Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 40
>>> Assim rasteja a humanidade
>>> Mário Faustino
>>> A dança das imagens de Murilo
>>> Desligando o Cartoon Network
>>> Leia de ouvido
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Walter Burkert (1931-2015)
>>> Os quadrinhos e o castelo do Graal
Mais Recentes
>>> Mal-entendido Em Moscou de Simone de Beauvoir pela Record (2016)
>>> Leonardo da Vinci - A Alma de Um Gênio de Marislei Espíndula Brasileiro pela Lúmen (2004)
>>> O Corsário e a Rosa de Sveva Casati Modignani pela Círculo do Livro (1995)
>>> Como Era Verde o Meu Vale de Richard Llewellyn pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Ultimo Templário de Raymond Khoury pela Ediouro (2006)
>>> O Tempo e o Vento - Volume 2 - O Retrato de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> A Grande Cozinha - Saladas de Vários Autores pela Abril Coleções (2007)
>>> Hotel de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1966)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Negociação: Fortalecendo o Processo de Eugenio do Carvalhal pela Vision (2004)
>>> Comunidade e Sociedade no Brasil de Florestan Fernandes pela Companhia Nacional (1974)
>>> O Vendedor de Sonhos - O Chamado de Augusto Cury pela Academia (2008)
>>> Indulgência de Francisco Cândido Xavier pela Ide (1989)
>>> Liga da Justiça : A Guerra do Demônio Parte 1 e 2 de Alan Grant pela Mythos (2003)
>>> O Fiel da Balança de Taylor Caldwell pela Globo
>>> Júlia Especial vol. 10: O caso do detetive Baxter de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Vida e Sexo de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1970)
>>> Júlia Especial vol. 09: O caso do ônibus fantasma de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Júlia Especial vol. 07: O caso dos grafites apagados de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> O Sexo No Casamento de Regina Navarro Lins; Flávio Braga pela Best Seller (2006)
>>> Júlia Especial vol. 06: O caso da Rua Magnólia de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Batman - Guardião de Hollywood - Ed. Especial de DC Comics pela Mythos (2002)
>>> A Vida em Família de Rodolfo Calligaris pela Ide (1980)
>>> Dinho e Suas Finanças de David F. Hastings pela Fgv (2015)
>>> Hoje é Dia de Maria - Coletânea de Fotos da 1ª e 2ª Jornadas de Luis Alberto de Abreu, Luiz Fernando Carvalho pela Globo (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 2/9/2014
Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I)
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 9400 Acessos

Como resultado de suas pesquisas com o "animal humano", Wilhelm Reich escreveu um livro que denominou Éter, Deus e o Diabo, traduzido e publicado no Brasil pela editora Martins Fontes. O livro trata da relação direta que existe entre as emoções, o funcionamento biológico da vida e a energia cósmica.

Para definir as atividades de Reich após o período freudiano, o melhor termo talvez seja o de biopsiquiatra. Reich pesquisa as atividades da psique humana juntamente com o funcionamento biológico da vida. Para ele não existe separação entre as atividades psíquicas e as biológicas. Elas se intercomunicam, se influenciando e se ligam, ainda, ao que chama de atividades cósmicas da vida.

Descobridor de uma suposta energia cósmica primordial, que denominou orgone, a energia que daria animação à vida, Reich desenvolveu a partir dessa descoberta pesquisas sobre os mecanismos que guiam a profunda relação entre as emoções, o comportamento das estruturas celulares plasmáticas e o funcionamento do cosmos.

Materialista em sua abordagem da existência, para Reich "a essência da vida é o funcionamento vital em si, que não tem nenhum significado ou finalidade transcendental". Este conceito de vida está relacionado às suas pesquisas anteriores sobre a análise do caráter segundo perspectivas freudianas. Avançando em alguns pontos em relação ao criador da psicanálise, para ele as neuroses humanas se cristalizam no próprio corpo, naquilo que ele denominou de "couraça muscular do caráter".

Sua visão radical da sexualidade levou-o a escrever um livro denominado A função do orgasmo, em que expõe a teoria de que o organismo sexualmente bloqueado é o gerador de todas as doenças psicofísicas do homem. A ausência de uma entrega sexo-emotiva livre de barreiras seria o gerador das neuroses, doenças corporais e atitudes sociais fascistas (da fofoca à criação de grupos racistas como o nazismo). O acúmulo de energia sexual não liberada numa relação sexo-emocional seria o gerador, inclusive, do gosto pela violência, pela morte, pela autodestruição, dentre outras atividades perniciosas ao organismo e à vida.

Contrariando a ideia de Freud de que existem duas forças antagônicas que guiam a natureza do homem, Eros (princípio da vida) e Tânatos (princípio da morte), Reich deduz a partir de suas pesquisas que o princípio da morte não é parte da natureza humana, mas é gerado por circunstâncias avessas à existência livre da expressão humana dos sentimentos e da sexualidade. O masoquismo, por exemplo, seria apenas um acúmulo de energia psicofísica não liberada pelas emoções e pela sexualidade livre que se volta contra si mesma. Ideia radical que mais tarde seria desenvolvida numa concepção de que o câncer é apenas o suicídio plasmático de células contraídas pela impossibilidade de viverem livremente seu movimento natural e cósmico.

A ideia de liberdade e de saúde (psicofísica) é para Reich, portanto, a de "uma vida sem couraças, que não procura um significado ou finalidade para sua existência, pelo simples motivo de que funciona de modo espontâneo, significativo e intencional, sem necessidades de mandamentos ou proibições". Para pensar essa liberdade, Reich cria uma "ciência da vida", que seria um instrumento para examinar e julgar a história humana de um ponto de vista diretamente ligado à relação do homem com sua vida biológica, social e cósmica. Essa ciência ele denominará Orgonomia, "ciência das leis funcionais da energia orgone cósmica".

Em Éter, Deus e o Diabo, Reich passa em revista todas as mazelas humanas, as perseguições ao pensamento livre e à violência histórica contra quem fez avançar a ciência cósmica, como foi o caso de Giordano Bruno (queimado vivo pela Santa Inquisição) e Galileu (proibido de lecionar e publicar suas ideias contrárias à visão metafísica da igreja católica). Sua ideia é de que existe uma "lógica interna de erros" na irracionalidade humana, sendo ela uma espécie de "ilusão que se revela na intolerância e crueldade". Essa lógica "atribui à natureza qualidades da estrutura humana que não podem ser encontradas num dado objeto da natureza".

Para Reich, racionalmente "o homem deveria ter estudado seu próprio organismo antes de qualquer outra coisa". Entendendo seu funcionamento enquanto criatura viva, com necessidades que contrariam a cultura e seus instrumentos de domesticação, edificaria uma sociedade mais livre, ou ao menos aberta à expressão dos sentimentos naturais.

Suas proposições criticam e contrariam as ideias metafísicas do homem e da existência. "A religião, com seus erros metafísicos em relação à culpa absoluta do homem (...) infiltrou-se nas esferas subordinadas da existência biológica, social e moral (...)". O resultado é que "a humanidade, cindida em milhões de facções, grupos, nações e estados, se dilacerou em acusações mútuas". Uma cultura da culpa se espalhou pela humanidade inteira adoecendo a sociedade em toda sua estrutura: a culpa é dos gregos, a culpa é do romanos, a culpa é dos judeus, a culpa é dos cristãos, a culpa é dos hereges, a culpa é da rainha, a culpa é do povo, a culpa é dos austríacos, dos russos, prussianos, a culpa é das máquinas, a culpa é dos proletários, a culpa é dos índios, etc. Isso é o que nós convencionamos chamar de história.

A resposta de Reich a essa cultura da violência é diagnosticar o organismo humano como doente. É na biologia do animal humano que a resposta a essa doença deveria ser procurada. Nem por isso Reich está alheio às investigações sociais, tais como as empreendidas por Karl Marx, que vê a interdependência entre o elemento social e o biológico - "o processo social era um processo da natureza", diz Marx.

A questão que Reich levanta é a seguinte: "Se todos os homens desejam a paz, então porque há sempre outra guerra assassina, contra a vontade e os interesses vitais da população global?" O que se deve fazer é compreender "a profunda aversão da pessoa média à perguntas que tocam o cerne de sua vida". As perguntas essenciais, as mais importantes, fazem tremer o homem comum. E são elas as que resolveriam os problemas de sua vida.

A vida foi pensada de forma errada, segundo Reich. As questões que foram colocadas sobre ela ou partiram de uma visão mecanicista ou metafísica. A ideia de que existe um ser sobrenatural que dá forma à vida seria para Reich apenas uma distorção da sensação provocada pela percepção da energia orgone cósmica. O anseio orgástico (reprimido) seria a origem deformada dessa percepção. E o encouraçamento das emoções no próprio corpo geraria o pensamento mecanicista.

O que Freud já havia percebido, Reich levou às últimas consequências. Para Freud, o sentimento oceânico, experimentado por muitos místicos, era apenas sublimação da energia sexual. É essa energia biopsíquica que Reich dizia ser Deus, ou o Éter. Em sua obra O assassinato de Cristo, disse claramente: "A força dita cósmica é a mesma que te habita entre as pernas".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 2/9/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A política de uma bunda de Marcelo Miranda
02. Do Colunista de Ricardo de Mattos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
02. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) - 2/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro de Bolso Literatura Brasileira 111 Ais
Dalton Trevisan
L&pm Pocket
(2000)



Esta é uma História de Amor
Jessica Thompson
Novo Conceito
(2014)



Livro Religião Maçonaria Do Outro Lado da Luz
William Schnoebelen
Luz e Vida
(1997)



O governo Kubitschek
Maria Victoria de Mesquita Benevides
Paz e Terra
(1976)



De Repente
Barbara Delinsky
Bertrand Brasil
(2003)



A Conquista da Felicidade
Bertrand Russell
Nova Fronteira
(2015)



Steam Lifeboats
Nicholas Leach
Foxglove
(2023)



O Melhor do Cortella
Mario Sergio Cortella
Planeta
(2018)



Paulo e Estêvão Para Jovens Leitores
Adeilson Salles
Feb
(2012)



Afrodite - Romance de Costumes Antigos
Pierre Louys
Ediouro
(1991)





busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês