As fezes da esperança | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> BELIZARIO 365 e GOROROBAS no aniversário da Belizario Galeria
>>> As Batalhas de Maria Auxiliadora da Silva
>>> Pará recebe projeto itinerante e gratuito que traz cultura a bordo de um caminhão
>>> Condecorada em Paris, brasileira é co-autora da maior coletânea de livros escrita por mulheres
>>> Cirandança tem inspiração na Semana de Arte Moderna e em coleção de Di Cavalcanti
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Cabelo, cabeleira
>>> Viagens e viajantes
>>> Terminar o ano correndo
>>> A imprensa dos ruivos que usam aparelho
>>> O futuro do ritual do cinema
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Abelhas afogadas em mel
>>> Desconstruindo o Russo
>>> Ode a Pablo Neruda
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra de Sun Tzu pela Principis (2019)
>>> Ricardinho, o Pequeno Grande Sonhador de Ricardo Cabello pela Literare Books (2018)
>>> A História de Dani-boy de Alberto Alecrim pela Rocco Jovens Leitores (2015)
>>> Voltando no Tempo de Eudoxia Ribeiro Dantas pela 7l (1998)
>>> Teatro Em Bar: um Diálogo Com o Criador de Elisete Teixeira pela Thesaurus (2011)
>>> Casseta e Planeta Apresenta as Melhores Piadas do Planeta de Beto Silva e Outros pela Objetiva (2001)
>>> A Dinâmica do Sagrado (novo) de Renata de Castro Menezes pela Relume Dumará (2004)
>>> Meditações para a Noite de Osho pela Verus (2006)
>>> Mentes Perigosas: O Psicopata Mora Ao Lado de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Principium (2022)
>>> Entrega Especial de Danielle Steel pela Record (2009)
>>> Hathor de Markus Thayer pela Novos Talentos (2010)
>>> Cinema Transcendental: um Guia de Filmes Sobre a Vida Após a Morte de Lyn e Tom Davis Genelli pela Pensamento (2014)
>>> Renoir An Investigation Into His Films and Philosophy de Pierre Leprohon pela Crown Publishers (1967)
>>> Como Cuidar do Seu Meio Ambiente de Desconhecido pela Bei (2002)
>>> Gran Cabaret Demenzial de Veronica Stigger pela Cosac & Naify (2018)
>>> Mas será que nasceria a macieira? de Alê Abreu. Priscilla Kellen pela FTD (2010)
>>> Guia de Proteção Respiratória Industrial de Cleber Corrêa Vieira pela All Print (2006)
>>> O Cavaleiro Preso na Armadura de Robert Fisher pela Record (2020)
>>> Curso de Direito Penal - Volume 2 de Guilherme de Souza Nucci pela Forense (2017)
>>> O Adeus a Glorytown de Eduardo F. Calcines pela Nossa Cultura (2011)
>>> Curso de Direito Penal - Volume 2 de Guilherme de Souza Nucci pela Forense (2017)
>>> Zodíaco do Amor de Coleção Zodíaco pela Mediafashion (2008)
>>> A Maldição do Tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2011)
>>> Tudo Isso e Mais Aquilo as Comunicaçoes na Perspectiva do Jornalismo de Carlos Eduardo Zanatta pela Vz (2008)
>>> Seca no Nordeste Desafios e Soluções de Edith Oliveira de Menezes pela Atual (2019)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/7/2022
As fezes da esperança
Luís Fernando Amâncio

+ de 6100 Acessos

Em uma mesma manhã, presenciei duas cenas que me levaram da desesperança à fé em um futuro melhor.

A primeira aconteceu em um supermercado. Eu saía com minhas compras – três itens e três dígitos de desfalque no cartão de crédito, como habitual. E, no sentido contrário, um homem discutia com o segurança.

– Então chama o gerente. É um absurdo me barrarem por não usar máscara! Isso não tem embasamento sanitário ou jurídico. Vocês vão cobrar também a cartela de vacinação?

O nervosinho mentia. Há embasamentos científicos e jurídicos para a abordagem. Em Belo Horizonte, o uso de máscaras em lugares fechados voltou a ser obrigatório desde o dia 14 de junho, através de decreto municipal. Mas, como não tenho paciência para defensores do direito de “expor os outros às gotículas de saliva”, segui o meu caminho. Triste, confesso. Qual a dificuldade em usar uma máscara no rosto?

Metros adiante, presenciei a segunda cena. A da esperança. Ela começa com fezes abandonadas em frente a um prédio em que funcionam duas agências bancárias. Não posso afirmar se eram excrementos humanos. Pela proporção, entretanto, me atrevo a dizer que a matéria não seria proveniente de um cachorro pequeno.


Curiosamente, as duas agências bancárias são especiais. Não integram a categoria daquelas em que você enfrenta fila para se decepcionar com seu extrato nos caixas eletrônicos, ou retira a senha para, uma hora depois, ser assediado com a oferta de títulos de capitalização.

São agências prime. Ou personnalité. Afinal, o requinte só é legítimo quando escrito em língua estrangeira. São filiais exclusivas para os clientes VIPs tomarem um cafezinho enquanto discutem com seus gerentes a sigla da vez para investir. E nenhuma delas é título de capitalização. Isso em um ambiente projetado com muita madeira e plantas artificiais que, diferente das que encontramos nas outras agências, parecem-se muito com as naturais.

Enfim. Voltemos para as fezes. No curto período em que observei a cena – pode não parecer, mas tenho ocupações – vi senhores e senhoras, trajando a elegância que o inverno permite, desviando das fezes com desagravo. Torcendo o nariz para demonstrar repugnância.

E isso me deu esperanças.

É sério. Eu pensava que as pessoas andam anestesiadas demais para sentir asco. Que haviam normalizado, para usar uma palavra da moda, a desgraça. Não se importavam mais com o mau cheiro do que encontravam por aí.

Um exemplo fácil é a gasolina. Anos atrás, um aumento de alguns centavos era o suficiente para se instaurar um clima de guerra civil. Repórteres, direto de postos de gasolina, davam o microfone à voz das ruas, que salivava contra o governo. Hoje, com aumentos bem mais robustos, nada acontece. Ou melhor, pouco. A cada anúncio de aumento, nossos bravos motoristas só lançam mão de uma estratégia: abastecer o máximo possível suas máquinas antes do próximo aumento.

Foi um exemplo banal. As notícias ruins são tantas e as reações, tão tímidas, que eu jurava que o espírito nacional estava morto. Ou, ao menos, adormecido. Os assassinatos de Bruno Pereira e Dom Phillips são ultrajantes. Um horror. Que se soma a um longo histórico de execuções de ativistas que deveria envergonhar até os bebês que nascem no Brasil. Porém, parece que se revoltar com esse tipo de crime é “ser de esquerda”. Vide a dificuldade do presidente em ao menos manifestar sincero pesar com a brutalidade.

E já que o tema é governo, horror ali é o que não falta. O mais recente escândalo, o dos pastores ditando o destino das verbas no Ministério da Educação, é um retrato da pilhagem em que nos encontramos. Estamos no quarto ano da presidência de Bolsonaro e talvez o MEC seja a pasta que mais concentrou lunáticos no seu comando. Um feito, já que a concorrência é grande. Entre olavistas e pastores, a educação ficou relegada a interesses políticos. O escândalo que rendeu a prisão de Milton Ribeiro é só a ponta de um iceberg de desmontes que atingem também outros ministérios.

Os exemplos poderiam se alongar, mas já extrapolei meu espaço. O importante é que, apesar de tudo demonstrar que o brasileiro atualmente aceitaria as piores desgraças com a mais pavorosa inércia, há um sinal vital. As pessoas ainda se repugnam com fezes. Torcem o nariz. Desviam do caminho.

Logo, há chances do gigante acordar. Afinal, merd* é o que não falta por aí.

Nota do Editor
Leia também "Pelo Fim da Palavra VIP".


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 1/7/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do outro lado, por Mary del Priore de Ricardo de Mattos
02. Voltam os Clones de Juliano Maesano


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2022
01. Epitáfio do que não partiu - 8/4/2022
02. As fezes da esperança - 1/7/2022
03. Mamãe falhei - 11/3/2022
04. Uma alucinação chamada dezembro - 11/2/2022
05. A pior crônica do mundo - 23/9/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jesus Viveu na Índia
Holger Kersten
Best Seller
(1988)



Livro - Sangue Estranho - Coleção Negra
Lindssay Ashford
Record
(2009)



Ideologia Terceiro-mundista e a Realidade Ocidental
Carlos Rangel
Nordica
(1989)



O Preço da Inocencia
David Ignatius
Record
(1987)



Livro Orange
Osho
Cultrix
(1994)



Eu e Voce, Voce e Eu
Martha Mendonça & Nelito Fernandes
Record
(2009)



Livro - A Nova Ordem Ecológica - a Árvore, o Animal, o Homem
Luc Ferry
Ensaio
(1994)



Sua Mala Está Pronta ?
Admir Serrano
petit
(2009)



Pescando Almas Em Águas Turbulentas (2000)
Carlos Roberto David
Hosana
(2000)



Quatre Cours de Mathématiques
A. Markouchévitch
Mir
(1973)





busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês