Jornalismo cultural: da futilidade à prioridade | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> Jornalista Edilson Cid Varela de Adirson Vasconcelos Junior pela Correio Braziliense (2003)
>>> Jornal Pasquim Ano XI 70/80 Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1970)
>>> A Deusa de Jade e Outros Contos Chineses Famosos de Lin Yutang pela Irmãos Pongetti (1959)
>>> A Barca de Gleyre 2º tomo de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1948)
>>> Jornal Pasquim IX -1977 (vários números) de Jornalistas pela Codecri (1970)
>>> A cidade e a serra de Eça de Queiroz pela Lello & Irmão (1944)
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/12/2003
Jornalismo cultural: da futilidade à prioridade
Adriana Baggio

+ de 6800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Se pedissem para você analisar as sessões ou as notícias do jornal por ordem de relevância, em que lugar você colocaria o horóscopo, a coluna social e as fofocas da TV? Provavelmente, entre as mais fúteis, as menos relevantes. Pois na maior parte dos jornais, essas "notícias" fazem parte dos cadernos culturais.

O caráter decorativo do caderno cultural foi apenas um dos aspectos abordados pela palestra de Daniel Piza no IX Fenart - Festival Nacional de Artes da Paraíba, que aconteceu em João Pessoa no início de novembro. Não sou jornalista, mas sou leitora e publicitária, e sei do que o Daniel estava falando. Com algumas exceções, os espaços destinados a artigos e matérias sobre música, literatura, cinema e outras manifestações artísticas convivem com as informações consideradas fúteis, como as colunas sociais e o horóscopo. Os anúncios, nessas páginas, também referem-se às futilidades consumistas, como shoppings, lojas de decoração, moda. É por isso que o caderno cultural já foi a parte do jornal destinada ao público feminino. No domingo, em volta da farta mesa de café da manhã, enquanto o homem lia compenetradamente os artigos sobre política ou economia, a mulher folheava as novidades "culturais".

Os tempos mudaram. As mulheres não se interessam mais, apenas, pelas notícias sobre casamentos, divórcios e óbitos da sociedade. Mas a maior mudança não se refere à mudança de hábito dos gêneros. Com a internet, o jornal perdeu sua maior vantagem: a instantaneidade da informação. Se antes os diários apresentavam a notícia fresca, o mais próximo possível do seu acontecimento, hoje esse tempo entre o fato e sua divulgação é muito mais curto na informação on-line. Portanto, que diferencial sobra para o jornal?

Se a internet é mais rápida e apela para o atrativo da informação visual, o jornal pode ser mais denso, mais completo. As pessoas não destinam o mesmo tempo para a leitura de um texto na internet e de outro em suporte material. Esse é o diferencial que o jornal pode ter em relação à net. E a maneira como esse aspecto é tratado, também pode representar o diferencial na concorrência entre os jornais.

Piza coloca que o leitor estabelece um vínculo afetivo com o jornal de sua preferência através do caderno cultural. Aí está a oportunidade, portanto, de garantir a circulação e a fidelidade de leitores. No entanto, como em qualquer relação, é preciso que haja interatividade. O jornal, e especialmente o caderno cultural, deve dialogar com o público e com as manifestações que dele emanam. Restringir os artigos aos aspectos eruditos da cultura é assumir uma postura pernóstica. Há espaço para que se examine as culturas ditas populares assim como as elitistas, e mais, as relações entre elas.

O vínculo afetivo com o jornal acontece também porque o leitor vê o caderno cultural como uma espécie de guia. Não somente o guia das atrações de fim de semana, mas uma orientação sobre o que há de bom para ver, ler e ouvir, e porque o que está lá é bom. Aliás, aí está um ponto interessante: o caderno de cultura pauta o que realmente é bom para o público ou o que é bom para o faturamento? Sabe-se que o jabá não é uma exclusividade do rádio.

Assim, o jornal acaba tendo a função de filtro, de seleção das milhares de opções disponíveis em termos de cultura, lazer e entretenimento. A internet é ótima como fonte de informação, mas nem toda informação presta. Pelo próprio custo de produção e distribuição de um jornal, toma-se (ou deveria tomar-se) muito cuidado com quem vai escrever e o que vai estar escrito. Por isso, o repórter do caderno cultural precisa ser uma pessoa que tenha condições de selecionar entre as várias opções o que vale a pena ser conhecido/experimentado pelo leitor. Presunção? Talvez. Mas as pessoas procuram isso. E pode-se dosar informações entre o que o leitor quer ver e entre o que ele deveria conhecer.

Segundo Piza, a fórmula combinatória entre essas duas diretrizes é particular de cada jornal, de acordo com o perfil do seu público de leitores. Ele citou como exemplo a cobertura da Folha de S. Paulo ao lançamento do CD de Maria Rita. A matéria contemplou não apenas a resenha do disco - uma informação que o público queria saber -, mas também os bastidores das ações mercadológicas desse lançamento, como a pauta de apresentações da cantora no Fantástico, o especial da Rede Globo, a assessoria da W/Brasil, uma das maiores agências de publicidade do país - informações que o público deveria saber.

Enfim, a saída para a crise pela qual passa o jornalismo impresso pode estar na valorização do caderno de cultura e dos profissionais que nele trabalham. Profissionais que, segundo Piza, estão dispersos por aí, inclusive no cyberespaço, em periódicos como o Digestivo Cultural, citado pelo autor em seu livro Jornalismo cultural. São esses veículos que estão tentando preencher as lacunas deixadas pelo jornal de papel. Tanto que, ao contrário do estilo predominante na internet, o Digestivo e outros sites preocupam-se em disponibilizar ao leitor a informação completa, tratada com propriedade. Ela tem, ao mesmo tempo, as características da atualidade e da profundidade. É uma combinação que concretiza a proposta de Homero Fonseca, da revista Continente, para os jornalistas e acadêmicos que tratam de assuntos culturais: jornalista, trate o assunto em profundidade, como um acadêmico. Acadêmico, trate o assunto com objetividade, como um jornalista. Com essa combinação, procuramos passar a você, leitor, o que existe de bom, dizendo o porquê de ser considerado bom.


Adriana Baggio
Curitiba, 4/12/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 20 contos sobre a pandemia de 2020 de Luís Fernando Amâncio
02. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
03. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
04. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
05. Nos brancos corredores de Mercúrio de Elisa Andrade Buzzo


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/12/2003
01h51min
Adriana, considerando a pauta da maioria desses cadernos, você esqueceu de mencionar os quadrinhos, especialmente os do Laerte e do Angeli-muito mais relevantes culturalmente do que qualquer "press-release", que é o que a maioria dessas matérias é,ou de promoção daquela turma do segundo time,salvo Ledo e Ivo engano meu. Isso sem mencionar coisas que estariam melhor naqueles periódicos técnicos, sustentados pelo governo(i.e., dinheiro de imposto)que não são lidos nem por quem é da área. Um uso menos ruim dos meus impostos, se essas porcarias de vez em quando não tomassem o lugar de gente mais interessante nos cadernos culturais.
[Leia outros Comentários de Alessandro]
17/12/2003
18h02min
Adriana,esses dias passou na Seleções do RD atual (Discovery Channel)um documentário onde se verificou que 60% de toda palavra proferida pelo sapiens sapiens refere-se a fofoca, ou seja, conversas sobre a vida alheia. Uma teoria foi apresentada defendendo a tese de q foi a fofoca que "inventou" a língua. Saber quem eram os outros e o que faziam, teria sido fundamental para a nossa sobrevivência em priscas eras. Seríamos os herdeiros q a seleção natural separou, entre os q melhor fofocavam. A acreditar nessa tese as manchetes deveriam ser fofocas. Os "Murdochs" e seus jornais q o digam.
[Leia outros Comentários de Pedro Sérvio]
14/4/2013
19h36min
Adriana, tudo parece mesmo ser relativo, só acho que quem assina um jornal deve ter contigo uma balança mais ou menos precisa chamada tolerância sobre o que é bom ou não. Cultura é algo que não deveria ser imposto, o único problema é a tentativa de ditar o que é bom ou ruim. ~Quase todos os filmes que eu gostei, tiveram péssimas notas dos críticos~ rs
[Leia outros Comentários de Joe]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Homem do Chapéu Vermelho
Hervé Guibert
José Olympio
(1996)



Segunda Guerra Mundial - História Fotográfica do Grande Conflito
Charles Herridge
Círculo do Livro



Frommers - Guia Completo de Viagem - Orlando
Rena Bulkin
Julio Louzada
(1995)



Equações Trigonométricas
Herbert F. Pinto
Científica
(1970)



Estações do Ano Inverno
Todolivro
Todolivro
(2010)



A Quarta Onda: os Negócios no Século Xxi
Herman Bryant Maynard Jr e Susan e Mehrtens
Cultrixamana
(1995)



Estes Homens Fizeram o Judaísmo
Marcos Margulies
Documentário
(1974)



Elétrico
Eduardo Ferrari
Literare Books International
(2019)



Refrações no Tempo
Maria José de Queiroz
Topbooks
(1996)



A Suspeita da Imperfeição
Alex de Andrade
Luziletras
(2002)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês