O pai tá on: um ano de paternidade | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
>>> Lançamento da Ubook, 'Desditas Cariocas' traz contos inspirados nas temáticas rodriguianas
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A indigência do rock e a volta dos dinossauros
>>> A terra das oportunidades
>>> Acordo Internetês Ortográfico
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Equipe econômica
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Jornais: conteúdo pago?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Noturno para os notívagos
Mais Recentes
>>> Era dos Extremos - O breve século XX 1914-1991 de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (1996)
>>> O Livro dos Médius de Allan Kardec pela Lake (2007)
>>> O Homem no Cotidiano - Alicerce do Paraíso de Meishu-sama pela Fundação Mokiti Okada (2010)
>>> O Racismo na História do Brasil - Mito e Realidade - Coleção História em Movimento de Maria Luiza Tucci Caneiro pela Ática (2003)
>>> Sobrevivente - Edição Slim de Chuck Palahniuk pela Leya (2020)
>>> O Reencontro de uma Família de Adriana Gumz pela Educarte (1998)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrinseca (2016)
>>> Memórias do Trabalho: depoimentos sobre profissões em extinção de Luiz A. Egypto de Cerqueira pela Confederação Nacional dos Metalúrgicos (1999)
>>> Quem esta escondido? - Estegossauro de Susie Brooks pela Ciranda Cultural (2017)
>>> A Mesa do Mestre-Cervejeiro - Descobrindo os prazeres das cervejas e das comidas verdadeiras de Garrett Oliver pela Senac (2012)
>>> Mistérios de Lygia Fagundes Telles pela Nova Fronteira (1981)
>>> Jesus, O Maior Psicólogo Que Já Existiu de Mark W. Baker pela Sextante (2009)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> Como Calar o Acusador de David Alsobrook pela Atos (2010)
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Pro Net (1996)
>>> Eu escolho ser Feliz de Susana Naspolini pela Agir (2019)
>>> Eneida (Capa dura) de Virgílio pela Nova Cultural (2003)
>>> Windows on the World de Frédéric Beigbeder pela Record (2005)
>>> A Linguagem das Cores de René-Lucien Rousseau pela Pensamento (1991)
>>> As Sete Chaves da Cura pela Cor de Roland Hunt pela Pensamento (1993)
>>> Renovando Atitudes de Francisco do Espirito Santo Neto pela Boa Nova (1997)
>>> Anjos e Demônios de Dan BrownS pela Sextante (2009)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E L James; Juliana Romeiro pela Intrinseca (2015)
>>> Extraordinário de R. J. Palácio pela Intrínseca (2013)
>>> Literatura Tempos Leitores e Leituras Caderno do Estudante Parte I de Maria Luiza M. Abaurre e Outros pela Moderna Plus
COLUNAS

Sexta-feira, 28/8/2020
O pai tá on: um ano de paternidade
Luís Fernando Amâncio

+ de 18100 Acessos

Nessa semana, minha filha completou um ano de vida. Ou seja, faz um ano que eu deveria me perguntar todos os dias: onde foi que eu amarrarei meu burro?

Deveria, atenção ao tempo verbal. Porque ter filhos talvez seja a maior prova de que o ser humano é um bicho danado de pretencioso. Convenhamos: nem coleta seletiva de lixo a gente consegue fazer. Como a gente insiste que pode pegar aquele cisco, que é o recém-nascido, e transformá-lo num projeto de gente?

É um desafio que, geração após geração, nós encaramos. Tamanha a nossa irresponsabilidade. E olha que eu tenho sorte. Não posso dizer que minha filha me deu olheiras, cabelos brancos ou aspecto de cansaço – eu já tinha tudo isso antes.

Às vezes, eu me pergunto se tem algo errado comigo. Afinal, seria socialmente mais aceito se eu viesse aqui com um texto fofo, cheio de palavras bonitas, dizendo como é mágico ser pai e como amo minha filha. Sim, é mágico, e claro, amo a pequenina. Mas entre dar tons de comercial de margarina para minha vida e ser sincero, sempre escolho a opção impopular.


Quando minha filha nasceu, eu não chorei. Fiquei aliviado. A bolsa da minha esposa havia se rompido às três da manhã e o bebê só nasceu às seis da tarde. Poxa, nos filmes esse processo dura, se muito, uns dois minutos! Não tem essa maratona de aflição. Minha esposa ficou em jejum esse tempo todo, coitada – eu, sem café da manhã, declararia uma Terceira Guerra Mundial. Se o nascimento demorasse um pouco mais, precisaríamos de fazer uma cesárea, o que não era nossa predileção.

Também não fiquei emotivo ao entrar com nosso cisquinho pela primeira vez em casa. Novamente, o sentimento era de alívio. Ali, não teria mais enfermeiras furando minha filha a todo momento para medir sua glicemia.

O que me faz concluir que alívio é o sentimento que melhor define a paternidade. Por mais que haja manuais, conselhos e que a gente se prepare, a sensação, na prática, é a de andar vedado, com labirintite, numa corda bamba. É sempre um alívio não ter se esborrachado no chão - ou, mais especificamente, não ter deixado o bebê se esborrachar. Aí, eu entendi o conceito dos mesversários. É como dizer: “ufa, inteirou um mês e eu não fiz nada muito errado, o bebê segue vivo”. Só não proponho que se celebre diaversários porque seriam bolos demais (e calorias).

Acho simbólico que o primeiro presente que comprei para minha filha foi um body do meu time, o São Paulo. Um clichê, evidentemente. Só que não foi um gesto do tipo “meu herdeiro vai ser como eu, torcedor do melhor time do mundo”. O São Paulo não ganha nada há eras. Todo ano os jornais atualizam uma manchete dizendo que o SPFC viveu o maior vexame de sua história na noite anterior. Nem no cara ou coroa a gente leva a melhor sobre alguém.

Aí, vem a pergunta: quem, em sã consciência, legaria à geração futura a maldição de acompanhar essa desgraça em forma de time? Parece uma falta de apreço com a criança.

Pois é justamente o contrário. Nada é mais triste para o pai de um bebê do que pensar que essa serzinha de três dentes na boca, que imita gato, passarinho, fica eufórica quando vê a lua e gargalha quando eu a jogo para o alto (para o terror da mãe) vai ter, inevitavelmente, frustrações na vida que não poderei resolver. Infelizmente. Ela vai crescer e tirar notas ruins na escola, ter decepções amorosas, acompanhar os resultados das eleições no Brasil. E eu estarei de mãos atadas.

Ao menos em relação ao futebol... eu também não poderei fazer nada. Mas estarei do lado dela. Sofrendo junto. Assim como em todo o resto. E quando terminar o campeonato e o time estiver fora da zona de rebaixamento, celebraremos juntos. Com alívio, essa palavra que, insisto, é a que melhor resume a paternidade.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 28/8/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. Quase cinquenta de Marta Barcellos
04. Sultão & Bonifácio, parte IV de Guilherme Pontes Coelho
05. 11/9: o chão onde os pés tocaram não existe mais de Wellington Machado


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2020
01. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
02. Pílulas Poéticas para uma quarentena - 5/6/2020
03. A desgraça de ser escritor - 31/7/2020
04. O fim dos livros físicos? - 20/11/2020
05. Cabelo, cabeleira - 23/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sagarana
Guimarães Rosa
José Olympio
(1979)



Manchete Nº 780
Vários Autores
Bloch
(1967)



Tudo o Que Sei Sobre Negócios Aprendi Com a Pescaria
Alexandre Rangel
Original
(2008)



O Que é o Projeto 12 Dias/12minutos?
Celso Antunes
Vozes
(2001)



Gotas de Eternidade
Osmar Utinguassú
Paulinas
(1960)



...Do Cotidiano, um Pouco Além da Média.
Everton Marques dos Santos
Amais
(1997)



Psicanálise e Discurso
Patrick Mahony
Imago
(1987)



Introdução à Psicanálise
Luis Hornstein
Escuta
(1989)



Cálculo- O Guia Completo Para Quem Não é CDF
Michael Kelley
Alta Books
(2013)



O Homem Que Entendia as Mulheres
Gladis Costa
AllPrint
(2005)





busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês