As deliciosas mulheres de Gustave Courbet | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
Mais Recentes
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
>>> Pássaros Feridos
>>> Geografia do Brasil - Espaço Natural, Territorial e Sócioeconômico brasileiro
>>> Contratos Internacionais do Comércio
>>> Marketing Social: Novos Paradigmas
>>> Gestão Financeira das Empresas: um Modelo Dinâmico
>>> Fundamentos de Economia
>>> Economia Brasileira Contemporânea: Para Cursos de Economia e Administração
>>> À Margem da Linha
>>> Conecte História - 3º Ano - Ensino Médio
>>> Biologia 3 - 3ª edição
>>> Culinária para Bem Estar
>>> A Ilíada e a Odisseia - Coleção Clássicos Em Quadrinhos
>>> Asas do Brasil - Uma História que Voa Pelo Mundo - Em Ótimo Estado
>>> Esquecer o natal
>>> O Mistério dos Sete Candelabros de Ouro
>>> Dom Quichote De La Mancha - Cervantes / Gustavo Doré - Raro
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> Livro Curso Prático De Imposto De Renda
>>> O Medo e a Ternura
>>> Liberdade Virtual
>>> A Colina dos Suspiros
>>> Pretinha, eu?
>>> Amor Não Tem Cor
>>> A Morte Tem Sete Herdeiros
>>> Contos Urbanos e Lendas Rurais
>>> Redes de Abuso
>>> Jogo Duplo
>>> Bat Pat - O Monstro do Esgoto
>>> ABCdário da Revolução Pernambucana de 1817
>>> Almanaque do Cruzeiro
>>> Voragem
>>> O livro das grandes reportagens
>>> Deixe os homens aos seus pés
>>> Quem mexeu no meu queijo?
>>> O príncipe
>>> A mulher de trinta anos
COLUNAS

Terça-feira, 3/6/2014
As deliciosas mulheres de Gustave Courbet
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6900 Acessos

Do lado de cá, estamos nós, os observadores. Do lado de lá, as belas e carnais formas de um nu feminino representado pelo pintor francês Gustave Courbet. A tela, de 1866, se chama "Mulher com papagaio". Courbet é um "faiseur de chair", sendo que seus nus, impudores e de uma sensualidade indiscreta, ocupam grande parte de sua obra. São verdadeiros poemas louvando a carne feminina.

Deitada sobre lençóis amassados, os longos e sensuais cabelos atrapalhados, o corpo macilento não demonstra nenhuma tensão (há tensão após o coito?). Está entregue ao seu próprio peso material, à sua existência orgânica. Os seios arfam em sua grandeza arredondada e suculenta. O nu de Courbet é bem diferente das pinturas acadêmicas, como "O nascimento de Vênus", de Cabanel, que apesar da sensualidade apresentada nas acentuadas curvas da personagem, ainda traz em si a cor do mármore grego, nos distanciando de um corpo real e encarnado, como o de Courbet, que por isso desperta o desejo insuspeito do espectador.

O único invasor da cena é um papagaio (já se pressupôs que o quadro seria uma sátira à visitação da virgem pela ave sagrada, aqui ridicularizada na grotesca ave - que não canta, mas apenas grita). Ele pousa sobre a mão esquerda da mulher que o recebe sem constrangimento por sua nudez. Somos os espectadores da cena, que não é outra coisa que a ousada aparição erótica de um corpo fenomenal entregue à glória de sua própria sensualidade física.

No livro O corpo da liberdade, Jorge Coli afirma o seguinte: "A arte atribui a si própria a missão de exibir os poderes sexuais das formas femininas, e o artista, como, aliás, qualquer homem que participe da cena na condição de personagem, ou espectador, é o médium, invisível, ou quase, desse erotismo que ele dispõe para seu próprio prazer. Ou, mais simplesmente, a mulher é o evidente objeto erótico, e o homem, o sujeito oculto."

Em outro quadro, mais escandaloso por seu realismo, estamos diante de um recorte do corpo feminino cuja intenção do artista não pode ser outra que nos confrontar com seu órgão sexual despudorado. Trata-se, evidentemente, de "A origem do mundo". Edmond de Goncourt declarará que a pintura (a vagina?) é "bela como a carne de um Corrège". Estamos diante de uma mulher nua, frontalmente, aparecendo apenas partes da coxa, da barriga, dos seios, mas sem os pés, os braços, a cabeça. No centro, pela disposição das pernas abertas, apenas a vagina que se abre aos nossos olhos, encimadas pela penugem do monte de Vênus. Olhando de perto podemos perceber a umidade dentro do corte (um nu pós-orgasmo ou pré-penetração?). Em suma, uma licenciosidade absoluta. O quadro tem uma longa história, que todos já devem conhecer e do qual o psicanalista Jacques Lacan faz parte.

Em outra tela, denominada "As adormecidas", duas mulheres se enlaçam numa lubricidade baudelairiana. Os corpos são belíssimos, e sendo dois multiplicam no espectador o gozo visual da erótica carnalidade feminina. Um quadro para as fantasias sexuais masculinas, num momento em que o lesbianismo se torna tema literário (Balzac, Baudelaire etc). Não podemos esquecer que o título original de As flores do mal, de Baudelaire, seria "As lésbicas".

Courbet também pintou suas Dianas ao banho. Mas para insultar Rafael e Ingres, evidentemente. Estão mais para as matronas de Rubens, volumosas, com celulite, dobras e todo o peso de suas curvas que se multiplicam corpo a fora. Causaram escândalo. Não apenas por ser um tipo de nu contemporâneo, mas por ser também pintura de feitura contemporânea, que repudiava a hipocrisia da refinada (e idealizada) pintura acadêmica (sem marcas de pincel a vida?), com seus nus exibidos sob o álibi do distanciamento literário, mitológico ou do exótico oriente. Para Courbet, seu pincel deveria tocar em cada pedaço do corpo da mulher como se a estivesse possuindo sexualmente. E deveria dar ao olhar do espectador a sensação da presença desses corpos, quase que do cheiro do sexo dessas mulheres.

O artista foi acusado por determinado grupo de feministas do século XX de ser um pintor falocêntrico. De transformar as formas femininas, a organicidade de sua existência, em sua própria ontologia. Cavernas obscuras, segredos da natureza, tanto faz: vaginas e cavernas são a própria existência do feminino. E Courbet as pintou como lugares que nos convidam a entrar e encontrar essa natureza (desconhecida) profunda.

"As banhistas", de 1853, representa uma dessas Dianas. No centro do quadro um esplêndido nu feminino, com suas pernas grossas, nádegas volumosas, braços musculares. Revela-se em sua nudez as dobras do seu corpo, a celulite de suas nádegas e o peso de sua realidade carnal como um todo. Seu gesto aparentemente nobre faz pensar em esculturas gregas (o artista quer ridicularizar os clássicos), mas a mulher que aparece é aquela que dorme ao lado dos homens que a contemplam na tela. Ela é real. Uma dessas mulheres que vivem sob a opulência burguesa de uma alimentação farta. Uma mulher contemporânea. Inadmissível para o (bom?) gosto da época. Uma mulher bovina, ou melhor, equina, pois foi chicoteada na bunda durante sua exibição. O artista disse que simplesmente pintou "uma ninfa à la Rubens, uma burguesa da província". Um tema prosaico demais para concorrer no Salão Nacional de Belas Artes. Um nu tão próximo do real que nos deixa corados quando visto em ambiente público.

A quantidade de nus pintados por Courbet surpreende. Deitados, entregues a um certo cansaço, livres na natureza (principalmente como banhistas), em poses que marcam a influência de Ticiano a Rubens, em enlaces lésbicos (ou sugestivamente lésbicos, como em "Mulher nua com cão") e mesmo em cenas mitológicas (às vezes satíricas), em todos esses gêneros, a beleza do nu feminino.

De uma forma geral, o erotismo é claro, exibindo a lascívia do corpo feminino que se entrega à sua própria sensualidade ou desejando despertá-la no espectador. Segundo Jorge Coli, no seu livro L´atelier de Courbet (Paris: Hazan, 2007), "Seus corpos aderem ao solo em uma gravidade inerte. Elas se mostram incapazes de toda atividade e, sobretudo, elas não pensam, digerem cansadas." Digerem o que?

As mulheres de Courbet não pensam, não agem, mas exibem aquilo que por séculos lhes foi negado: o direito à própria sensualidade enquanto uma das qualidades de sua natureza.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/6/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MELHORES CONTOS BRASILEIROS DE FICÇÃO CIENTÍFICA
ROBERTO DE SOUSA CAUSO
DEVIR
(2010)
R$ 22,90



O QUE HÁ NA BOLSA DA MULHER INTELIGENTE?
CRISTIANE LAZOTTI
MATRIX
(2009)
R$ 6,90



HISTOIRE DE RUSSIE - ÉTUDE COMPARÉE ENTRE LORIENT ET LOCCIDENT
MARC SEMENOFF
LA RENAISSANCE DU LIVRE
(1924)
R$ 60,00



VARIÉTÉ
PAUL VALERY
GALLIMARD
(1924)
R$ 63,63



OS MISTÉRIOS DO AQUÉM
CARLOS EDUARDO NOVAES
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 8,83



REVISTA DO ATENEU ANGRENSE DE LETRAS E ARTES ANO XVI Nº 34
ATENEU ANGRENSE DE LETRAS / ARTES
ATENEU ANGRENSE
(2015)
R$ 7,00



CÓDIGO PENAL PARA CONCURSOS
ROGÉRIO SANCHES CUNHA
PODIVM
(2011)
R$ 50,00



NÍSIA FLORESTA: O CARAPUCEIRO E OUTROS ENSAIOS DE TRADUÇÃO CULTURAL - MARIA LÚCIA GARCIA PALLARES-BURKE (JORNALISMO/COMUNICAÇÃO)
MARIA LÚCIA GARCIA PALLARES-BURKE
HUCITEC
(1996)
R$ 10,00



REFORMA ÍNTIMA
REFORMA ÍNTIMA, SOCIEDADE DE DIVULGAÇÃO ESPÍRITA AUTA DE SOUZA
AUTA DE SOUZA
(2006)
R$ 17,00



CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E LEGISLAÇÃO PROCESSUAL EM VIGOR
THEOTONIO NEGRÃO
SARAIVA
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês