Epitáfio do que não partiu | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/4/2022
Epitáfio do que não partiu
Luís Fernando Amâncio

+ de 3000 Acessos

Raro leitor, rara leitora. Serei breve, antes que o medicamento para pressão me dê a sonolência de um urso pardo no inverno. Só quero compartilhar com vocês o fato de eu ter visto o abismo e ele, como de praxe, ter me encarado de volta. A experiência não me deixou mais sábio, mas posso redigir algumas obviedades.

A primeira delas: descobrir-se portador de uma cardiopatia grave não têm muitas vantagens. Não mesmo. Eu me julgaria mais sortudo se tivesse acertado as dezenas da Mega Sena, tomado um sorvete de pistache ou, simplesmente, se tivesse tropeçado na calçada.

Todavia, o que fevereiro reservava para mim eram novidades no consultório de cardiologia. Descobrir que a válvula defeituosa do meu ventrículo esquerdo, aquela sapequinha, havia aprontado um aneurisma na minha aorta. Que, por sua vez, poderia se romper sem maiores cerimônias. Pluft, plaft – quem sabe qual seria o som de artéria rompendo? Em seguida, calculo, uma morte rápida.



Não é o tipo de notícia que você recebe e, coçando o queixo, segue com a leitura de um livro. Em um dia você está preocupado com seus abundantes cabelos brancos e, no outro, descobre que “empacotar” não é só a única certeza da vida. No meu caso, podia ser um compromisso para amanhã, depois do lanche da tarde.

Era um problema solucionável com uma cirurgia de grande porte. Dessas que fazem um belo corte no seu peito, retiram o seu coração para reparo e o devolvem com novos “acessórios” – uma válvula mecânica e uma substituição para o trecho inchado da sua aorta. O que não é pouco assustador, convenhamos.

Anestesia geral, entubação, três dias de CTI e mais uma semana de internação no hospital. É curioso pensar que, no mesmo período, algumas famílias podem ter ido, quem sabe, para a Disney. E elas se divertiram, eu imagino. Enquanto isso, eu sigo dormindo de barriga pra cima há três semanas e torço para que meu esterno calcifique bem.

Ainda assim, ao me deparar com a morte como uma possibilidade razoável, tentei fazer algumas reflexões. Como aquela música dos Titãs, “Epitáfio”. Você conhece. “Devia ter amado mais/ chorado mais/ ter visto o sol nascer”...

Eu juro que tentei ter esse tipo de sentimento antes de encarar a morte. Juro. Mas falhei, como esperado.

Ou venci, depende da perspectiva. O que sei é que esse tipo de arrependimento eu não levaria comigo. Seja lá o que fiz da minha vida até aqui – e certamente não foi nada robusto – estou satisfeito.

Cada um faz o que dá conta de fazer. Por que eu ficaria inventando de ver o sol nascer se o sono me deixa mal-humorado?

Chorar mais? Eu sou torcedor do São Paulo e moro em um país em que o Ministério da Educação consulta pastores antes de liberar verba para os municípios. Se eu for chorar por cada desgraça que me aparece, além de cardiopata, eu estaria desidratado.

“Amar mais”? Sério? Eu conheço o comportamento das pessoas no trânsito, nas reuniões de condomínio e nas redes sociais. Já vi gente furando a fila em missas. Na vida, a gente escolhe uma meia dúzia de pessoas para gostar – ama, com sorte, talvez metade delas – e já podemos nos considerar privilegiados.

No mais, é tomar cuidado com os folgados, sempre à espreita, e guardar distância dos cretinos. São os meus conselhos para a juventude.

Ainda que com um coração atordoado, por ora, sigo vivo. O que implica que esse teclado continuará a receber marteladas nervosas dos meus dedos esporadicamente. Uma alegria para mim, não vou mentir. Para a literatura é uma pena. Mas, enfim, não dá pra todo mundo sair ganhando.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 8/4/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Simplicidade ou você quer dormir brigado? de Daniel Bushatsky
02. 10 vídeos musicais no YouTube de Rafael Fernandes


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio
01. 7 de Setembro - 13/9/2019
02. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
03. A barata na cozinha - 26/10/2018
04. Eleições na quinta série - 17/9/2021
05. O Brasil que eu quero - 22/6/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês