O chinês do yakissoba | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
Mais Recentes
>>> Coleção Enciclopédia Disney - 8 Volumes de Disney pela Planeta (2001)
>>> Fórum dos Coordenadores de Joaquim Barbosa / Bárbara Sicardi pela Metodista (2003)
>>> O Último Portal de Eliana Martins / Rosana Rios pela Seguinte (2003)
>>> Batman Planetary - Edição de Luxo de Warren Ellis - John Cassaday - Dc Comics pela Panini (2014)
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes de Joyce Meyer pela Thomas Nelson (2001)
>>> Democracia Francesa de V Giscard D Estaing pela Difel (1977)
>>> Esperança Viva - Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora (2016)
>>> Manual Merck de Veterinaria de Merck pela Roca (2001)
>>> Conjugar Es Fácil En Español De España Y De América (spanish Edition) de González Hermoso, Alfredo pela Edelsa Grupo Didascalia (1997)
>>> Amy, Minha Filha - Amy, My Daughter de Micht Winehouse pela Record (2012)
>>> Avaliação da Inteligência de Marília Ancona-Lopez pela E.p.u (1987)
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela Jose Olympio (1973)
>>> Contos E Lendas - Os Doze Trabalhos De Hércules de Christian Grenier - Carlos Fonseca ilustrador pela Cia Das Letrinhas (2013)
>>> Educação do Olhar Vol2 de Vários Autores pela Mec (1998)
>>> Tres Sombras de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos Na Cia (2019)
>>> Federico Garcia Lorca - Obra Poetica Completa de Federico Garcia Lorca pela Unb - Martins Fontes (1990)
>>> Postura Profissional do Educador de Ana Maria Santana Martins pela Jcr (1999)
>>> Fale Tudo Em Inglês! - Inclui Cd Audio de José Roberto A. Igreja pela Disal (2007)
>>> Prazeres da Docência de Magalli B. Picchi pela Arte & Ciência (2003)
>>> Pequeno Dicionário Ilustrado Palavras Inventadas de Marcelo Godoi pela Sagui (2007)
>>> O que é Música de J. Jota de Moraes pela Brasiliense (1983)
>>> Para os Filhos dos Filhos dos Nossos Filhos de José Pacheco pela Papirus (2008)
>>> Liderando Crianças com Excelêcia de Márcia S.Ribeiro pela Videira (2008)
>>> Linguagem e Escola: Uma Perspectiva Social de Magda Soares pela Atica (1986)
>>> Regras Oficiais De Voleibol de Vários Autores pela Nd-sprint (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/3/2004
O chinês do yakissoba
Eduardo Carvalho
+ de 11500 Acessos

Um chinês de sucesso

Apareceu recentemente, na calçada da Avenida Paulista, em frente à sede do Banco Safra, dois casais de chineses, com dois fogões improvisados, servindo yakissoba aos pedestres apressados. É provável que sejam parentes; um se instalou ali antes, e o outro, ciente da prosperidade do negócio, aderiu à idéia do primeiro. Já há poucos meses, quase todo dia eu acompanho o movimento do mercado: tem crescido animadoramente. É uma tortura aos esfomeados, depois de um cansativo dia de trabalho, resistir ao cheiro do molho e dos vegetais fritos, que acompanham o macarrão. Quem caminha pela calçada, quem aguarda o ônibus atrasado, quem entra na estação do Metrô - todos os transeuntes olham, curiosos, o que é que aquele chinês franzino prepara numa panela gigante. Seu cuidado com a limpeza da calçada e a elegância da sua boina branca inspiram confiança; nada contra os ambulantes normais: mas esses chineses, em silêncio, se destacam do resto. Eu precisava conferir; não é possível que esse macarrão fosse assim tão ruim.

E não é. A qualidade da carne e do frango, do shoyo e da cebola, da massa e dos vegetais é, por assim dizer, razoável. Perfeitamente adequada para se comer de pé e encher a barriga. É muita ingenuidade achar, como pretendem descolados ou desinformados, que estão na rua os melhores alimentos. Quem quiser comer bem que sente e pague por isso, numa das várias opções que São Paulo oferece. O método dos chineses talvez seja reprovado por sanitaristas sistemáticos ou gastrônomos sofisticados. Mas é improvável que alguém se contamine gravemente comendo aquele macarrão; e, por 2 reais, a qualidade da comida é impecável. Pode ser que, durante os dois dias seguintes, seja levemente incômodo carregar aquela inextirpável mistura oleosa na barriga; na hora, no entanto, isso é desimportante e imprevisível: o único objetivo é aliviar temporariamente a fome. E, para isso, a combinação da qualidade do yakissoba com o preço e local em que ele é oferecido é, mesmo que de forma quase involuntária, muito eficiente.

O absoluto sucesso da empreitada chinesa ensina uma coisa que a maioria dos brasileiros ainda não aprendeu, nem a executar nem a admirar: como abrir e tocar um negócio num mercado livre. É muito mais fácil reclamar dessa interminável crise e exigir desmerecidos benefícios estatais. Trabalhar, que é bom, com honestidade e competência, muito pouco. Seria muito mais fácil, veja só, que, carregando uma placa no pescoço, esses chineses fingissem analfabetismo, e esmolassem pelas ruas paulistanas. Como, por sinal, preferem fazer vários imigrantes, ou pior: brasileiros mesmo, com total capacidade produtiva, resmungam da ineficiência do governo e se arrastam pela indigência, como se fossem incapazes de solucionar seus mais simples problemas pessoais. Sem a mínima vergonha.

É verdade que nem sempre a pobreza é resultado exclusivo de preguiça e descaso - dos pobres, digo. Eu não acho isso, de forma alguma. Esse é um problema complexo, com diferentes e escondidas origens, e não é nem disso - da pobreza - que estou tratando. É que já sabemos compreendê-la e reconhecê-la, até certo ponto, mas ainda temos dificuldade para admirar um fenômeno mercadológico, administrado por gente que - apenas com esforço pessoal - conseguiu progredir financeiramente. É importante, claro, mantermos a sensibilidade alerta, e cooperarmos com quem realmente precisa de ajuda. Só que é preciso também acabar com a mentalidade que admira a pobreza e condena a riqueza, muito comum em ambientes intelectualizados brasileiros. E começarmos a destacar e animar o empreendedorismo de sucesso, que ainda permite, no Brasil, uma sólida e ampla ascensão social e econômica. Ou serão os pobres as próprias vítimas de sua glorificação.

Parabéns, USP

A Universidade de São Paulo completou 70 anos, em fevereiro, o que deveria suscitar um certo debate sobre a sua função e o seu futuro. O que vi nos jornais, no entanto, foi mais a celebração de sua história - que é curtíssima - e a promoção de suas estatísticas - que, isoladas, não valem muito.

A USP é sempre elogiada como a "melhor universidade do Brasil", como se isso significasse muita coisa. Não significa. Uma universidade é - ou deve ser - um centro de altos estudos, acessível a uma elite preparada para enfrentá-los. E nem esses altos estudos precisam ser sobre o Brasil nem essa elite precisa ser brasileira. Na USP, eles não são. O que significa que ambientes assim devem ser comparados com outros, estrangeiros. E mais ainda: significa que a própria USP deveria se abrir mais a novidades acadêmicas internacionais, e não se encobrir de elogios por ser "padrão de excelência universitária" em um país de terceiro mundo.

É, com freqüência, lembrado e louvado, por exemplo, o grupo francês - do qual Levi Strauss fazia parte - que, quando fundada a Universidade, veio a São Paulo para montar cursos e liderar pesquisas. Mas essa herança já deveria ter sido superada por gerações posteriores. O que se vê, porém - na área de humanas, especialmente -, é que as referências são poucas e atrasadas. Enquanto o "aluno USP" deleita-se com Lacan, como se fosse grande novidade, em Oxford estuda-se com Theodore Zeldin, que abre novas perspectivas para se interpretar a história.

O maior problema da USP acho que é justamente este: é que a Universidade está contente com classificações bobas - como o fato ser "a melhor do Brasil" -, e ao mesmo tempo isolada do pensamento de ponta internacional. Depois, como conseqüência, acaba achando, por exemplo, que o sistema de cotas é uma novidade eficiente, enquanto o resto do mundo abandona essa idéia, e desperdiçando associações úteis com o setor privado, por motivos puramente ideológicos. Cultivando idéias velhas, a USP corre o risco de já morrer nova.

Inculta e feia

Diga "vou no banheiro", em vez de "vou ao banheiro". Não se incomode também em dizer que vai "chamar ele", e vez de "chamá-lo". Certos deslizes gramaticais já se incorporaram ao português falado, e não comprometem a precisão da conversa nem a beleza da língua. Mas nunca jamais fale ou escreva algo como "vou estar dando aula", ou "vou estar publicando um livro". Eu achava, para ser honesto, que, de tão óbvio e feio, o abuso do gerúndio fosse exclusividade de secretárias desavisadas, mas não: está cada vez mais disseminado, e é usado inclusive por professores dispostos a ensinar os outros a falar bonito e a escrever direito.

A insistência no gerúndio tem duas origens e um objetivo. As origens são as seguintes: a primeira é que dizer "vou estar entregando o material" perde em precisão para "vou entregar o material", e deixa levemente em aberto o prazo e a possibilidade de conclusão da tarefa. Usam esse artifício os lentos e os confusos, que depois não querem ser cobrados pela ineficiência. E a segunda origem: é que nossa comunicação anda cada vez mais infectada por eufemismos, e o gerúndio confere uma certa leveza a afirmações e a exigências - "vou estar cobrando o material", por exemplo, parece mais suave do que "vou cobrar o material".

E o objetivo de quem aplica o gerúndio em ocasiões desnecessárias é que é pior: que é o de querer falar ou escrever com elegância. Só que sem conseguir. O que acaba numa situação que entrega sua ignorância e sua frustração, na tentativa de ser o que não é. Vou avisando: fale e escreva errado, despreocupadamente, mas não faça isso quando pretende se mostrar correto. É patético.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 5/3/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
02. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
03. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004
04. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
05. O chinês do yakissoba - 5/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Caçador De Pipas
Khaled Hosseini
Globo
(2013)



Brasil: Anos 60
José Geraldo Couto
Ática
(1999)



Boca do Lixo - Sexo Suspense e Tragédia no Submundo Paulista
Silvio de Abreu
Panda Books
(2003)



Ben Hur - Clássicos da Literatura Juvenil
Lewis Wallace; Carlos Heitor Cony (adap.)
Abril Cultural
(1972)



Coleção 24 Livros Sigmund Freud Edição Standard Brasileira Completa A Interpretação dos Sonhos + Gradiva de Jensen + O Caso de Schreber + Além do Princípio do Prazer
Sigmund Freud; Anna Freud; James Strachey
Imago
(1990)



A alma é imortal
Gabriel Delanne
Feb
(1978)



Livro Psicologia Um Olhar Sobre a Família Trajetória e Desafios de uma ONG
Celia Valente
Agora
(2004)



O Corretor
John Grisham
Rocco
(2005)



Os Donos do Poder Vol. 1
Raymundo Faoro
Abril



Brinque-book conta fabulas - O conselho do leão e outras historias
Bob Hartman
Brinque Book
(2006)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês