Diversões | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
>>> Solidão Moderna
Mais Recentes
>>> Assumindo o Controle do Seu Tempo de Hbr pela Elsevier (2007)
>>> Feliz Ano Novo de Rubem Fonseca pela Companhia das Letras (1990)
>>> Ai de Ti, Copacabana de Rubem Braga pela Record
>>> O Poder da Esposa Que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (1998)
>>> Alexandre e Outros Heróis de Graciliano Ramos pela Record
>>> Nosso Lar de Chico Xavier pela Feb (1997)
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Maria, a Maior Educadora da História de Augusto Cury pela Planeta (2007)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupéry pela Harper Collins Br (2006)
>>> Ação e Reação de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> O Mestre dos Mestres Análise da Inteligência de Cristo Vol 1 de Augusto Cury pela Sextante (2006)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Mantenha Seu Cérebro Vivo de Lawrence C Katz pela Sextante (2000)
>>> Terminologia Em Enfermagem de Maria Aparecida Modesto dos Santos pela Martinari (2006)
>>> Oração de São Francisco de Leonardo Boff pela Sextante (1999)
>>> Dom Quixote - Série Reencontro de Miguel de Cervantes / José Angeli pela Scipione (1985)
>>> Orixás, Caboclos e Guias de Edir Macedo pela Unipro (2007)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Circulo do Livro
>>> O Quinze de Rachel de Queiroz pela Salamandra
>>> O Que Você Precisa Saber Sobre Maçonaria de Elias Mansur Neto pela Universo dos Livros
>>> Filha da Noite de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Rainha da Dança de Thalia Kalkipsakis pela Fundamento (2005)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/4/2004
Diversões
Eduardo Carvalho

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Voltando de carro, numa sexta-feira à tarde, da faculdade para casa, depois de uma excelente aula de "Administração de riscos usando derivativos", estava ainda tão concentrado na matéria - pensando em oportunidades operando commodities no Brasil - que não acreditei no que se passava do outro lado da janela. Aproximadamente trinta adolescentes, em Higienópolis, se concentravam na porta de uma lan house, e uma pimpolha gordinha, do lado de fora do estabelecimento, fazia sinal de venha, para alguém ainda não identificado. Um moleque magro, com o rosto coberto por espinhas e a topete embaixo do boné, fingia acalmar a gordinha, enquanto a provocava. O bujãozinho estava estourando. E então se aproximou, vestida de preto, uma outra menina, magra e alta, que com 15 anos mascava chiclete com a malícia dos baixos meretrícios. Os estudantes se excitavam. O garoto de boné se afastou. A magra agarrou, em um pulo, as banhas da gorda; a gorda socou onde deveriam estar os peitos da magra. Ambas caíram no chão. Cabelos voavam. E, em volta, meninos e meninas se divertiam, soltando gritinhos e sorrisos enquanto as duas se espacavam na sarjeta.

Encostei e desliguei o carro, assim que encontrei uma vaga, e desci. Só que havia, ao lado das meninas, um carro bacana estacionado, com um homem dentro - que desceu, e separou a briga antes de mim. A gordinha cumprimentou o cara de boné, que a retribuiu com um beijo. A magrinha, arranhada, voltou também para sua roda de amigos, com uma risada nervosa. O homem que separou a briga abriu a porta de passageiro do carro que guiava, e enfiou a gordinha dentro, irritado. A gordinha estava nitidamente feliz. Adorou a briga. Agora saia, de motorista, e voltava para casa, para jantar com seus pais. A magrinha talvez fosse antes para a casa do namorado orgulhoso, jantar com a família dele, como se nada tivesse acontecido - e à noite deve ter caído na balada, com as amigas, esgotando a energia que restou. O resto da molecada - depois de aplaudir a briga - deve ter voltado para a frente do computador, e massacrado seus inimigos virtuais.

Eu fiquei arrepiado. E o que me assustou não foi a briga isoladamente: foi como ela aconteceu. Como se duas meninas de quinze anos se estapeando na calçada fosse normal, bonito e engraçado. O que me fez quase tremer foram os olhos brilhantes daquela molecada entediada, desesperada por emoção, delirando de prazer sádico quando deveriam estar chocados. Isso já não é coisa da idade. É doença. E uma doença espiritual, difícil de ser diagnosticada e remediada, porque seu agente é normalmente disfarçado, e permanece desconhecido. Psicólogos simplistas aceitam essas barbaridades como naturais de uma fase em que os hormônios estão pipocando. Educadores vulneráveis caem no discurso psicológico, e - se esquivando de qualquer responsabilidade - somam mais um, o dos sociólogos esquerdistas: o de que essa barbaridade é conseqüência da "desumanidade do sistema" em que vivemos. Os pais, consumidos por exigências profissionais, acabam desorientados e ausentes. E assim todos desculpam os principais responsáveis pelas imbecilidades juvenis, como a que vi acontecer na porta da casa de jogos de computador: os próprios jovens imbecis.

A arte de viajar

Alain de Botton é um escritor erudito que resolveu tornar-se popular - e escreveu Como Proust pode mudar a sua vida e As consolações de filosofia. Só que sem dispensar a ironia - presente mesmo em seus títulos - e a qualidade de seu estilo. Alain de Bottom escreve com cuidado e precisão - e seu último livro publicado no Brasil, A arte de viajar, foi especialmente bem traduzido por Wádea Barcelos. Os apreciadores dessas duas artes - a literatura e a viagem -, portanto, precisam correr e comprar os seus exemplares.

O livro é composto por relatos de experiências pessoais, de viagens e leituras, em lugares óbvios - Amsterdã, Madri, Londres - e remotos - Barbados, Sinai, América Latina. As impressões de viajantes e escritores ilustres são muito bem escolhidas, captadas e descritas com cuidado por Botton: Ruskin, Van Gogh, Flaubert, Humboldt, Wordsworth.

O modelo de literatura praticado por Botton é exatamente o que falta no Brasil: que é a combinação equilibrada, em alto nível, entre a erudição e o divertimento. É onde deveriam estar situadas nossas crônicas de jornal, se os leitores fossem mais exigentes. Quem sabe a leitura de Botton os ensine a ser.

Porque A arte de viajar não insiste apenas no estímulo provocado por impulsos externos, aqueles que qualquer ignorante, ao visitar um país diferente, é capaz de sentir. Botton - ao ligar escritores de qualidade a lugares maravilhosos - provoca também a capacidade de percepção do viajante, que vai muito além de leituras de guias e roteiros de viagem. E mostra que, para um espírito aberto e atento, mesmo um quarto fechado - como podia ser para J.-K. Huysmans - pode ser infinitamente interessante. Ou, para satisfazer sua curiosidade, o mundo inteiro - como no caso de Humboldt - pode não ser suficiente.

Para ir além






Eduardo Carvalho
São Paulo, 16/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inimigos da política de Celso A. Uequed Pitol
02. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) de Diogo Salles
03. Tirando o Cavalinho da Chuva de Adriane Pasa
04. Toma! de Adriane Pasa
05. Primeiro dia de aula de Ana Elisa Ribeiro


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
04. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2004
19h12min
Ai,Eduardo.Essa sensação de gostar da dor...eu vejo quando minha mãe e as vizinhas comentam que algum vizinho está morrendo de câncer , ou em como está sendo difícil tratar de seu filho adicto ou em quanto têm gastado em remédios para úlceras,para dor nas costas ... é um prazer .Eu presto muita atenção em seus rostos . É um prazer.
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
29/4/2004
14h06min
Eduardo. Acompanho suas crônicas há algum tempo, e gostaria de dizer algumas poucas coisas. Primeiro, que de fato a esquerda tem um problema neste país; um não, na verdade vários, sendo o principal deles a falta de percepção do lugar que ocupa, ou ao menos a definição de qe lugar deseja ocupar. Também concordo com algumas críticas que faz à esquerda e até mesmo à FFLCH, local onde estudo. Na verdade, acho que se pessoas como eu, que gostariam de um dia fazer qualquer coisa capaz de promover alguma mudança "boa" deveriam, antes de mais nada, aprender com pessoas como vc, que na lógica mais barata seria tidas como de "direita" o que significa saber qual é seu o seu lugar e que comportamento se deve esperar a partir disto. Isto não é uma crítica, na verdade, é apenas a constatação de que, muitas vezes, falta a alguns intelectuais uma coisa essencial: política. Não o conhecimento político adquirido nos alfarrábios trotskistas ou leninistas, mas a concepção política que me parece mais ... como poderia dizer? Refinada. É desta sofisticação política que sinto falta em alguns "camaradas" meus; e, para adquirí-la, talvez oque falte, e imagino que concorde comigo neste ponto, seja a observação sobre como as coisas de dão não só no tapetão do Senado, mas nas relaçòes de poder que presenciamos na vida. O que quero dizer com tudo isto? Na verdade, a mensagem é simples: depois de alguns meses lendo sua coluna, gostaria apenas de manisfestar-me dizendo que nem toda a esquerda é burra e, embora o grau de sofisticação da esquerda atual seja praticamente nulo, colunas como as suas conseguem, em alguns poucos trazer para a discussão as coisas que pontuei acima. Se a esquerda no Brasil se sofisticará? Não tenho resposta a isto. Mas quis que soubesse que, por incrível que pareça, aquilo que seria taxado como "reacionário" em suas crônicas, para mim, que já não penso mais nestes termos, promovem reflexões que, mesmo discordantes das tuas opiniões, vao um pouco além do "direitista reacionário" contra a "militante revolucionária", termos que de tão desgastados perderam o sentido. PS.: Ainda discordo de várias coisas que vc escreve. Cordialmente, um Abraço.
[Leia outros Comentários de Viviane Alves ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Noite de Autógrafos
Reinaldo
Desiderata
(2010)



Muito além da loucura
Marcelo Simões
Geração
(2013)



Empreendedorismo Na Veia
Rogerio Chér
Elsevier
(2014)



Aos Quatro Ventos
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(1993)



Concreto Armado - Eu Te Amo - Vol. 2 - 4ª Edição
Manoel Henrique Campos Botelho & Osvaldemar M. ...
Blucher
(2015)



Complete Cae Students Book Without Answers With Cd Row
Guy Brook Hart and Simon Haines
Cambridge
(2012)



Poesia Visual - Vídeo Poesia - 1ª Edição
Ricardo Araújo
Perspectiva
(2012)



Onde a Religiao Termina?
Marcelo da Luz
Editares
(2011)



Manual de Ioga
Georg Feuerstein
Cultrix
(1975)



Imunizações Em Pediatria Serie Atualizações Pediatricas
Helena Keico Sato e Outros
Atheneu
(2013)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês