Como uma Resenha de 'Como um Romance' | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
Mais Recentes
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 7/3/2017
Como uma Resenha de 'Como um Romance'
Duanne Ribeiro

+ de 2200 Acessos

Espero que você tenha clicado neste texto apenas para fugir a uma tarefa. Que esteja, cá comigo, lendo frase após frase em uma rebelião muda contra a obrigação que te apoquenta. Pois, como o pedagogo Daniel Pennac escreve em Como um Romance — que é o tema deste artigo, você se aperceberá —, "líamos, e lemos, como quem se protege, como uma recusa, como uma oposição. Se isso nos dá ares de fugitivos, se a realidade perde as esperanças de nos atingir por trás do amuleto que é nossa leitura, somos fugitivos ocupados em nos construir, desertores nascendo outra vez". Viemos ambos a estas letras para tomar um pouco de certo ar vital.

Ainda por aqui? Lembre-se de mudar de aba quando um chefe ou colega mais crica passar por perto. Fugir exige malemolências... (construir-se, também, embora outras). "Cada leitura é um ato de resistência", continua Pennac, "de resistências a quê? A todas as contigências". Isto, seja quais elas forem: sociais, profissionais, psicológicas, afetivas, climáticas, familiares, domésticas, gregárias, patológicas, pecuniárias, ideológicas, culturais ou umbilicais (às quais poderíamos adir as do transporte público...). "E, acima de tudo, lemos contra a morte."

Derrubemos os Imperativos!
"Ai, que prazer, não cumprir um dever, ter um livro pra ler..."; — se parássemos por aqui, Pessoa concordaria com Pennac. Será que este autor, que ressalta os direitos do leitor de pular páginas, de não terminar um livro, de ler uma frase aqui e outra ali — será que concordaria com o direito ao interpretar contorcido? Fazer ranger escritores, como Foucault queria quanto aos filósofos.

Mas respeitemos Pessoa: "Ter um livro pra ler, e não o fazer. Ler é maçada. Estudar é nada. Sol doira sem literatura". De todo modo, Pennac não criticaria o poeta português: no topo de todos os direitos do leitor está o direito de não ler. Essa defesa apaixonada da anarquia da leitura, das diversas formas de se relacionar com o que lemos, tudo faz parte da batalha central do autor de Como um Romance, que é contra o dogma, a Obrigação de Ler.

Lembremos lá de cima: lemos porque fugimos... e se pode fugir para dentro de uma cela? (Sim, nós sabemos, mas deixemos um "não" como resposta por facilidade do argumento). Diz Pennac: “O verbo ler não suporta o imperativo”. Isto é: os "leia!","estude!", "decore!", "disserte!", todos eles estão depostos de saída. Ler vem da vontade ampla tanto para largar mão de ler quanto para forçar-se a ler.

Evidência: você só pula a barricada de um subtítulo se quiser...

Onde se Encontram Autor e Leitor: a Liberdade
Essa questão toda do Pennac me lembra um trecho do Que é a Literatura?, de Sartre:
"Uma vez que a criação só pode encontrar sua realização final na leitura, uma vez que o artista deve confiar a outrem a tarefa de completar aquilo que iniciou, uma vez que é só através da consciência do leitor que ele pode perceber-se como essencial à sua obra, toda obra literária é um apelo. (...) Assim, o escritor apela à liberdade do leitor para que este colabore na produção da sua obra. (...) O livro não serve à minha liberdade: ele a requisita. (...) Assim, o livro não é, como a ferramenta, um meio que vise a algum fim: ele se propõe como fim para a liberdade do leitor".
Um apelo, não uma ordem. A questão que resta é como decidimos responder a isso.

Mas "um país se faz com pessoas e livros"... não?
Parece que sim: a educação, a leitura, o saber humanista, a participação na esfera pública que pode derivar dos anteriores — todos esses são elementos úteis para o desenvolvimento de um país. Com esse desafio em mente, enchemos os nossos “incentivos à leitura” com os imperativos que estávamos (pelo menos eu) tão dispostos a deixar de lado agora há pouco.

Há quem ache diferente. Eis Carlos Alberto Gianotti, em “A Leitura como Obrigação”:
"(...) acontece que esse povo está mesmo é preocupado com o seu dia a dia, com as aporrinhações do trabalho aborrecente, com a criação dos filhos, com as inesgotáveis contas a pagar. Diante duma vida dessas, poderia alguém pensar em leitura de livros? Só uma elite cultural leviana consegue acreditar que sim."
Para esse autor, é delírio de certa elite intelectual que se queira que o Brasil se torne “um país de leitores”. Não é coisa para todos, pelas condições da vida, ele diz; nunca foi.
"À educação escolarizada compete formar criaturas aptas para bem viver, para bem discernir; mas não formar leitores, ou artistas, ou atletas. Assim como apenas uma minoria nutre o hábito da prática esportiva continuada, igualmente uma minoria, como diz Steiner, será de leitores de livros. Não se obriga ninguém a ler, como não se obriga ninguém a dormir."
Deixo contigo avaliar se Gianotti está acertado ou não. Pelo menos uma conclusão dá um passo maior que a perna: certamente não podemos obrigar a ler, mas podemos fazer outra coisa.

Compartilhar a Felicidade da Leitura
"É preciso ler, é preciso ler", ecoa Pennac, apenas para se questionar: “E se, em vez de exigir a leitura, o professor decidisse de repente partilhar sua própria felicidade de ler?". O autor é um pedagogo, por isso se dirige a seus correligionários; mas esse chamado interessa a todos os que gostaríamos que mais pessoas lesse, que a literatura chegasse a mais gente.

Eu estou dando conta de mostrar como gostei do livro de Pennac? É leve, bem humorado, escrito em capítulo curtos, fáceis de enfiar entre uma atividade e outra e que dão o prazer virar página após página com velocidade. Entre crônica, ensaio, autobiografia (?) e crítica literária. Uma obra em que um professor lê em voz alta e encanta os alunos. Em que se sugere pular todas as partes técnicas de Moby Dick se é isso o que nos afasta do incrível dessa história.

(Me lembro agora que tive uma experiência parecida com a que conta Pennac: uma professora levou uma caixa de quadrinhos e livros à escola e nos deixou escolher livremente.) Ah, leitor, já que ainda está por aqui, me diga você: como partilharia a sua felicidade de ler? Se quiser, faça um experimento e me indique um livro, lá nos comentários. Mas tem de me fazer querer ler...

O Saber-se Criador de Sentidos
Pennac entende que um dos acontecimentos cruciais a afastar as pessoas da leitura é esquecer o quanto podemos ser criadores com ela. Quando aprendemos a ler, extraímos de curvas, retas, traços no papel sons, juntamos esses rabiscos e extraímos blocos de sentido, acabamos, por exemplo, sabendo que algo tão unidimensional quanto a palavra “universo” pode comportar o universo. Ou, ainda, ouvindo histórias que nossos os pais, avós, professores contavam, caber no período em que uma narrativa é dita, interessar-se, dispersar-se, guardar, abandonar, substituir, criar. Há experiências originárias dessa liberdade de ler que precisariam ser recuperadas.

(Nosso já conhecido Gianotti, no mesmo artigo de acima, escreve: "Veja-se, por exemplo, que permanece não formulada, por consequência não respondida, a indagação: o que precisamente é ser leitor? Mas a intenção aqui não é a de delinear a resposta". Aqui, porém, achamos uma.)

A partir desse leitor-criador é que Pennac pode propor a importância de que se leia em voz alta:
"(...) se sua leitura é um ato de simpatia pelo auditório como pelo texto e seu autor, se consegue fazer entender a necessidade de escrever, acordando nossas mais obscuras necessidades de compreender, então os livros se abrem para ele e a multidão daqueles que se acreditavam excluídos da leitura vai se precipitar atrás dele."
Sei que é verdade: vi como textos de Hilda Hilst ganharam vida quando gravamos declamações de alguns deles durante uma exposição dedicada à escritora: Susan Damasceno interpretando a obscena Senhora D; Donizeti Mazonas criando Osmo; além de Laerte, Iara Jamra, Marçal Aquino, Paulo Sacramento e Andrea del Fuego. Ou, mais, Nelson Rodrigues renascido na voz de Zé Celso, Geninha Sá da Rosa Borges, Antonio Cadengue e Marco Antônio Braz. A língua vivifica.

Inclusive a nós mesmos, como nota Décio de Almeira Prado no Comunicação Poética. O poeta e teórico nos sugere que nos gravemos lendo os poemas, assim podendo ouvi-los, sentir deles os ritmos, as cadências, os influxos impostos pelo nosso jeito.

O Direito de Calar
Será que posso terminar esta resenha por agora? Já exauri o objeto? É preciso exaurir o objeto!

Vamos deixar essa coisa de ficar exaustos para outra hora: acho que já está bom de falar da obra de Pennac. Uma ideia ou duas para, como Billy Pilgrim, soltar-se no tempo e escapar da reunião arrastada, da tarefa doméstica, da conversa burocrática, dos tédios de toda estirpe. Um dos dez direitos do leitor (não citei todos) é justamente esse: o de não ter de responder questionários e entregar relatórios do que lemos. “De tal forma que nossas razões para ler são tão estranhas quanto nossas razões para viver”, escreve Pennac, “a ninguém é dado o poder para pedir contas dessa intimidade”. Aceitemos o beneplácito. Deixemos a resenha silenciar...

(Cá embaixo há um espaço de comentários — como em toda internet — exigindo uma reação, uma impressão, um sentimento, uma consideração. O que está pensando? O que está pensando? Diga, se quiser: o que estou pensando, por ora, fica só comigo.)


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/3/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
03. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
04. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
05. Morrer, na literatura de Marta Barcellos


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




K KKK
VASSILIS VASSILIKOS
ENSAIO
(1995)
R$ 20,00



A HISTORY OF MODERN FRANCE FRANCE OF THE REPUBLICS 1871-1962
ALFRED COBBAN (VOLUME 3)
PENGUIN BOOKS
(1990)
R$ 19,28



NA SEMEADURA
EDGARD ARMOND
ALIANÇA
(1977)
R$ 9,90



MÚSICA CAIPIRA
JOSÉ HAMILTON RIBEIRO
REALEJO
(2015)
R$ 73,40



A BÍBLIA ANTIGO E NOVO TESTAMENTO COLEÇÃO COMPLETA 8 VOLUMES
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(1964)
R$ 699,00



MENSAGENS PARA MEDITAR - II
ANTONIO MARIA FAILDE
ÔNIX
(2008)
R$ 12,00



A EMPRESA FLEXÍVEL
ALVIN TOFFLES
RECORD
(1985)
R$ 7,00



QUEM SE DEBATE É AFOGADO
RICARDO REDISCH
MASSAO OHNO
(1980)
R$ 10,00



ANISTIA INTERNACIONAL UMA PORTA PARA O FUTURO
RODOLFO KONDER
PONTES
(1988)
R$ 8,00



A VERDADE SOBRE A TRAGÉDIA DOS ROMANOV
MARC FERRO
RECORD
(2017)
R$ 30,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês