Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 2/9/2014
Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 7100 Acessos

Como resultado de suas pesquisas com o "animal humano", Wilhelm Reich escreveu um livro que denominou Éter, Deus e o Diabo, traduzido e publicado no Brasil pela editora Martins Fontes. O livro trata da relação direta que existe entre as emoções, o funcionamento biológico da vida e a energia cósmica.

Para definir as atividades de Reich após o período freudiano, o melhor termo talvez seja o de biopsiquiatra. Reich pesquisa as atividades da psique humana juntamente com o funcionamento biológico da vida. Para ele não existe separação entre as atividades psíquicas e as biológicas. Elas se intercomunicam, se influenciando e se ligam, ainda, ao que chama de atividades cósmicas da vida.

Descobridor de uma suposta energia cósmica primordial, que denominou orgone, a energia que daria animação à vida, Reich desenvolveu a partir dessa descoberta pesquisas sobre os mecanismos que guiam a profunda relação entre as emoções, o comportamento das estruturas celulares plasmáticas e o funcionamento do cosmos.

Materialista em sua abordagem da existência, para Reich "a essência da vida é o funcionamento vital em si, que não tem nenhum significado ou finalidade transcendental". Este conceito de vida está relacionado às suas pesquisas anteriores sobre a análise do caráter segundo perspectivas freudianas. Avançando em alguns pontos em relação ao criador da psicanálise, para ele as neuroses humanas se cristalizam no próprio corpo, naquilo que ele denominou de "couraça muscular do caráter".

Sua visão radical da sexualidade levou-o a escrever um livro denominado A função do orgasmo, em que expõe a teoria de que o organismo sexualmente bloqueado é o gerador de todas as doenças psicofísicas do homem. A ausência de uma entrega sexo-emotiva livre de barreiras seria o gerador das neuroses, doenças corporais e atitudes sociais fascistas (da fofoca à criação de grupos racistas como o nazismo). O acúmulo de energia sexual não liberada numa relação sexo-emocional seria o gerador, inclusive, do gosto pela violência, pela morte, pela autodestruição, dentre outras atividades perniciosas ao organismo e à vida.

Contrariando a ideia de Freud de que existem duas forças antagônicas que guiam a natureza do homem, Eros (princípio da vida) e Tânatos (princípio da morte), Reich deduz a partir de suas pesquisas que o princípio da morte não é parte da natureza humana, mas é gerado por circunstâncias avessas à existência livre da expressão humana dos sentimentos e da sexualidade. O masoquismo, por exemplo, seria apenas um acúmulo de energia psicofísica não liberada pelas emoções e pela sexualidade livre que se volta contra si mesma. Ideia radical que mais tarde seria desenvolvida numa concepção de que o câncer é apenas o suicídio plasmático de células contraídas pela impossibilidade de viverem livremente seu movimento natural e cósmico.

A ideia de liberdade e de saúde (psicofísica) é para Reich, portanto, a de "uma vida sem couraças, que não procura um significado ou finalidade para sua existência, pelo simples motivo de que funciona de modo espontâneo, significativo e intencional, sem necessidades de mandamentos ou proibições". Para pensar essa liberdade, Reich cria uma "ciência da vida", que seria um instrumento para examinar e julgar a história humana de um ponto de vista diretamente ligado à relação do homem com sua vida biológica, social e cósmica. Essa ciência ele denominará Orgonomia, "ciência das leis funcionais da energia orgone cósmica".

Em Éter, Deus e o Diabo, Reich passa em revista todas as mazelas humanas, as perseguições ao pensamento livre e à violência histórica contra quem fez avançar a ciência cósmica, como foi o caso de Giordano Bruno (queimado vivo pela Santa Inquisição) e Galileu (proibido de lecionar e publicar suas ideias contrárias à visão metafísica da igreja católica). Sua ideia é de que existe uma "lógica interna de erros" na irracionalidade humana, sendo ela uma espécie de "ilusão que se revela na intolerância e crueldade". Essa lógica "atribui à natureza qualidades da estrutura humana que não podem ser encontradas num dado objeto da natureza".

Para Reich, racionalmente "o homem deveria ter estudado seu próprio organismo antes de qualquer outra coisa". Entendendo seu funcionamento enquanto criatura viva, com necessidades que contrariam a cultura e seus instrumentos de domesticação, edificaria uma sociedade mais livre, ou ao menos aberta à expressão dos sentimentos naturais.

Suas proposições criticam e contrariam as ideias metafísicas do homem e da existência. "A religião, com seus erros metafísicos em relação à culpa absoluta do homem (...) infiltrou-se nas esferas subordinadas da existência biológica, social e moral (...)". O resultado é que "a humanidade, cindida em milhões de facções, grupos, nações e estados, se dilacerou em acusações mútuas". Uma cultura da culpa se espalhou pela humanidade inteira adoecendo a sociedade em toda sua estrutura: a culpa é dos gregos, a culpa é do romanos, a culpa é dos judeus, a culpa é dos cristãos, a culpa é dos hereges, a culpa é da rainha, a culpa é do povo, a culpa é dos austríacos, dos russos, prussianos, a culpa é das máquinas, a culpa é dos proletários, a culpa é dos índios, etc. Isso é o que nós convencionamos chamar de história.

A resposta de Reich a essa cultura da violência é diagnosticar o organismo humano como doente. É na biologia do animal humano que a resposta a essa doença deveria ser procurada. Nem por isso Reich está alheio às investigações sociais, tais como as empreendidas por Karl Marx, que vê a interdependência entre o elemento social e o biológico - "o processo social era um processo da natureza", diz Marx.

A questão que Reich levanta é a seguinte: "Se todos os homens desejam a paz, então porque há sempre outra guerra assassina, contra a vontade e os interesses vitais da população global?" O que se deve fazer é compreender "a profunda aversão da pessoa média à perguntas que tocam o cerne de sua vida". As perguntas essenciais, as mais importantes, fazem tremer o homem comum. E são elas as que resolveriam os problemas de sua vida.

A vida foi pensada de forma errada, segundo Reich. As questões que foram colocadas sobre ela ou partiram de uma visão mecanicista ou metafísica. A ideia de que existe um ser sobrenatural que dá forma à vida seria para Reich apenas uma distorção da sensação provocada pela percepção da energia orgone cósmica. O anseio orgástico (reprimido) seria a origem deformada dessa percepção. E o encouraçamento das emoções no próprio corpo geraria o pensamento mecanicista.

O que Freud já havia percebido, Reich levou às últimas consequências. Para Freud, o sentimento oceânico, experimentado por muitos místicos, era apenas sublimação da energia sexual. É essa energia biopsíquica que Reich dizia ser Deus, ou o Éter. Em sua obra O assassinato de Cristo, disse claramente: "A força dita cósmica é a mesma que te habita entre as pernas".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 2/9/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O armário que me pariu de Lisandro Gaertner
02. Guga, para iniciantes de Guga Schultze
03. Eu não uso brincos de Ana Elisa Ribeiro
04. Apocalípticos, disléxicos e desarticulados de Julio Daio Borges
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes de Daniel Aurelio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
02. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Franchise Affair
Josephine Tey
Heinemann



Tenente, onde fica o alegrete?
Boaventura Martins Braga
Marbra
(2012)



Estudos de Pele
Floriano Martins
Lamparina
(2004)



A Epistemologia Genética (1970)
Jean Piaget
Abril Cultural
(1980)



Crises Monetárias
Paul Krugman
Pearson
(2001)



O Clube dos Sete
Marconi Leal
34
(2005)



Gerenciando Vendedores Pit Bulls
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2005)



And the winner is... - Os bastidores do Oscar
Emanuel Levy
Trajetória
(1990)
+ frete grátis



Cal Ou Tinta - Qual Profissional Você Quer Ser?
Anderson Tonnera
Elsevier - Alta Books
(2014)



Índia Thiara - Romance Indígena
Lindberg Albuquerque Brito
Região
(2008)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês