Epitáfio do que não partiu | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
>>> Salão do Livro para crianças
Mais Recentes
>>> Fator de Enriquecimento de Paulo Vieira pela Gente (2016)
>>> Treinamento de Líderes Voluntários de Silvino J Fritzen pela Vozes (1982)
>>> A Sentence of Life de Julian Gloag pela World Books (1967)
>>> Amanhã é Natal de Liene Collaço Paulo pela Do Autor (1997)
>>> Pequenas Quinquilharias para Colecionadores Precoces de Liluah pela Saint Germain (2002)
>>> Dogsong de Gary Paulsen pela Aladdin (1985)
>>> A Vantagem Competitiva das Nações de Michael E. Porter pela Campus (1990)
>>> Sexo e Obsessão de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2004)
>>> Sinfonia dos Animais Noturnos de Lourenço Cazarré pela Artes Ofícios (1994)
>>> Seja Feliz, Meu Filho! de Içami Tiba pela Gente (1995)
>>> Pai sem Computador de Amilcar Neves pela Atual (1993)
>>> Vinhedo das Vontades de Eduardo Dall Alba pela Iel (2000)
>>> Adoro Problemas de Michael Moore pela Leya Casa da Palavra (2011)
>>> O Mecanismo da Vida Consciente de Carlos Bernardo Gonzáles pela Logosófica (2002)
>>> S. Rita de Cássia de L. de Marchi pela Paulinas (1979)
>>> E o Nilo Continua... de Carmen Annes Dias Prudente pela Melhoramentos
>>> Nova Lei de Falências de Emilio Sabatovski Iara P Fontoura pela Juruá (2005)
>>> A Vida e o Amor Meninas 3 a 8 Anos Meninos e Jovens de Bernardette Delarge Doutor Emin pela Rideel
>>> Contos e Cânticos de Felicidade de A Bogaz e M Couto pela Escala
>>> Simbologia Braille de Geisa Leticia Kempfer Bock pela Dioesc (2013)
>>> Nem Sempre Verdade Nem Tanto Folclore de Pedro Sampaio pela Do Autor (2007)
>>> Rumo ao Sucesso - a Jornada de Us1 Bilhão da Phison... de Ks Pua pela Age (2012)
>>> A Hora - uma Revolução na Imprensa de Lauro Schirmer pela L&pm (2000)
>>> Feng Shui - o Livro das Soluções de Nancilee Wydra pela Pensamento (2000)
>>> Fragmentos Revista Vol 1 Nº 1 de Universidade Federal de Santa Catarina pela Ufsc (1986)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/4/2022
Epitáfio do que não partiu
Luís Fernando Amâncio

+ de 6100 Acessos

Raro leitor, rara leitora. Serei breve, antes que o medicamento para pressão me dê a sonolência de um urso pardo no inverno. Só quero compartilhar com vocês o fato de eu ter visto o abismo e ele, como de praxe, ter me encarado de volta. A experiência não me deixou mais sábio, mas posso redigir algumas obviedades.

A primeira delas: descobrir-se portador de uma cardiopatia grave não têm muitas vantagens. Não mesmo. Eu me julgaria mais sortudo se tivesse acertado as dezenas da Mega Sena, tomado um sorvete de pistache ou, simplesmente, se tivesse tropeçado na calçada.

Todavia, o que fevereiro reservava para mim eram novidades no consultório de cardiologia. Descobrir que a válvula defeituosa do meu ventrículo esquerdo, aquela sapequinha, havia aprontado um aneurisma na minha aorta. Que, por sua vez, poderia se romper sem maiores cerimônias. Pluft, plaft – quem sabe qual seria o som de artéria rompendo? Em seguida, calculo, uma morte rápida.



Não é o tipo de notícia que você recebe e, coçando o queixo, segue com a leitura de um livro. Em um dia você está preocupado com seus abundantes cabelos brancos e, no outro, descobre que “empacotar” não é só a única certeza da vida. No meu caso, podia ser um compromisso para amanhã, depois do lanche da tarde.

Era um problema solucionável com uma cirurgia de grande porte. Dessas que fazem um belo corte no seu peito, retiram o seu coração para reparo e o devolvem com novos “acessórios” – uma válvula mecânica e uma substituição para o trecho inchado da sua aorta. O que não é pouco assustador, convenhamos.

Anestesia geral, entubação, três dias de CTI e mais uma semana de internação no hospital. É curioso pensar que, no mesmo período, algumas famílias podem ter ido, quem sabe, para a Disney. E elas se divertiram, eu imagino. Enquanto isso, eu sigo dormindo de barriga pra cima há três semanas e torço para que meu esterno calcifique bem.

Ainda assim, ao me deparar com a morte como uma possibilidade razoável, tentei fazer algumas reflexões. Como aquela música dos Titãs, “Epitáfio”. Você conhece. “Devia ter amado mais/ chorado mais/ ter visto o sol nascer”...

Eu juro que tentei ter esse tipo de sentimento antes de encarar a morte. Juro. Mas falhei, como esperado.

Ou venci, depende da perspectiva. O que sei é que esse tipo de arrependimento eu não levaria comigo. Seja lá o que fiz da minha vida até aqui – e certamente não foi nada robusto – estou satisfeito.

Cada um faz o que dá conta de fazer. Por que eu ficaria inventando de ver o sol nascer se o sono me deixa mal-humorado?

Chorar mais? Eu sou torcedor do São Paulo e moro em um país em que o Ministério da Educação consulta pastores antes de liberar verba para os municípios. Se eu for chorar por cada desgraça que me aparece, além de cardiopata, eu estaria desidratado.

“Amar mais”? Sério? Eu conheço o comportamento das pessoas no trânsito, nas reuniões de condomínio e nas redes sociais. Já vi gente furando a fila em missas. Na vida, a gente escolhe uma meia dúzia de pessoas para gostar – ama, com sorte, talvez metade delas – e já podemos nos considerar privilegiados.

No mais, é tomar cuidado com os folgados, sempre à espreita, e guardar distância dos cretinos. São os meus conselhos para a juventude.

Ainda que com um coração atordoado, por ora, sigo vivo. O que implica que esse teclado continuará a receber marteladas nervosas dos meus dedos esporadicamente. Uma alegria para mim, não vou mentir. Para a literatura é uma pena. Mas, enfim, não dá pra todo mundo sair ganhando.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 8/4/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Arte sem limites de Fabio Gomes
02. Caio Fernando Abreu, um perfil de Rafael Rodrigues


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2022
01. Epitáfio do que não partiu - 8/4/2022
02. Mamãe falhei - 11/3/2022
03. Uma alucinação chamada dezembro - 11/2/2022
04. As fezes da esperança - 1/7/2022
05. A pior crônica do mundo - 23/9/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Família Criativa
Daisaku Ikeda
Brasil Seikyo
(1998)



A Fábrica e a Cidade Ate 1930
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2004)



Paul Gauguin -mestres das Artes (1997)
Mike Venezia
Moderna
(1997)



A Metamorfose - Clássicos da Literatura Universal 2
Franz Kafka - Tradução Torrieri Guimarães
Ediouro
(1998)



Bloomberg By Bloomberg - Confira!
Michael Bloomberg
John Wiley Trade
(2001)



David - uma Liçao de Vida e de Marketing
Portes David de Mendonça
Futura
(2003)



A Tarde da Sua Ausência
Carlos Heitor Cony
Companhia das Letras
(2003)



Um Barril de Risadas
Jules Feiffer (autor), Carlos Sussekind
Cia das Letras
(2003)



Encontro na Montanha Vermelha - J. J. Benitez
J. J. Benitez
Planeta



Ecos Ecológicos: uma Jornada Em Defesa do Meio Ambiente
Luizinho Bastos - Livro Autografádo
Paulinas
(2007)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês