Mahler titânico pelo maestro Henrique Lian | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/3/2007
Mahler titânico pelo maestro Henrique Lian
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3200 Acessos

"A noite é profunda, e mais profunda do que o dia imaginava".
(Nietzsche em Zaratrustra)

A música de Mahler (1860-1911) situa-se entre a decadência do romantismo e as inovações vanguardistas do início do século XX. Mas, aquém das inovações de Debussy, que desrespeita o sistema tonal porque percebe que sua gramática, sem que ele o queira, o obriga a dizer coisas que não quer dizer, Mahler aponta para a crise que se estabelecerá na música ocidental sem, no entanto, deixar vazar as tensões que a dilacerariam.

Tomadas como um todo, suas sinfonias representam estágios de uma viagem espiritual incompleta, cujo fim não pode ser atingido nesta vida, segundo avaliação de Philip Barford, no seu excelente livro Mahler: sinfonia e canções. Esta avaliação traduz também muito do que foi a arte fin-de-siècle, onde mais do que a realidade espiritual de uma época, todas as formas de cultura estabelecidas estariam sendo testadas até a destruição.

Talvez quem tenha feito a travessia com mais segurança seja Schöenberg, que indicou os novos caminhos da música, passando do expressionismo à abolição do sistema tonal que dominava há centenas de anos a música do Ocidente. A criação do método dodecafônico, que tecnicamente falando consiste em utilizar os doze graus da escala cromática sem qualquer relação hierárquica entre eles, representava a necessidade de organizar a desorientação produzida pela crise da tonalidade. Filosoficamente falando, a ruptura com o sistema tonal representava a recusa de uma estrutura que não dava mais conta da nova maneira de encarar o mundo e de existir num mundo onde o humanismo se espatifava.

A tradução dessas inovações que se seguiriam foram levadas a cabo pelo grupo que ficou conhecido como a Escola de Viena, cujos gênios criadores seriam, além de Schöenberg, os também austríacos Alban Berg (1885-1935) e Antón Webern (1883-1945).

No meio dessa turbulência européia encontrava-se o compositor russo Igor Stravinsky (1882-1971), também inovador, se pensarmos na obra A Sagração da Primavera, e que representava o momento de recuperação dos folclores regionais, adotando a influência do jazz (de raízes africanas), usando instrumentos de percurssão de culturas consideradas exóticas no contexto europeu (asiáticas, africanas ou americanas). Vale lembrar para este caso a música de Villa-Lobos, Béla Bartok e Smetana. Essa opção folclórica, no fim das contas, acabou sendo muito criticada pelos vanguardistas, especialmente por aqueles que identificavam o progresso musical com a técnica própria da sociedade industrial e menosprezavam tudo o que vinha do mundo rural.

Onde se situa a obra de Malher no contexto de uma mudança radical e profunda que se operava no campo da harmonia tonal? Que tipo de música criou o maestro enquanto este edifício velho de mais de trezentos anos desmoronava-se? Suas sinfonias são apenas o resultado de uma adesão a uma espécie de romantismo tardio que o situava entre a arte pós-wagneriana e a nova música que queria desabrochar? Mahler tentou expandir a tonalidade sem, no entanto, se deixar perder o controle?

Entender essa música de fronteira é o que faz o excelente livro Sinfonia titã: semântica e retórica (Perspectiva, 2005, 102 págs.), do Maestro e historiador da arte Henrique Lian, publicado pela editora Perspectiva.

Antes de entrar no mérito específico do livro, vale lembrar que existe uma tradição rara e interessante que é a de músicos, maestros e escritores que se debruçam sobre obras alheias para entendê-las e explicá-las para si mesmos e para o público. Nesse sentido, a mais interessante obra é a do compositor Charles Gounod, que comentou o Don Giovanni, de Mozart, trecho por trecho, nos dando uma aula ímpar sobre a obra que ele tanto conhecia e amava. Também temos Debussy como crítico de música ou Berlioz escrevendo sobre a obra de Beethoven. Na literatura temos Baudelaire escrevendo no calor da hora sobre a ópera Thannhäuser, de Wagner. Como temos Richard Wagner escrevendo filosoficamente de forma grandiosa não só sobre Beethoven, mas também sobre o sentido da música.

Agora temos o prazer de poder desfrutar "da mais penetrante análise da sinfonia Titã existente na literatura sobre Mahler", como diz Luiz Marques, prefaciador do livro do maestro Lian. Mais do que apenas analisar internamente a referida obra de Mahler (o que já é sublime), com uma arqueologia da composição Sinfonia Titã, Lian nos apresenta toda a problemática da situação da música do compositor no seu contexto filosófico-cultural. O autor do livro, da sua posição de regente (e Mahler também o era, além de ser compositor), ilumina elemento a elemento a sinfonia Titã desdobrando sua análise para a abrangência que a composição teria nesse contexto desagregador da música fin-de-siècle a que nos referimos acima. Este tipo de abordagem faz cair por terra, evidentemente, várias generalizações críticas das quais Mahler foi sempre vítima. E avançando na leitura de Lian podemos ver provado que onde existia a idéia de fraqueza, passa-se a ver, como dizia Boulez, "uma de suas maiores forças".

O livro Sinfonia Titã pode ser dividido em várias partes: a primeira, discutindo a problemática do significado da música no embate teórico entre os formalistas ("forma é o conteúdo da música") e os conteudistas (comunicação emocional e intelectual da música). Ainda nesta parte discute a sua própria referência analítica, que é a semântica da música de Mahler, dizendo que o compositor seria o músico perfeito para a retomada desta abordagem. A obra do compositor pensada, então, sobre a confluência de vários prismas como o biográfico e o musical ampliando o entendimento extramusical do uso de citações, paródias, efeitos descritivos e metáforas.

A segunda parte do livro discute a obra de Mahler e sua modernidade no contexto da discussão estética da época, já entendendo-a profundamente a partir da chave semântica de leitura. Daí a conclusão de que a obra do compositor não pode ser lida apenas numa clave, já que "homem de ampla cultura humanística, curiosidade natural e agitado mundo interior, o compositor fez de sua obra sinfônica um universo em que abundam referências de variadas esferas da cultura, expressas em códigos musicais e um verdadeiro mosaico de referências e citações, quer consideradas em si próprias ou em relação à história da música".

A parte seguinte do livro estuda a ironia romântica e a ironia mahleriana, apontando Mahler como "um autor que encarna e sintetiza o dilema idealismo/realismo, manifestando uma música que é ao mesmo tempo continuidade e ruptura com a tradição romântica". Em Mahler "a multiplicidade de elementos sonoros favorece o paradoxo (condição mesma do homem fin-de-siècle), a contradição (coragem necessária desse homem) e a surpresa (caráter imponderável da vida)".

Finalmente, a última parte do livro se detém, em vários capítulos, a discutir minuciosamente a Sinfonia Titã para chegar à conclusão de que a obra "surgiu como ponto de interseção (e interrogação) entre o mundo confessional e idealista do romantismo, pleno de referências pragmáticas e extramusicais, e o elemento embrionário da música moderna".

Como reflexo de uma consciência em crise, pois o próprio Mahler dizia que toda a sua vida (sua experiência e sofrimento) está contida nas suas sinfonias, esta primeira sinfonia marca desde já a maturidade do compositor, traduzida numa marca pessoal que lhe custou, mesmo entre a elite intelectual, uma falta de compreensão devida. Mescla de familiaridade e estranheza, esta obra provocou no ouvinte um certo desconforto, diferente da rejeição imediata que a Sagração de Stravinsky produziu. Num primeiro momento reconhecimento da forma musical, depois um estranhamento dadas as referências filosóficas que habitavam a alma de sua música. E, melhor dizendo, nas palavras de Henrique Lian, "em Mahler a obra de arte deixa de ser um suporte para a comunicação de uma idéia para, pioneiramente, transformar-se, ela mesma, na própria idéia". Não estaríamos aqui, então, diante da assertiva de Schiller de que "na verdadeira obra de arte a forma mata o conteúdo"?

Talvez T. W. Adorno, que fez uma tese de mestrado sobre Mahler, seja quem melhor expressou o significado da música de Mahler enquanto crise da consciência de uma época aos pedaços: "Cada sinfonia de Mahler é uma pergunta de como, das ruínas do mundo objetivo, uma totalidade viva pode levantar".

Mas, então a obra de Mahler seria apenas essa grande interrogação? Ora, as grandes obras são um trabalho de exploração, que, como diria Whitehead, levantam principalmente uma porção de lebres para que as pessoas cacem.

Henrique Lian, com seu livro Sinfonia Titã, fez uma excelente caça, nos fazendo retomar a audição de Mahler tão apaixonadamente e sabiamente quanto o fora no momento em que o compositor foi redescoberto por Visconte no filme Morte em Veneza (baseado no romance de Thomas Mann, outra genial obra que traz dentro de si a crise da cultura do fin-de-siècle).

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 5/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes
02. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
03. Nunca fomos tão vulgares de Julio Daio Borges
04. O testemunho de Bernanos de Celso A. Uequed Pitol
05. Repensando a esquerda de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
04. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AGENDA 21 NÓS DA ESPAÇONAVE DA TERRA DEPENDEMOS DESSA IDÉIA
RUBENS H. BORN E OUTROS
VITAE CIVILIS
(2006)
R$ 30,00



KICK BOXING O INÍCIO DE TUDO
PROF. SERGIO A. SILVA
BLUE STAR
(2001)
R$ 14,00



UM ROQUEIRO NO ALÉM
NELSON MORAES
ALIANÇA
(2011)
R$ 8,00



POEMAS COMPLETOS DE ALBERTO CAIEIRO: FICÇÕES DO INTERLÚDIO 1
FERNANDO PESSOA
NOVA FRONTEIRA
(2004)
R$ 11,00



VITO GRANDHAM: UMA HISTÓRIA DE VÔOS
ZIRALDO (TEXTO E ILUSTRAÇÕES)
MELHORAMENTOS
(2003)
R$ 7,00



FAÇA SEU TESTE
WILLIAM BERNARD - JULES LEOPOLD
MESTRE JOU
(1973)
R$ 10,00



UMA PRECE PARA DANNY FISHER
HAROLD ROBBINS
RECORD
R$ 4,50



THEORY AND PROBLEMS OF STATISTICS
MURRAY R. SPIEGEL
SCHAUM PUBLISSHING CO.
(1961)
R$ 50,00



A ARTE DO PAPEL RECORTADO EM PORTUGAL
EMANUEL RIBEIRO
COLARES
(1999)
R$ 57,00



ESTUDOS DE FILOLOGIA PORTUGUESA
SILVEIRA BUENO
SARAIVA
(1967)
R$ 15,00





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês