Encontro com o peixe-boi | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/1/2003
Encontro com o peixe-boi
Adriana Baggio

+ de 8500 Acessos

Peixe-boi marinho

Seguindo pela BR-101 em direção a Natal, a mais ou menos 50 km de João Pessoa, os carros diminuem um pouco a velocidade por causa da subida. Isso permite que os motoristas e passageiros observem uma placa que sinaliza a entrada de uma larga estrada de terra: Barra de Mamanguape - Reserva do Peixe-Boi. Muita gente que passa por ali já ouviu falar do peixe-boi - um dos mamíferos em extinção na costa brasileira. Deve ser a imaginação atiçada pela tentativa de juntar dois animais tão díspares em uma só figura que instiga essas pessoas a saírem do confortável asfalto da 101, que neste trecho é uma rodovia boa, de pista simples mas com terceira faixa nas subidas, para pegar a estrada de terra que leva até a reserva.

Da BR até a reserva são mais 35 km. Para uma estrada que não é pavimentada, até que é muito boa. O caminho de terra batida misturada com um pouco de brita corta imensos canaviais e pastos de gado. Em um dia limpo e de sol forte, como é típico no nordeste, as cores da paisagem fazem jus à bandeira brasileira. O verde das plantações, o azul do céu e o amarelado da terra dão uma sensação de desolação e melancolia. A paisagem muda pouco, e num sábado ao meio-dia, por exemplo, é possível andar quilômetros e quilômetros sem encontrar outros carros ou pessoas - o que torna essenciais um estepe em bom estado e uma garrafa de água mineral aos viajantes deste caminho.

Pastos de gado alternam-se com as plantações na formação do verde da paisagem. Alguns pensamentos não podem ser evitados: de quem é toda essa terra? Como os bois agüentam ficar nesse sol? De onde vêm os animais e as pessoas, já que é impossível para a vista enxergar qualquer tipo de habitação? Apesar da sensação de desolação, a estrada oferece sinalização, de tempos em tempos, para assegurar ao viajante que ele está no caminho certo para o encontro com o peixe-boi.

Depois de muitos quilômetros, o fim das plantações marca o início de uma vegetação mais fechada, com árvores e arbustos, e a presença de pequenas habitações. São casas de madeira, pau-à-pique ou mesmo alvenaria, simples mas com o terreiro bem varrido. As casas valem-se das sombras proporcionadas por mangueiras, jaqueiras, gameleiras e diversas outras árvores, frutíferas ou não. As mangueiras e jaqueiras estão carregadas nesta época do ano, e dão água na boca do viajante. Neste momento, se o carro estiver ocupado por pessoas que moram e trabalham nas cidades grandes, é normal ouvir comentários sobre a maravilha de morar em um lugar assim, longe das preocupações e das exigências de uma sociedade mais sofisticada, vivendo apenas de colher frutas, pescar, tomar longos banhos de mar e deitar na rede todos os dias após o almoço.

Depois de cruzar o vilarejo, chega-se à Praia de Campina. À esquerda uma placa indica o caminho para a reserva do peixe-boi. Dessa vez o caminho é de areia, e em alguns lugares ela fica muito fofa. Veículos sem tração 4x4 devem tomar cuidado e passar rapidamente e em primeira marcha, para que um possível encalhe não estrague o passeio.

Já perto da reserva, um exemplo de convivência pacífica entre as diferenças sugere que o mundo ainda tem salvação. Dois cavalos, um dogue alemão e um pincher dividem pacificamente o quintal de uma construção. Talvez pela convivência, os cavalos acabaram se parecendo um pouco com os cachorros em seus hábitos, e é muito engraçado ver seres tão garbosos se espojando alegremente na grama e na areia. O cachorrinho, por sua vez, obedece rigidamente os limites da cerca, obviamente concebida para seus colegas maiores, e cuja distância entre os arames permitiria que uma matilha de pinchers passasse ao mesmo tempo.

O caminho termina justamente na casa que abriga o escritório do IBAMA, responsável pela reserva do peixe-boi. É um lugar maravilhoso, à beira de uma lagoa formada pelo encontro das águas do rio Mamanguape com o mar. A água é cristalina, morna e sem o sargaço que caracteriza as praias do litoral da Paraíba. É possível ver os peixinhos nadando perto da areia, e mais para frente alguns deles dando saltos fora d'água. Bem adiante, uma barreira de corais impede que o mar chegue com força à praia, e proporciona essa lagoa de águas calmas e limpas.

É justamente esse tipo de ambiente marinho que atrai o peixe-boi. Ele é um animal de águas rasas e quentes, lento e pacífico, que se alimenta apenas de vegetais. Pode chegar aos 4 metros e pesar por volta de meia tonelada. Para chegar ao cativeiro dos dois exemplares de peixe-boi da reserva de Mamanguape é preciso pegar uma canoa, que parte da frente da casa-sede da reserva. A canoa é conduzida por um dos pescadores locais, que recebe R$ 2,00 de cada passageiro pelo serviço de travessia - um espetáculo à parte. A canoa não se afasta muito da areia. Se não fosse por um braço de mar, seria possível ir a pé até o local onde ficam os peixes. Ainda bem que isso não acontece, e nos 15 minutos de travessia, é possível admirar as ilhas da região, a água límpida e os pequenos animais que habitam as margens.

O cativeiro é numa reentrância da lagoa, fechada com uma cerca de madeira e cordas. Há sempre um estagiário disponível para dar explicações sobre os animais. Ao chegar perto, a primeira coisa que chama a atenção é um pedaço de barbante suspenso a poucos centímetros da água, onde estão penduradas diversas cenouras e beterrabas. Vinte quilos de legumes algas formam a dieta diária de Guape e Guaju, os dois peixes-boi desta reserva. Ambos são machos, um tem 5 e outro 7 anos. São novos, já que a idade média desta espécie pode chegar a 50 anos. Guape e Guaju foram encontrados encalhados em Mamanguape, na Paraíba, e próximo ao Rio Guaju, no litoral do Rio Grande do Norte, respectivamente. Parecem duas crianças brincando. Se na natureza os animais, apesar de dóceis, são tímidos, no cativeiro eles gostam de fazer bagunça e chamar a atenção dos visitantes. Eles chegam perto da cerca e ficam fazendo caretas. Depois, voltam para a água e brincam entre si e com os alimentos. Nadam, mergulham e ficam boiando de costas, despertando admiração e carinho. Não tem como não se enternecer com essas criaturas, o focinho repleto de bigodes e as nadadeiras com unhas.

O peixe-boi pertence à ordem dos sirênios. A palavra vem de sereia, já que este tipo de animal, por ter vocalizações e se sustentar sobre as nadadeiras traseiras, lembrou aos primeiros navegadores a figura da entidade marinha. A presença de unhas nas nadadeiras sempre sugeriu aos pesquisadores um parentesco remoto com o elefante. A hipótese foi comprovada quando se comparou o DNA das duas espécies.

Desde que foi descoberto pelo homem no litoral brasileiro, o peixe-boi vem sofrendo uma matança indiscriminada, o que colocou o animal na lista daqueles em perigo de extinção. Os poucos anos desde a criação das reservas e do trabalho de conscientização das pessoas ainda não foram suficientes para reverter o quadro. No entanto, os moradores já auxiliam na proteção da espécie. Em vez de matar a pauladas um filhote encalhado em alguma praia, como era comum acontecer, as pessoas avisam o IBAMA, que providencia o recolhimento do animal. Se o filhote está há muito tempo longe da mãe, as chances de readaptação na natureza são muito pequenas. Neste caso, o peixe-boi é enviado para a reserva de Itamaracá, em Pernambuco, ou para a de Mamanguape.

O trabalho de preservação e cuidado dentro das reservas tem tido tanto sucesso que um caso considerado perdido, como o da fêmea Xica, causou espanto aos biólogos e veterinários. Xica foi capturada ainda filhote por uma família no Recife, que mais tarde doou o animal à prefeitura. Xica passou vinte e tantos anos em um tanque numa praça da cidade. O confinamento, o pouco espaço no tanque e a falta de proteção fizeram com que o animal adquirisse comportamentos estranhos, problemas irreversíveis na coluna e uma forte queimadura de sol. Apesar de tudo isso, depois de recolhida à reserva de Itamaracá, Xica conseguiu procriar em cativeiro. Mas os danos causados pelo homem impedem que Xica possa, algum dia, viver livre nas águas mornas e límpidas do nordeste brasileiro.


Adriana Baggio
Curitiba, 16/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
02. Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano de Humberto Pereira da Silva
03. Livros e Saúde de Ricardo de Mattos
04. Necrófilos da vanguarda roqueira de Diogo Salles
05. Como era gostoso assistir à Sex and the City de Elisa Andrade Buzzo


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OBRAS INDIONISTAS
MANOEL RODRIGUES FERREIRA / HAROLDO CANDIDO DE OLIVEIRA / HAROLDO SCHULTZ
MELHORAMENTOS
R$ 45,00



FLÁVIO DE CARVALHO (COLEÇÃO ENCANTO RADICAL) (BIOGRAFIA)
ANTONIO CARLOS ROBERT MORAES
BRASILIENSE
(1986)
R$ 7,00



VAMOS ADIVINHAR
CHA MI-JEONG E CHOI YU-MI
CALLIS
(2010)
R$ 25,00



FRAGMENTOS DA SABEDORIA ORIENTAL - VOL 3: O LIVRO DE ARDA VIRAF
AMORC
AMORC
(1993)
R$ 12,00



QUE CHITA BACANA
RENATA MELLÃO; RENATO IMBROISI
A CASA
(2005)
R$ 199,90



A ILHA CARIBOU
DAVID VANN
RECORD
(2014)
R$ 17,00



DEMOCRACIA ,PARTICIPAÇÃO E AUTONOMIA COOPERATVA
JOSÉ ODELSO SCHNEIDER
UNISINOS
(1991)
R$ 60,00



A ECONOMIA POLÍTICA DA CRISE
MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES
VOZES
(1982)
R$ 7,00



TURISMO - FORMAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO - 30 ANOS DE HISTÓRIA
MARLENE MATIAS
MANOLE
(2002)
R$ 24,99



O COTIDIANO E A HISTÓRIA - 8ª EDIÇÃO
AGNES HELLER
PAZ E TERRA
(2008)
R$ 179,95





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês