O Big Brother e a legião de Trumans | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 19/4/2024
O Big Brother e a legião de Trumans
Luís Fernando Amâncio
+ de 1700 Acessos

Em 1998, Jim Carrey despontava como sério candidato ao Óscar de Melhor Ator. Ao menos era o que pensavam os meus colegas de colégio, fascinados com a versatilidade interpretativa do astro de O Máskara, Ace Ventura e Debi & Loide. Tínhamos 13 pra 14 anos e, para os nossos padrões cinéfilos, essas eram verdadeiras obras de arte.

De repente, nas locadoras do bairro, surgiu O Show de Truman. Eram tempos em que a informação circulava a passos lerdos, portanto não tinham nos avisado que Jim Carrey pretendia atuar em filmes sérios a partir de então. Muitos devem ter se sentido enganados com aquele longa-metragem. Nele, acompanhamos Truman Burbank, um homem que, sem saber, leva uma vida simulada, transmitida em tempo real para uma enorme audiência. É um bom filme. E a produção se saiu bem com a crítica e na bilheteria. Embora, no meu colégio, tenha sido um fracasso (“filme sem graça”).

A ficção, é claro, carrega nas tintas. Pouco tempo depois, porém, chegaria na tevê brasileira programas com premissas parecidas com a dO Show de Truman. Estou me referindo aos reality shows ― os programas cujo mote seria transmitir algo real, supostamente sem interpretações. No Limite (2000) foi a primeira produção a alcançar sucesso. Nas noites de domingo, depois do Fantástico, acompanhávamos aventureiros enfrentando provas esdrúxulas de resistência e sendo submetidos à ingestão de iguarias exóticas no meio da floresta.

Em 2001, estreou A Casa dos Artistas, sacada do Homem do Baú para não comprar um formato holandês que se alastrava pelo mundo. O juntado de famosos não tão famosos interagindo com Silvio Santos no domingo à noite incomodou a Globo na audiência. Que lançou, no ano seguinte, dentro das regras do licenciamento de programas televisivos, o Big Brother Brasil.

Eu acompanhei essa primeira leva de reality shows. Lembro bem da mistura da falta de opções na tevê com o êxtase em ver pessoas fazendo nada na beira de uma piscina. Era como observar um aquário de peixes. E se eu desligasse o aparelho e algo interessante finalmente acontecesse?

Hoje, quase 25 anos depois de No Limite, o formato dos reality shows se modificou bastante. Tendo como base o último BBB, vejo que o programa se tornou uma grande ação de marketing. As provas, os quadros, as festas... tudo é tematizado de acordo com os patrocinadores. E o elenco fica, a todo momento, agradecendo às marcas que possibilitam a humilhação na prova pela liderança, o luxo no quarto do líder e as festas que causam a discórdia na edição seguinte.

O curioso é que, a princípio, o objetivo de um reality show deveria ser retratar a realidade. O tema era mostrar personagens na forma mais natural possível. Algo que podemos entender como próximo de algumas vertentes do cinema documentário, como o cinéma vérité. Hoje, a mira dos reality shows aponta para as redes sociais. O BBB copia a estética delas, com os participantes atuando como influenciadores em suas "publis". O que, aliás, é a profissão de parte de elenco e se tornará, após o programa, na profissão da outra parte.

Retratar uma suposta realidade não atrai mais audiência para um programa de tevê. Afinal, os usuários encontram isso nos perfis que seguem. Os próprios espectadores fazem isso com suas arrobas do Instagram, no TikTok... Compartilhar a vida ― ou melhor, o recorte dela que você acha interessante ― tornou-se regra. Postar = existir. A ponto de, quando uma pessoa pública anuncia estar doente, não sabemos se lamentamos pela saúde dela ou damos parabéns pelo engajamento que o conteúdo irá gerar.

A reviravolta no enredo de O Show de Truman é quando o protagonista percebe que sua vida é um simulacro, que tudo pelo que ele passa é exposto para o entretenimento do público. Imaginar aquela situação, em que sua intimidade é atração para uma plateia desconhecida, era assustador.

Hoje, esse sentimento está ultrapassado. Com uma câmera na mão, o sonho de muita gente é ser Truman Burbank.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 19/4/2024

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
02. Um outro mundo de Daniel Bushatsky
03. Intolerância de Guilherme Pontes Coelho
04. Repetição: AC/DC, Satriani, Metallica e Extreme de Rafael Fernandes
05. Meu nome é Gavião... de Félix Maier


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio
01. 7 de Setembro - 13/9/2019
02. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
03. Eleições na quinta série - 17/9/2021
04. A barata na cozinha - 26/10/2018
05. O Brasil que eu quero - 22/6/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Filosofia Os Pensadores VIII
Abril Cultural
Abril Cultural
(1973)



A Vida em Família
Rodolfo Calligaris
Ide
(1980)



O Chapéu do Mago
Italo Marsili
Real Life Books
(2020)



Biologia 1 - 2 edição
Armenio Uzunian
Harbra
(2002)



Mysterios da Inquisção ( 2 Vol)
F. Gomes da Silva
Largo do Conde Barão
(1904)



A Solidão da Mulher Bem-Casada
Belkis Morgado
Jose Olympio
(1986)



O Poder do Silêncio
Eckhart Tolle
Sextante
(2016)



Livro Literatura Estrangeira O Nono Homem
John Lee
Record
(1976)



O Chá das Duas
Carlos Eduardo Novaes
Nordica
(1978)



Tocados por Ele
Guaraci de Lima Silveira
Mythos Books
(2012)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês