Como uma Resenha de 'Como um Romance' | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
Mais Recentes
>>> O que é Música de J. Jota de Moraes pela Brasiliense (1983)
>>> Para os Filhos dos Filhos dos Nossos Filhos de José Pacheco pela Papirus (2008)
>>> Liderando Crianças com Excelêcia de Márcia S.Ribeiro pela Videira (2008)
>>> Linguagem e Escola: Uma Perspectiva Social de Magda Soares pela Atica (1986)
>>> Regras Oficiais De Voleibol de Vários Autores pela Nd-sprint (1998)
>>> Mãozinhas Pequeninas: Toque e Sinta: Animais de Vários Autores pela Yoyo Books (2018)
>>> Uniforme de Tino freitas & Renato Moriconi pela Gato Leitor (2019)
>>> Musica Popular: Um Tema Em Debate de José Ramos Tinhorão pela 34 (1997)
>>> Atlas Geografico Do Estudante de Rosa Vaz pela Ftd (2016)
>>> Siga O Caminho. Pelo Mundo de Craig Shuttlewood pela Girassol (2014)
>>> A Festa Da Insignificancia de Milan Kundera pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Contos 1ª edição. de Guy de Maupassant tradução de Mário Quintana pela Globo (1958)
>>> Só Concursos de Vários Autores pela Dcl (2007)
>>> Quem Sou Eu? de Richard Walker pela Girassol (2012)
>>> O Eu Dividido - Estudo Existencial da Sanidade e da Loucura de R.D. Laing pela Vozes (1978)
>>> Marketing Internacional de Philip R. E John L. Graham pela Ltc (2001)
>>> O Poder de Cura de Vitaminas, Minerais e Outros Suplementos de Leslie Anders, Robert A. Barnett e Jeanine Barone pela Readers Digest (2001)
>>> IV Mostra de Pesquisa em Educação de Vários Autores pela Fapesp (2006)
>>> El Gótico de Rolf Toman pela Konemann (1998)
>>> Holy Blood, Holy Grail: The Secret History Of Jesus, The Shocking Legacy Of The Grail de Michael Baigent, , Leigh Richard, Henry Lincoln pela Delacorte Press (1996)
>>> Eu Não Consigo Emagrecer - Avon de Dr. Pierre Dukan pela Best Seller (2014)
>>> Alguns Outros Pormas de Gonçalo de Barros / Mello Mourão pela Bertrand (1998)
>>> Aquarelas de Georges Wambach - Impressões do Brasil de Georges Wambach pela Marca D'Água (1988)
>>> Biblioteca Brasileira de Origenes Lessa pela Desiderata (2008)
>>> Memórias De Um Sargento De Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Moderna Paradidático (1993)
COLUNAS

Terça-feira, 7/3/2017
Como uma Resenha de 'Como um Romance'
Duanne Ribeiro
+ de 5700 Acessos

Espero que você tenha clicado neste texto apenas para fugir a uma tarefa. Que esteja, cá comigo, lendo frase após frase em uma rebelião muda contra a obrigação que te apoquenta. Pois, como o pedagogo Daniel Pennac escreve em Como um Romance — que é o tema deste artigo, você se aperceberá —, "líamos, e lemos, como quem se protege, como uma recusa, como uma oposição. Se isso nos dá ares de fugitivos, se a realidade perde as esperanças de nos atingir por trás do amuleto que é nossa leitura, somos fugitivos ocupados em nos construir, desertores nascendo outra vez". Viemos ambos a estas letras para tomar um pouco de certo ar vital.

Ainda por aqui? Lembre-se de mudar de aba quando um chefe ou colega mais crica passar por perto. Fugir exige malemolências... (construir-se, também, embora outras). "Cada leitura é um ato de resistência", continua Pennac, "de resistências a quê? A todas as contigências". Isto, seja quais elas forem: sociais, profissionais, psicológicas, afetivas, climáticas, familiares, domésticas, gregárias, patológicas, pecuniárias, ideológicas, culturais ou umbilicais (às quais poderíamos adir as do transporte público...). "E, acima de tudo, lemos contra a morte."

Derrubemos os Imperativos!
"Ai, que prazer, não cumprir um dever, ter um livro pra ler..."; — se parássemos por aqui, Pessoa concordaria com Pennac. Será que este autor, que ressalta os direitos do leitor de pular páginas, de não terminar um livro, de ler uma frase aqui e outra ali — será que concordaria com o direito ao interpretar contorcido? Fazer ranger escritores, como Foucault queria quanto aos filósofos.

Mas respeitemos Pessoa: "Ter um livro pra ler, e não o fazer. Ler é maçada. Estudar é nada. Sol doira sem literatura". De todo modo, Pennac não criticaria o poeta português: no topo de todos os direitos do leitor está o direito de não ler. Essa defesa apaixonada da anarquia da leitura, das diversas formas de se relacionar com o que lemos, tudo faz parte da batalha central do autor de Como um Romance, que é contra o dogma, a Obrigação de Ler.

Lembremos lá de cima: lemos porque fugimos... e se pode fugir para dentro de uma cela? (Sim, nós sabemos, mas deixemos um "não" como resposta por facilidade do argumento). Diz Pennac: “O verbo ler não suporta o imperativo”. Isto é: os "leia!","estude!", "decore!", "disserte!", todos eles estão depostos de saída. Ler vem da vontade ampla tanto para largar mão de ler quanto para forçar-se a ler.

Evidência: você só pula a barricada de um subtítulo se quiser...

Onde se Encontram Autor e Leitor: a Liberdade
Essa questão toda do Pennac me lembra um trecho do Que é a Literatura?, de Sartre:
"Uma vez que a criação só pode encontrar sua realização final na leitura, uma vez que o artista deve confiar a outrem a tarefa de completar aquilo que iniciou, uma vez que é só através da consciência do leitor que ele pode perceber-se como essencial à sua obra, toda obra literária é um apelo. (...) Assim, o escritor apela à liberdade do leitor para que este colabore na produção da sua obra. (...) O livro não serve à minha liberdade: ele a requisita. (...) Assim, o livro não é, como a ferramenta, um meio que vise a algum fim: ele se propõe como fim para a liberdade do leitor".
Um apelo, não uma ordem. A questão que resta é como decidimos responder a isso.

Mas "um país se faz com pessoas e livros"... não?
Parece que sim: a educação, a leitura, o saber humanista, a participação na esfera pública que pode derivar dos anteriores — todos esses são elementos úteis para o desenvolvimento de um país. Com esse desafio em mente, enchemos os nossos “incentivos à leitura” com os imperativos que estávamos (pelo menos eu) tão dispostos a deixar de lado agora há pouco.

Há quem ache diferente. Eis Carlos Alberto Gianotti, em “A Leitura como Obrigação”:
"(...) acontece que esse povo está mesmo é preocupado com o seu dia a dia, com as aporrinhações do trabalho aborrecente, com a criação dos filhos, com as inesgotáveis contas a pagar. Diante duma vida dessas, poderia alguém pensar em leitura de livros? Só uma elite cultural leviana consegue acreditar que sim."
Para esse autor, é delírio de certa elite intelectual que se queira que o Brasil se torne “um país de leitores”. Não é coisa para todos, pelas condições da vida, ele diz; nunca foi.
"À educação escolarizada compete formar criaturas aptas para bem viver, para bem discernir; mas não formar leitores, ou artistas, ou atletas. Assim como apenas uma minoria nutre o hábito da prática esportiva continuada, igualmente uma minoria, como diz Steiner, será de leitores de livros. Não se obriga ninguém a ler, como não se obriga ninguém a dormir."
Deixo contigo avaliar se Gianotti está acertado ou não. Pelo menos uma conclusão dá um passo maior que a perna: certamente não podemos obrigar a ler, mas podemos fazer outra coisa.

Compartilhar a Felicidade da Leitura
"É preciso ler, é preciso ler", ecoa Pennac, apenas para se questionar: “E se, em vez de exigir a leitura, o professor decidisse de repente partilhar sua própria felicidade de ler?". O autor é um pedagogo, por isso se dirige a seus correligionários; mas esse chamado interessa a todos os que gostaríamos que mais pessoas lesse, que a literatura chegasse a mais gente.

Eu estou dando conta de mostrar como gostei do livro de Pennac? É leve, bem humorado, escrito em capítulo curtos, fáceis de enfiar entre uma atividade e outra e que dão o prazer virar página após página com velocidade. Entre crônica, ensaio, autobiografia (?) e crítica literária. Uma obra em que um professor lê em voz alta e encanta os alunos. Em que se sugere pular todas as partes técnicas de Moby Dick se é isso o que nos afasta do incrível dessa história.

(Me lembro agora que tive uma experiência parecida com a que conta Pennac: uma professora levou uma caixa de quadrinhos e livros à escola e nos deixou escolher livremente.) Ah, leitor, já que ainda está por aqui, me diga você: como partilharia a sua felicidade de ler? Se quiser, faça um experimento e me indique um livro, lá nos comentários. Mas tem de me fazer querer ler...

O Saber-se Criador de Sentidos
Pennac entende que um dos acontecimentos cruciais a afastar as pessoas da leitura é esquecer o quanto podemos ser criadores com ela. Quando aprendemos a ler, extraímos de curvas, retas, traços no papel sons, juntamos esses rabiscos e extraímos blocos de sentido, acabamos, por exemplo, sabendo que algo tão unidimensional quanto a palavra “universo” pode comportar o universo. Ou, ainda, ouvindo histórias que nossos os pais, avós, professores contavam, caber no período em que uma narrativa é dita, interessar-se, dispersar-se, guardar, abandonar, substituir, criar. Há experiências originárias dessa liberdade de ler que precisariam ser recuperadas.

(Nosso já conhecido Gianotti, no mesmo artigo de acima, escreve: "Veja-se, por exemplo, que permanece não formulada, por consequência não respondida, a indagação: o que precisamente é ser leitor? Mas a intenção aqui não é a de delinear a resposta". Aqui, porém, achamos uma.)

A partir desse leitor-criador é que Pennac pode propor a importância de que se leia em voz alta:
"(...) se sua leitura é um ato de simpatia pelo auditório como pelo texto e seu autor, se consegue fazer entender a necessidade de escrever, acordando nossas mais obscuras necessidades de compreender, então os livros se abrem para ele e a multidão daqueles que se acreditavam excluídos da leitura vai se precipitar atrás dele."
Sei que é verdade: vi como textos de Hilda Hilst ganharam vida quando gravamos declamações de alguns deles durante uma exposição dedicada à escritora: Susan Damasceno interpretando a obscena Senhora D; Donizeti Mazonas criando Osmo; além de Laerte, Iara Jamra, Marçal Aquino, Paulo Sacramento e Andrea del Fuego. Ou, mais, Nelson Rodrigues renascido na voz de Zé Celso, Geninha Sá da Rosa Borges, Antonio Cadengue e Marco Antônio Braz. A língua vivifica.

Inclusive a nós mesmos, como nota Décio de Almeira Prado no Comunicação Poética. O poeta e teórico nos sugere que nos gravemos lendo os poemas, assim podendo ouvi-los, sentir deles os ritmos, as cadências, os influxos impostos pelo nosso jeito.

O Direito de Calar
Será que posso terminar esta resenha por agora? Já exauri o objeto? É preciso exaurir o objeto!

Vamos deixar essa coisa de ficar exaustos para outra hora: acho que já está bom de falar da obra de Pennac. Uma ideia ou duas para, como Billy Pilgrim, soltar-se no tempo e escapar da reunião arrastada, da tarefa doméstica, da conversa burocrática, dos tédios de toda estirpe. Um dos dez direitos do leitor (não citei todos) é justamente esse: o de não ter de responder questionários e entregar relatórios do que lemos. “De tal forma que nossas razões para ler são tão estranhas quanto nossas razões para viver”, escreve Pennac, “a ninguém é dado o poder para pedir contas dessa intimidade”. Aceitemos o beneplácito. Deixemos a resenha silenciar...

(Cá embaixo há um espaço de comentários — como em toda internet — exigindo uma reação, uma impressão, um sentimento, uma consideração. O que está pensando? O que está pensando? Diga, se quiser: o que estou pensando, por ora, fica só comigo.)


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/3/2017

Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
03. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Psicologia Uma Visão Global do Psicodrama Fundamentos Históricos, Teóricos e Práticos
Adam Blatner e Alee
Ágora
(1996)



De Bem Com a Matemática Vol 3
Jorge Pereira Machado
Eldorado
(2007)



Os Mandamentos de Homens na Igreja de Cristo
Paulo Cesar Pereira
Kirios
(2012)



Filosofia Linguagem Arte
Arley R. Moreno; Celso F. Fav
Educ
(1985)



Blecaute
Marcelo Rubens Paiva
Brasiliense
(1988)



Bíblia em versos
Isnard Rocha
Ébano



Para Gostar De Ler Porta De Colégio Volume 16
Affonso Romano De Sant'anna
Ática
(2012)



Os Guardiões do Ser
Eckhart Tolle
Alaúde
(2019)



Guide Voir Amsterdam
Collectif
Hachette Touri
(2014)



Chasing the Light
Oliver Stone
Hmh
(2020)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês