Como uma Resenha de 'Como um Romance' | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
Mais Recentes
>>> Romances de Oscar Wilde de Jeanette Marillier pela Livraria martins (1952)
>>> Jesus - O Maior Psicólogo que Já Existiu de Mark W. Baker pela Sextante (2005)
>>> As Lendas de Dandara de Jarid Arraes pela Cultura (2016)
>>> Prevenção e controle de risco em maquinas equipamentos e instalações de Armando Campos / José da C. Tavares / Valter Lima pela Senac (2014)
>>> Sam, o encantador de Henry A. Zeiger, Alexandre M. de S. Melo pela Mm (1974)
>>> A Aldeia Sagrada de Francisco Marins pela Ática (1993)
>>> O Ponto Zero da Revolução - Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista de Silvia Federici pela Elefante (2019)
>>> 10 Dias que abalaram o mundo de John Reed, Armando Gimenez pela Global (1978)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Ática (1980)
>>> O seminarista de Bernardo Guimarães pela Ática (1978)
>>> Vislumbres de la India de Octavio Paz pela Seix Barral (2014)
>>> Ah! Se eu soubesse de Rose dos Anjos pela Espírita francisco spinelli (1980)
>>> Poesia Completa e Prosa Escolhida -Volume Único de Gonçalves Dias pela José Aguilar (1959)
>>> Olga de Fernando Morais pela Companhia das Letras (2017)
>>> A Fôrça do Pensamento de William Walker Atkinson pela O pensamento (1978)
>>> Contra o Financismo - o Método Mais Prático e Eficiente para Investir de Felipe Miranda - Rodolfo Amsterden pela Empiricus (2016)
>>> Geografia da coragem de Jorge Macedo pela Edições asa (1988)
>>> Memórias do Aprendizado de Jorge Carvalho do Nascimento pela Edições Catavento (2004)
>>> O que todos devem saber sobre os Bancos de Roberto damasceno Pinto pela Ouro (1968)
>>> Pasquim apresenta Lúcia McCartney de Rubem Fonseca pela Codecri (1978)
>>> Trilogia de Mauro Rasi pela Relume dumará (1993)
>>> A Humanidade é Isenta de Pecado de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (2008)
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela FTD (1999)
>>> Plano Piloto de Victor Hugo G. Rodrigues pela Scortecci (1992)
>>> Curso completo de processo penal de Paulo Lúcio Nogueira pela Saraiva (1993)
>>> Prontuário de redação oficial de João Luiz Ney pela Dasp (1973)
>>> Intelectuais da Educação: Sílvio Romero, José Calasans e Outros Professores de Jorge Carvalho do Nascimento pela Edufal (2007)
>>> A Espada de Shannara de Terry Brooks; Ana Cristina Rodrigues pela Saída de emergência (2014)
>>> Insaciável de Meg Cabot pela Galera (2012)
>>> As Pedras Élficas de Shannara de Terry Brooks; Ana Cristina Rodrigues pela Saída de emergência (2014)
>>> Mordida de Meg Cabot pela Galera (2012)
>>> Tutor - um homem de olhar penetrante de Sue Hecker pela Harper Collins (2017)
>>> A tormenta de espadas - As crônicas de gelo e fogo de George R. R. Martin pela Leya (2011)
>>> Interação medicamentosa - 10A de Luiza cristina pela GEN Guanabara Koogan (2011)
>>> O símbolo perdido de Dan Brown pela Sextante (2009)
>>> Cuidado de Ferimentos Para veterinarios de equinos - 10A de Dean A. Hendrickson pela Roca (2016)
>>> Odontologia Veterinaria - 10A de Marco Antonio Gioso pela Manole (2007)
>>> Livros Série Gerenciamento De Projetos - Fgv de André Bittencourt do Valle, Carlos Alberto Pereira Soares, José Finocchio Jr. e Lincoln de Souza Firmino da Silva et al. pela Fgv (2010)
>>> Futebol e Futsal. Atividades, Jogos e Treinamento Para Homens e Mulheres. Fisiologia Aplicada -10A de Ivan da Cruz Picarro pela Phorte (2012)
>>> O Quarteto de Alexandria: Clea de Lawrence Durrell pela Ediouro (2006)
>>> Esporte e Educação Saúde e Cidadania na Escola - 10A de Adriana Brunstein pela Eureka (2015)
>>> Ensinando basquetebol para jovens - 10A de American S.E.P pela Manole (2000)
>>> Esporte e Educação - 9º ano: O esporte e a mente - 10A de Vários pela Mundial (2015)
>>> Ensinando tênis para jovens - 10A de American Sport Education Program pela Manole (1999)
>>> Esporte e Educação Saúde e Cidadania na Escola - 7º ano / Meio ambiente e atividade física - 10A de Denis Pierre Araki pela Eureka (2015)
>>> Esporte e Educação Saúde e Cidadania na Escola - 8º ano / Esporte e ciência - 10A de Denis Pierre Araki pela Eureka (2015)
>>> Esporte e Educação Saúde e Cidadania na Escola - 6º ano / Corpo em movimento - 10A de Denis Pierre Araki pela Eureka (2015)
>>> O Quarteto de Alexandria: Mountolive de Lawrence Durrell pela Ediouro (2006)
>>> Pedagogia do Esporte. Aspectos Conceituais da Competição e Estudos Aplicados - 10A de Riller Silva Reverdito pela Phorte (2013)
>>> Ensinando voleibol para jovens - 10A de American S.E.P pela Manole (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 7/3/2017
Como uma Resenha de 'Como um Romance'
Duanne Ribeiro

+ de 2700 Acessos

Espero que você tenha clicado neste texto apenas para fugir a uma tarefa. Que esteja, cá comigo, lendo frase após frase em uma rebelião muda contra a obrigação que te apoquenta. Pois, como o pedagogo Daniel Pennac escreve em Como um Romance — que é o tema deste artigo, você se aperceberá —, "líamos, e lemos, como quem se protege, como uma recusa, como uma oposição. Se isso nos dá ares de fugitivos, se a realidade perde as esperanças de nos atingir por trás do amuleto que é nossa leitura, somos fugitivos ocupados em nos construir, desertores nascendo outra vez". Viemos ambos a estas letras para tomar um pouco de certo ar vital.

Ainda por aqui? Lembre-se de mudar de aba quando um chefe ou colega mais crica passar por perto. Fugir exige malemolências... (construir-se, também, embora outras). "Cada leitura é um ato de resistência", continua Pennac, "de resistências a quê? A todas as contigências". Isto, seja quais elas forem: sociais, profissionais, psicológicas, afetivas, climáticas, familiares, domésticas, gregárias, patológicas, pecuniárias, ideológicas, culturais ou umbilicais (às quais poderíamos adir as do transporte público...). "E, acima de tudo, lemos contra a morte."

Derrubemos os Imperativos!
"Ai, que prazer, não cumprir um dever, ter um livro pra ler..."; — se parássemos por aqui, Pessoa concordaria com Pennac. Será que este autor, que ressalta os direitos do leitor de pular páginas, de não terminar um livro, de ler uma frase aqui e outra ali — será que concordaria com o direito ao interpretar contorcido? Fazer ranger escritores, como Foucault queria quanto aos filósofos.

Mas respeitemos Pessoa: "Ter um livro pra ler, e não o fazer. Ler é maçada. Estudar é nada. Sol doira sem literatura". De todo modo, Pennac não criticaria o poeta português: no topo de todos os direitos do leitor está o direito de não ler. Essa defesa apaixonada da anarquia da leitura, das diversas formas de se relacionar com o que lemos, tudo faz parte da batalha central do autor de Como um Romance, que é contra o dogma, a Obrigação de Ler.

Lembremos lá de cima: lemos porque fugimos... e se pode fugir para dentro de uma cela? (Sim, nós sabemos, mas deixemos um "não" como resposta por facilidade do argumento). Diz Pennac: “O verbo ler não suporta o imperativo”. Isto é: os "leia!","estude!", "decore!", "disserte!", todos eles estão depostos de saída. Ler vem da vontade ampla tanto para largar mão de ler quanto para forçar-se a ler.

Evidência: você só pula a barricada de um subtítulo se quiser...

Onde se Encontram Autor e Leitor: a Liberdade
Essa questão toda do Pennac me lembra um trecho do Que é a Literatura?, de Sartre:
"Uma vez que a criação só pode encontrar sua realização final na leitura, uma vez que o artista deve confiar a outrem a tarefa de completar aquilo que iniciou, uma vez que é só através da consciência do leitor que ele pode perceber-se como essencial à sua obra, toda obra literária é um apelo. (...) Assim, o escritor apela à liberdade do leitor para que este colabore na produção da sua obra. (...) O livro não serve à minha liberdade: ele a requisita. (...) Assim, o livro não é, como a ferramenta, um meio que vise a algum fim: ele se propõe como fim para a liberdade do leitor".
Um apelo, não uma ordem. A questão que resta é como decidimos responder a isso.

Mas "um país se faz com pessoas e livros"... não?
Parece que sim: a educação, a leitura, o saber humanista, a participação na esfera pública que pode derivar dos anteriores — todos esses são elementos úteis para o desenvolvimento de um país. Com esse desafio em mente, enchemos os nossos “incentivos à leitura” com os imperativos que estávamos (pelo menos eu) tão dispostos a deixar de lado agora há pouco.

Há quem ache diferente. Eis Carlos Alberto Gianotti, em “A Leitura como Obrigação”:
"(...) acontece que esse povo está mesmo é preocupado com o seu dia a dia, com as aporrinhações do trabalho aborrecente, com a criação dos filhos, com as inesgotáveis contas a pagar. Diante duma vida dessas, poderia alguém pensar em leitura de livros? Só uma elite cultural leviana consegue acreditar que sim."
Para esse autor, é delírio de certa elite intelectual que se queira que o Brasil se torne “um país de leitores”. Não é coisa para todos, pelas condições da vida, ele diz; nunca foi.
"À educação escolarizada compete formar criaturas aptas para bem viver, para bem discernir; mas não formar leitores, ou artistas, ou atletas. Assim como apenas uma minoria nutre o hábito da prática esportiva continuada, igualmente uma minoria, como diz Steiner, será de leitores de livros. Não se obriga ninguém a ler, como não se obriga ninguém a dormir."
Deixo contigo avaliar se Gianotti está acertado ou não. Pelo menos uma conclusão dá um passo maior que a perna: certamente não podemos obrigar a ler, mas podemos fazer outra coisa.

Compartilhar a Felicidade da Leitura
"É preciso ler, é preciso ler", ecoa Pennac, apenas para se questionar: “E se, em vez de exigir a leitura, o professor decidisse de repente partilhar sua própria felicidade de ler?". O autor é um pedagogo, por isso se dirige a seus correligionários; mas esse chamado interessa a todos os que gostaríamos que mais pessoas lesse, que a literatura chegasse a mais gente.

Eu estou dando conta de mostrar como gostei do livro de Pennac? É leve, bem humorado, escrito em capítulo curtos, fáceis de enfiar entre uma atividade e outra e que dão o prazer virar página após página com velocidade. Entre crônica, ensaio, autobiografia (?) e crítica literária. Uma obra em que um professor lê em voz alta e encanta os alunos. Em que se sugere pular todas as partes técnicas de Moby Dick se é isso o que nos afasta do incrível dessa história.

(Me lembro agora que tive uma experiência parecida com a que conta Pennac: uma professora levou uma caixa de quadrinhos e livros à escola e nos deixou escolher livremente.) Ah, leitor, já que ainda está por aqui, me diga você: como partilharia a sua felicidade de ler? Se quiser, faça um experimento e me indique um livro, lá nos comentários. Mas tem de me fazer querer ler...

O Saber-se Criador de Sentidos
Pennac entende que um dos acontecimentos cruciais a afastar as pessoas da leitura é esquecer o quanto podemos ser criadores com ela. Quando aprendemos a ler, extraímos de curvas, retas, traços no papel sons, juntamos esses rabiscos e extraímos blocos de sentido, acabamos, por exemplo, sabendo que algo tão unidimensional quanto a palavra “universo” pode comportar o universo. Ou, ainda, ouvindo histórias que nossos os pais, avós, professores contavam, caber no período em que uma narrativa é dita, interessar-se, dispersar-se, guardar, abandonar, substituir, criar. Há experiências originárias dessa liberdade de ler que precisariam ser recuperadas.

(Nosso já conhecido Gianotti, no mesmo artigo de acima, escreve: "Veja-se, por exemplo, que permanece não formulada, por consequência não respondida, a indagação: o que precisamente é ser leitor? Mas a intenção aqui não é a de delinear a resposta". Aqui, porém, achamos uma.)

A partir desse leitor-criador é que Pennac pode propor a importância de que se leia em voz alta:
"(...) se sua leitura é um ato de simpatia pelo auditório como pelo texto e seu autor, se consegue fazer entender a necessidade de escrever, acordando nossas mais obscuras necessidades de compreender, então os livros se abrem para ele e a multidão daqueles que se acreditavam excluídos da leitura vai se precipitar atrás dele."
Sei que é verdade: vi como textos de Hilda Hilst ganharam vida quando gravamos declamações de alguns deles durante uma exposição dedicada à escritora: Susan Damasceno interpretando a obscena Senhora D; Donizeti Mazonas criando Osmo; além de Laerte, Iara Jamra, Marçal Aquino, Paulo Sacramento e Andrea del Fuego. Ou, mais, Nelson Rodrigues renascido na voz de Zé Celso, Geninha Sá da Rosa Borges, Antonio Cadengue e Marco Antônio Braz. A língua vivifica.

Inclusive a nós mesmos, como nota Décio de Almeira Prado no Comunicação Poética. O poeta e teórico nos sugere que nos gravemos lendo os poemas, assim podendo ouvi-los, sentir deles os ritmos, as cadências, os influxos impostos pelo nosso jeito.

O Direito de Calar
Será que posso terminar esta resenha por agora? Já exauri o objeto? É preciso exaurir o objeto!

Vamos deixar essa coisa de ficar exaustos para outra hora: acho que já está bom de falar da obra de Pennac. Uma ideia ou duas para, como Billy Pilgrim, soltar-se no tempo e escapar da reunião arrastada, da tarefa doméstica, da conversa burocrática, dos tédios de toda estirpe. Um dos dez direitos do leitor (não citei todos) é justamente esse: o de não ter de responder questionários e entregar relatórios do que lemos. “De tal forma que nossas razões para ler são tão estranhas quanto nossas razões para viver”, escreve Pennac, “a ninguém é dado o poder para pedir contas dessa intimidade”. Aceitemos o beneplácito. Deixemos a resenha silenciar...

(Cá embaixo há um espaço de comentários — como em toda internet — exigindo uma reação, uma impressão, um sentimento, uma consideração. O que está pensando? O que está pensando? Diga, se quiser: o que estou pensando, por ora, fica só comigo.)


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/3/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elogio ao cabelo branco de Ana Elisa Ribeiro
02. The Good Wife visita Private Practice de Adriana Baggio
03. Verão, de J.M. Coetzee de Daniel Lopes
04. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas de Ana Elisa Ribeiro
05. Rio 2016 pelo fim do complexo de vira-latas de Marcelo Spalding


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MECÂNICA DAS ÁGUAS
E. L. DOCTOROW
COMPANHIAS DAS LETRAS
(1995)
R$ 35,90



PLAYBOY ANDREA GUERRA
DIVERSOS
ABRIL
(1998)
R$ 50,00



SOCIEDADE DE ADVOGADOS
SERGIO FERRAZ
MALHEIROS
(2002)
R$ 12,00



GERÊNCIA À BRASILEIRA
AGRÍCOLA DE SOUZA BETHLEM
MCGRAW-HILL
(1989)
R$ 10,00



A ARCA DOS BICHOS
MARCELO DUARTE
CIA DAS LETRINHAS
R$ 14,00



GUIMARÃES ROSA
TÂNIA MACEDO
ÁTICA
(1988)
R$ 5,00



O HORROR ECONÔMICO
VIVIANE FORRESTER
UNESP
(1997)
R$ 30,00



A ARTE DE GANHAR A VIDA - COLEÇÃO PERGUNTE AO JOSÉ
SEBASTIÃO MARTINS - VÁRIOS
LE
(1999)
R$ 5,00



A ALEGRIA DO TRIUNFO: MANUAL PRÁTICO DE PSICOLOGIA DO COTIDIANO
PATRICK ESTRADE
IBRASA
(1993)
R$ 5,00



O AVESSO DA POESIA
LUCIA BRAGA
CANOA DAS LETRAS
(1999)
R$ 9,11





busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês