As fezes da esperança | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Barsa versus o Google
>>> Sobre a mulher que se faz de vítima
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
Mais Recentes
>>> Livro Na Vida Dez, Na Escola Zero de Terezinha. Carraher pela Cortez (1994)
>>> Livro Voce Verdadeiramente Nasceu De Novo Da Agua E Do Espirito? de Paul C. Jong pela Hephzibá (2002)
>>> Livro Luz no lar de Francisco Cândido Xavier por Diverso Espíritos pela Feb (1968)
>>> Livro As Perspectivas Construtivista e Histórico-cultural na Educação Escola de Tania Stoltz pela Ibpex (2008)
>>> Livro El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/7/2022
As fezes da esperança
Luís Fernando Amâncio
+ de 8100 Acessos

Em uma mesma manhã, presenciei duas cenas que me levaram da desesperança à fé em um futuro melhor.

A primeira aconteceu em um supermercado. Eu saía com minhas compras três itens e três dígitos de desfalque no cartão de crédito, como habitual. E, no sentido contrário, um homem discutia com o segurança.

Então chama o gerente. É um absurdo me barrarem por não usar máscara! Isso não tem embasamento sanitário ou jurídico. Vocês vão cobrar também a cartela de vacinação?

O nervosinho mentia. Há embasamentos científicos e jurídicos para a abordagem. Em Belo Horizonte, o uso de máscaras em lugares fechados voltou a ser obrigatório desde o dia 14 de junho, através de decreto municipal. Mas, como não tenho paciência para defensores do direito de expor os outros às gotículas de saliva, segui o meu caminho. Triste, confesso. Qual a dificuldade em usar uma máscara no rosto?

Metros adiante, presenciei a segunda cena. A da esperança. Ela começa com fezes abandonadas em frente a um prédio em que funcionam duas agências bancárias. Não posso afirmar se eram excrementos humanos. Pela proporção, entretanto, me atrevo a dizer que a matéria não seria proveniente de um cachorro pequeno.


Curiosamente, as duas agências bancárias são especiais. Não integram a categoria daquelas em que você enfrenta fila para se decepcionar com seu extrato nos caixas eletrônicos, ou retira a senha para, uma hora depois, ser assediado com a oferta de títulos de capitalização.

São agências prime. Ou personnalité. Afinal, o requinte só é legítimo quando escrito em língua estrangeira. São filiais exclusivas para os clientes VIPs tomarem um cafezinho enquanto discutem com seus gerentes a sigla da vez para investir. E nenhuma delas é título de capitalização. Isso em um ambiente projetado com muita madeira e plantas artificiais que, diferente das que encontramos nas outras agências, parecem-se muito com as naturais.

Enfim. Voltemos para as fezes. No curto período em que observei a cena pode não parecer, mas tenho ocupações vi senhores e senhoras, trajando a elegância que o inverno permite, desviando das fezes com desagravo. Torcendo o nariz para demonstrar repugnância.

E isso me deu esperanças.

É sério. Eu pensava que as pessoas andam anestesiadas demais para sentir asco. Que haviam normalizado, para usar uma palavra da moda, a desgraça. Não se importavam mais com o mau cheiro do que encontravam por aí.

Um exemplo fácil é a gasolina. Anos atrás, um aumento de alguns centavos era o suficiente para se instaurar um clima de guerra civil. Repórteres, direto de postos de gasolina, davam o microfone à voz das ruas, que salivava contra o governo. Hoje, com aumentos bem mais robustos, nada acontece. Ou melhor, pouco. A cada anúncio de aumento, nossos bravos motoristas só lançam mão de uma estratégia: abastecer o máximo possível suas máquinas antes do próximo aumento.

Foi um exemplo banal. As notícias ruins são tantas e as reações, tão tímidas, que eu jurava que o espírito nacional estava morto. Ou, ao menos, adormecido. Os assassinatos de Bruno Pereira e Dom Phillips são ultrajantes. Um horror. Que se soma a um longo histórico de execuções de ativistas que deveria envergonhar até os bebês que nascem no Brasil. Porém, parece que se revoltar com esse tipo de crime é ser de esquerda. Vide a dificuldade do presidente em ao menos manifestar sincero pesar com a brutalidade.

E já que o tema é governo, horror ali é o que não falta. O mais recente escândalo, o dos pastores ditando o destino das verbas no Ministério da Educação, é um retrato da pilhagem em que nos encontramos. Estamos no quarto ano da presidência de Bolsonaro e talvez o MEC seja a pasta que mais concentrou lunáticos no seu comando. Um feito, já que a concorrência é grande. Entre olavistas e pastores, a educação ficou relegada a interesses políticos. O escândalo que rendeu a prisão de Milton Ribeiro é só a ponta de um iceberg de desmontes que atingem também outros ministérios.

Os exemplos poderiam se alongar, mas já extrapolei meu espaço. O importante é que, apesar de tudo demonstrar que o brasileiro atualmente aceitaria as piores desgraças com a mais pavorosa inércia, há um sinal vital. As pessoas ainda se repugnam com fezes. Torcem o nariz. Desviam do caminho.

Logo, há chances do gigante acordar. Afinal, merd* é o que não falta por aí.

Nota do Editor
Leia também "Pelo Fim da Palavra VIP".


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 1/7/2022

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
02. Em defesa da arte urbana nos muros de Fabio Gomes
03. Os desajustados de Elisa Andrade Buzzo
04. Festa ou casamento? de Daniela Sandler
05. Noblesse Oblige de Alexandre Soares Silva


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Lus Fernando Amncio em 2022
01. As fezes da esperança - 1/7/2022
02. Epitáfio do que não partiu - 8/4/2022
03. Mamãe falhei - 11/3/2022
04. A pior crônica do mundo - 23/9/2022
05. Uma alucinação chamada dezembro - 11/2/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Física. Contexto & Aplicações - Volume 1
Varios Autores
Scipione
(2011)



O Presente do Meu Grande Amor - Doze Histórias de Natal
Stephanie Perkins
Intrínseca
(2014)



A Reforma Trabalhista na Visão da Ajd Análise Crítica
Laura Rodrigues Benda
Casa do Direito
(2018)



A Grande Pirâmide
Tom Valentine
Nova Fronteira
(1976)



Livro Infanto Juvenis Sai pra Lá!
Ana Terra
Larousse do Brasil
(2008)



Mireille - Capa Dura - Raro
Frédéric Mistral / G. Nick Ilustrador
Librairie Delagrave
(1932)



Irmãos Unidos
Francisco Cândido Xavier / Vários Espíritos
Geem
(1988)



À Noite
Helga Bansch
Fisicalbook
(2017)



Private - Suspeito nº 1
James Patterson
Arqueiro
(2013)



Livro Literatura Brasileira Em Câmara Lenta
Renato Tapajós
Carambaia
(2022)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês