O Banquete | David Donato | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 29/4/2008
O Banquete
David Donato

+ de 2400 Acessos

Tive uma professora de biologia ― na oitava série, se bem me lembro ― que disse uma vez que nós usamos as mesmas proteínas das coisas que comemos para construir nosso próprio corpo. Já que são exatamente as mesmas substâncias, a única coisa que nos impede de termos, por exemplo, um pedaço de peito de frango no lugar da nossa panturrilha é a ordem que nosso corpo monta essas proteínas. Claro que não é a melhor explicação do mundo (ela definitivamente não era a melhor professora do mundo), mas foi uma imagem que me marcou e, de certo modo, serve para muitas outras coisas na vida. Acredito na velha máxima "você é o que você come". Cada experiência, cada viagem de ônibus, cada almoço no boteco sujo, cada livro lido e cada pé na bunda deixam para trás um eu menor e mais antigo, ou mais magrinho e desnutrido, para não fugir da metáfora. Isso é especialmente verdade quando se trata de artes. Claro que há refeições e refeições, esfihas do Habib's de experiência (a última refilmagem de terror japonês) e verdadeiros banquetes (pensou em Dostoiévski? Eu também.) Acho que eu, nesse sentido, já nasci com fome.

Uma das minhas primeiras memórias com as letras onde eu mesmo peguei o cardápio e escolhi sozinho a refeição foi em uma biblioteca infantil, onde conheci Ruth Rocha, Maria José Dupré e Ziraldo. Assim, me tornei um pouco Marcelo, Marmelo, Martelo, cachorrinho Samba, um pouco Maluquinho. Vivi muito tempo com Monteiro Lobato e toda sua obra infantil, que eu devorava deitado no tapete do quarto. Provei os clássicos juvenis, adaptações de Moby Dick, Frankenstein, Robin Hood e Sherlock Holmes; passei um bom tempo me deliciando com a obra de Jules Verne e a maioria dos livros da Coleção Vaga-Lume. Em poucos anos, tinha vivido séculos de experiências, viajado ao centro da Terra, passado semanas na fazenda e em mundos fantásticos, caçado obsessivamente baleias, explorado minas de ouro e resolvido mistérios insolúveis, sempre em doses não muito maiores que cem páginas. No fim do dia eu me sentia velho, saciado. Mas como toda saciedade se esgota no dia seguinte, lá estava eu procurando o que ler até na estante empoeirada de casa. E foi aí que as coisas começaram a mudar.

Aos treze anos achei um livrinho de capa dura, bastante sólido e bem conservado, apesar dos vinte e cinco anos de publicação. Minha mãe o tinha desde a adolescência, mas mal se lembrava. Na capa preta, em dourado, um desenho quase abstrato de um homem e um gato e a inscrição POE ― Histórias Extraordinárias. Esse livro de pouco mais de trezentas páginas me mostrou um outro mundo, denso, obscuro e extremamente bem construido. Os contos pioneiros de Edgar Allan Poe, quase todos em primeira pessoa, falavam para o adolescente em mim ainda mais que as músicas em primeira pessoa da Legião Urbana. Nunca me esqueço do arrepio que senti ao terminar "O poço e o pêndulo". Fui atingido por uma porção de pensamentos, e o último foi "como alguém consegue descrever sensações de forma tão poderosa sem ter passado pelo que seus personagens passaram?" O mundo aventureiro dos anos anteriores acabara de se tornar também subjetivo, reservado, misterioso.

No mesmo ano, a mesma mudança aconteceu com o cinema, quando, sem opção numa praia chuvosa, entrei numa sessão qualquer de um cinema qualquer. O mundo aventureiro de Jurassic Park e De volta para o futuro levou um soco no estômago de Seven, com aquela sequência de abertura incrível e história impactante demais para quaisquer treze anos de idade. Foi aí que percebi que eu realmente gostava de cinema. Aí minha fome aumentou de verdade. Fiquei um pouco mais cínico com Kubrick, mais virtuoso com Hitchcock, mais neurótico com Woody Allen. Ainda assim, gordo, sem conseguir absorver tantos nutrientes em tão pouco tempo, me deixei levar pela gula e enfrentei sozinho Crime e Castigo. Era como se eu vivesse em restaurantes, mas nunca tivesse comido um grande e desafiador filé mignon. Cento e cinqüenta anos de proteína assim me transformaram em alguém mais complexo, mais incoerente, mais humano e com muita vontade de aprender russo e ter um amigo chamado Svidrigáliov. Meu mundo também era frio, pobre e sujo como a São Petesburgo de Raskólnikov.

As refeições que mudaram minha composição química vão além. Kafka me fez ver o mundo pelo avesso, Umberto Eco, de trás para frente. Borges, de todos os ângulos possíveis e ao mesmo tempo. Douglas Adams me fez rir de minha petulância e Arthur Clarke me fez temê-la. George Orwell e Art Spiegelman me fizeram ter cuidado com o mundo. Alan Moore e Paul Thomas Anderson me fizeram ter cuidado com os habitantes do mundo. Chuck Jones, Brad Bird, Michel Gondry, Winsor McCay e Tim Burton me mostraram como construir mundos particulares. Matt Groening e Tarantino, como desconstruir qualquer mundo. Os contistas brasileiros me mostraram quanta coisa interessante pode acontecer no meu quintal. Os Monty Python mostraram como isso pode ser ridículo.

Não incluo aqui os filósofos nem a religião pelo mesmo motivo que não incluo o quanto fui ensinado por meus pais: isso é o arroz e feijão. É a base, sem a qual ninguém dura muito tempo nessa vida. Quero me concentrar nas carnes, nas saladas, entradas e molhos, que, mesmo que consumidos com frequência, sempre dão um sabor especial ao prato. Também não incluo aqui a música nem as artes plásticas, mas isso é porque o texto ia ficar muito longo mesmo.

Mas de que adianta passar a vida no restaurante? A verdade é que comemos para viver, e não o contrário (nunca achei que esses sábios eremitas que vivem em cavernas fossem tão sábios assim. Afinal, acumular sabedoria mas nunca colocá-la em prática não me parece nada, digamos..., sábio). Queimar toda essa gordura secular não é fácil, principalmente num mundo onde se come tão mal e não se faz exercícios. Precisamos achar nossas pistas de corrida em conversas de boteco, nossas academias (inclusive no sentido literal do termo), nossas ciclovias em nossas próprias famílias e malhar até a exaustão. É a segunda melhor forma de agradecer aos que nos proporcionaram tanta boa comida. A melhor maneira é aprender a cozinhar.


David Donato
São Paulo, 29/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait


Mais David Donato
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROJETO RADIX - RAIZ DO CONHECIMENTO - ESPANHOL 8
FERNANDA E WILSON
SCIPIONE
(2013)
R$ 30,00



GO LIVE 5 EM PORTUGUÊS
WILLIAM PEREIRA ALVES
ÉRICA
(2001)
R$ 7,06



THE HOLY BIBLE - OLD AND NEW TESTAMENTS
NÃO MENCIONADO
LONDON BRITSH AND FOREIGN BIBL
R$ 60,00



SUA SAÚDE E O AMBIENTE QUE CONSTRUÍMOS - A SÍNDROME DO SAPO COZIDO
THOMAS SAUNDERS
CULTRIX
(2004)
R$ 12,00



EXIBICIONISMO
BRETT KAHR
RELUME DUMARÁ
(2005)
R$ 20,00
+ frete grátis



MOLDURAS DA FILOSOFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
ABRAHÃO BENJAMIM
MARTINS
(1954)
R$ 17,91



MINHA RAZÃO DE VIVER - MEMÓRIAS DE UM REPORTER
SAMUEL WAINER
RECORD
(1987)
R$ 10,00



PEDAÇOS DO COTIDIANO
ZÍBIA GASPARETTO
ESPAÇO VIDA & CONSCIÊNCIA
R$ 10,00



MENINAS SUPER PODEROSAS: OS MONSTROS DE GIZ
E. S. MOONEY
NBL
(2002)
R$ 7,98



CONSTRUINDO POLÍTICA COM A JUVENTUDE (AUTOGRAFADO)
ANTONIA MÁRICA ARAÚJO GUERRA E OUTROS ORGS
PUC
(2011)
R$ 35,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês