em contato com Pedro e volta para a estrada. Pedro, por sua vez, nunca deixou a profissão de carreteiro (não é caminhoneiro não, é carreteiro mesmo). Eles encontram-se em Bagé, de onde Pedro levará uma carga até Salvador. Bino embarca com o amigo em um caminhão velho, daqueles bicudos cor de laranja, do qual os dois são sócios. Em uma das paradas, o caminhão parece ter sido roubado, mas na verdade foi Bino que comprou um Volswagen novinho em folha, em substituição à velha máquina.

Enquanto Stênio Garcia encarna bem o papel, fica difícil transformar Antonio Fagundes no estereótipo que se tem desse tipo de profissional. O choque entre a pinta de galã de Fagundes e o estilo abobalhado do personagem causam uma dissonância cognitiva no espectador. O clima fica falso, e piora ainda quando se contrapõe o dia-a-dia de carreteiros de Pedro e Bino e a realidade do caminhoneiro brasileiro. Eles parecem mais estar fazendo turismo do que transportando uma carga. Jantam em restaurantes das cidades, e não nas paradas, param nas praias para tomar banho de mar, passeiam nas Cataratas do Iguaçu. Muito distante da realidade do caminhoneiro que dorme na cabine ou em hotéis de beira de estrada, almoça nos postos que dão a refeição como brinde pelo abastecimento, aproveita ao máximo o tempo na estrada para poder cumprir os horários de entrega, ou para poder pegar logo outro frete. Pedro e Bino não tomam "rebite" para dirigir de madrugada.

Antonio Fagundes é o mais deslocado na boléia, mas o personagem de Stênio Garcia também tem suas incoerências. Os diálogos de Bino parecem uma colcha de retalhos de clichês, provérbios e frases de pára-lama de caminhão. São textos como "Deus estava inspirado quando fez o Rio de Janeiro" (para cada cidade por onde passam Bino tem um comentário do mesmo estilo); "a estrada é um vício e eu sou um viciado", e por aí vai. Não consigo deixar de lembrar do Tio Ali, personagem do ator na novela O Clone, que como bom patriarca, vivia citando passagens e dando conselhos para os seus.

O clima está tão light que até os bandidos que eles encontram no primeiro episódio são personificados por uma moça de 16 anos e seu namoradinho. Nada de brutamontes quebrando ossos com pedaços de pedra. E no segundo nem bandido teve. Parece mais um episódio de novela: Pedro convida o filho de Bino (que é seu afilhado) para seguir com eles até Salvador. Os dois galãs - o macaco velho e o iniciante - revezam-se na conquista das moças que encontram pela estrada. Uma delas é Rosa, representada por Patrícia Pillar, que em uma cena de praia veste um maiô mais comprido que muita mini saia que se vê por aí. É, ser mulher de ministro tem o seu preço...

Mesmo em versão mais leve e mais fake, Carga Pesada não deixa de ser um bom seriado. Mas o que não dá pra perdoar são as cenas em que Pedro e Bino dirigem daquele jeito que a gente vê os caminhoneiros dirigindo nas estradas, e que causam tantos acidentes graves. Todas aconteceram no primeiro episódio. Não sei se houve algum tipo de protesto, ou se foi coincidência elas não aparecerem no segundo. Uma das cenas mostra os dois amigos comemorando o reencontro com brincadeiras, girando o volante de um lado para o outro, fazendo o caminhão andar sinuosamente em uma estrada de pista simples. Depois, quando Bino troca o caminhão velho pelo novo, Pedro fica tão feliz que passa a dar cavalos-de-pau com o cavalo do caminhão no pátio da parada. Para mostrar o perfeito funcionamento do freio, joga o caminhão contra a janela do restaurante e pára a poucos centímetros do vidro. A outra cena mostra os dois na estrada, à noite, apagando os faróis do monstro para poder enxergar os discos voadores que a mocinha-bandida tenta mostrar para eles. Já imaginou dar de cara com um caminhão de luz apagada vindo de frente em sua direção?

Mesmo que a nova proposta não seja tratar de conflitos mais densos, Carga Pesada poderia, ao menos, fazer merchandising não só dos caminhões Volkswagen e dos postos Ipiranga, mas tratar também de aspectos importantes sobre as estradas brasileiras. Apesar de ser um país onde a maioria das pessoas e das cargas viaja pelo asfalto (ou pelo barro...), o Brasil tem uma péssima malha rodoviária e uma infraestrutura de apoio pior ainda. São muitas rodovias sem sinalização nem acostamento, com mais buracos do que asfalto. No Nordeste, ônibus e caminhões viajam em comboios, em uma tentativa de se proteger e proteger as cargas e passageiros dos bandidos, que agem nos mesmo locais e horários, mas que mesmo assim não são pegos pela polícia. Só como exemplo, os trechos entre a divisa de Pernambuco e Alagoas e Maceió, e os 60 km após Feira de Santa, na Bahia, só são percorridos pelos ônibus em comboio de três ou mais carros.

Além dos perigos da pirataria de asfalto, há o risco da direção imprudente, do uso de álcool e drogas, do sono. O seriado deveria, ao invés de adotar essas atitudes para seus personagens, tentar influenciar um outro tipo de comportamento, deflagar uma campanha sobre direção defensiva, as condições das estradas, sei lá (de Bagé a Salvador, Pedro e Bino não passaram por nenhuma estrada com buracos...). Mesmo que não sirva pra nada, pelo menos a gente tem a valorização do que é certo, e não do que é errado.


Adriana Baggio
Curitiba, 8/5/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eleições nos Estados Unidos de Marilia Mota Silva
02. Replicantes em Gotham City de Alexandre Ramos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/5/2003
08h53min
O seriado é mesmo uma ilusão, Pedro e Bino fazendo turismo, estradas boas, só diversão. Nem por isso deixa de ser um seriado bom! Quem quer violência, coisas ruins, que vão assistir o jornal Nacional ou assistir "mulheres apaixonadas", acho que as pessoas merecem uma série, um pouco "fantasiada" pra poder aliviar o que elas vêem diariamente, imaginem o trabalhador chegando em sua casa... qual é a primeira coisa que ele faz? ligar a tv!! e por que não deixar a vida mais colorida? Chega de violência, o que eu digo não é alienado, apesar da realidade que os meios de comunicação tentam nos impor, sempre estaremos com o pé no chão, pois vivemos o inferno todos os dias!
[Leia outros Comentários de Camila]
13/5/2003
17h09min
Concordo com você, Camila. O seriado não deixa de ser ruim por ser mais leve que a versão original. Também concordo que Mulheres Apaixonadas é estressante. Novelas servem para desanuviar, entreter, mesmo que sejam fúteis, e não para deixar o público ainda mais angustiado. Mas acho que a alegria vai acabar: pelo que eu vi, no episódio de hoje do Carga Pesada vai ter um acidente.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sem Pecado
Ana Miranda
Companhia das Letras
(1993)



Aprendendo o que jamais se ensina- o quê? Como ?
Celso Antunes
Livro Técnico
(2004)



The Open Society and Its Enemies - 2 Volumes
K. R. Popper
Routledge
(1986)



O Natural é Ser Inteligente
Dawna Markova
Summus
(2000)



Tex Desafio de Gigantes
Giannluigi Bonelli
Mythos
(2021)



Canto Para Uma Vida Que Não Faz Sentido
Anasio Silva
Autografia
(2018)



Livro Religião Reparando Erros
Vera Lúcia Marinzeck De Carvalho
Petit
(1998)



O Violoncelista
Kenji Miyazawa
Sm
(2009)



Ensaios do Assombro
Peter Pál Pelbart
N-1
(2019)



A história do futuro de Glory O'Brien
A.S. King
Gutenberg
(2017)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês