A biografia possível | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
>>> Seu Mauro
>>> Mamãe
Mais Recentes
>>> 9788522443987 de Michael Porter ( pela Campus (1999)
>>> Renunciando por Amor de Izoldino Rezende pela Cristo Consolador (2012)
>>> Linguagem de Sinais de Vários Autores pela Soc. Torre de Vigilia (1992)
>>> O Golpe de 64 e a Ditadura Militar (colecao Polemica) 5ª de Júlio José Chiavenato pela Moderna (1994)
>>> Guia Ilustrado de Peixes da Bacia do Rio Grande de Org Monica Maria Vaz pela Cetec (2000)
>>> Almas Que Voltam de Fernando do ó pela Feb (1988)
>>> Inculta e Bela V. 2 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2001)
>>> Licitações e Contratos Lei Nº 8666/93 de Varios pela Forum
>>> Livro House Of Night -Coleção Completa V.2 (7 ao 12) Ver Desc. Literatura de P.C. Cast e Kristin Cast pela Novo Seculo (2010)
>>> Luz na Penumbra de Aureliano Alves Neto e Outros pela Do Lar (1986)
>>> Quando Setembro Chegar de Fatima Arnolde pela Lumen (2013)
>>> Educação Pre-escolar de Gilda Rizzo pela Francisco Alves (1988)
>>> Dinamica de Grupo: Jogo da Vida e Didatica do Futuro de Balduino a Andreola pela Vozes (1985)
>>> Pronto Socorro de Plantas-bolso de Yone Fukusima pela Nobel (1989)
>>> O Avesso de Saulo Marden pela Do Autor (2005)
>>> Revista 58-ano I Numero 01-da União Brasileira de Escritores de Vários pela Cepe (1991)
>>> Lei de Licitações e Contratos Administrativos de Renato Geraldo Mendes pela Zenite (2006)
>>> Por Que Não o Melhor? de Jimmy Carter pela José Olympio (1976)
>>> O Branco da Maçã e Outros Lapsos de Luiz Ayrton Santos Junior pela Avant Garde (2015)
>>> Mulheres Em Terapia de Harriet Lerner pela Artes Médicas (1990)
>>> Be-a-bá da Cozinha- o Livro Que Ensina a Cozinhar de Vovó Sinhá pela Nagycolor
>>> Pregão Presencial e Eletronico de Joel de Menezes Niebuhr pela Zenite (2005)
>>> Recordações do Escrivão Isaias Caminha de Lima Barreto pela Folha (1997)
>>> Pensamentos e Emoçoes-bolso de Ana Maria Braga pela Nova Cultural (1998)
>>> Reliquias da Casa Velha de Machado de Assis pela Globo
COLUNAS

Sexta-feira, 1/11/2013
A biografia possível
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos

Há cinco anos mantenho uma coluna de perfis na revista Capital Aberto. Isso significa ter escrito e publicado mais de 60 pequenas biografias "não autorizadas". O texto nunca é submetido aos entrevistados para aprovação. Do contrário, a seção jamais teria a qualidade que tem. Uma qualidade reconhecida por leitores e, ao final, também pelos biografados, que certamente teriam dado "retoques" ao texto se lhes fosse oferecida oportunidade para isso.

Para quem não é do ofício, pode parecer quase um detalhe "deixar o entrevistado ler". Não o é. O risco real de uma incorreção - que poderia ser apontada pelo biografado nessa "leitura inocente" - não vale o inevitável comprometimento de todo o trabalho realizado. Foi o que apontou o historiador e epistemólogo francês François Dosse, em entrevista ao jornalista Bolívar Torres: "Para um historiador e um biógrafo, fica impossível trabalhar com textos autorizados ou supervisionados, ou que dependam dos sentimentos dos biografados. É colocar uma mordaça no pesquisador", disse o autor de O desafio biográfico, obra considerada a biografia da biografia.

A liberdade do biógrafo é apenas um dos lados da questão - e o que considero mais importante, já que, além de o cerceamento inviabilizar o trabalho, existirá sempre o fantasma de que esta forma de censura prévia seja estendida a outras esferas. No entanto, há também o aspecto dos limites da invasão da privacidade, ao qual agora têm se agarrado aqueles que inicialmente defendiam a censura às biografias.

A forma mais fácil de sensibilizar uma pessoa que ainda não analisou o assunto das biografias em sua complexidade é fazê-la se colocar na pele de quem sofreu danos com esse tipo de invasão. Não por acaso, foi essa a estratégia que a empresária Paula Lavigne, líder do grupo Procure Saber, levou a um programa Saia Justa que se propôs a debater o tema. Sem qualquer justificativa ou contexto, Paula subitamente invadiu a intimidade da jornalista Barbara Gancia, perguntando se ela era mesmo gay assumida e qual o nome de sua namorada. Era a carta na manga da empresária: não havia como Bárbara se sair bem da situação. Se se recusasse a responder, pareceria uma contradição com relação ao seu posicionamento a favor das biografias livres. Mesmo respondendo, o constrangimento ficou no ar, e Paula triunfou: "Viu como não é bom?".

É aqui que gostaria de dizer, antes de defender com toda a minha convicção a liberdade total na publicação de biografias em livros, revistas ou quaisquer outras plataformas, que sou sensível ao tema da invasão da privacidade. Não endosso o argumento, também simplista em relação à figura pública, de que "quem está na chuva é para se molhar". Não existe essa regra de sair molhado.

Quando um jornalista, historiador ou pesquisador faz uma entrevista ou apuração sobre acontecimentos passados, ele sempre sente o peso de sua responsabilidade. Exceto se já tiver uma intenção maliciosa - como Paula tinha ao levar a pergunta pronta para o programa -, ele percebe o desafio de construir uma história na qual fatos e personagens sejam reconhecidos com verossimilhança por diferentes leitores - tanto aqueles próximos dos acontecimentos quanto os que terão acesso à história pela primeira vez. Quando escreve sobre algo que aconteceu, o jornalista 'sente' a presença ostensiva daqueles que podem contestá-lo ou serem prejudicados, como se estivessem em seu cangote. Repito, ele sente a responsabilidade. Isso faz parte de seu ofício.

Não adianta, neste momento, argumentar: ora, você é uma boa profissional; há também os negligentes e os maliciosos. Não podemos paralisar todas as atividades do mundo - incluindo a divulgação da informação - em nome da prevenção aos maus profissionais.

É impossível também que a legislação preveja e estabeleça de forma antecipada - outro tipo de censura prévia - a partir de quais "limites" da privacidade alheia podem agir os biógrafos maliciosos ou incompetentes. Até mesmo a vida sexual ou a ficha médica serão pertinentes se estivermos falando da biografia de Bill Clinton ou de Tancredo Neves. Por outro lado, como biógrafa responsável e sem interesse em sensacionalismo, já omiti declarações fortes dos próprios entrevistados por avaliar que elas teriam, escritas e destacadas de seu contexto, um impacto que não condizia com o perfil que estava sendo construído naquele texto.

Pois é, toda biografia é uma construção. Adoro o nome da minha coluna, Retrato, porque acredito que ele encerra o máximo de ambição possível diante de uma vida. Podemos, no máximo, pintar um retrato - utilizando nossas próprias cores e percepções. Podemos, no máximo, tirar um retrato - escolhendo ângulo, enquadramento, luz e sombras. Roland Barthes chamava de biografema esta opção pela narrativa-fragmento, que não tem a pretensão de dar conta de uma totalidade do biografado, ou de uma verdade objetiva.

É natural que o jornalista - assim como fazem hoje os biógrafos brasileiros castigados pela legislação que nos últimos anos tolheu o seu trabalho - se defenda com a afirmação de que persegue a Verdade. É como uma carta de boas intenções, uma forma de explicar o seu desafio diante do senso comum. No entanto, hoje, depois de um bom tempo de profissão e de algumas reflexões a partir de leituras teóricas, percebo claramente a ingenuidade desses termos. A Verdade não está na cabeça do biografado (basta ler autobiografias), tampouco na apuração o mais completa possível do biógrafo.

Trata-se, então, de escolher que tipo de sociedade queremos ser: aquela onde há um dono da Verdade ou aquela em que há pluralidade de verdades.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 1/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro
02. O pródigo e o consumo de Eugenia Zerbini
03. Os bastidores de Psicose de Gian Danton
04. Se ele não me lê de Ana Elisa Ribeiro
05. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia de Duanne Ribeiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Frommers - Guia Completo de Viagem - Orlando
Rena Bulkin
Julio Louzada
(1995)



A Última Conversão
Art Ayris - Danny Buladani e Outros
100%cristão
(2012)



Gente Catarina Origens e Raízes
Werner Zotz
Letras Brasileiras
(2002)



Bichinho de Estimação - Coleção Eu Gosto Mais Leitura
Alina Perlman
Ibep Geral
(2012)



Le Dernier Jour Dun Condamné
Victor Hugo; Lecture Accompagnée Par Alain T
Gallimard
(2000)



A Lenda do Centauro
Antonio Santos
Record
(1999)



Transformando Suor Em Ouro
Bernardo Rocha de Rezende
Sextante
(2006)



Língua e Estilo Ironia e Humor Nas Crônicas de Veríssimo
Roberto Carlos Borges
Velocípide
(2002)



Und Jetzt Ihr! Basisgrammatik Fur Jugendliche
Christine Schmidte * Marion Kerner
Hueber
(2002)



Nada Melhor Que um Beijo
Carmen Martins
Difusão Cultural do Livro
(2006)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês