Encontro com o peixe-boi | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
>>> Ciencias Criminais - Articulacoes Criticas Em Torno dos 20 Anos da Con de Ana C. B. de Pinho pela Lumenjuris (2009)
>>> Manual de Anestesia Em Pequenos Animais - de Paddleford pela Roca (2001)
>>> Las Investigaciones de Alvirah y Willy de Mary Higgins Clark pela Plaza & Janes (1998)
>>> Manual de Direito Constitucional - Volume Único de Marcelo Novelino pela Metodo (2014)
>>> Surfing and Health: Expert, Medial and Advice de Joel Steinman pela Meyer (2019)
>>> Competition in Global Industries de Michael E. Porter pela : Harvard Business School (1986)
>>> 22/11/63 - Novela de Stephen King pela Plaza Janés (2012)
>>> Guia Autorizado Adobe Photoshop 7. 0 - Com Cd - Livro de Treinamento de O mesmo pela Makron Books (2003)
>>> Instrumentos Musicales Precortesianos de Samuel Marti pela Inah (1968)
>>> Lo Mejor de La Siesta Inolvidable de Jorge Halperín pela Aguilar (2005)
>>> Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Lucas de Graig A. Evans pela Vida (1996)
>>> Etiquette For Outlaws de Rob Cohen pela Harper Entertainment (2001)
>>> Caixa de Pássaros de Josh Malerman pela Intrinseca (2015)
>>> Retratos e Fotogramas: Isabelle Huppert de Sesc SP pela Sesc (2009)
>>> As minas de Salomão de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Sim Não de Jussara Braga pela do Brasil (1987)
>>> Alves & C.a de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1928)
>>> Fogo no Céu! de Mary França - Eliardo França pela Ática (1991)
>>> Contos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> An Amazing Story de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> O crime do Padre Amaro de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Codorna - Criação - Instalação - Manejo de Irineu Fabichak pela Nobel (1987)
>>> Guerras Secretas -Super-Heróis Marvel de Alex Irvine pela Novo Século (2016)
>>> Cartas de Inglaterra de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Cem Anos de Iberê de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2014)
>>> Dia de Aninha de Ciça Alves Pinto pela Global (1996)
>>> Lasar Segall Un Expresionista Brasileño de Ivo Mesquita, Jorge Schwartz e outros pela Takano (2002)
>>> The White Mountains de John Christopher pela Longman (1974)
>>> Laje de Santos, Laje dos Sonhos de Guilherme Kodja Tebecherani, Ana Paula Pinto e outros pela Globo (2009)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Marco Giannotti de Nelson Brissac Peixoto pela Cosac Naify (2007)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Esio Trot de Roald Dahl pela Puffin Books (2001)
>>> Laura Belém de Laura Belém e outros pela Cosac Naify (2013)
>>> Brave New World de Aldous Huxley pela Longman (1978)
>>> Favela, um Bairro de Cristiane Rose Duarte e Outros (org.) pela Pro (1996)
>>> 1/3 da Vida de Wanderley Oliveira e Ermance Dufaux pela Dufaux (2016)
>>> Quê ?! de Tião Carneiro pela Autor
>>> Conheça a Verdade de Bruce Milne pela Abu (1987)
>>> Para uma Nova Era, Poesia & Prosa de Remisson Aniceto pela Patuá (2019)
>>> Mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Meu menino vadio de Luiz Fernando Vianna pela Intrínsica (2017)
>>> Correndo com tesouras de Augusten Burroughs pela Ediouro (2002)
>>> Supernova - A Estrela dos Mortos de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Supernova - O Encantador de Flechas de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Segregação e Gentrificação: Os conjuntos habitacionais em Natal de Sara Raquel Fernandes Queiroz de Medeiros pela Edufrn (2018)
>>> Repensar as Familias de Fiona Williams pela Principia (2004)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/1/2003
Encontro com o peixe-boi
Adriana Baggio

+ de 8400 Acessos

Peixe-boi marinho

Seguindo pela BR-101 em direção a Natal, a mais ou menos 50 km de João Pessoa, os carros diminuem um pouco a velocidade por causa da subida. Isso permite que os motoristas e passageiros observem uma placa que sinaliza a entrada de uma larga estrada de terra: Barra de Mamanguape - Reserva do Peixe-Boi. Muita gente que passa por ali já ouviu falar do peixe-boi - um dos mamíferos em extinção na costa brasileira. Deve ser a imaginação atiçada pela tentativa de juntar dois animais tão díspares em uma só figura que instiga essas pessoas a saírem do confortável asfalto da 101, que neste trecho é uma rodovia boa, de pista simples mas com terceira faixa nas subidas, para pegar a estrada de terra que leva até a reserva.

Da BR até a reserva são mais 35 km. Para uma estrada que não é pavimentada, até que é muito boa. O caminho de terra batida misturada com um pouco de brita corta imensos canaviais e pastos de gado. Em um dia limpo e de sol forte, como é típico no nordeste, as cores da paisagem fazem jus à bandeira brasileira. O verde das plantações, o azul do céu e o amarelado da terra dão uma sensação de desolação e melancolia. A paisagem muda pouco, e num sábado ao meio-dia, por exemplo, é possível andar quilômetros e quilômetros sem encontrar outros carros ou pessoas - o que torna essenciais um estepe em bom estado e uma garrafa de água mineral aos viajantes deste caminho.

Pastos de gado alternam-se com as plantações na formação do verde da paisagem. Alguns pensamentos não podem ser evitados: de quem é toda essa terra? Como os bois agüentam ficar nesse sol? De onde vêm os animais e as pessoas, já que é impossível para a vista enxergar qualquer tipo de habitação? Apesar da sensação de desolação, a estrada oferece sinalização, de tempos em tempos, para assegurar ao viajante que ele está no caminho certo para o encontro com o peixe-boi.

Depois de muitos quilômetros, o fim das plantações marca o início de uma vegetação mais fechada, com árvores e arbustos, e a presença de pequenas habitações. São casas de madeira, pau-à-pique ou mesmo alvenaria, simples mas com o terreiro bem varrido. As casas valem-se das sombras proporcionadas por mangueiras, jaqueiras, gameleiras e diversas outras árvores, frutíferas ou não. As mangueiras e jaqueiras estão carregadas nesta época do ano, e dão água na boca do viajante. Neste momento, se o carro estiver ocupado por pessoas que moram e trabalham nas cidades grandes, é normal ouvir comentários sobre a maravilha de morar em um lugar assim, longe das preocupações e das exigências de uma sociedade mais sofisticada, vivendo apenas de colher frutas, pescar, tomar longos banhos de mar e deitar na rede todos os dias após o almoço.

Depois de cruzar o vilarejo, chega-se à Praia de Campina. À esquerda uma placa indica o caminho para a reserva do peixe-boi. Dessa vez o caminho é de areia, e em alguns lugares ela fica muito fofa. Veículos sem tração 4x4 devem tomar cuidado e passar rapidamente e em primeira marcha, para que um possível encalhe não estrague o passeio.

Já perto da reserva, um exemplo de convivência pacífica entre as diferenças sugere que o mundo ainda tem salvação. Dois cavalos, um dogue alemão e um pincher dividem pacificamente o quintal de uma construção. Talvez pela convivência, os cavalos acabaram se parecendo um pouco com os cachorros em seus hábitos, e é muito engraçado ver seres tão garbosos se espojando alegremente na grama e na areia. O cachorrinho, por sua vez, obedece rigidamente os limites da cerca, obviamente concebida para seus colegas maiores, e cuja distância entre os arames permitiria que uma matilha de pinchers passasse ao mesmo tempo.

O caminho termina justamente na casa que abriga o escritório do IBAMA, responsável pela reserva do peixe-boi. É um lugar maravilhoso, à beira de uma lagoa formada pelo encontro das águas do rio Mamanguape com o mar. A água é cristalina, morna e sem o sargaço que caracteriza as praias do litoral da Paraíba. É possível ver os peixinhos nadando perto da areia, e mais para frente alguns deles dando saltos fora d'água. Bem adiante, uma barreira de corais impede que o mar chegue com força à praia, e proporciona essa lagoa de águas calmas e limpas.

É justamente esse tipo de ambiente marinho que atrai o peixe-boi. Ele é um animal de águas rasas e quentes, lento e pacífico, que se alimenta apenas de vegetais. Pode chegar aos 4 metros e pesar por volta de meia tonelada. Para chegar ao cativeiro dos dois exemplares de peixe-boi da reserva de Mamanguape é preciso pegar uma canoa, que parte da frente da casa-sede da reserva. A canoa é conduzida por um dos pescadores locais, que recebe R$ 2,00 de cada passageiro pelo serviço de travessia - um espetáculo à parte. A canoa não se afasta muito da areia. Se não fosse por um braço de mar, seria possível ir a pé até o local onde ficam os peixes. Ainda bem que isso não acontece, e nos 15 minutos de travessia, é possível admirar as ilhas da região, a água límpida e os pequenos animais que habitam as margens.

O cativeiro é numa reentrância da lagoa, fechada com uma cerca de madeira e cordas. Há sempre um estagiário disponível para dar explicações sobre os animais. Ao chegar perto, a primeira coisa que chama a atenção é um pedaço de barbante suspenso a poucos centímetros da água, onde estão penduradas diversas cenouras e beterrabas. Vinte quilos de legumes algas formam a dieta diária de Guape e Guaju, os dois peixes-boi desta reserva. Ambos são machos, um tem 5 e outro 7 anos. São novos, já que a idade média desta espécie pode chegar a 50 anos. Guape e Guaju foram encontrados encalhados em Mamanguape, na Paraíba, e próximo ao Rio Guaju, no litoral do Rio Grande do Norte, respectivamente. Parecem duas crianças brincando. Se na natureza os animais, apesar de dóceis, são tímidos, no cativeiro eles gostam de fazer bagunça e chamar a atenção dos visitantes. Eles chegam perto da cerca e ficam fazendo caretas. Depois, voltam para a água e brincam entre si e com os alimentos. Nadam, mergulham e ficam boiando de costas, despertando admiração e carinho. Não tem como não se enternecer com essas criaturas, o focinho repleto de bigodes e as nadadeiras com unhas.

O peixe-boi pertence à ordem dos sirênios. A palavra vem de sereia, já que este tipo de animal, por ter vocalizações e se sustentar sobre as nadadeiras traseiras, lembrou aos primeiros navegadores a figura da entidade marinha. A presença de unhas nas nadadeiras sempre sugeriu aos pesquisadores um parentesco remoto com o elefante. A hipótese foi comprovada quando se comparou o DNA das duas espécies.

Desde que foi descoberto pelo homem no litoral brasileiro, o peixe-boi vem sofrendo uma matança indiscriminada, o que colocou o animal na lista daqueles em perigo de extinção. Os poucos anos desde a criação das reservas e do trabalho de conscientização das pessoas ainda não foram suficientes para reverter o quadro. No entanto, os moradores já auxiliam na proteção da espécie. Em vez de matar a pauladas um filhote encalhado em alguma praia, como era comum acontecer, as pessoas avisam o IBAMA, que providencia o recolhimento do animal. Se o filhote está há muito tempo longe da mãe, as chances de readaptação na natureza são muito pequenas. Neste caso, o peixe-boi é enviado para a reserva de Itamaracá, em Pernambuco, ou para a de Mamanguape.

O trabalho de preservação e cuidado dentro das reservas tem tido tanto sucesso que um caso considerado perdido, como o da fêmea Xica, causou espanto aos biólogos e veterinários. Xica foi capturada ainda filhote por uma família no Recife, que mais tarde doou o animal à prefeitura. Xica passou vinte e tantos anos em um tanque numa praça da cidade. O confinamento, o pouco espaço no tanque e a falta de proteção fizeram com que o animal adquirisse comportamentos estranhos, problemas irreversíveis na coluna e uma forte queimadura de sol. Apesar de tudo isso, depois de recolhida à reserva de Itamaracá, Xica conseguiu procriar em cativeiro. Mas os danos causados pelo homem impedem que Xica possa, algum dia, viver livre nas águas mornas e límpidas do nordeste brasileiro.


Adriana Baggio
Curitiba, 16/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
03. 'Eu quero você como eu quero' de Ana Elisa Ribeiro
04. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol
05. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA - CIÊNCIA E APLICAÇÕES - VOL. 2 / ENSINO MÉDIO
OUTROS; GELSON IEZZI
ATUAL
(2014)
R$ 110,00



ADMINISTRAÇÃO DE ALTO IMPACTO
MARK GOTTFREDSON - STEVE SCHAUBERT
BAIN & COMPANY
(2008)
R$ 12,00



FERNANDO PESSOA OBRA POÉTICA - VOLUME ÚNICO
FERNANDO PESSOA
NOVA AGUILAR
(1983)
R$ 85,00



LA LUZ ENTERRADA
MARÍA DEL CARMEN ELU
FONDO DE CULTURA ECONOMICA
(1993)
R$ 14,00



OBJETOS D`VERSOS (POESIA BRASILEIRA)
CLÁUDIA BRINO/VIEIRA VIVO
COSTELAS FELINAS
R$ 5,00



ANIMAIS EM PERIGO GUIA ILUSTRADO DESDOBRÁVEL FACTOS E ACTIVIDADES
EDITORA CONTEXTO
CONTEXTO
(1993)
R$ 17,70



COMO MUDAR O QUE MAIS IRRITA NO CASAMENTO
GARY CHAPMAN
MUNDO CRISTÃO
(2007)
R$ 27,00



NEGÓCIOS DE FAMÍLIA
VINCENT PATRICK
ESTADÃO
(1997)
R$ 4,00



REPORTAGEM SOBRE JESUS CRISTO
FRANCO ROBERTO
DOM BOSCO
(1983)
R$ 6,00



SUBSISTEMAS DIGITAIS E CIRCUITOS DE PULSO
JOÃO ANTONIO ZUFFO
EDGARD BLÜCHER
(1980)
R$ 10,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês