O pai tá on: um ano de paternidade | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
78320 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Quarador de imagens partilha experiências em música, teatro e cinema
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Temporada Alfa Criança estreia Zazou, um amor de bruxa dia 24 de abril
>>> Operilda na Orquestra Amazônica Online tem temporada grátis pela Lei Aldir Blanc
>>> Festival SP Choro in Jazz reúne 22 músicos em espetáculos, encontros sonoros, oficinas e jam session
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A morte da Gazeta Mercantil
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Blogging+Video=Vlogging
>>> In London
>>> Mil mortes de Michael Jackson
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Dalton Trevisan revisitado
>>> Who killed the blogosphere?
Mais Recentes
>>> Contos de Voltaire pela Abril Cultural (1983)
>>> O assassino de Evelyn Anthony pela Martins (1974)
>>> O condenado de Gabriel Lacerda pela Lacerda Ed. (1998)
>>> Curso de Aperfeiçoamento Em Betão Armado - livro de J. Darga e Lima e Outros pela Lnec (1969)
>>> O dinheiro de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1975)
>>> A insurreição de Antonio Skármeta pela Francisco Alves (1983)
>>> Era Uma Vez o Amor, Mas Tive Que Matá-lo de Efraim Medina Reyes pela Planeta (2006)
>>> Dominó de Ross King pela Record (2010)
>>> Jogos Surrealistas de Robert Irwin pela Record (1998)
>>> Revista Planeta 11 - Julho 1973 - a Psicologia Pode Melhorar o Mundo de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1997)
>>> Livro Alegria e triunfo de Lourenço Prado pela Pensamento (2021)
>>> Perigos Que Rondam o Ministério de Richard Exley pela Ucb (2003)
>>> Revista Planeta 12 - Agosto 1973 - Para que serve a Ioga de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> Predestinação e Livre-arbítrio de John Feinberg pela Mundo Cristão (1989)
>>> Cartas de João Guia de Estudos Práticos de Laudir e Sonia Pezzatto pela Sepal (1989)
>>> Mulher & Homem o Mito da Desigualdade de Dulce Whitaker pela Moderna (1991)
>>> Como Ser um Herói para Seus Filhos de Josh Mcdowell pela Candeia (2001)
>>> O Toque de Midas de Anthony Sampson pela Best Seller (1989)
>>> Essa Maldita Farinha de Rubens Figueiredo pela Record (1987)
>>> Vivendo Felizes para Sempre de Marsha Sinetar pela Record (1993)
>>> Cuidados Com a Pele Mitos & Verdades de Shirlei Schnaider Borelli pela Iglu (1994)
>>> Três Vezes Trinta de Carmo Chagas pela Best Seller (1992)
>>> Ameaça Nas Trilhas do Tarô de Sérsi Bardari pela Ática (1992)
>>> A Besta Humana de Emile Zola pela Hemus (1982)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/8/2020
O pai tá on: um ano de paternidade
Luís Fernando Amâncio

+ de 7300 Acessos

Nessa semana, minha filha completou um ano de vida. Ou seja, faz um ano que eu deveria me perguntar todos os dias: onde foi que eu amarrarei meu burro?

Deveria, atenção ao tempo verbal. Porque ter filhos talvez seja a maior prova de que o ser humano é um bicho danado de pretencioso. Convenhamos: nem coleta seletiva de lixo a gente consegue fazer. Como a gente insiste que pode pegar aquele cisco, que é o recém-nascido, e transformá-lo num projeto de gente?

É um desafio que, geração após geração, nós encaramos. Tamanha a nossa irresponsabilidade. E olha que eu tenho sorte. Não posso dizer que minha filha me deu olheiras, cabelos brancos ou aspecto de cansaço – eu já tinha tudo isso antes.

Às vezes, eu me pergunto se tem algo errado comigo. Afinal, seria socialmente mais aceito se eu viesse aqui com um texto fofo, cheio de palavras bonitas, dizendo como é mágico ser pai e como amo minha filha. Sim, é mágico, e claro, amo a pequenina. Mas entre dar tons de comercial de margarina para minha vida e ser sincero, sempre escolho a opção impopular.


Quando minha filha nasceu, eu não chorei. Fiquei aliviado. A bolsa da minha esposa havia se rompido às três da manhã e o bebê só nasceu às seis da tarde. Poxa, nos filmes esse processo dura, se muito, uns dois minutos! Não tem essa maratona de aflição. Minha esposa ficou em jejum esse tempo todo, coitada – eu, sem café da manhã, declararia uma Terceira Guerra Mundial. Se o nascimento demorasse um pouco mais, precisaríamos de fazer uma cesárea, o que não era nossa predileção.

Também não fiquei emotivo ao entrar com nosso cisquinho pela primeira vez em casa. Novamente, o sentimento era de alívio. Ali, não teria mais enfermeiras furando minha filha a todo momento para medir sua glicemia.

O que me faz concluir que alívio é o sentimento que melhor define a paternidade. Por mais que haja manuais, conselhos e que a gente se prepare, a sensação, na prática, é a de andar vedado, com labirintite, numa corda bamba. É sempre um alívio não ter se esborrachado no chão - ou, mais especificamente, não ter deixado o bebê se esborrachar. Aí, eu entendi o conceito dos mesversários. É como dizer: “ufa, inteirou um mês e eu não fiz nada muito errado, o bebê segue vivo”. Só não proponho que se celebre diaversários porque seriam bolos demais (e calorias).

Acho simbólico que o primeiro presente que comprei para minha filha foi um body do meu time, o São Paulo. Um clichê, evidentemente. Só que não foi um gesto do tipo “meu herdeiro vai ser como eu, torcedor do melhor time do mundo”. O São Paulo não ganha nada há eras. Todo ano os jornais atualizam uma manchete dizendo que o SPFC viveu o maior vexame de sua história na noite anterior. Nem no cara ou coroa a gente leva a melhor sobre alguém.

Aí, vem a pergunta: quem, em sã consciência, legaria à geração futura a maldição de acompanhar essa desgraça em forma de time? Parece uma falta de apreço com a criança.

Pois é justamente o contrário. Nada é mais triste para o pai de um bebê do que pensar que essa serzinha de três dentes na boca, que imita gato, passarinho, fica eufórica quando vê a lua e gargalha quando eu a jogo para o alto (para o terror da mãe) vai ter, inevitavelmente, frustrações na vida que não poderei resolver. Infelizmente. Ela vai crescer e tirar notas ruins na escola, ter decepções amorosas, acompanhar os resultados das eleições no Brasil. E eu estarei de mãos atadas.

Ao menos em relação ao futebol... eu também não poderei fazer nada. Mas estarei do lado dela. Sofrendo junto. Assim como em todo o resto. E quando terminar o campeonato e o time estiver fora da zona de rebaixamento, celebraremos juntos. Com alívio, essa palavra que, insisto, é a que melhor resume a paternidade.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 28/8/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O fim dos livros físicos? de Luís Fernando Amâncio
02. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
03. Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico de Jardel Dias Cavalcanti
04. O lilás da avenida sou eu de Elisa Andrade Buzzo
05. O preconceito estético de Guilherme Pontes Coelho


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2020
01. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
02. Pílulas Poéticas para uma quarentena - 5/6/2020
03. A desgraça de ser escritor - 31/7/2020
04. O fim dos livros físicos? - 20/11/2020
05. Cabelo, cabeleira - 23/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Júlio César: Biografia
Joel Schmidt
L&pm Pocket
(2006)



Ainda Lembro
Jean Wyllys
Globo
(2005)



Vidas Passadas, Milagres Presentes
Denise Linn
Larousse
(2008)



Literatura Comentada Bocage
Marisa Lajolo
Nova Cultural
(1981)



Introdução À Ciência Do Direito
André Franco Montoro
Revista Dos Tribunais



Português Prático
Jesus Ruescas Organização
Sivadi



Premier Dictionnaire En Images
Pierre Fourré
Bertrand
(1962)



Prática de Psicologia Moderna
Varios Autores
Honor
(1973)



A Forca Esta Com Voce
Stephen Simon
Best Seller
(2007)



Os Novos Titãs Nº87
Abril Jovem
Abril Jovem
(1993)





busca | avançada
78320 visitas/dia
2,6 milhões/mês