Radiação de Fundo | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Quinta-feira, 21/9/2006
Radiação de Fundo
Guga Schultze

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

...a bem da verdade e a bem da mentira - o ramal está congestionado entre esses pólos opostos - um sem número de frases desarticuladas, uma palinfrasia de bêbados em final de festa. O retrato mal pendurado de Dorian Gray está lá, com sua cortina parcialmente roída pelos ratos noturnos e deixa entrever o sorriso sarcástico entre os panos mambembes; e o retrato fala e sua voz é ouvida por milhões e o som de sua voz permanece como um murmúrio constante. Astrônomos identificaram esse ruído circundando o cosmo conhecido, a "radiação de fundo", querendo com ela provar o fato espantoso de que o universo teve origem numa espécie de cataclismo invertido, do nada para o todo; e o danado se expande, vai além dos limites da capacidade imaginativa - porque não dá para imaginar o infinito - e aquele que tentar atingir esses limites está fadado à loucura, como as fadas dessa história que, antes de perecer, enlouqueceram, naqueles reinos de sonho, com a invasão dos homens-ogro que multiplicaram a realidade até o insuportável... (sic)

Achei esse trecho escrito quando eu procurava alguma outra coisa num caderno velho. É parte de uma carta (que nunca foi enviada) e na qual eu explicava (ou tentava explicar) para um amigo as maluquices de um conto, meio ficção científica, que eu tinha escrito e que tinha deixado esse meu amigo meio perplexo. Desisti de enviar a carta porque, ficou evidente, ela teria aumentado a perplexidade dele (ou a de qualquer um) e eu estava mesmo era querendo explicar a coisa claramente - eu e ele havíamos lido ao mesmo tempo O Tao da Física e, se não me engano, o livro do Caos (não me lembro o nome corretamente). Ele ficou estranhamente deprimido, eu escrevi um conto. Ele leu e vociferava ao telefone, na longa conversa que tivemos depois que eu desisti da carta e tentei me explicar verbalmente. O princípio científico da incerteza estava deixando ele maluco.

Bem, talvez seja necessário dizer que esse conto já era, se perdeu de alguma forma - eu só tinha um original, escrito a mão. Ainda me lembro da história, mas não vem ao caso. O que vem ao caso é a palavra "perplexidade". Lembro a do meu amigo e, agora, a minha, ao notar que a carta que eu escrevi há tempos serve perfeitamente como mapa para definir algumas questões, que eu acho que são boas, sobre outro tema, insuspeitado naquela época: a internet e os podcasts.

1. ...a bem da verdade e a bem da mentira - o ramal está congestionado entre esses pólos opostos...

Uma expressão inócua (a bem da verdade) refutada pela sua forçada contraparte. A quantidade de informação disponível hoje na rede excede, e muito, toda a informação fora dela. Mas, evidentemente, não é cem por cento confiável. O único filtro possível é o uso constante de milhões de usuários que descartam a maior parte da informação falsa ou duvidosa. O equilíbrio é mantido na práxis porque se, por algum motivo, todo mundo se desinteressasse do valor da informação como "verdade", a rede se rompia, dava um tilt com o acúmulo exponencial de lixo. É quase uma questão de ética: "a procura da verdade" ou a zona de credibilidade é que mantêm a rede funcionando.

2. ...um sem número de frases desarticuladas, uma palinfrasia de bêbados em final de festa. O retrato mal pendurado de Dorian Gray está lá, com sua cortina parcialmente roída pelos ratos noturnos e deixa entrever o sorriso sarcástico entre os panos mambembes; e o retrato fala e sua voz é ouvida por milhões e o som de sua voz permanece como um murmúrio constante.

Na medida em que qualquer um pode criar seu podcast - e o número deles está crescendo na rede -, temos aí essa voz, esse murmúrio contínuo na internet.

O apelo principal do podcast, a propaganda que atrai tanta gente, é que você pode criar sua própria "rádio" - e é exatamente isso que muita gente tem feito: criar um programa de áudio, como numa rádio qualquer, que outros internautas possam acessar. E uma vez acessado, isto é, uma vez que o internauta visite uma página de podcast, existem basicamente duas maneiras de ouvir o programa: pelo jeito normal, clicando em teclas play e ouvindo na hora, via stream; ou fazendo um download e gravando o programa em sua máquina para ouvir quando quiser.

A outra maneira (e aí é que está a coisa) é fazer uma "assinatura": o internauta conecta seu iPod, por exemplo, e automaticamente as atualizações do programa que ele assinou estão lá. Ou pode fazer isso pela própria rede: existem sites, (ou softwares na rede) que atualizam constantemente as informações oriundas dos podcasts e as tornam disponíveis, bastando que o internauta vá a esses sites, sem ter que passar pelo processo de ir até onde está o seu programa de rádio, baixar os áudios etc. Ou seja, o ouvinte da "rádio" se mantém em sintonia com o que ela (rádio) produz. Isso implica em uma flexibilidade inédita para ambas as partes, principalmente para o produtor da "rádio" que pode mudar e alterar seus programas, pode criar seqüências legais, sabendo que seus ouvintes estão "ligados".

E isso atrai gente e todo tipo de manifestação. Posso supor qualquer tipo de áudio; provavelmente ele existe ou existirá: discursos nazistas de Hitler no inferno, o canto das sereias de Ulisses, música de Jobim psicografada por médium japonês, aulas secretas para ninjas e o som dos canhões da Guerra do Paraguai.

Há também um lado meio sinistro em tudo isso porque da mesma forma que você ouve um programa de "sublimes e elevadas orações" nada impede que ouça também um ótimo programa que ensine a fabricação de bombas caseiras, com um mínimo de custo, mas capazes de detonar um quarteirão.

O retrato de Dorian Gray, o retrato da "alma", não só de um sujeito, mas de todos, sorri meio sarcástico (a palavra correta seria "zombeteiro") e não há como desfazer esse sorriso porque a liberdade - e nada é tão livre como o organismo da internet - é uma caixa de Pandora, aberta, e solta indiscriminadamente anjos e demônios.

3. ... Astrônomos identificaram esse ruído circundando o cosmo conhecido, a "radiação de fundo"... ... porque não dá para imaginar o infinito - e aquele que tentar atingir esses limites está fadado à loucura, como as fadas dessa história que, antes de perecer, enlouqueceram, naqueles reinos de sonho, com a invasão dos homens-ogro que multiplicaram a realidade até o suportável.

A "radiação de fundo" é uma espécie de estática detectada no éter cósmico e causada, dizem os cientistas (nem todos dizem), pelo Big Bang, a explosão primordial que criou o universo etc. A internet (com aqueles três "www" que poderiam significar também whole wide world) é também um cosmo - dá vontade de escrever microcosmo, mas micro já deixou de ser e macro ainda é pouco - e tem sua radiação de fundo, esse fluxo massivo, áudio-visual, que é o chamariz principal para os peixes que navegam, ou melhor, que caem na rede.

Ora, áudio-visual é o contato com a realidade, com o mundo material, ou seja lá que nome tiver. Leitura, apesar dos olhos, não é áudio nem visual.

No meu antigo conto tinha essas fadas que eram meio princesas de torres silenciosas e que foram sumindo à medida que os ogros barulhentos ocupavam os arredores. Os ogros, esses eram estritamente áudio-visuais. Berravam, usavam roupas berrantes e não há nada como barulho para fazer alguém acordar, botar os pés no chão, nem que seja de susto. Com isso os ogros trouxeram um senso de materialidade que as pobres fadinhas não suportaram.

Sou da espécie das pobres fadinhas e escuto o barulho que vem da rede com certo desconforto. Mas, não resistindo à piadinha, sou um pouco mais fodinha do que elas foram e percebo que a maior parte desses ogros também não são lá grande coisa. Esses podcasts todos fazem bastante barulho mas são, em sua maioria, divertidos. O negócio é saber discernir até onde eles se conectam ou influem sobre a realidade, ou mesmo se podem criar o que seria também uma voz para essa realidade.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 21/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por uma lógica no estudo da ortografia de Marcelo Spalding


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2006
01. Mané, Mané - 22/6/2006
02. A Legião e as cidades - 3/8/2006
03. Voto fulo - 12/10/2006
04. Mitos na corda bamba - 29/12/2006
05. Radiação de Fundo - 21/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/9/2009
20h44min
Sou leigo nesses assuntos, mas não entendi uma coisa. Se o universo está em expansão, não seria errado dizer que ele é infinito? Como poderia aumentar o que já é infinito? Acho que seria mais conveniente usar a palavra perpétuo...
[Leia outros Comentários de leandro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês