Conversas de Mandela Consigo | Enzo Menezes | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
Mais Recentes
>>> Português Cesgranrio de Antônio Carlos Alves pela Ferreira (2010)
>>> Crimes Contra a Natureza de Vladimir Passos de Freitas e Gilberto Passos de Fr pela Revista dos Tribunais (1997)
>>> The Lost Road and Other Writings - the History of a Midle-earth 5 de J. R. R. Tolkien pela Ballantine Books (1996)
>>> Como Cultivar Orquídeas - Nº 09 de Casa Dois pela Casa Dois
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> Once in a House on Fire de Andrea Ashworth pela Henry Holt and Company (1999)
>>> Meu Filho, Meu Tesouro - Volume Único de Benjamim Spock pela Record
>>> Ripleys Believe It Or Not! de N/d pela Scholastic Books (2015)
>>> Divórcio Sempre Evitado Nunca Adiado de Edson Alves de Sousa pela Do Autor (2007)
>>> História Em Curso - o Brasil e Suas Relações Com o Mundo Ocidental de Américo Freire e Marly Silva da Motta pela Fgv (2004)
>>> O Monte Cinco de Paulo Coelho pela Objetiva (1996)
>>> Na Força do Discipulado - Você Pode Ultrapassar Seus Limites de Paulo Rangel pela Missão Primícia
>>> The Red Badge of Courage de Stephen Crane pela Dover Thrift (1990)
>>> Como nos Veio a Bíblia de Edgard J. Goodspeed pela Imprensa Metodista (1968)
>>> Os Anjos Sentinelas - Enviados de Heather Terrell pela Rai (2011)
>>> Tales of Mystery - Retold Timeless Classics de L. L. Owens pela Cover to Cover (2005)
>>> Direito Constitucional Esaf de Felipe Vieira pela Elsevier (2010)
>>> Arena de Conflitos de Wellington Balbo e Orson Peter Carrara pela Mythos Books (2009)
>>> Pensar É Transgredir de Lya Luft pela Record (2011)
>>> The Third Eye de Lois Duncan pela Bantam Books (1989)
>>> Shakti Número 5 - Julho de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Mourning the Nation de Bhaskar Sarkar pela Duke University Pres (2009)
>>> Creative Wedding Decorations You Can Make de Teresa Nelson pela Better Way Books (1998)
>>> Coleção Eles São Sete - a Gula de Angela Carneiro Ivanir Calado e Outros pela Ediouro (1995)
>>> Receitas de Alimentção Natural de Eliane Lobato pela Ediouro (1980)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/6/2011
Conversas de Mandela Consigo
Enzo Menezes

+ de 5000 Acessos

Pensar no homem além da lenda. Apesar da figura mítica criada ao redor de seu nome. Essa é a proposta de Conversas que Tive Comigo, de Nelson Mandela, composto por cartas e entrevistas do líder sul-africano com parentes, amigos e, sobretudo, consigo. Diários e cadernos mantidos durante os 27 anos em que esteve preso por discordar do apartheid. Organizado pela Fundação que leva seu nome e com prefácio de Barack Obama, traz farto material nunca antes divulgado.

O acervo de biografias, reportagens e ensaios publicado sobre Mandela desde sua prisão (1962) e, sobretudo após a libertação (1990) e a chegada à Presidência da África do Sul (1994) compõe uma colcha costurada pelo perfil de um dos políticos mais influentes do século XX. Ativista, prisioneiro, presidente, Nobel da Paz, líder inspirador ao redor do planeta. Histórias bastante exploradas e conhecidas que, na medida do possível, são evitadas em Conversas que Tive Comigo. A pretensão do livro é construir o perfil do Homem Mandela acima de qualquer honraria. Antes de qualquer honraria. Para a tarefa, nada mais justo que a utilização de documentos pessoais ― muitos dados como perdidos por causa da censura na prisão e guardados por décadas ― como cartas, calendários, anotações de diários e cadernos. Como avisa a introdução, não será retratado o Mandela dos discursos nem no atendimento às expectativas do público. Apenas um homem como qualquer outro e sua correspondência pessoal ― ou o já divulgado pelo serviço secreto sobre ela.

Um problema apresentado pelo volume é a falta de contextualização histórica em diversas passagens. Cartas e documentos não seguem sempre ordem cronológica, às vezes não se conectam nem mesmo por assunto e respostas às solicitações do prisioneiro são desconhecidas pelo leitor. Para não perder o foco na correspondência pessoal, acontecimentos políticos não são devidamente explicados, o que faz com o que o leitor menos acostumado à biografia de Mandela se perca em algumas passagens. Problema parcialmente solucionado na abertura de cada capítulo, quando há textos introdutórios do editor ― essenciais ao entendimento ― caracterizando o momento histórico e dando destaque a informações de sua família.

Boa parte das cartas contidas no livro sequer chegaram aos destinos. Algumas só foram divulgadas depois que Mandela ascendeu à presidência, outras permaneceram arquivadas e só foram conhecidas pelos organizadores da Fundação Nelson Mandela durante a seleção de material para o volume. Há ainda material não divulgado e, muitas, com certeza, foram destruídas logo que saíram das mãos do ex-prisioneiro. Não há uma catalogação dos escritos, mesmo com o trabalho da Fundação responsável por isso, o que dificultou a edição do material e fragmenta a leitura do livro.

São apresentados trechos da intimidade de um homem surpreendentemente sóbrio. Um líder carismático avesso aos discursos inflamados, que preferia a sensatez e a fala calma para transmitir confiança ao público. Mesmo isolado e sujeito às humilhações da cadeia, e consciente de que fora condenado à prisão perpétua, procurou transmitir segurança em seus princípios sem alimentar vingança contra o opressor. Desconcerta pensar em um jovem casal― Nelson e Winnie separado por cartas censuradas, ternura nutrida à distância. Esforços dos dois em nome da luta pela igualdade para o povo, mesmo que isso significasse, quase sempre, privações à própria família. Desconcerta também descobrir que eles permaneceram juntos enquanto separados fisicamente e se divorciaram quando Mandela foi libertado, 28 anos depois. Ele se recusa a detalhar os motivos da separação nas entrevistas que compõem a biografia.

O trabalho árduo na pedreira da prisão na Ilha de Robben era acompanhado por cantos de liberdade proibidos para os homens submetidos aos trabalhos forçados. Proibidos porque davam força e motivo de orgulho para os encarcerados. Canções ainda hoje polemizadas na África do Sul pós-apartheid ― vide a repercussão ao comentário de Bono Vox em fevereiro deste ano sobre uma canção que incentivava a morte de fazendeiros africânderes, brancos ― como prova de uma legalidade de direitos civis ainda não sedimentada no quesito cultural. Afinal, são menos de duas décadas de liberdade frente a séculos de dominação branca, da colonização europeia à ascensão dos bôeres.

De acordo com uma carta escrita a Winnie em 1975, Mandela dedicava 15 minutos à meditação diária, como meio de exercício espiritual. A introspecção seria importante para pensar na própria mesquinhez como ser humano, nas fraquezas provocadas pela vaidade e ambição e em maneiras para superar tal condição. Os fundamentos da vida espiritual, segundo Mandela, "honestidade, sinceridade, simplicidade, humildade, generosidade pura, ausência de vaidade, disposição para ajudar os outros" (pág. 207) seriam "qualidades facilmente alcançáveis por todos", se pararmos de medir o sucesso por fatores como riqueza e ascensão social e nos concentrarmos na introspecção que desenvolvesse questões abstratas no íntimo do ser.

Poucos têm conhecimento de Mandela como um homem culto, desde a juventude, apesar da pobreza. Gostava de citar passagens do teatro grego, estudou latim e devorava literatura de guerra. Por isso, cada uma das quatro partes do livro é dividida com os nomes e gêneros dos estilos clássicos: pastoral, épico, trágico e tragicômico. Como em uma sinfonia. Momentos distintos no espectro da existência. Por falar em escritos sobre guerras e guerrilhas, alimentou esse interesse quando comandou o Umkhonto we Sizwe ― braço armado do Congresso Nacional Africano (CNA), partido que integrou desde a juventude e pelo qual foi eleito presidente décadas depois.

Nelson Mandela sempre teve plena consciência da aura mítica criada em torno de sua personalidade. E se esforçou para desconstruir tal conceito, talvez por medo de se tornar uma estátua da igualdade e uma bandeira dos direitos, e não apenas um homem que lutou por ideais concretos. Por receio de que o mundo recitasse a lenda e se esquecesse da carne e do sangue que moveram a consciência, insiste em afirmar sua condição humana e negar qualquer pretensão de santidade. Em mais de uma ocasião, avisa ao interlocutor que "um santo é um pecador que continua tentando ser limpo". Não é alguém que nunca tenha errado e que paire acima dos semelhantes com um olhar repreensivo, mas um ser que se esforça para superar os próprios erros, inerentes à existência humana.

"Na vida real lidamos não com deuses, mas com seres humanos comuns, como nós mesmos: homens e mulheres cheios de contradições(...). O aspecto no qual a pessoa se concentra para julgar outras depende do seu caráter em particular. Quando julgamos outras pessoas, também estamos sendo julgados por elas(...). Um realista, por mais chocado e desapontado que esteja com as fragilidades das pessoas a quem adora, irá olhar para o comportamento humano de todos os lados de forma objetiva e se concentrará nas qualidades edificantes da pessoa, aquelas que elevam o espírito e despertam o entusiasmo pela vida(...)".

Prefere negar o mito para lembrar que, enfim, há uma corrente sanguínea, um intelecto, o peso das decisões e dos erros antes de qualquer imagem mítica que o mundo possa construir de seus feitos.

Para ir além






Enzo Menezes
Belo Horizonte, 1/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A origem da dança de Jardel Dias Cavalcanti
02. Conselhos Místicos Ao Jovem Escritor de Ricardo de Mattos


Mais Enzo Menezes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Álbum de Baiões - Partitura Com 198 Musicas
União Brasileira de Compositores
Ubc
(1954)



A Vingança de Drácula - a Ressurreição do Dragão
Davidson Abreu
Madras
(2016)



Giri
Marc Olden
Record
(1982)



A Cidade Antiga - Vol. 1
Fustel de Coulanges
Ed. das Américas
(1961)



Kingdon Hearts II - Volume 1
Shiro Amano
Abril
(2013)



À Procura de Adão 2ª Edição
Herbert Wendt
Melhoramentos



Meu Jeito de Falar
Claire Feliz Regina
Patuá
(2014)



A Exilada - Coleção Prêmios Nobel da Literatura
Pearl Buck
Delta
(1966)



Instructor's Manual: Past in Perspective
Kenneth L. Feder
Mayfield
(1999)



Mude Seu Destino
Peggy Mccoll
Larousse
(2008)





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês