Cabelo, cabeleira | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift e Cláudia Lopes pela Scipione (1970)
>>> Líderes e Lealdade - as Leis da Lealdade de Dag Heward-mills pela Central Gospel (2011)
>>> Revista Manchete , Nº 1 , 907 - Novembro de 1988 de Varios pela Bloch (1988)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (1984)
>>> Álbum de família de Mercedes Teixeira João pela Gente (1993)
>>> O Amor Verídico de Tânia Leite Motta pela Própria (1999)
>>> Martelo: uma salada literária de Selma Horta pela Própria (1999)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1990)
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/10/2020
Cabelo, cabeleira
Luís Fernando Amâncio

+ de 2000 Acessos

Se eu fosse cientista, trabalharia na invenção de três maravilhas: um protetor solar que também atuasse como bloqueador térmico, aliviando a sensação de calor na pele; um dispositivo que criasse uma bolha acústica, isolando quem estiver dentro dela de ruídos externos (ideal para quando você faz sua filha dormir e aí surge o carro da pamonha e acaba com todo o trabalho, só um exemplo); e uma pílula que faria seu cabelo parar de crescer.


Little Oak Sanctuary/ Divulgação

Eu teria sucesso comercial nas duas primeiras invenções, seguramente. Já a pílula da estagnação capilar, nas minhas projeções, encontraria rejeição no mercado. É claro. Pra muita gente, o que estou propondo é uma sandice. Ficar com o mesmo penteado a vida toda? Homens e mulheres dependem de cortes de cabelo periódicos para terem a vaidade massageada com comentários como “nossa, seu cabelo ficou ótimo, você rejuvenesceu”.

Tudo bem, faz sentido. A gente fica meio cansado de se olhar no espelho e ver sempre a mesma cara. Com um novo corte de cabelo... bom, a cara continua a mesma, mas a “moldura” diferente, digamos assim, dá valor.

Portanto, é possível que essa pílula só viesse a ser consumida por mim. E tudo bem. Meus outros inventos gerariam recursos para me motivar nesse empreendimento egoísta. Ou você não compraria esse protetor solar que, além de te proteger dos raios ultravioletas, também deixaria sua pele fresquinha, mesmo com a sensação térmica de Saara nesse Brasilzão das queimadas?

Desde a infância, meu cabelo sempre foi um inimigo. Diziam que ele era rebelde, que eu tinha um redemoinho enorme no cocoruto. Eu não sabia o significado dessas palavras, mas, no dia a dia, lidava com essas mazelas.

Era uma tristeza pentear o cabelo e ver pontas surgirem em todos as direções. Às vezes, uma cuspidinha no dedo e pronto: harmonia capilar reestabelecida com a pressão do indicador. Só que esses eram os dias raros. O normal era eu enfiar a cabeça embaixo da torneira do lavabo para abaixar os tais fios rebeldes. Com o peso da água, eles seguiam o rumo do penteado.

Todavia, nem sempre funcionava. Houve ocasiões em que, esgotados os artifícios anteriores, sem pente que me penteasse, eu sacava uma tesoura. Um impulso assassino. A ponta que se erguia em rebelião era sumariamente exterminada. Funcionava, mas não recomendo.

Acho que esses exemplos são suficientes para o leitor entender o motivo de eu querer estagnar o crescimento do meu cabelo. Assim, se o corte desse certo, pronto, acabava o problema. Era só tomar a pílula e se preocupar com outras coisas.

Agora, vejamos pelo lado prático: quanto tempo a gente não gasta numa vida indo a salões? Há quem vá todo mês a esses alegres centros de embelezamento. Suponhamos que o deslocamento, entre ida e volta, consuma uma hora. Outra hora deve ser gasta entre a espera e o tempo efetivo do corte. Duas horas nessa brincadeira por mês. Ou seja: a cada ano, a gente passa um dia inteiro só para cortar o cabelo. Uma volta completa da Terra ao redor de si por conta dos nossos cortes de cabelo. Não acho pouco. Se pensar racionalmente, talvez você também queira adquirir a minha pílula de estagnação capilar. Pense aí.

Ocorre que, para tristeza geral, eu não sou cientista. No que depender da minha capacidade de inventar algo, continuaremos sofrendo quando o vizinho faz obra em seu apartamento, com o verão e com o crescimento dos cabelos.

Porém, para não dizer que esse texto traz somente desilusões, apresento uma alternativa. A pandemia, apesar de todos os transtornos, me trouxe uma solução para o problema capilar. Como sou uma pessoa antiquada, desses que ainda prefere evitar uma eventual exposição ao vírus, comprei uma máquina de cortar cabelo. Mesmo de máscara, não quero nenhum desconhecido baforando perto da minha fuça em tempos pandêmicos.

Eu sempre tive resistência a cortes de máquina. Achava que, no meu caso, o cabelo crescia feio, ainda mais rebelde. Mas precisei abrir meu coração. E querem saber? Está funcionando. O corte fica feio? Fica, é claro, mas quem se importa? Eu, não.

Como não preciso me deslocar para ir ao salão, já não gasto um dia por ano cortando cabelo. Agora são apenas 12 horas anuais. Cinquenta por cento de desconto, fora o dinheiro que estou economizando. É verdade que eu vou gastar esse tempo assistindo seis jogos do campeonato inglês de futebol. Eu me conheço. Ainda assim, é uma conquista.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 23/10/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
02. Cinema de Conflito e Entretenimento de Guilherme Carvalhal
03. O Oeste Selvagem de Marilia Mota Silva
04. Discutir, debater, dialogar de Duanne Ribeiro
05. Jovens blogueiros, envelheçam de Rafael Rodrigues


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2020
01. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
02. Pílulas Poéticas para uma quarentena - 5/6/2020
03. A desgraça de ser escritor - 31/7/2020
04. O fim dos livros físicos? - 20/11/2020
05. Cabelo, cabeleira - 23/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Estrutura do Tesão. Melissa
Claudia Riecken
Universidade Quantum
(2012)



Beleza para a Vida Inteira
Cristiana Arcangeli
Senac
(2002)



Comigos de Mim
Rachel Gutiérrez
Massao Ohno
(1995)



A Morte da Justiça do Trabalho
Sylvia Romano
Minelli
(2002)



Mistura de Palavras
Silvia Cristina de Oliveira
Do Autor
(1989)



O Benefício da Dilatação de Prazo para a Fazenda Pública
Revista de Processo, Nº 1 - Ano 1
Revista dos Tribunais
(1976)



Por uma Política de Ciência e Tecnologia Em Saúde no Brasil
Marília Bernardes Marques (org.)
Fund Oswaldo Cruz
(1998)



Direito Constitucional 2ª Edição
Gustavo Barchet
Impetus (niterói Rj)
(2004)



Gente Que Você Não Deveria Conhecer !!!!
Fátima Deitos
ícone
(2007)



Dune Guerre a Lautre: 1914-1945
J P Brunet e M. Launay
Hachete Universite
(1974)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês