Jornalismo cultural: da futilidade à prioridade | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Cegueira
>>> Blog da Petrobras como Napster
>>> Menos fé e mais razão
>>> Aluga-se um escritório
>>> Para gostar de ler
>>> A resistência é vermelha
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
Mais Recentes
>>> Caminho Suave - Comunicação e Expressão - 4ª série de Branca Alves de Lima pela Caminho Suave (1990)
>>> São Paulo Visto de Cima de Cássio Vasconcelos pela World Publisher (2020)
>>> Rio Visto de Cima de Cássio Vasconcelos pela Estudio Logos (2020)
>>> Avaliações em educação: novas perspectivas de Albano Estrela e Antônio Nóvoa pela Porto (1993)
>>> Amazonas Pátria da Água de Thiago de Mello pela Boccato (2007)
>>> Retorno à Amazônia de Jean-Michel Cousteau pela Guascor
>>> Introdução ao Design Gráfico de Renata Krusser pela UnisulVirtual (2011)
>>> Todas as Copas de 1930 a 1998 de Vários autores pela Lance! (1999)
>>> Para Sempre: Amor e Tempo de Ana Maria Machado pela Record (2001)
>>> Casamento Blindado de Ranato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Análise das Demonstrações Financeiras de John N. Myer pela Atlas S.A (1972)
>>> Memórias das Trevas de João Carlos Teixeira Gomes pela Geração Editorial (2022)
>>> O Livro De São Cipriano: Tratado Completo Da Verdadeira Magia de Vários Autores pela Pallas (2013)
>>> Marketing de Guerra de Al Ries e Jack Trout pela Mcgrawhill (2009)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Dcl (2013)
>>> Eles continuam entre nos de Zibia Gasparetto pela Vida E Consciencia (2008)
>>> Sara Says No! - Confira! de Norman Whitney pela Heinemann (1992)
>>> Comédia Em Pé - o Livro de Vários Autores pela Mirabolantre (2009)
>>> Miss Bronte de Juliet Gael pela Lafonte (2011)
>>> A dama da fé de Ester Bezerra pela Planeta Do Brasil (2016)
>>> O Poder da Esperança de Julián Melgosa pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> Reencarnação de Swami Tilak pela Feeu (1974)
>>> Andarilha de Núbia Feitosa pela Cbje (2011)
>>> Gestação: Tratamento Em Dose Única das Infecções Não Complicadas Das Vias Urinárias de Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A pela Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A (2022)
>>> Crimes Hediondos de Antonio Lopes Monteiro pela Saraiva (1997)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/12/2003
Jornalismo cultural: da futilidade à prioridade
Adriana Baggio

+ de 7000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Se pedissem para você analisar as sessões ou as notícias do jornal por ordem de relevância, em que lugar você colocaria o horóscopo, a coluna social e as fofocas da TV? Provavelmente, entre as mais fúteis, as menos relevantes. Pois na maior parte dos jornais, essas "notícias" fazem parte dos cadernos culturais.

O caráter decorativo do caderno cultural foi apenas um dos aspectos abordados pela palestra de Daniel Piza no IX Fenart - Festival Nacional de Artes da Paraíba, que aconteceu em João Pessoa no início de novembro. Não sou jornalista, mas sou leitora e publicitária, e sei do que o Daniel estava falando. Com algumas exceções, os espaços destinados a artigos e matérias sobre música, literatura, cinema e outras manifestações artísticas convivem com as informações consideradas fúteis, como as colunas sociais e o horóscopo. Os anúncios, nessas páginas, também referem-se às futilidades consumistas, como shoppings, lojas de decoração, moda. É por isso que o caderno cultural já foi a parte do jornal destinada ao público feminino. No domingo, em volta da farta mesa de café da manhã, enquanto o homem lia compenetradamente os artigos sobre política ou economia, a mulher folheava as novidades "culturais".

Os tempos mudaram. As mulheres não se interessam mais, apenas, pelas notícias sobre casamentos, divórcios e óbitos da sociedade. Mas a maior mudança não se refere à mudança de hábito dos gêneros. Com a internet, o jornal perdeu sua maior vantagem: a instantaneidade da informação. Se antes os diários apresentavam a notícia fresca, o mais próximo possível do seu acontecimento, hoje esse tempo entre o fato e sua divulgação é muito mais curto na informação on-line. Portanto, que diferencial sobra para o jornal?

Se a internet é mais rápida e apela para o atrativo da informação visual, o jornal pode ser mais denso, mais completo. As pessoas não destinam o mesmo tempo para a leitura de um texto na internet e de outro em suporte material. Esse é o diferencial que o jornal pode ter em relação à net. E a maneira como esse aspecto é tratado, também pode representar o diferencial na concorrência entre os jornais.

Piza coloca que o leitor estabelece um vínculo afetivo com o jornal de sua preferência através do caderno cultural. Aí está a oportunidade, portanto, de garantir a circulação e a fidelidade de leitores. No entanto, como em qualquer relação, é preciso que haja interatividade. O jornal, e especialmente o caderno cultural, deve dialogar com o público e com as manifestações que dele emanam. Restringir os artigos aos aspectos eruditos da cultura é assumir uma postura pernóstica. Há espaço para que se examine as culturas ditas populares assim como as elitistas, e mais, as relações entre elas.

O vínculo afetivo com o jornal acontece também porque o leitor vê o caderno cultural como uma espécie de guia. Não somente o guia das atrações de fim de semana, mas uma orientação sobre o que há de bom para ver, ler e ouvir, e porque o que está lá é bom. Aliás, aí está um ponto interessante: o caderno de cultura pauta o que realmente é bom para o público ou o que é bom para o faturamento? Sabe-se que o jabá não é uma exclusividade do rádio.

Assim, o jornal acaba tendo a função de filtro, de seleção das milhares de opções disponíveis em termos de cultura, lazer e entretenimento. A internet é ótima como fonte de informação, mas nem toda informação presta. Pelo próprio custo de produção e distribuição de um jornal, toma-se (ou deveria tomar-se) muito cuidado com quem vai escrever e o que vai estar escrito. Por isso, o repórter do caderno cultural precisa ser uma pessoa que tenha condições de selecionar entre as várias opções o que vale a pena ser conhecido/experimentado pelo leitor. Presunção? Talvez. Mas as pessoas procuram isso. E pode-se dosar informações entre o que o leitor quer ver e entre o que ele deveria conhecer.

Segundo Piza, a fórmula combinatória entre essas duas diretrizes é particular de cada jornal, de acordo com o perfil do seu público de leitores. Ele citou como exemplo a cobertura da Folha de S. Paulo ao lançamento do CD de Maria Rita. A matéria contemplou não apenas a resenha do disco - uma informação que o público queria saber -, mas também os bastidores das ações mercadológicas desse lançamento, como a pauta de apresentações da cantora no Fantástico, o especial da Rede Globo, a assessoria da W/Brasil, uma das maiores agências de publicidade do país - informações que o público deveria saber.

Enfim, a saída para a crise pela qual passa o jornalismo impresso pode estar na valorização do caderno de cultura e dos profissionais que nele trabalham. Profissionais que, segundo Piza, estão dispersos por aí, inclusive no cyberespaço, em periódicos como o Digestivo Cultural, citado pelo autor em seu livro Jornalismo cultural. São esses veículos que estão tentando preencher as lacunas deixadas pelo jornal de papel. Tanto que, ao contrário do estilo predominante na internet, o Digestivo e outros sites preocupam-se em disponibilizar ao leitor a informação completa, tratada com propriedade. Ela tem, ao mesmo tempo, as características da atualidade e da profundidade. É uma combinação que concretiza a proposta de Homero Fonseca, da revista Continente, para os jornalistas e acadêmicos que tratam de assuntos culturais: jornalista, trate o assunto em profundidade, como um acadêmico. Acadêmico, trate o assunto com objetividade, como um jornalista. Com essa combinação, procuramos passar a você, leitor, o que existe de bom, dizendo o porquê de ser considerado bom.


Adriana Baggio
Curitiba, 4/12/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Em defesa da arte urbana nos muros de Fabio Gomes
02. 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1 de Rafael Fernandes
03. Filosofia de boteco de Adriana Baggio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/12/2003
01h51min
Adriana, considerando a pauta da maioria desses cadernos, você esqueceu de mencionar os quadrinhos, especialmente os do Laerte e do Angeli-muito mais relevantes culturalmente do que qualquer "press-release", que é o que a maioria dessas matérias é,ou de promoção daquela turma do segundo time,salvo Ledo e Ivo engano meu. Isso sem mencionar coisas que estariam melhor naqueles periódicos técnicos, sustentados pelo governo(i.e., dinheiro de imposto)que não são lidos nem por quem é da área. Um uso menos ruim dos meus impostos, se essas porcarias de vez em quando não tomassem o lugar de gente mais interessante nos cadernos culturais.
[Leia outros Comentários de Alessandro]
17/12/2003
18h02min
Adriana,esses dias passou na Seleções do RD atual (Discovery Channel)um documentário onde se verificou que 60% de toda palavra proferida pelo sapiens sapiens refere-se a fofoca, ou seja, conversas sobre a vida alheia. Uma teoria foi apresentada defendendo a tese de q foi a fofoca que "inventou" a língua. Saber quem eram os outros e o que faziam, teria sido fundamental para a nossa sobrevivência em priscas eras. Seríamos os herdeiros q a seleção natural separou, entre os q melhor fofocavam. A acreditar nessa tese as manchetes deveriam ser fofocas. Os "Murdochs" e seus jornais q o digam.
[Leia outros Comentários de Pedro Sérvio]
14/4/2013
19h36min
Adriana, tudo parece mesmo ser relativo, só acho que quem assina um jornal deve ter contigo uma balança mais ou menos precisa chamada tolerância sobre o que é bom ou não. Cultura é algo que não deveria ser imposto, o único problema é a tentativa de ditar o que é bom ou ruim. ~Quase todos os filmes que eu gostei, tiveram péssimas notas dos críticos~ rs
[Leia outros Comentários de Joe]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arquitetura e Engenharia Consultiva no Brasil uma História Em Projetos e Obras
Sindicato da Arquitetura e da Engenharia
Bb
(2013)



Ame e Dê Vexame
Roberto Freire
Guanabara
(1990)



Cuca Fundida
Woody Allen
L&PM
(2006)



Genoma Empresarial
Ernesto Haberkorn; Fernando Cicero
Gente
(2001)



Resgatem o Titanic!
Clive Cussler
Círculo do Livro



De Malas Prontas
Danuza Leão; Filipe Jardim
Companhia das Letras
(2009)



Ensaios
Michel de Montaigne
Abril Cultural
(1972)



Fisiologia da Nutrição - Vol. 2
Rebeca C. de Angelis
Edusp
(1979)



Pense Grande
Multiplic
Multiplic
(1989)



Branco Neve, Vermelho Rússia
Dorota Maslowska
Record
(2007)





busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês