Encontro com o peixe-boi | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Casa Flutuar apresenta agenda cultural com grandes nomes da música eletrônica brasileira
>>> Sarau do Vale participa do projeto de 10 anos do Grupo Rosas Periféricas
>>> Cia Linhas Aéreas serve aperitivo para a temporada presencial de 2022
>>> Rosas Periféricas apresenta Labirinto Selvático e Ladeira das Crianças em novembro
>>> SESI-SP apresenta Filó Machado 60 Anos de Música em teatros de São Paulo e Piracicaba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
>>> Cuba E O Direito de Amar (2)
>>> A Velhice
>>> I know you
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Um piano pela estrada
>>> The Good Wife visita Private Practice
Mais Recentes
>>> Venda Mais - Os 14 mitos do Marketing - Ano 6 - Nº77 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Por que as empresas quebram? - Ano 6 - Nº80 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Você pode realizar seus sonhos - Ano 6 - Nº 75 de Vários pela Quantum (2021)
>>> Venda Mais - Porque você é do jeito que é - Ano 6 - Nº 78 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Edição aniversário - 7 anos - Vendendo mais e melhor de Vários pela Quantum (2001)
>>> Venda Mais - Negociando para ganhar - Ano 6 Nº 81 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Venda Mais! Venda para nichos de Mercado de Vários pela Quantum (2001)
>>> Torto arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2020)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham; Lourdes Sette pela Harper Collins (2017)
>>> O Profeta de Gibran Khalil Gibran pela Acigi
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Quando o Amor Triunfa de Giseti Marques pela Boa Nova (2016)
>>> Baía da Esperança de Jojo Moyes pela Intrinseca (2016)
>>> Milena de Denise Corrêa de Macedo pelo espírito Milena pela Eme (2019)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J.W.Rochester Vera Kryzhanovskaia pela Eme (2018)
>>> Técnicas de Venda - Vendas X Produção de Vários pela Quantum (2000)
>>> O Livro da Verdadeira Cruz de Caravaca de Naasson Vieira Peixoto pela Eco
>>> Música, Ídolos e Poder: do Vinil ao Download de Andre Midani pela Nova Fronteira (2008)
>>> La Grande Aventure de La Criminologie de Jurgen Thorwaldo pela Albin Michel (1967)
>>> Português no Ginásio - Gramática e Antologia para 3ª Série de Raul Moreira Lêllis pela Companhia Nacional (1960)
>>> Tipos e Aspectos do Brasil de Sem Autor pela Ibge (1966)
>>> Historia Gráfica del Arte de Joseph Gauthier pela Victor Leru (1944)
>>> Garibaldi una Grande Vita in Breve de Denis Mack Smith pela Lerici (1959)
>>> Arte de Ensinar e Arte de Aprender de Varios pela Fundação Getúlio Vargas (1974)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/1/2003
Encontro com o peixe-boi
Adriana Baggio

+ de 9600 Acessos

Peixe-boi marinho

Seguindo pela BR-101 em direção a Natal, a mais ou menos 50 km de João Pessoa, os carros diminuem um pouco a velocidade por causa da subida. Isso permite que os motoristas e passageiros observem uma placa que sinaliza a entrada de uma larga estrada de terra: Barra de Mamanguape - Reserva do Peixe-Boi. Muita gente que passa por ali já ouviu falar do peixe-boi - um dos mamíferos em extinção na costa brasileira. Deve ser a imaginação atiçada pela tentativa de juntar dois animais tão díspares em uma só figura que instiga essas pessoas a saírem do confortável asfalto da 101, que neste trecho é uma rodovia boa, de pista simples mas com terceira faixa nas subidas, para pegar a estrada de terra que leva até a reserva.

Da BR até a reserva são mais 35 km. Para uma estrada que não é pavimentada, até que é muito boa. O caminho de terra batida misturada com um pouco de brita corta imensos canaviais e pastos de gado. Em um dia limpo e de sol forte, como é típico no nordeste, as cores da paisagem fazem jus à bandeira brasileira. O verde das plantações, o azul do céu e o amarelado da terra dão uma sensação de desolação e melancolia. A paisagem muda pouco, e num sábado ao meio-dia, por exemplo, é possível andar quilômetros e quilômetros sem encontrar outros carros ou pessoas - o que torna essenciais um estepe em bom estado e uma garrafa de água mineral aos viajantes deste caminho.

Pastos de gado alternam-se com as plantações na formação do verde da paisagem. Alguns pensamentos não podem ser evitados: de quem é toda essa terra? Como os bois agüentam ficar nesse sol? De onde vêm os animais e as pessoas, já que é impossível para a vista enxergar qualquer tipo de habitação? Apesar da sensação de desolação, a estrada oferece sinalização, de tempos em tempos, para assegurar ao viajante que ele está no caminho certo para o encontro com o peixe-boi.

Depois de muitos quilômetros, o fim das plantações marca o início de uma vegetação mais fechada, com árvores e arbustos, e a presença de pequenas habitações. São casas de madeira, pau-à-pique ou mesmo alvenaria, simples mas com o terreiro bem varrido. As casas valem-se das sombras proporcionadas por mangueiras, jaqueiras, gameleiras e diversas outras árvores, frutíferas ou não. As mangueiras e jaqueiras estão carregadas nesta época do ano, e dão água na boca do viajante. Neste momento, se o carro estiver ocupado por pessoas que moram e trabalham nas cidades grandes, é normal ouvir comentários sobre a maravilha de morar em um lugar assim, longe das preocupações e das exigências de uma sociedade mais sofisticada, vivendo apenas de colher frutas, pescar, tomar longos banhos de mar e deitar na rede todos os dias após o almoço.

Depois de cruzar o vilarejo, chega-se à Praia de Campina. À esquerda uma placa indica o caminho para a reserva do peixe-boi. Dessa vez o caminho é de areia, e em alguns lugares ela fica muito fofa. Veículos sem tração 4x4 devem tomar cuidado e passar rapidamente e em primeira marcha, para que um possível encalhe não estrague o passeio.

Já perto da reserva, um exemplo de convivência pacífica entre as diferenças sugere que o mundo ainda tem salvação. Dois cavalos, um dogue alemão e um pincher dividem pacificamente o quintal de uma construção. Talvez pela convivência, os cavalos acabaram se parecendo um pouco com os cachorros em seus hábitos, e é muito engraçado ver seres tão garbosos se espojando alegremente na grama e na areia. O cachorrinho, por sua vez, obedece rigidamente os limites da cerca, obviamente concebida para seus colegas maiores, e cuja distância entre os arames permitiria que uma matilha de pinchers passasse ao mesmo tempo.

O caminho termina justamente na casa que abriga o escritório do IBAMA, responsável pela reserva do peixe-boi. É um lugar maravilhoso, à beira de uma lagoa formada pelo encontro das águas do rio Mamanguape com o mar. A água é cristalina, morna e sem o sargaço que caracteriza as praias do litoral da Paraíba. É possível ver os peixinhos nadando perto da areia, e mais para frente alguns deles dando saltos fora d'água. Bem adiante, uma barreira de corais impede que o mar chegue com força à praia, e proporciona essa lagoa de águas calmas e limpas.

É justamente esse tipo de ambiente marinho que atrai o peixe-boi. Ele é um animal de águas rasas e quentes, lento e pacífico, que se alimenta apenas de vegetais. Pode chegar aos 4 metros e pesar por volta de meia tonelada. Para chegar ao cativeiro dos dois exemplares de peixe-boi da reserva de Mamanguape é preciso pegar uma canoa, que parte da frente da casa-sede da reserva. A canoa é conduzida por um dos pescadores locais, que recebe R$ 2,00 de cada passageiro pelo serviço de travessia - um espetáculo à parte. A canoa não se afasta muito da areia. Se não fosse por um braço de mar, seria possível ir a pé até o local onde ficam os peixes. Ainda bem que isso não acontece, e nos 15 minutos de travessia, é possível admirar as ilhas da região, a água límpida e os pequenos animais que habitam as margens.

O cativeiro é numa reentrância da lagoa, fechada com uma cerca de madeira e cordas. Há sempre um estagiário disponível para dar explicações sobre os animais. Ao chegar perto, a primeira coisa que chama a atenção é um pedaço de barbante suspenso a poucos centímetros da água, onde estão penduradas diversas cenouras e beterrabas. Vinte quilos de legumes algas formam a dieta diária de Guape e Guaju, os dois peixes-boi desta reserva. Ambos são machos, um tem 5 e outro 7 anos. São novos, já que a idade média desta espécie pode chegar a 50 anos. Guape e Guaju foram encontrados encalhados em Mamanguape, na Paraíba, e próximo ao Rio Guaju, no litoral do Rio Grande do Norte, respectivamente. Parecem duas crianças brincando. Se na natureza os animais, apesar de dóceis, são tímidos, no cativeiro eles gostam de fazer bagunça e chamar a atenção dos visitantes. Eles chegam perto da cerca e ficam fazendo caretas. Depois, voltam para a água e brincam entre si e com os alimentos. Nadam, mergulham e ficam boiando de costas, despertando admiração e carinho. Não tem como não se enternecer com essas criaturas, o focinho repleto de bigodes e as nadadeiras com unhas.

O peixe-boi pertence à ordem dos sirênios. A palavra vem de sereia, já que este tipo de animal, por ter vocalizações e se sustentar sobre as nadadeiras traseiras, lembrou aos primeiros navegadores a figura da entidade marinha. A presença de unhas nas nadadeiras sempre sugeriu aos pesquisadores um parentesco remoto com o elefante. A hipótese foi comprovada quando se comparou o DNA das duas espécies.

Desde que foi descoberto pelo homem no litoral brasileiro, o peixe-boi vem sofrendo uma matança indiscriminada, o que colocou o animal na lista daqueles em perigo de extinção. Os poucos anos desde a criação das reservas e do trabalho de conscientização das pessoas ainda não foram suficientes para reverter o quadro. No entanto, os moradores já auxiliam na proteção da espécie. Em vez de matar a pauladas um filhote encalhado em alguma praia, como era comum acontecer, as pessoas avisam o IBAMA, que providencia o recolhimento do animal. Se o filhote está há muito tempo longe da mãe, as chances de readaptação na natureza são muito pequenas. Neste caso, o peixe-boi é enviado para a reserva de Itamaracá, em Pernambuco, ou para a de Mamanguape.

O trabalho de preservação e cuidado dentro das reservas tem tido tanto sucesso que um caso considerado perdido, como o da fêmea Xica, causou espanto aos biólogos e veterinários. Xica foi capturada ainda filhote por uma família no Recife, que mais tarde doou o animal à prefeitura. Xica passou vinte e tantos anos em um tanque numa praça da cidade. O confinamento, o pouco espaço no tanque e a falta de proteção fizeram com que o animal adquirisse comportamentos estranhos, problemas irreversíveis na coluna e uma forte queimadura de sol. Apesar de tudo isso, depois de recolhida à reserva de Itamaracá, Xica conseguiu procriar em cativeiro. Mas os danos causados pelo homem impedem que Xica possa, algum dia, viver livre nas águas mornas e límpidas do nordeste brasileiro.


Adriana Baggio
Curitiba, 16/1/2003


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia Facil para Entender a Biblia
Larry Richards
Thomas Nelson
(2013)



Comentários à Lei de Mobilidade Urbana - 2ª Ed.
Geraldo Spagno Guimarães
Fórum
(2019)



Dialogos I e II
Platao
Edipro
(2007)



Hora de Alimentar Serpentes
Marina Colasanti
Global
(2013)



Danem-se os Normais
João Estrella de Bettecourt
Casa da Palavra
(2014)



Ana Terra
Erico Veríssimo
Globo Antigo
(1990)



Viva Como Voce Quer Viver
Eduardo Shinyashiki
Gente
(2004)



Fronteiras da Ciência e da Fé
Dr. Roque Marcos Savioli
Gaiva
(2006)



Denário do Sonho
Marguerite Yourcenar
Nova Fronteira
(1982)



Pimbinha
Pedro Bloch
Moderna





busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês