Mamãe falhei | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/3/2022
Mamãe falhei
Luís Fernando Amâncio

+ de 3700 Acessos

Arthur do Val, um dos principais membros do Movimento Brasil Livre (kkkk), foi cobrir a guerra da Ucrânia. Ele, deputado estadual por São Paulo, viu ali uma oportunidade de fomentar o engajamento de seus seguidores (698 mil no Instagram) produzindo coquetéis-molotov para a resistência ucraniana. Era uma missão humanitária.

Porém, como sentencia a sabedoria popular, peixe morre pela boca. Vazaram áudios em que o político se referia de forma desrespeitosa às mulheres ucranianas. Elas seriam “fáceis por serem pobres”. Os arquivos compartilhados também podem denotar racismo, já que o deputado afirma que as mulheres do leste europeu (louríssimas, como se sabe) seriam as mais “top” em qualquer balada no Brasil. Mulheres miscigenadas, aparentemente, são inferiores para ele.


O conteúdo dos áudios, evidentemente, desmascarou a solidariedade internacional de do Val. E, apesar de mais de meio milhão de paulistanos terem o escolhido no pleito para prefeito em 2020, sua pré-candidatura para o governo estadual caiu em desgraça.

Vera Iaconelli, em artigo para a Folha desvendou a ascensão da figura do “moleque” na política nacional. Segundo ela, o moleque não é uma criança, mas um sujeito crescido que se vangloria por agir de forma errática. Seu trunfo é não agir de forma socialmente aceitável.

Arthur do Val – que espécie de adulto se autodenomina “Mamãe Falei”? – e seus comparsas no MBL ganharam visibilidade justamente por esse comportamento. Eram jokers profanando exposições de arte, universidades e escolas públicas. Jovens sem limites, mas que pediam censura aos conteúdos da temível ideologia de gênero e ao marxismo que se ensina para nossas criancinhas. Garotos que se opunham aos políticos tradicionais, e que não vacilaram, num segundo momento, em se filiar aos partidos mais conservadores no mercado – os da bancada da bala, dos agrotóxicos, da Bíblia etc.

Sem se restringir à política, podemos observar a figura do moleque em outras esferas de nossa cultura. Lembram de como atuavam os repórteres do Pânico e do CQC, constrangendo celebridades e cidadãos comuns? Eram as características que compunham o personagem “Joselito sem noção”, do Hermes e Renato.

No futebol, por exemplo, o jogador mais vitorioso em atividade, o brasileiro Daniel Alves se intitula “Good Crazy”. Um maluco do bem. Ele se veste muitas vezes de forma excêntrica em cerimônias e usualmente posa para fotos com a língua pra fora e olhos arregalados. Sua conta no Instagram computa 35,3 milhões de seguidores que devem apreciar a postura de descontração do lateral-direito.


Neymar, o melhor jogador brasileiro de sua geração, possui 171 – e não é maldade, a consulta foi feita em 08/03/22 – milhões de seguidores. Apesar dos 30 anos, ainda é chamado de “Menino Ney” pelos fãs. Atualmente, sua presença em festas e seus affairs chamam mais a atenção do que seu desempenho em campo. Ele declarou há poucas semanas, sem qualquer pudor, que gostaria de atuar na liga norte-americana de futebol para usufruir de um maior período de férias.

Na música também encontramos a figura do moleque. Se ouvimos os principais sucessos recentes da música sertaneja, por exemplo, percebemos letras que exaltam o excesso de bebida, os relacionamentos fugazes e o que poderíamos chamar de “vida de farra” .

Não estou aqui em um julgamento moralista. Ninguém precisa ouvir música existencialista na balada. Só destaco elementos que corroboram meu argumento. De que a exaltação da figura do moleque está entranhada em nossa cultura contemporânea.

É quase uma síndrome tardia de Peter Pan. Os adultos exemplares para nossa juventude são justamente aqueles que não se comportam como... adultos.

Lembram de quando o presidente andava de jet-ski em Santa Catarina enquanto a Bahia vivia uma tragédia por conta das chuvas no fim do ano passado? E dele se recusando a usar máscara em aglomerações no momento em que o país batia recorde de contaminados e de mortos na pandemia? 19,4 milhões seguem ele no Instagram. 57,8 votaram o elegeram para o cargo máximo do país em 2018.

Existem moleques de todas as idades.

Arthur do Val, ou Mamãe Fal(h)ei, foi exposto. O conteúdo sexista e racialista do áudio causa repugnância em quem tem lucidez. Só que não somos tantos assim. Em breve, talvez no TikTok, surgirá um novo “moleque” para ser cultuado.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 11/3/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre a literatura de Evando Nascimento de Jardel Dias Cavalcanti
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção de Jardel Dias Cavalcanti
03. O abalo sísmico de Luiz Vilela de Cassionei Niches Petry
04. A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti
05. A pós-esquerda identitária e grupalista de Luis Dolhnikoff


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio
01. 7 de Setembro - 13/9/2019
02. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
03. A barata na cozinha - 26/10/2018
04. Eleições na quinta série - 17/9/2021
05. O Brasil que eu quero - 22/6/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Morocco Style - Icons
Angelika Taschen
Taschen
(2004)



Pelezinho Coleção Histórica Nº1
Mauricio de Sousa
Panini Comics



Colapso 2ª Edição
Arthur Hailey
Record
(1978)



Cubatao a rainha da serras
Oscar ambrosio
Noovha
(2005)



O Terceiro Milênio e as Profecias do Apocalipse
Alejandro Bullón
Casa Publicadora Brasileira
(1999)



A Era das Revoluções 1789 - 1848
Eric J. Hobsbawm
Paz e Terra
(1991)



A Família Maldita
Jonas Rezende
Mauad
(2001)



Menôn
Platão
Folha de S. Paulo
(2015)



Ambiente de Desenvolvimento Integrado para Java NetBeans IDE 4.1
Ivan Mecenas
Alta Books
(2005)
+ frete grátis



Picasso
Grandes Mestres
Abril
(2011)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês