Como uma Resenha de 'Como um Romance' | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34158 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> A arte de Reparar Histórias
>>> Músico Dudu Oliveira lança seu disco de estreia no Todas as Bossas da TV Brasil
>>> Antenize recebe Lázaro Ramos no especial sobre literatura deste sábado (18) na TV Brasil
>>> Festa
>>> Shopping Metrô Tucuruvi e Livrarias Curitiba preparam uma programação especial para este mês
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sobrecarga
>>> Frases e verdades
>>> Música & Filosofia
>>> Casa de couro
>>> Saber viver a vida é fundamental
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Procure saber: os novos donos da história
>>> Um jeito Mirador de ver a Wikipedia
>>> Como parecer culto
>>> Como parecer culto
>>> Me, myself e a Flip
>>> Baudelaire, um pária genial (parte final)
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> O Nobel de Tranströmer
>>> Só sei que nada sei
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
Mais Recentes
>>> Máscaras de Luiza Rios Ricci Volpato pela Entrelinhas (2010)
>>> A Mulher de Trinta Anos de Honoré de Balzac pela L&pm Pocket (1999)
>>> She: A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1991)
>>> Aspirações Nacionais: Interpretação Histórico- Política de José Honério Rodrigues pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Moulin Rouge de Pierre La Mure pela Mérito/ RJ. (1959)
>>> O Mistério do Áureo Florescer de Samael aun Weor pela Movimento Gnóstico (1991)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (2001)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1984)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1993)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1991)
>>> João Cabral de Melo Neto: Literatura Comentada de João Cabral de Melo Neto/ Seleção: Samira Cmpedelli pela Abril Cultural (1982)
>>> João Cabral de Melo Neto: Literatura Comentada de João Cabral de Melo Neto/ Seleção: Samira Cmpedelli pela Abril Cultural (1982)
>>> Arco do Triunfo de Carlos Castello Branco pela Parma/ Grupo Aché
>>> Cartomancia Y Quiromancia de Gwen Le Scouézéc pela Ediciones Martinez Rocca/ Barcelona (1974)
>>> Revista Esotérica - Magia Wicca de Vitoria Feres Azar - Diretora-Geral pela Onde (2004)
>>> Agatha Christie de A Terceira Moça (formato original) pela Nova Fronteira
>>> Almanaque Ilustrado - Símbolos de Mark O'Connell e Raje Airey pela Escala (2010)
>>> Sonhos Que Curam: Depoimentos Sobre a Conexão Mente-corpo/ Novo de marc Ian Barasch pela Record: Nova Era (2003)
>>> Formação Economica da América Latina de Celso Furtado pela Lia Editor/ Rio (1970)
>>> Quiromancia - Como Decifrar as Linhas da Vida de Roz Levine pela Bertrand Brasil (2001)
>>> Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico de Celso Furtado pela Companhia Ed. Nacional (1968)
>>> O Grande Livro dos Signos & Símbolos - Livro 2 de Mark O'Connell e Raje Airey pela Escala (2010)
>>> Brasil: Radiografia de um Modelo de Nelson Werneck Sodré pela Bertrand Brasil/ Rio (1987)
>>> Encontros, Desencontros & Reencontros de Maria Helena Matarazzo pela Gente/ São Paulo (1996)
>>> A Falta Que Ela Me Faz ... no Fim Dá Tudo Certo! de Fernando Sabino pela Record/ R. J. (1987)
>>> Ironias da História: Ensaios Sobre o Comunismo Contemporâneo de Isaac Deustcher pela Civilização Brasileira (1968)
>>> A Inflação Brasileira - Antes e Depois do Choque de Prof. Antonio Carlos Marques Mattos pela Vozes/ Rio de Janeiro (1987)
>>> Carta aos Comunistas de Luis carlos Prestes pela Alfa- Omega (1980)
>>> O Colapso do Neoliberalismo de Nilson Araújo de Souza pela Global/ São paulo (1995)
>>> Análise Contábil - Análise De Balanços de Américo M. Florentino pela Fundação Getúlio Vargas (1973)
>>> Assim Falou Zaratustra... de Friedrich W. Nietzsche/ Tradução: Mário da Silva pela Bertrand Brasil/ Rio (1994)
>>> Achegas ao Estudo do Folclore Brasileiro de Alfredo do Vale Cabral pela Funarte: Mec (1978)
>>> Vocabulário de Caça: Contendo os Termos Clássicos Portugueses... de C. Ribeiro de Lessa (clado) pela Companhia Ed. Nacional (1977)
>>> A Liberdade na Sociedade Contemporanea de Samuel Eliot Morison pela Fundo de Cultura Economica/ Rio (1959)
>>> Nos Passos de Hannah Arendt de Laure Adler pela Record (2007)
>>> O Poder do Pensamento Positivo para a Juventude de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> Ilíada de Homero 2 Volumes de Haroldo de Campos pela Mandarim (2001)
>>> Oráculos utilizados pelo povo Cigano - Acompanha baralho Cigano de Padrinho Juruá pela Alfabeto (2015)
>>> Como Agarrar o seu Amor pela Magia - Breviário de Salamandra de Maria Helena Farelli pela Pallas (2012)
>>> A Morte da Porta- Estandarte - Tati, a Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado/ Introd. M. Cavalcanti Proença pela Livr. José Olympio Edit. (1997)
>>> A Morte da Porta- Estandarte - Tati, a Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado/ Introd. M. Cavalcanti Proença pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Oscar Wilde Para Inquietos de Allan Percy pela Sextante (2012)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> A Perda da Radicalidade do Movimento Ambientalista Brasileiro:... de Agripa Faria Alexandre pela Edifurb/ Ed. da Ufsc (2000)
>>> As Alianças de Lêdo Ivo pela Eparma/ Grupo Aché
>>> As Alianças de Lêdo Ivo pela Eparma/ Grupo Aché
COLUNAS

Terça-feira, 7/3/2017
Como uma Resenha de 'Como um Romance'
Duanne Ribeiro

+ de 1600 Acessos

Espero que você tenha clicado neste texto apenas para fugir a uma tarefa. Que esteja, cá comigo, lendo frase após frase em uma rebelião muda contra a obrigação que te apoquenta. Pois, como o pedagogo Daniel Pennac escreve em Como um Romance — que é o tema deste artigo, você se aperceberá —, "líamos, e lemos, como quem se protege, como uma recusa, como uma oposição. Se isso nos dá ares de fugitivos, se a realidade perde as esperanças de nos atingir por trás do amuleto que é nossa leitura, somos fugitivos ocupados em nos construir, desertores nascendo outra vez". Viemos ambos a estas letras para tomar um pouco de certo ar vital.

Ainda por aqui? Lembre-se de mudar de aba quando um chefe ou colega mais crica passar por perto. Fugir exige malemolências... (construir-se, também, embora outras). "Cada leitura é um ato de resistência", continua Pennac, "de resistências a quê? A todas as contigências". Isto, seja quais elas forem: sociais, profissionais, psicológicas, afetivas, climáticas, familiares, domésticas, gregárias, patológicas, pecuniárias, ideológicas, culturais ou umbilicais (às quais poderíamos adir as do transporte público...). "E, acima de tudo, lemos contra a morte."

Derrubemos os Imperativos!
"Ai, que prazer, não cumprir um dever, ter um livro pra ler..."; — se parássemos por aqui, Pessoa concordaria com Pennac. Será que este autor, que ressalta os direitos do leitor de pular páginas, de não terminar um livro, de ler uma frase aqui e outra ali — será que concordaria com o direito ao interpretar contorcido? Fazer ranger escritores, como Foucault queria quanto aos filósofos.

Mas respeitemos Pessoa: "Ter um livro pra ler, e não o fazer. Ler é maçada. Estudar é nada. Sol doira sem literatura". De todo modo, Pennac não criticaria o poeta português: no topo de todos os direitos do leitor está o direito de não ler. Essa defesa apaixonada da anarquia da leitura, das diversas formas de se relacionar com o que lemos, tudo faz parte da batalha central do autor de Como um Romance, que é contra o dogma, a Obrigação de Ler.

Lembremos lá de cima: lemos porque fugimos... e se pode fugir para dentro de uma cela? (Sim, nós sabemos, mas deixemos um "não" como resposta por facilidade do argumento). Diz Pennac: “O verbo ler não suporta o imperativo”. Isto é: os "leia!","estude!", "decore!", "disserte!", todos eles estão depostos de saída. Ler vem da vontade ampla tanto para largar mão de ler quanto para forçar-se a ler.

Evidência: você só pula a barricada de um subtítulo se quiser...

Onde se Encontram Autor e Leitor: a Liberdade
Essa questão toda do Pennac me lembra um trecho do Que é a Literatura?, de Sartre:
"Uma vez que a criação só pode encontrar sua realização final na leitura, uma vez que o artista deve confiar a outrem a tarefa de completar aquilo que iniciou, uma vez que é só através da consciência do leitor que ele pode perceber-se como essencial à sua obra, toda obra literária é um apelo. (...) Assim, o escritor apela à liberdade do leitor para que este colabore na produção da sua obra. (...) O livro não serve à minha liberdade: ele a requisita. (...) Assim, o livro não é, como a ferramenta, um meio que vise a algum fim: ele se propõe como fim para a liberdade do leitor".
Um apelo, não uma ordem. A questão que resta é como decidimos responder a isso.

Mas "um país se faz com pessoas e livros"... não?
Parece que sim: a educação, a leitura, o saber humanista, a participação na esfera pública que pode derivar dos anteriores — todos esses são elementos úteis para o desenvolvimento de um país. Com esse desafio em mente, enchemos os nossos “incentivos à leitura” com os imperativos que estávamos (pelo menos eu) tão dispostos a deixar de lado agora há pouco.

Há quem ache diferente. Eis Carlos Alberto Gianotti, em “A Leitura como Obrigação”:
"(...) acontece que esse povo está mesmo é preocupado com o seu dia a dia, com as aporrinhações do trabalho aborrecente, com a criação dos filhos, com as inesgotáveis contas a pagar. Diante duma vida dessas, poderia alguém pensar em leitura de livros? Só uma elite cultural leviana consegue acreditar que sim."
Para esse autor, é delírio de certa elite intelectual que se queira que o Brasil se torne “um país de leitores”. Não é coisa para todos, pelas condições da vida, ele diz; nunca foi.
"À educação escolarizada compete formar criaturas aptas para bem viver, para bem discernir; mas não formar leitores, ou artistas, ou atletas. Assim como apenas uma minoria nutre o hábito da prática esportiva continuada, igualmente uma minoria, como diz Steiner, será de leitores de livros. Não se obriga ninguém a ler, como não se obriga ninguém a dormir."
Deixo contigo avaliar se Gianotti está acertado ou não. Pelo menos uma conclusão dá um passo maior que a perna: certamente não podemos obrigar a ler, mas podemos fazer outra coisa.

Compartilhar a Felicidade da Leitura
"É preciso ler, é preciso ler", ecoa Pennac, apenas para se questionar: “E se, em vez de exigir a leitura, o professor decidisse de repente partilhar sua própria felicidade de ler?". O autor é um pedagogo, por isso se dirige a seus correligionários; mas esse chamado interessa a todos os que gostaríamos que mais pessoas lesse, que a literatura chegasse a mais gente.

Eu estou dando conta de mostrar como gostei do livro de Pennac? É leve, bem humorado, escrito em capítulo curtos, fáceis de enfiar entre uma atividade e outra e que dão o prazer virar página após página com velocidade. Entre crônica, ensaio, autobiografia (?) e crítica literária. Uma obra em que um professor lê em voz alta e encanta os alunos. Em que se sugere pular todas as partes técnicas de Moby Dick se é isso o que nos afasta do incrível dessa história.

(Me lembro agora que tive uma experiência parecida com a que conta Pennac: uma professora levou uma caixa de quadrinhos e livros à escola e nos deixou escolher livremente.) Ah, leitor, já que ainda está por aqui, me diga você: como partilharia a sua felicidade de ler? Se quiser, faça um experimento e me indique um livro, lá nos comentários. Mas tem de me fazer querer ler...

O Saber-se Criador de Sentidos
Pennac entende que um dos acontecimentos cruciais a afastar as pessoas da leitura é esquecer o quanto podemos ser criadores com ela. Quando aprendemos a ler, extraímos de curvas, retas, traços no papel sons, juntamos esses rabiscos e extraímos blocos de sentido, acabamos, por exemplo, sabendo que algo tão unidimensional quanto a palavra “universo” pode comportar o universo. Ou, ainda, ouvindo histórias que nossos os pais, avós, professores contavam, caber no período em que uma narrativa é dita, interessar-se, dispersar-se, guardar, abandonar, substituir, criar. Há experiências originárias dessa liberdade de ler que precisariam ser recuperadas.

(Nosso já conhecido Gianotti, no mesmo artigo de acima, escreve: "Veja-se, por exemplo, que permanece não formulada, por consequência não respondida, a indagação: o que precisamente é ser leitor? Mas a intenção aqui não é a de delinear a resposta". Aqui, porém, achamos uma.)

A partir desse leitor-criador é que Pennac pode propor a importância de que se leia em voz alta:
"(...) se sua leitura é um ato de simpatia pelo auditório como pelo texto e seu autor, se consegue fazer entender a necessidade de escrever, acordando nossas mais obscuras necessidades de compreender, então os livros se abrem para ele e a multidão daqueles que se acreditavam excluídos da leitura vai se precipitar atrás dele."
Sei que é verdade: vi como textos de Hilda Hilst ganharam vida quando gravamos declamações de alguns deles durante uma exposição dedicada à escritora: Susan Damasceno interpretando a obscena Senhora D; Donizeti Mazonas criando Osmo; além de Laerte, Iara Jamra, Marçal Aquino, Paulo Sacramento e Andrea del Fuego. Ou, mais, Nelson Rodrigues renascido na voz de Zé Celso, Geninha Sá da Rosa Borges, Antonio Cadengue e Marco Antônio Braz. A língua vivifica.

Inclusive a nós mesmos, como nota Décio de Almeira Prado no Comunicação Poética. O poeta e teórico nos sugere que nos gravemos lendo os poemas, assim podendo ouvi-los, sentir deles os ritmos, as cadências, os influxos impostos pelo nosso jeito.

O Direito de Calar
Será que posso terminar esta resenha por agora? Já exauri o objeto? É preciso exaurir o objeto!

Vamos deixar essa coisa de ficar exaustos para outra hora: acho que já está bom de falar da obra de Pennac. Uma ideia ou duas para, como Billy Pilgrim, soltar-se no tempo e escapar da reunião arrastada, da tarefa doméstica, da conversa burocrática, dos tédios de toda estirpe. Um dos dez direitos do leitor (não citei todos) é justamente esse: o de não ter de responder questionários e entregar relatórios do que lemos. “De tal forma que nossas razões para ler são tão estranhas quanto nossas razões para viver”, escreve Pennac, “a ninguém é dado o poder para pedir contas dessa intimidade”. Aceitemos o beneplácito. Deixemos a resenha silenciar...

(Cá embaixo há um espaço de comentários — como em toda internet — exigindo uma reação, uma impressão, um sentimento, uma consideração. O que está pensando? O que está pensando? Diga, se quiser: o que estou pensando, por ora, fica só comigo.)


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/3/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
02. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
03. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
04. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
05. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O GRANDE AMOR DO PEQUENO VAMPIRO
ANGELA SOMMER-BODENBURG
MARTINS FONTES
(2002)
R$ 12,93



TRATADO GERAL SOBRE A FOFOCA
JOSÉ ÂNGELO GAIARSA
SUMMUS
(1978)
R$ 25,00



LÍNGUA, LITERATURA E REDAÇÃO - VOLUME 1
JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(1998)
R$ 8,00



AS FLORES DO MAL NOS JARDINS DE ITABIRA- BAUDELAIRE E DRUMMOND
GILDA SALEM SZKLO
AGIR
(1995)
R$ 18,90



LEVIATÃ: A MISSÃO SECRETA
SCOTT WESTERFELD
RECORD
(2012)
R$ 32,90



A GAROTA QUE VOCÊ DEIXOU PARA TRÁS
JOJO MOYSES
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 38,00
+ frete grátis



NOVE NOITES
BERNARDO CARVALHO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 25,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



CLIM SAMGUINE (2 VOLUMES/OBRA INTEGRAL) MÁXIMO GÓRKI (LITERATURA RUSSA)
MÁXIMO GÓRKI
EDITORIAL MINERVA - LISBOA
R$ 80,00



ÉTICA COMO AMOR-PRÓPRIO
FERNANDO SAVATER
MARTINS FONTES
(2000)
R$ 19,90





busca | avançada
34158 visitas/dia
737 mil/mês