De uma volta ao Brasil | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> Relationships Matter
>>> Notas de um ignorante
>>> Alumbramento
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Rumos do cinema político brasileiro
>>> Black Sabbath 1970
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Manual prático do ódio
>>> Rhyme and reason
Mais Recentes
>>> Reaprendendo o Português [Capa Dura] de Carlos Eduardo de Bruin Cavalheiro (org.) pela Edic (2010)
>>> Revista Conexão Geraes: Seguridade Social Ampliada n6 ano 4 de Taysa Silva Santos; Soraya Magalhães Pelegrini; Matheus Thomaz da Silva pela Crssmg (2015)
>>> Revista Conexão Geraes: A Dimensão Técnico-Operativa no Serviço Social n3 ano 2 de Kênia Augusta Figueiredo; Elaine Rossetti Behring; Ana Cristina Brito Arcoverde pela Crssmg (2013)
>>> Revista Conexão Geraes: Expressões socioculturais n5 ano 3 de Carlos Montano; Cézar Henrique Maranhão; Yolanda Demétrio Guerra pela Crssmg (2014)
>>> Revista Conexão Geraes: Relatório de Gestão n8 ano 6 de Luana Braga; Rosilene Tavares; Marisaura pela Crssmg (2017)
>>> Revista Conexão Geraes:30 Horas Lei é Para Cumprir n7 ano 5 de Ivanete Boschetti; Ricardo Antunes; Marisaura dos Santos Cardoso pela Crssmg (2016)
>>> Revista Conexão Geraes: Direito à Cidade n4 ano 3 de Maria Lúcia Martinelli; Duriguetto; Joviano Mayer pela Crssmg (2014)
>>> Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial de Ministério da Saúde pela Sas (2004)
>>> Ensaios Ad Hominem 1: Tomo 3 - Política de J. Chasin pela Ad Hominem (2000)
>>> Revista Histórica de Contagem 102 Anos de Ciro Carpentieri Filho pela Fundac (2013)
>>> O Brasil Desempregado de Jorge Mattoso pela Perseu Abramo (1996)
>>> Caderno do Plano de Manejo Orgânico de Mapa pela Secretaria de Cooperativismo (2014)
>>> Manual de Arborização Capa Verde de Cemig pela Cemig
>>> Manual de Arborização de Cemig pela Cemig (1996)
>>> Mata Atlântica: Mapa da Área de Aplicação da Lei n 11.428 de Ibge pela Ibge
>>> MG Biota v. 11 n 1 de Biologia Floral; aposematismo pela Ief (2018)
>>> MG Biota v. 10 n. 2 de Anfíbios pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 1 de Germinação; Capões de Mata pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 3 de Recuperação de Áreas Degradadas pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 6 n. 1 de Cerrado; Vale do Jequitinhonha pela Ief (2017)
>>> Informe Agropecuário 244 de Áreas Degradadas pela Epamig (2008)
>>> Informe Agropecuário 285 de Déficit Hídrico pela Epamig (2015)
>>> Informe Agropecuário 287 de Agricultura Orgânica e Agroecologia pela Epamig (2015)
>>> Contos de Amor e Morte de Arthur Schnitzler; George Bernard Sperber (trad.); Wolfgang Bader (apr.) pela Companhia das Letras (1999)
>>> Um Jovem Americano de Edmund White; Augusto de Oliveira (trad.) pela Siciliano (1995)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/7/2004
De uma volta ao Brasil
Eduardo Carvalho

+ de 11600 Acessos
+ 10 Comentário(s)

É muito difícil compreender a realidade brasileira apenas lendo sobre ela. Os clássicos são esclarecedores, mas pontuais - tratam, normalmente, de regiões e momentos específicos. Não vou nem comentar os filmes, que talvez pudessem, mais do que os livros, ampliar a compreensão brasileira sobre o Brasil: mas se limitam a replicar estereótipos importados, em vez de negá-los. A experiência literária é insubstituível, mas ainda assim: existem poucos livros sobre o Brasil. Os livros não comparam a diferença de temperamento do mineiro e do paraibano; não descrevem as formas dos morros curtos mas impressionantes, isolados no Tocantins; não transmitem o perigo da viagem noturna no interior do Maranhão. E uma viagem longa pelo país, no trajeto e na duração, pode ser uma experiência educacional - e, por isso, é altamente recomendável a quem, aos 18 anos, pretende aprender mais sobre o país em que nasceu.

É disso que eu estava convencido, quando, em 2000, decidi praticamente atravessar o país de carro. Tracei, com um amigo, um roteiro de mais de 10.000 km, de São Paulo até São Luis do Maranhão, em linha reta pelo interior do país - para depois voltarmos, com mais calma, contornando o litoral. Escolhemos as cidades em que dormiríamos - de Gurupi, no Tocantins, a Santo Amaro da Purificação, na Bahia. Estimamos um mês e meio de viagem, saindo de São Paulo no começo de janeiro e chegando, se chegássemos, na semana antes do carnaval. Chegamos - mas atrasados, claro: a semana do carnaval foi dividida entre Recife e Salvador, trecho que completamos, improvisadamente, numa segunda-feira, enquanto o Brasil inteiro sambava. Ajustamos o roteiro, durante a viagem, assim, espontaneamente, mas sem escaparmos do esqueleto original: e, durante dois meses e meio, rodamos mais de 12.000 km pelo Brasil.

Nunca escrevi sobre essa viagem. Nunca pensei que fosse escrever. Quer dizer, pensei: mas desisti de um diário na primeira semana, depois de reescrever quatro vezes o primeiro parágrafo. É impossível escrever com Os Sertões ao lado. A forma de Euclides - cansativa mas forte - contamina, e involuntariamente acabei copiando seu estilo. Ficou ridículo. Decidi dispensar o diário, então, na segunda semana, quando me hospedava numa fazenda entre os rios Araguaia e Tocantins. Acho um certo desperdício, hoje, não ter registrado nada, mas talvez teria menos o que registrar, se ocupasse muito tempo escrevendo. Aproveitei o máximo que pude.

De São Paulo fomos, em primeiro lugar, para Barretos, onde, na fazenda, pegamos o carro oficial, que nos levou embora. Levamos um galão de gasolina e dois steps, porque a distância entre alguns postos, no sertão, é alcançável apenas a diesel. Alguém nos aconselhou a levar também um revólver. Não levamos. Amarramos um pneu no teto do carro. Enchemos o porta-malas com todos as roupas e equipamentos: sleeping bag, lanterna, faca, rede, comida, etc. Fomos com o carro lotado. Muita coisa foi inútil, mas precisávamos ter levado - como o galão de gasolina, que caiu do carro em Recife, pelo porta-malas mal fechado, e espalhou combustível por toda a rua. O revólver, no entanto, talvez fosse mesmo uma boa idéia.

No interior de estados como Goiás, Tocantins, Maranhão, muita gente ainda anda visivelmente armada. Às vezes é apenas para caça. Mas outras vezes não é: algumas cidadezinhas estão cheias de matadores profissionais, e os bares em que se encontram são conhecidos e evitados pelos locais. Um turista não pretende cair em ambiente assim. Nós tomamos cuidado. Também nunca viajamos de noite, apesar de duas exceções: a primeira vez no Maranhão, quando, desorientados durante uma tempestade, erramos o caminho de Imperatriz a São Luiz - e quase chegamos em Teresina, percorrendo 400 km a mais; na segunda vez, calculamos mal o tempo entre a praia da Pipa, no Rio Grande do Norte, e Caruaru, em Pernambuco - e quando, depois de Recife, consultamos o mapa para descobrir onde estávamos, me assustei com o aviso amarelo: "Evite viajar à noite. Alto índice de assaltos". O começo da BR-101, em Touros, no Rio Grande do Norte, também não é hospitaleiro, apesar de lindo: um faroleiro nos contou que várias vezes haviam tentado fechar seu carro naquela estrada. E isso acontece em muitos outros lugares: uma gangue estava assaltando motoristas perto de Araguaina, no Tocantins; uma tribo de índios, além de cultivar maconha, interrompia e assaltava os motoristas que iam a Carolina, no Maranhão; éramos também, com freqüência, alertados sobre a corrupção dos guardas rodoviários.

Voltando a Barretos, de onde saímos: fomos, em seguida, para Brasília, atravessando Minas Gerais. Minas é - fora São Paulo, e junto com Paraná e Pernambuco - um dos meus três estados favoritos no Brasil. Minas é uma estado levemente triste e muito educado. Mas não nos hospedamos lá. Entramos em Goiás, e rapidamente chegamos à periferia de Brasília - que começa longe do centro, nas cidades satélites, sujas e desorganizadas. A cidade foi mal planejada - não se consegue andar a pé - e desenhada para empacar no tempo. A arquitetura de Brasília evoca, involuntariamente, uma possível característica brasileira: nossa obsessão em estarmos por dentro de modismos estrangeiros e, ao mesmo tempo, nossa incapacidade para acompanhá-los. Brasília ficou sem identidade - sua juventude imita de modo patético o sotaque carioca - e perdida geograficamente, longe de onde as coisas acontecem.

Nada de especial acontecia em Gurupi, no Tocantins, nosso próximo destino. Saímos sempre, nessa viagem, de madrugada. Quando o sol começava a raiar, numa estrada esburacada em Goiás, e percebíamos que tomamos café antes dos caminhoneiros, a impressão é de que não estávamos ali para brincadeira. Precisávamos ir em frente - e ir longe. Precisávamos também trabalhar. Acelerávamos de manhã e na hora do almoço, quando a estrada é vazia. Aos 18, 19 anos, tínhamos já, relativamente, experiência com estradas, caminhões e buracos - e aos poucos, durante a viagem, aprendemos mais. Descobrimos que os obstáculos em Goiás não funcionam, porque foram derretidos pelo calor do sol; que as meninas de 13, 14 anos, encostadas na beira da rodovia, não são, infelizmente, ingênuas como parecem; que você precisa trocar um pneu não apenas quando ele fura - mas também quando, por causa dos buracos, sua calota está deformada; descobrimos inclusive que, em alguns trechos da Belém-Brasília, teríamos ido mais rápido se estivéssemos viajando no lombo de uma mula.

Existe, em Gurupi, um famoso centro de estudo veterinário, dedicado ao desenvolvimento genético do gado nelore. A cidade é cheia de estudantes homens, que se revezam entre o bar e o laboratório. Chegamos à tarde, e não fomos longe do hotel: estávamos apenas de passagem, porque, no dia seguinte, mais de 1.000 km nos aguardavam - e suspeitávamos que seriam piores do que os 2.000 anteriores. E foram: e tudo, mesmo assim, deu certo, para chegarmos em Araguatins, na fazenda, na tarde do dia seguinte. No Tocantins, alguns trechos da estrada asfaltada, já considerada Transamazônica, estava deserto. Chegamos, antes de Araguatins, em Buriti, num domingo, quando a cidade se reunia na praça principal para assistir a uma pelada. O jogo parou. Passamos pela praça como se, de repente, um disco voador desse um rasante em Buriti - porque todo mundo, impressionado, ficou olhando dois estudantes normais, em um carro normal, a uma velocidade normal. Estranhamente, nada parecia normal para eles.

O Bico do Papagaio foi, há duas, três décadas, palco de disputas e guerrilhas. O lugar ficou famoso, em São Paulo, pela violência, mas hoje é uma região potencialmente rica e estratégica. O preço da terra está subindo rapidamente, enquanto a fronteira agrícola brasileira - se o Ibama deixar - se expande com velocidade. Dormimos numa fazenda limpa e linda, entre o Araguaia e um acampamento de sem-terras. A maioria dos que recebeu a terra já se foi, e os que ficaram passam o dia deitados, porque recebem dinheiro e alimento do governo. Há, na frente de cada barraca, um Opala ou um Corcel, e às vezes uma bandeira vermelha velha e rasgada. A pequena população de Buriti - que se sustenta com o próprio suor - não se simpatiza com essa comunidade. Eles sabem que é possível viver ali trabalhando honestamente. Os sem-terra são hoje inofensivos, apesar de estarem armados, mas não se misturam com a população local. Não são apenas os fazendeiros, portanto, que se incomodam com esse método de ganhar a vida - mas pouca gente percebe isso.

Passamos algumas vezes pelo acampamento. Duas, para ser preciso: uma para ir e outra para voltar de uma ilha no Rio Araguaia, onde dormimos uma noite. Passamos o dia passeando de barco e pescando piranhas. Visitamos alguns casebres de pau-a-pique no Pará, do outro lado do rio, onde moram catadores de castanhas. Comemos churrasco, tomamos pinga, nos lavamos no rio. Dormimos embaixo de uma tempestade, na rede, cobertos por um barracão de palha - que por pouco não foi levado pelo vento. No dia seguinte, visitamos um monumento oriental, semelhante ao Taj Mahal, coberto por ouro e recheado de preciosidades, isolado no sertão do Tocantins, mas em certos assunto é melhor não tocar.

De Araguatins, seguimos para Imperatriz, no Maranhão, a caminho de São Luis, onde praticamente tudo tem um único sobrenome: Sarney. É o que primeiro chama a atenção quando se chega na cidade. No centro cultural de São Luis, bonito e reformado, o mausoléu de José Sarney já está preparado. Nas livrarias da cidade, seus livros estão sempre em destaque. Outra recordação de São Luis - que me arrependo de não ter comprado - é o busto dourado do homem. No mais, São Luis, uma capital, parece uma vila: com suas ruas estreitas e sua população aparentemente provinciana. Não reparei no português falado, famoso pela clareza e correção: o que vi é que a cidade está - estava - infestada por uma moda reggae, pela proximidade com o Caribe. E um amigo experimentou o "arroz de puxá", a comida mais tradicional da região, no restaurante mais recomendado da cidade: e passou a semana seguinte trancado no quarto e no banheiro, descarregando o arroz e a energia com que pretendia continuar viajando.

O litoral do Maranhão é extenso, deserto e desconhecido. Os Lençóis são um destino comum, mas os turistas se concentram em Barreirinhas, a cidade de apoio aos visitantes, e deixam o resto quase vazio. Nós, de carro, fizemos um roteiro alternativo: de São Luis fomos antes até Tutóia, na divisa com a Paraíba, onde deixamos o carro, e de lá voltamos de jipe e de barco pelo litoral - até, aí sim, chegarmos em Barreirinhas. Fomos, de Tutóia, até Mandacaru, cortando rios na caçamba de um Toyota, chacoalhando durante 4 horas. Mandacaru é uma vila de 4 mil habitantes, atrás de um mangue e na beira do Rio Preguiça. Não há hotel nem pousada em Mandacaru. Dormimos numa barraca na beira da praia, de um senhor que havia sido, nas últimas décadas, todos os anos campeão regional de caça ao caranguejo. Araquém de Alcântara - que fotografou todos os cantos do Brasil - tem uma foto premiada desse nosso anfitrião, sorrindo, subindo da lama com um caranguejo na mão. Ele nos mostrou o livro - maravilhoso, aliás - autografado pelo fotógrafo, que guarda junto com National Geographic, Vogue, etc., com reportagens sobre a região.

Tomamos banho na barraca e fomos visitar a praça de Mandacaru, onde assisti a uma das cenas que mais me marcaram na vida. Quase nenhuma casa tem televisão em Mandacaru. Então, durante a novela, a cidade se encontra na praça para assistir a televisão municipal. Sentados na areia, todos, em silêncio, acompanhavam histórias de um mundo que - não fosse pela televisão - eles dificilmente imaginariam que existe. Os apartamentos da novela, os escritórios, carros, restaurantes, eram tão diferentes da vida em Mandacaru, que não parecia realidade para eles: era como se assistissem, encantados, a histórias fabulosas de um planeta inexistente. Enquanto isso, ao lado da televisão, uma igreja protestante qualquer armou o seu altar: e, no mesmo horário da novela, começava sua pregação barulhenta e alucinada. A novela e a missa concorriam diretamente, em um lugar isolado e pequeno, reunindo quase toda população local. A igreja católica, ao lado, fechada. E, no fundo da praça, o farol de Mandacaru continuava girando, ignorado, apontando para todos os lados - seu facho de luz, até chegar no mar, atravessava nuvens, em um céu estrelado e escuro. A cena, para mim, resumia o Brasil.

Saímos de Mandacaru um dia depois, em direção a Barreirinhas. Às 18 hrs., aproximadamente, pegamos carona em um barco de pescador, preparado para passar uma semana em alto mar - só que um dos pescadores, no primeiro dia, ficou doente, e o barco precisou levá-lo de volta a Barreirinhas, onde havia assistência médica. Fomos deitados na cobertura do barco, subindo o Rio Preguiça - conversando e olhando para o céu. O litoral do Maranhão, à noite, é completamente escuro. Não há cidades próximas nem poluição. Conseguíamos enxergar milhares de estrelas pequenas e dezenas de estrelas cadentes. E, de repente, uma estrela apareceu piscando. Nós todos - nós três, em cima do barco - vimos a mesma cena, assustados: o que imaginávamos uma estrela se mexeu, e começou a piscar em outros lugares. Não era vaga-lume - vimos alguns, e sabíamos diferenciar: não era vaga-lume, insisto. Não era avião. Não era estrela candente. Não era satélite. Não sabíamos o que era. Até hoje, eu não sei. Mas desconfio. E não posso - não vou - falar. Espero continuar sendo confiável.

Em Barreirinhas, aproveitamos mais os Lençóis Maranhenses, e depois, de ônibus, voltamos para Tutótia, para pegar o carro e seguir em frente - não estávamos ainda na metade do trajeto, em um mês de viagem. Continuamos nossos planos: fomos para o Ceará, cruzando o Norte do Piauí, para visitarmos o resto do litoral brasileiro. Passamos por todos os estados do nordeste. Pingamos em pontos simbólicos: o início da Transamazônica, o ponto mais próximo da África, o mais ocidental do Brasil, o em que o litoral começa a descer, etc. Visitamos praias maravilhosas. São os capítulos que descreverei na próxima coluna.

Naquele momento, ficou em nós, estudantes, a sensação de que tínhamos passado pelo pior, digamos assim: os momentos mais difíceis e mais arriscados. Tínhamos acabado de aprender a dirigir, e encaramos as estradas mais perigosas do Brasil - do mundo, por extensão. Onde tudo - acidentes, assaltos, etc. - podia acontecer, e acontecia, ao nosso lado. Estávamos sozinhos. No litoral, pensávamos, havia gente, pelo menos, e havia turistas. Camionetes gigantes carregavam equipes de reportagem pelas praias; encontrávamos, em cada cidade, os mesmos cinegrafistas, filmando a beleza - supostamente - escondida do Brasil; outros amigos e muitos estrangeiros também tinham essa idéia: de começar viajando, de carro ou de ônibus, de Fortaleza, mais ou menos, e descer conhecendo as praias. Seguimos então, daí em diante, o fluxo de muita gente. De repente, não estávamos mais sozinhos.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 23/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Computadores, iPads e colheres de pau de Ana Elisa Ribeiro
02. Guimarães Rosa: linguagem como invenção de Jardel Dias Cavalcanti
03. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições de Julio Daio Borges


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004
04. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
05. O chinês do yakissoba - 5/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/7/2004
14h42min
Fala garoto, faz um puta tempo mas tua memória está boa, hein? Parabens pelo texto, trouxe boas lembranças sem contar as risadas... Obs.: só uma coisa, eu não vi coisa nenhuma (sabe do que estou falando)... E não está comprido, sou a prova de que está faltando muita coisa aí (algumas ainda bem)...
[Leia outros Comentários de Luís Alves de Lima]
22/7/2004
16h41min
Legal seu texto, deve ter ajudado a furar a bolha de egocentrismo do paulistano médio. Nada de mais falar da capital federal. Todo mundo fala. Mesmo quem não conhece. E só de passagem, como você. As cidades satélites são desorganizadas, como a maioria do resto país. Crescem desordenadamente e nos fazem lembrar da triste realidade. Agora sobre Brasília (entenda-se Plano Piloto) ser mal planejada, não posso concordar. Tudo aqui funciona e nada deixa a desejar em relação à cultura e à pujança dos grandes centros. "Desenhada para empacar no tempo". No mínimo porque é patrimônio tombado, reconhecido como obra de um povo bravo que ousou erguer no vasto cerrado a sua capital e exprimir com orgulho sua própria capacidade inventiva. Não posso concordar que seja fruto de modismo, como você diz ser. Afinal, há muito tempo fala-se mal de Brasília. Ninguém deseja acompanhar moda nenhuma, de lugar algum. Temos a nossa, autêntica, do cerrado, com identidade e sotaque do planalto ainda a ser moldado, com contribuições dos cariocas, dos nordestinos, dos goianos, dos mineiros, de brasileiros e até de estrangeiros. Quanto a estar "perdida geograficamente", não consegui aceitar. O centro do país, onde coisas relevantes acontecem, e onde muito de sua vida se decide, é aqui. Da próxima vez que vir, que não seja de passagem. Fique e evite equívocos. Conheça a alma da jovem cidade que encanta e seduz cada vez mais o povo de seu Brasil.
[Leia outros Comentários de Eliardo Magalhães]
22/7/2004
18h02min
Muito legal sua viagem.
[Leia outros Comentários de Víktor]
23/7/2004
01h46min
Bela viagem, um sonho trivial de todo espírito jovial (sic) que anseia por aventuras excitantes aproveitáveis e incomuns. O lirismo é nítido, os olhos captam imagens que se transformam em sentimentos, análises que se transformam em sabedoria. Uma passagem que transforma o anteior púber em experiente vivente da vida. Digo fazendo coro com muitos: "ah se não me faltasse cash..."
[Leia outros Comentários de Kid Durepox]
23/7/2004
08h39min
Sabia que vcs tinham curtido muito, mas acho que foi além do que eu imaginei! Vc está intimado a ir na próxima viagem p/ o Peru! Espero que incentive o seu amigo a escrever tb, afinal muita coisa está faltando...
[Leia outros Comentários de Vera Lúcia Alves]
23/7/2004
16h51min
Adorei ler sobre a viagem de vcs, está muito legal o texto, da uma vontade enorme de fazer o mesmo...
[Leia outros Comentários de Ana Cecília Almeida]
23/7/2004
16h55min
Muito bom seu texto. Você fez algo que um dia sonhei em fazer mas acho que me faltou coragem, empenho e tempo. Também passei por Brasilia, passagem mesmo, nem parei. Foi em uma viagem em que sai de Sao Paulo as 8:00 da noite e cheguei a chapada dos Veadeiros (Alto Paraiso) as 8:OO da manha. Loucura mesmo. Brasilia, assim como seu povo, é realmente uma coisa única, ...bem no meio do Brasil.
[Leia outros Comentários de Ricardo Larroude]
26/7/2004
11h50min
vc fez a viagem dos meus sonhos...
[Leia outros Comentários de Simone]
27/7/2004
14h49min
Oi, Eduardo, há muito tempo não lia sua coluna, desde a época do texto sobre a festa "Bin Laden". Gostei muito dos seus últimos textos. Apenas senti saudades dos quebra-paus entre você e alguns leitores revoltados. Era bem engraçado! Um abraço. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Cuba]
18/8/2004
11h18min
oi eduardo, ainda vou fazer essa viagem, com certeza, só não sei se no mesmo esquema, ser mulher tem algumas desvantagens...
[Leia outros Comentários de Georgia ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Mulheres Mais Perversas da História
Shelley Klein
planeta
(2004)



Freud
Amina Maggi Piccini
moderna
(1986)



A Era da mulher
Avivah Wittnberg e Alison Maitland
Campus
(2008)



Pecados Originais
Lisa Alther
Círculo do Livro
(1988)



Hannah and the Hurricane - Easystarts
Pearson Longman
Pearson Education Esl
(2009)



Compêndio Deconomia Politica
Carlos Gide
Globo
(1960)



O Livro da Música
Arthur Nestrovski
Companhia das Letrinhas
(2008)



Verdade e Interpretação
Luigi Pereyson
martins fontes
(2005)



Saúde Reprodutiva - Coletânea Tecnologias Em Saúde e Enfermagem Vol 1
Edir Nei Teixeira Mandú
Edufmt
(2006)



Historia do Automóvel: V. 3
Jose Luiz Vieira
Alaúde
(2010)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês