Cabelo, cabeleira | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O primeiro livro que li
>>> Uma Obra-Prima Sertaneja
>>> O Chileno
>>> 17 de Julho #digestivo10anos
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Chuck Berry
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> E se tivesse dado certo?
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Um gourmet apaixonado por Paris
Mais Recentes
>>> As Crônicas do Rei Gormath de Nonato Peixoto nogueira pela Chiado Books (2021)
>>> Kaluana Kami de Nonato Peixoto nogueira pela Arte (2016)
>>> Arlindo de Ilustralu pela Seguinte (2021)
>>> Ver Bem Sem Óculos de Dr. Vander pela Mestre Jou (1967)
>>> Soma Uma Terapia Anarquista vol 2 -A Arma é o corpo de Roberto Freire pela Guanabara Koogan (1991)
>>> Dicionário Jurídico Italiano - Portoghese /Português-Italiano de Romolo Traiano pela Centro Studi Ca'Romana (1997)
>>> História da Umbanda: Uma Religião Brasileira de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Cromoterapia Técnica de René Nunes pela Linha Gráfica (1987)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Principis (2019)
>>> A Vida Secreta das Árvores de Peter Wohlleben pela Sextante (2017)
>>> Macaco Preso para Interrogatório de João Aveline pela Age (1999)
>>> O Mal Não Vem de Fora de Lourdes Carolina Gagete pela Panorama (2004)
>>> Croma - O Oráculo de Atlon (Ficção Científica)li de Leandro Garcia Estevam pela Do Autor (2003)
>>> Cruzadox turbante Livro 15- Nível Médio de Coquetel pela Coquetel (2021)
>>> Palavras cruzadas Livro 52- Nível fÁCIL de Coquetel pela Coquetel (2020)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 21- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Sob o vulcão de Malcolm Lowry pela Artenova (1975)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 16 de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> História da dança no ocidente de Paul Bourcier pela Martins Fontes (1987)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 11- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Cidades da noite escarlate de William Burroughs pela Siciliano (1995)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 15- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Zenzele - Uma carta para minha filha de J. Nozipo Maraire pela Mandarim (1996)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 10- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Lasar Segall e o modernismo paulista de Vera D'Horta Beccari pela Brasiliense (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/10/2020
Cabelo, cabeleira
Luís Fernando Amâncio

+ de 2400 Acessos

Se eu fosse cientista, trabalharia na invenção de três maravilhas: um protetor solar que também atuasse como bloqueador térmico, aliviando a sensação de calor na pele; um dispositivo que criasse uma bolha acústica, isolando quem estiver dentro dela de ruídos externos (ideal para quando você faz sua filha dormir e aí surge o carro da pamonha e acaba com todo o trabalho, só um exemplo); e uma pílula que faria seu cabelo parar de crescer.


Little Oak Sanctuary/ Divulgação

Eu teria sucesso comercial nas duas primeiras invenções, seguramente. Já a pílula da estagnação capilar, nas minhas projeções, encontraria rejeição no mercado. É claro. Pra muita gente, o que estou propondo é uma sandice. Ficar com o mesmo penteado a vida toda? Homens e mulheres dependem de cortes de cabelo periódicos para terem a vaidade massageada com comentários como “nossa, seu cabelo ficou ótimo, você rejuvenesceu”.

Tudo bem, faz sentido. A gente fica meio cansado de se olhar no espelho e ver sempre a mesma cara. Com um novo corte de cabelo... bom, a cara continua a mesma, mas a “moldura” diferente, digamos assim, dá valor.

Portanto, é possível que essa pílula só viesse a ser consumida por mim. E tudo bem. Meus outros inventos gerariam recursos para me motivar nesse empreendimento egoísta. Ou você não compraria esse protetor solar que, além de te proteger dos raios ultravioletas, também deixaria sua pele fresquinha, mesmo com a sensação térmica de Saara nesse Brasilzão das queimadas?

Desde a infância, meu cabelo sempre foi um inimigo. Diziam que ele era rebelde, que eu tinha um redemoinho enorme no cocoruto. Eu não sabia o significado dessas palavras, mas, no dia a dia, lidava com essas mazelas.

Era uma tristeza pentear o cabelo e ver pontas surgirem em todos as direções. Às vezes, uma cuspidinha no dedo e pronto: harmonia capilar reestabelecida com a pressão do indicador. Só que esses eram os dias raros. O normal era eu enfiar a cabeça embaixo da torneira do lavabo para abaixar os tais fios rebeldes. Com o peso da água, eles seguiam o rumo do penteado.

Todavia, nem sempre funcionava. Houve ocasiões em que, esgotados os artifícios anteriores, sem pente que me penteasse, eu sacava uma tesoura. Um impulso assassino. A ponta que se erguia em rebelião era sumariamente exterminada. Funcionava, mas não recomendo.

Acho que esses exemplos são suficientes para o leitor entender o motivo de eu querer estagnar o crescimento do meu cabelo. Assim, se o corte desse certo, pronto, acabava o problema. Era só tomar a pílula e se preocupar com outras coisas.

Agora, vejamos pelo lado prático: quanto tempo a gente não gasta numa vida indo a salões? Há quem vá todo mês a esses alegres centros de embelezamento. Suponhamos que o deslocamento, entre ida e volta, consuma uma hora. Outra hora deve ser gasta entre a espera e o tempo efetivo do corte. Duas horas nessa brincadeira por mês. Ou seja: a cada ano, a gente passa um dia inteiro só para cortar o cabelo. Uma volta completa da Terra ao redor de si por conta dos nossos cortes de cabelo. Não acho pouco. Se pensar racionalmente, talvez você também queira adquirir a minha pílula de estagnação capilar. Pense aí.

Ocorre que, para tristeza geral, eu não sou cientista. No que depender da minha capacidade de inventar algo, continuaremos sofrendo quando o vizinho faz obra em seu apartamento, com o verão e com o crescimento dos cabelos.

Porém, para não dizer que esse texto traz somente desilusões, apresento uma alternativa. A pandemia, apesar de todos os transtornos, me trouxe uma solução para o problema capilar. Como sou uma pessoa antiquada, desses que ainda prefere evitar uma eventual exposição ao vírus, comprei uma máquina de cortar cabelo. Mesmo de máscara, não quero nenhum desconhecido baforando perto da minha fuça em tempos pandêmicos.

Eu sempre tive resistência a cortes de máquina. Achava que, no meu caso, o cabelo crescia feio, ainda mais rebelde. Mas precisei abrir meu coração. E querem saber? Está funcionando. O corte fica feio? Fica, é claro, mas quem se importa? Eu, não.

Como não preciso me deslocar para ir ao salão, já não gasto um dia por ano cortando cabelo. Agora são apenas 12 horas anuais. Cinquenta por cento de desconto, fora o dinheiro que estou economizando. É verdade que eu vou gastar esse tempo assistindo seis jogos do campeonato inglês de futebol. Eu me conheço. Ainda assim, é uma conquista.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 23/10/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blogueiros versus Jornalistas, o falso embate de Alexandre Inagaki
02. Novos autores na poesia brasileira de Elisa Andrade Buzzo
03. Daniel Frazão e a cidade sitiada de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2020
01. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
02. Pílulas Poéticas para uma quarentena - 5/6/2020
03. A desgraça de ser escritor - 31/7/2020
04. O fim dos livros físicos? - 20/11/2020
05. Cabelo, cabeleira - 23/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Acorda Brasil
Gilberto Vieira Cotrim
Saraiva
(1989)



Turismo Ecológico Bahia Brasil
Editora Isto é
Isto é
(2004)



Procurando Firme
Ruth Rocha
Ática
(1996)



Abra e descubra! como funciona o computador?
Alex Frith e Rosie Dickins
Usborne
(2016)



Maria breve introdução à mariologia
José Lélio Mendes Ferreira
Santuário
(2000)



Bio Volume Único Teste de Vestibulares e Enem
Sonia Lopes
Saraiva



A Pequena Sereia
Disney
Edelbra



Dedinhos Agitados A Menor das Raposas Um Livro Fantoche
The Clever Factory
TodoLivro



Tank Too
Masoud Golsorkhi
Thames & Hudson
(2006)



Os Ásperos Tempos Vol Xiii
Jorge Amado
Martins
(1971)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês