Discos de MPB essenciais | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Lady gaga de Brandon hurst pela Madras (2010)
>>> Orientaçoes curriculares para o ensino medio--1--linguagens,codigos e tecnologias. de Mec pela Mec
>>> Vida silvestre:o estreito limiar entre preservaçao e destruiçao. de Coordenadora angela maria branco pela Dupligrafica (2007)
>>> Grandes imperios e civilizaçoes--frança--volumes:1 e 2. de Delprado pela Delprado
>>> Cerrado e pantanal--areas e açoes prioritarias para conservaçao da biodiversidade. de Ministerio do meio ambiente pela Mma (2007)
>>> Contabilidade - Escola de Administração Fazendária - ESAF de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2014)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
COLUNAS >>> Especial Discoteca Básica

Terça-feira, 14/6/2011
Discos de MPB essenciais
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O universo da música popular brasileira é extraordinário, seja na criação, interpretação ou no ramo puramente instrumental. Às vezes, a invenção brilha num único artista a partir de vários gêneros de criação, como em Baden Powell e João Bosco, que são excelentes instrumentistas, brilhantes compositores e intérpretes ao mesmo tempo. Temos a sorte de ter cantoras divinas como Elis Regina, Nana Caymmi, Astrud Gilberto, Bethânia e Gal Gosta (o que já nos dá o êxtase suficiente para continuarmos vivos). Temos a sorte ainda de sentir os ares e a poesia de Minas Gerais em artistas como Beto Guedes, Toninho Horta, Milton Nascimento e Lô Borges. Temos o rock pujante do Titãs (antes da meleca sentimental dos últimos discos), Cazuza, O Rappa, Lobão e Herbert Vianna. Temos ainda Luiz Melodia, Tom Jobim, Bebel Gilberto, Maria Rita, Chico Buarque e tantos outros artistas imperdíveis, uns mais ou menos geniais que os outros, mas sempre instigantes.

Há um universo de música medíocre também, que dói o ouvido e nos causa repulsa: Daniela Mercury (apesar de bela voz, o repertório é enlatado), Pitty (canta mal, letras infantis, composições ralas, dá enjôo e causa irritação), Ivete Sangalo (bela voz, belas pernas, mas repertório também enlatado). Todas elas, como outras da mesma espécie (inclua-se os "sertanojos"), terminarão no lixão da história.

Impossível fazer uma lista justa dos grandes artistas da MPB. Felizmente eles são muitos, contra a mediocridade que rola ao lado. Minhas escolhas serão guiadas não por uma ordem hierárquica de valor entre os realmente importantes, mas como resultado da afetação absolutamente particular e subjetiva que determinados discos me causaram. Claro que o valor que eles ocupam na MPB entrará de alguma forma no julgamento das escolhas.

Primeiro as damas, afinal somos cavalheiros: de Gal Costa indico o CD Live at the Blue Note, gravado em 2006 (EMI) no templo do jazz americano. O repertório do disco é composto de clássicos da bossa nova, de autoria de Tom Jobim, Carlos Lyra, Vinicius de Moraes, como "Fotografia", "Desafinado", "Chega de saudade", "Corcovado", "Garota de Ipanema", "Coisa mais linda", entre outras músicas de Dorival Caymmi, Ary Barroso. Ainda apresenta "As time goes by" e "I fall in love too easily", clássicos da música popular americana. Acompanhada por uma banda jazzística de contra-baixo acústico, bateria, violão e sax, a voz de Gal está delicada em seus vibratos, com a voz bem centrada e capaz de nuances e detalhes delicados, enquanto permanece vibrante de vida e sentimento, impondo-se com apaixonada presença.

Adriana Calcanhoto produziu uma série de CDs deliciosos, entre os quais cito Senhas (Columbia), com composições da cantora e de outras pessoas. Entre elas destaco "Tons", dedicada ao pintor Iberê Camargo, composta com versos de uma única palavra. Também a apaixonante "Mentiras" e a música que dá título ao CD, "Senhas". No geral, o disco é todo agradável de ouvir, seja pela bela poesia, pela voz de Calcanhoto ou pelos arranjos bem trabalhados em sintonia com as letras. Adriana é apaixonada pela poesia (principalmente aquela produzida pelo que Pound chamou de "poetas inventores"), cinema e artes plásticas e casa muito bem suas paixões artísticas com a música que produz.

De Elis Regina eu indico tudo o que passou por sua voz. Creio que Elis é tão genial intérprete como as divas do jazz Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan ou Billie Holiday o foram. Sua voz é marcadamente dramática, evoluindo conforme o sentido das canções que interpreta, passando de ruminantes sofrimentos ao exaltado riso de alegria ou ao grito lancinante de dor, enlouquecendo os excelentes bateristas, guitarristas, baixistas e saxofonistas que sempre a acompanharam. Sua imperativa e intempestiva presença no palco, aliada à sua voz poderosa, a transformava na cantora que mais despertava emoções nos espectadores através de suas performances.

De Caetano Veloso eu indico Circuladô (Polygram), pelas belas letras e pelo experimentalismo das canções "Circuladô de fulô" (a partir de trechos do livro Galáxias de Haroldo de Campos) e "Ela ela", com os improvisos cubistas da guitarra de Arto Lindsay. E como não se deliciar com as músicas "Itapuã", "Neide Candolina" (a professora negra que comprou um gol com o dinheiro que ganhou ensinando português) e "Lindeza"? Vale ainda destacar a genial "A terceira margem do rio", música de Milton Nascimento e letra de Caetano, inspirada no conto homônimo de Guimarães Rosa.

Quanto a Chico Buarque eu não tenho dúvidas quanto à beleza de todos os seus trabalhos. Mas destaco um dos CDs que admiro muito, que é o Chico Buarque ao vivo Paris ― Le Zenith, lançado em 1990. Aqui transparece aquela emoção do show ao vivo, com sua vibração própria. O CD abre com a dramática "Desalento", passa por "Gota d'Água", um clássico do nosso cancioneiro. Chico não descuida de uma interpretação dramática, que os instrumentos não deixam cair jamais, acentuando a emoção cortante da composição. E a poesia nos leva para outras emoções profundas em "As vitrines" e "Todo o sentimento". São no total 25 músicas, uma mais intensa que a outra, não deixando de pender também para o lado alegre da vida, onde o samba nos salva de tanta dor e desolação. Ouça-se "Palavra de mulher" e temos um Chico transfigurado em emoção pura. Os músicos que o acompanham são por si só um show de criação: Cristovão Bastos no teclado, no baixo, Luiz Claudio Ramos no violão, Chico Batera e Mestre Marçal na percussão. De Chico Buarque, me contento em catar a poesia que ele entorna no chão.

Também Luiz Melodia nos presenteou com um CD gravado ao vivo. Trata-se de Luiz Melodia acústico ao vivo. São apresentadas 25 canções do mestre carioca do Estácio, entre as quais "Fadas", "Pérola Negra", "Magrelinha" e "Codinome Beija-Flor" (que a partir de sua genial interpretação nos impede de voltar a ouvi-la na voz de Cazuza). Se Luiz Melodia é nossa pérola negra, que brilha mais que qualquer diamante, para que dizer mais?

A EMI editou juntos dois CDs de Beto Guedes, que vale ter em casa: Amor de índio e A página do relâmpago elétrico. Relembrar canções como "Nascente", "Lumiar", "Amor de índio" e "Feira moderna" já valem a compra do CD. Entre tantas músicas (30 nos dois CDs) somos levados ao interior da sensibilidade dos mineiros, sua poesia simples e ao mesmo tempo profunda. Sentimos a fusão entre experimentalismo, a canção popular e o rock dos Beatles transmutados numa música única que não está em outro lugar senão em Beto Guedes.

"Por tanto amor, por tanta emoção", agora vamos falar de Deus: Milton Nascimento. O CD Caçador de mim já dá conta de tornar o compositor um ser das alturas. O CD compõe-se de músicas que se tornaram clássicas no repertório de Milton, como "Cavaleiros do céu", "Caçador de mim", "Nos bailes da vida", "Notícias do Brasil". Com seu parceiro Fernando Brant, Milton consegue a proeza de gerar canções de profunda competência técnica, aliadas à capacidade de produzir a mais fina emoção no ouvinte. Sua voz brilha no nosso inconsciente nos dizendo que com sua música a vida valeu a pena, vale e valerá.

Da música instrumental brasileira popular, vou destacar apenas três discos, avisando que o universo dessa música é mais amplo do que suporta nosso espaço aqui (por exemplo, o trumpestista Marcio Montarroyos e o clarinetista Paulo Moura). Mas chamarei a atenção apenas para dois músicos: Toninho Horta e Yamandú Costa. Os dois encarnam a criação e a invenção em estado puro, com a capacidade de filtrar influências e torná-las outra coisa, mais rica, brilhante, emocionante. O primeiro CD de Yamandú, com título homônimo, é vasto em confluências de estilos que variam da música popular gaúcha, ao samba, chorinho e jazz ― no entanto, é apenas Yamandú que comanda a criação, que é dele, apenas dele. As apresentações ao vivo do artista nos mostram o quanto a competência e a possessão emocional pela música ainda é um assunto sério na arte. Toninho Horta, com Diamond Land (Diamantina) e Durango Kid (Big Word Music), nos mostra uma inventividade rara, fazendo do violão e da guitarra um campo presentificador das memórias e emoções vastas das montanhas e do povo de Minas. Dizem que Pat Metheny copiou o estilo de tocar de Horta. Isso é visível.

Chamo a atenção agora para o CD The essencial Airto featuring Flora Purim (Buddha), editado nos EUA. Com a participação de Ron Carter, Sivuca e Hermeto Pascoal, o disco é um campo de experimentações que transfiguram várias referências, do jazz à música nordestina, do berimbau da capoeira à bossa nova.

Do nosso rock pesado em qualidade destaco do Titãs o CD Cabeça Dinossauro, disco que revelou as transgressivas "Polícia", "Família", "Primata" e "Igreja". É uma pena que o Titãs tenha abandonado seu lado rebelde e se tornado, nas últimas produções, esse xarope emocional para adolescentes espinhentos de classe média e de gosto duvidoso.

Lobão é nosso primeiro e mais autêntico roqueiro encarnado. Seus discos são ótimos, mas sugiro a audição atenta de Universo Paralelo (na capa aparece apenas Lobão), da safra dos discos vendidos em banca de revista. Neste CD Lobão comunga com o rock dramático em composições como "El desdichado", "A vida é doce", "Tão longe, tão perto". São músicas pesadas com forte ingrediente emocional e letras belíssimas (não é só Cazuza que é o poeta do rock no Brasil, comprova esse Lobão). Há também músicas que não lembram Lobão, como as bossanovíssimas "Ipanema no ar", "Vou te levar", "Uma delicada forma de calor". Lobão talvez ensinando de que forma se deveria fazer bossa nova nos termos contemporâneos. Creio ser um disco imperdível.

Herbert Vianna gravou alguns discos solos que são primorosos. Sugiro ao leitor ouvir "O Som do Sim", com participações especiais de Cássia Eller, Fernanda Abreu, Nana Caymmi, Moreno Veloso e outros. A "História de uma bala" é emocionante. "Partir, andar" é translúcida em seu sentimento melancólico, como também o é "Eu não sei nada". O ideal é encontrar todos os CDs solos de Herbert e... boa viagem! Criatividade, elegância, refinamento, emoção sincera.

Como classificar o Rappa? Eu não sei. Deles eu tenho todos os CDs e ouço tudo o que criaram e ouvirei tudo o que vierem a criar. São formidáveis músicos, de uma inteligência crítica aguda. Não são panfletários, pois para eles a música é o que importa. Embora nos mostrem os abismos sociais, nos encantam e elevam com sua criatividade. Indico todos os discos e que se ouça sem parar, pois são admiráveis.

Cássia Eller é nossa cazuza de saias. Morreu jovem, mas deixou energia musical de sobra para quem gosta do verdadeiro rock. Os CDs dela são sempre vibrantes, mas indico o de 1992, com seu nome na capa, ela vestida de calcinha (ou cueca). Lá estão "All Star", "Eu sou neguinha" de Caetano, "Little Wing" de Hendrix, entre outras, sempre na clave da potência máxima do estar no mundo com uma postura rock and roll, ou seja, rock aqui é rock mesmo (sim, diferente de Cássia Eller, há rock enlatado andando por aí, pura mise-en-scène vazia).

Para finalizar a lista, ninguém melhor que nosso Rimbaud do rock nacional: Cazuza. Pela impertinência de suas letras, pela rispidez, agressividade, insanidade, amor à vida e à morte, contidos na sujeira de sua voz e na sua postura existencial, indico "Ideologia" como um disco emblemático do rock brasileiro. Como se a voz sufocada pela ditadura encontrasse eco na impertinência crítica e inquieta desse roqueiro. Delicado e selvagem, como o foram os poetas beats e Rimbaud, Cazuza deu voz ao nosso desejo de crítica, de rebeldia, de transgressão, no mais puro rock-blues que se pode ouvir em nossas paragens. São desse CD as já clássicas "Vida fácil", "Faz parte do meu show", "Obrigado por ter se mandado", "O assassinato da flor", "Boas novas" e outras.

Que os leitores que não conhecem ainda estes CDs se sintam chamados à sua audição e os que os conhecem que voltem a ouvi-los, é o que desejo com essa lista.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
02. O Jagunço degolado de Wellington Machado
03. O experimento de J. K. Rowling de Marta Barcellos
04. Notas Obsoletas sobre os Protestos de Duanne Ribeiro
05. Bafana Bafana: very good futebol e só de Vicente Escudero


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


Mais Especial Discoteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/8/2011
00h19min
Tudo demais de bom... ótimas indicações e considerações, com apenas uma ressalva de minha parte: A Elis não é a cantora que mais despertou paixões e arrebatou públicos, e sim a Bethânia, que nunca passou por altos e baixos, sempre me mantendo cada vez mais alta em sua carreira. A Elis cantava a sua vida dramática e perturbada, enquanto a Bethânia, alegre por natureza, usa da sua veia dramática para interpretar o que lhe cai nas mãos. Aí mora a grande diferença entre as duas. É isso. Parabéns pelo artigo.
[Leia outros Comentários de juanmarkus777]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FLASH 4 PARA PROFISSIONAIS DA WEB
LYNN KYLE
MAKRON BOOKS
(2000)
R$ 25,87



OS ¨QUEBRA-SANTOS¨: ANTICLERICALISMO E REPRESSÃO PELO DEOPS/SP
EDUARDO GÓES DE CASTRO
HUMANITAS
(2007)
R$ 38,00



ALCIE ATRAVÉS DO ESPELHO
LEWIS CARROLL
CIRANDA CULTURAL
(2019)
R$ 14,90



PERTURBAÇÕES ESPIRITUAIS
DIVALDO P. FRANCO / MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA
LEAL
(2015)
R$ 40,00



TEXTBOOK OF RADIOTHERAPY
GILBERT H. FLETCHER
LEA & FEBIGER
(1973)
R$ 155,52



FORÇA ESTRANHA
NELSON MOTTA
SUMA DE LETRAS
(2009)
R$ 5,00



PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SUSÍDIOS PARA UM TRABALHO EFICIENTE
GLÁUREA BASSO DOS SANTOS; SUELI PARADA SIMÃO
ÁTICA
(1987)
R$ 7,00



MODERNOS - GÊNIOS DA PINTURA
VÁRIOS AUTORES
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 25,00



PSICOLOGIA DA CRIANÇA
LANNOY DORIN
DO BRASIL
(1978)
R$ 6,90



MANUAL DE QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSTICA
SELMA MONTOSA DA FONSECA E OUTROS
REICHMANN E AUTORES EDITORES
(2000)
R$ 9,33





busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês