O chinês do yakissoba | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
22305 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> A Cor
>>> Ana Medeiros e Hiroshi Nishiyama levam o butoh segundo Yoshito Ohno para São Paulo
>>> As Irmãs Siamesas estreia com direção do francês Sébastien Brottet-Michel
>>> Universidade do Livro promove oficina de edição de tradução literária
>>> Conexão Berlim-Brasília chega em sua reta final
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
>>> Os livros sem nome
>>> O mundo era mais aberto, mãe...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
>>> Filipe II da Espanha: homem e rei
>>> Filipe II da Espanha: homem e rei
>>> Público, massa e multidão
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Tchekhov, o cirurgião da alma
>>> Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:>
>>> Internet em 2005
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Amizade (1)
Mais Recentes
>>> Destinations of ecotourism de Embrapa pela Ed
>>> Backpack--1--second edition. de Mario herrera/diane pinkley pela Pearson/longman
>>> Arte e storia dell egitto de Bonechi pela Bonechi
>>> Como se fosse dinheiro de Ruth Rocha pela FTD (2004)
>>> Bidu Caminhos de Eduardo Damasceno - Luis Felipe Garrocho pela Mauricio de Sousa (2014)
>>> Ali Babá e os Quarenta Ladrões de Tradução de Maria Aparecida dos Santos pela Visor (2002)
>>> Ali Babá e os Quarenta Ladrões de Tradução de Maria Aparecida dos Santos pela Visor (2002)
>>> Convivendo com o pecado: na sociedade colonial paulista (1719-1822) de Eliana Maria Rea Goldschmidt pela Annablume (1998)
>>> De Carta em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2010)
>>> A Colcha de Retalhos de Conceil Corrêa da Silva - Nye Ribeiro Silva pela Brasil (2009)
>>> Gente, Bicho, Planta: O mundo me encanta de Ana Maria Machado pela Global (2012)
>>> O Sanduíche da Maricota de Avelino Guedes pela Moderna (2013)
>>> Um Homem, um Menino e um Burro de Jennifer Burrows pela Girassol (2012)
>>> Bat Pat - O tesouro do cemitério de Roberto Pavanello pela Fundamento (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Julio Verne - Walcyr Carrasco pela FTD (2007)
>>> Com a Ponta dos dedos e os olhos do coração de Leila Rentroia Jannone pela Brasil (2009)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2017)
>>> Minimanual Compacto de Gramática da língua portuguesa: teoria e prática de Maria Cecília Garcia pela Rideel (2000)
>>> Um amor grande demais de Yolanda Reyes pela FTD (1999)
>>> Laís, a Fofinha de Walcyr Carrasco pela Ática (2014)
>>> Zac Power - Codigo Vermelho de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Zac Power - Alto Risco de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> Zac Power - Treinamento Radical de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Encontro Desencontro & Reencontros de Maria Helena Matarazzo pela Gente (1996)
>>> História do Brasil de Eduardo Bueno pela Zero Hora
>>> Os Irmãos Leme de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> Enciclopédia do Charadista - Vol. 2 de Sylvio Alves pela Livraria Tupã
>>> Zac Power - Viagem `A Lua de De H. I. Larry pela Fundamento (2011)
>>> Zac Power - Aguas Profundas de De H. I. Larry pela Fundamento (2008)
>>> Zac Power - Invasão Noturna de De H. I. Larry pela Fundamento (2008)
>>> Zac Power - Aventura no espaço de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> Zac Power - O Golpe Fatal de Zac de De H. I. Larry pela Fundamento (2011)
>>> Zac Power - O Ataque de Tubarão de Zac de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Zac Power - Sucesso de Cinema de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> O peregrino e a historia de a peregrina de John bunyan pela Literatura monte siao (2012)
>>> A Vida Inquieta e Gloriosa de Victor Hugo de Jaime Brasil pela Portugália (1965)
>>> A Vida Inquieta e Gloriosa de Victor Hugo de Jaime Brasil pela Portugália (1965)
>>> L'isola Misteriosa de Giulio Verne pela Sonzogno (1912)
>>> Macário - Noite na taverna de Álvares de Azevedo pela Globo (2006)
>>> Novos poemas para rezar de Michel quoist pela Edições Paulista (1995)
>>> Ame dormante de Jean e de coulomb pela Librairie bleriot (1918)
>>> Caderneta de campo de Lélis Espartel / João Lüderitz pela Globo (1979)
>>> A Bruxinha Domitila e o robô super - tudo de Edson Gabriel Garcia pela Brasil (2014)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas - Heloisa Prieto pela FTD (2014)
>>> As injustiças de Clio de Clóvis Moura pela Oficina de Livros (1990)
>>> As Aventuras de Simão e Bartolomeu - uma viagem especial de Cesar Cavezagna pela Globo (2008)
>>> Dissertação Sobre o Direito de Caçoar + Carta a Salvador do Couto de Filippe Alberto Patroni Martins Maciel Parente pela Loyola (1992)
>>> Deixei o Pum escapar de Blandina Franco e José Carlos Lollo pela Schwarcz S.A (2013)
>>> Nietzsche em Turim de Lesley Chamberlain pela Difel (2000)
>>> Tampinha Tira Os Óculos de Mariana Caltabiano pela Scipione (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/3/2004
O chinês do yakissoba
Eduardo Carvalho

+ de 9900 Acessos

Um chinês de sucesso

Apareceu recentemente, na calçada da Avenida Paulista, em frente à sede do Banco Safra, dois casais de chineses, com dois fogões improvisados, servindo yakissoba aos pedestres apressados. É provável que sejam parentes; um se instalou ali antes, e o outro, ciente da prosperidade do negócio, aderiu à idéia do primeiro. Já há poucos meses, quase todo dia eu acompanho o movimento do mercado: tem crescido animadoramente. É uma tortura aos esfomeados, depois de um cansativo dia de trabalho, resistir ao cheiro do molho e dos vegetais fritos, que acompanham o macarrão. Quem caminha pela calçada, quem aguarda o ônibus atrasado, quem entra na estação do Metrô - todos os transeuntes olham, curiosos, o que é que aquele chinês franzino prepara numa panela gigante. Seu cuidado com a limpeza da calçada e a elegância da sua boina branca inspiram confiança; nada contra os ambulantes normais: mas esses chineses, em silêncio, se destacam do resto. Eu precisava conferir; não é possível que esse macarrão fosse assim tão ruim.

E não é. A qualidade da carne e do frango, do shoyo e da cebola, da massa e dos vegetais é, por assim dizer, razoável. Perfeitamente adequada para se comer de pé e encher a barriga. É muita ingenuidade achar, como pretendem descolados ou desinformados, que estão na rua os melhores alimentos. Quem quiser comer bem que sente e pague por isso, numa das várias opções que São Paulo oferece. O método dos chineses talvez seja reprovado por sanitaristas sistemáticos ou gastrônomos sofisticados. Mas é improvável que alguém se contamine gravemente comendo aquele macarrão; e, por 2 reais, a qualidade da comida é impecável. Pode ser que, durante os dois dias seguintes, seja levemente incômodo carregar aquela inextirpável mistura oleosa na barriga; na hora, no entanto, isso é desimportante e imprevisível: o único objetivo é aliviar temporariamente a fome. E, para isso, a combinação da qualidade do yakissoba com o preço e local em que ele é oferecido é, mesmo que de forma quase involuntária, muito eficiente.

O absoluto sucesso da empreitada chinesa ensina uma coisa que a maioria dos brasileiros ainda não aprendeu, nem a executar nem a admirar: como abrir e tocar um negócio num mercado livre. É muito mais fácil reclamar dessa interminável crise e exigir desmerecidos benefícios estatais. Trabalhar, que é bom, com honestidade e competência, muito pouco. Seria muito mais fácil, veja só, que, carregando uma placa no pescoço, esses chineses fingissem analfabetismo, e esmolassem pelas ruas paulistanas. Como, por sinal, preferem fazer vários imigrantes, ou pior: brasileiros mesmo, com total capacidade produtiva, resmungam da ineficiência do governo e se arrastam pela indigência, como se fossem incapazes de solucionar seus mais simples problemas pessoais. Sem a mínima vergonha.

É verdade que nem sempre a pobreza é resultado exclusivo de preguiça e descaso - dos pobres, digo. Eu não acho isso, de forma alguma. Esse é um problema complexo, com diferentes e escondidas origens, e não é nem disso - da pobreza - que estou tratando. É que já sabemos compreendê-la e reconhecê-la, até certo ponto, mas ainda temos dificuldade para admirar um fenômeno mercadológico, administrado por gente que - apenas com esforço pessoal - conseguiu progredir financeiramente. É importante, claro, mantermos a sensibilidade alerta, e cooperarmos com quem realmente precisa de ajuda. Só que é preciso também acabar com a mentalidade que admira a pobreza e condena a riqueza, muito comum em ambientes intelectualizados brasileiros. E começarmos a destacar e animar o empreendedorismo de sucesso, que ainda permite, no Brasil, uma sólida e ampla ascensão social e econômica. Ou serão os pobres as próprias vítimas de sua glorificação.

Parabéns, USP

A Universidade de São Paulo completou 70 anos, em fevereiro, o que deveria suscitar um certo debate sobre a sua função e o seu futuro. O que vi nos jornais, no entanto, foi mais a celebração de sua história - que é curtíssima - e a promoção de suas estatísticas - que, isoladas, não valem muito.

A USP é sempre elogiada como a "melhor universidade do Brasil", como se isso significasse muita coisa. Não significa. Uma universidade é - ou deve ser - um centro de altos estudos, acessível a uma elite preparada para enfrentá-los. E nem esses altos estudos precisam ser sobre o Brasil nem essa elite precisa ser brasileira. Na USP, eles não são. O que significa que ambientes assim devem ser comparados com outros, estrangeiros. E mais ainda: significa que a própria USP deveria se abrir mais a novidades acadêmicas internacionais, e não se encobrir de elogios por ser "padrão de excelência universitária" em um país de terceiro mundo.

É, com freqüência, lembrado e louvado, por exemplo, o grupo francês - do qual Levi Strauss fazia parte - que, quando fundada a Universidade, veio a São Paulo para montar cursos e liderar pesquisas. Mas essa herança já deveria ter sido superada por gerações posteriores. O que se vê, porém - na área de humanas, especialmente -, é que as referências são poucas e atrasadas. Enquanto o "aluno USP" deleita-se com Lacan, como se fosse grande novidade, em Oxford estuda-se com Theodore Zeldin, que abre novas perspectivas para se interpretar a história.

O maior problema da USP acho que é justamente este: é que a Universidade está contente com classificações bobas - como o fato ser "a melhor do Brasil" -, e ao mesmo tempo isolada do pensamento de ponta internacional. Depois, como conseqüência, acaba achando, por exemplo, que o sistema de cotas é uma novidade eficiente, enquanto o resto do mundo abandona essa idéia, e desperdiçando associações úteis com o setor privado, por motivos puramente ideológicos. Cultivando idéias velhas, a USP corre o risco de já morrer nova.

Inculta e feia

Diga "vou no banheiro", em vez de "vou ao banheiro". Não se incomode também em dizer que vai "chamar ele", e vez de "chamá-lo". Certos deslizes gramaticais já se incorporaram ao português falado, e não comprometem a precisão da conversa nem a beleza da língua. Mas nunca jamais fale ou escreva algo como "vou estar dando aula", ou "vou estar publicando um livro". Eu achava, para ser honesto, que, de tão óbvio e feio, o abuso do gerúndio fosse exclusividade de secretárias desavisadas, mas não: está cada vez mais disseminado, e é usado inclusive por professores dispostos a ensinar os outros a falar bonito e a escrever direito.

A insistência no gerúndio tem duas origens e um objetivo. As origens são as seguintes: a primeira é que dizer "vou estar entregando o material" perde em precisão para "vou entregar o material", e deixa levemente em aberto o prazo e a possibilidade de conclusão da tarefa. Usam esse artifício os lentos e os confusos, que depois não querem ser cobrados pela ineficiência. E a segunda origem: é que nossa comunicação anda cada vez mais infectada por eufemismos, e o gerúndio confere uma certa leveza a afirmações e a exigências - "vou estar cobrando o material", por exemplo, parece mais suave do que "vou cobrar o material".

E o objetivo de quem aplica o gerúndio em ocasiões desnecessárias é que é pior: que é o de querer falar ou escrever com elegância. Só que sem conseguir. O que acaba numa situação que entrega sua ignorância e sua frustração, na tentativa de ser o que não é. Vou avisando: fale e escreva errado, despreocupadamente, mas não faça isso quando pretende se mostrar correto. É patético.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 5/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. FLIPS de Elisa Andrade Buzzo
02. A interpretação dos chatos de Daniel Bushatsky
03. A arte da ficção de David Lodge de Marcelo Spalding
04. Nôwo e mayúskulo akôrdo ortográphiko de Ana Elisa Ribeiro
05. A evolução da nova democracia brasileira de Luis Eduardo Matta


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
03. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
04. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTOS GREGOS - A TARTARUGA E O DUELO
TERRY DEARY
CIRANDA CULTURAL
(2009)
R$ 7,90



A SOMBRA DO VENTO
CARLOS RUIZ ZAFÓN
SUMA DE LETRAS
(2007)
R$ 12,90



SÓ O AMOR CONSEGUE
ZIBIA GASPARETTO
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2013)
R$ 16,00



DESTEMIDA 03
NATALIE JANE PRIOR
FUNDAMENTO
(2002)
R$ 5,99



A DAMA DAS CAMÉLIAS - PROGRAMA DO TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS - 1951
TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS
TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS
(1951)
R$ 65,00



MINAS E SEUS CASOS
OLAVO ROMANO
ÁTICA
(1984)
R$ 10,00



BERNARDO SANTARENO - OBRAS COMPLETAS - VOLUME 2 (TEATRO PORTUGUÊS)
BERNARDO SANTARENO
CAMINHO
(1985)
R$ 70,00



A FACE PINTADA EM PANO DE LINHO
ALBERTO CIPINIUK
LOYOLA
(2003)
R$ 15,00



ATITUDE - A VIRTUDE DOS VENCEDORES
PAULO SILVEIRA
SER MAIS
R$ 14,95
+ frete grátis



LÍNGUA PORTUGUESA - ATIVIDADES DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
CARLOS ALBERTO MOYSÉS
SARAIVA
(2008)
R$ 19,00





busca | avançada
22305 visitas/dia
957 mil/mês