Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
>>> Perry Rhodan - 50 anos de aventuras espaciais
Mais Recentes
>>> After the Fact: Two Countries, Four Decades, One Anthropologist de Clifford Geertz pela Harvard University Press (1996)
>>> Princípios de Economia Volumes 1 e 2 de Alfred Marshall pela Abril Cultural (1982)
>>> Museu a Arte Moderna de São Paulo de Não Consta pela Banco Safra
>>> Princípios de Economia Política Volume 1 de Stuart Mill pela Abril Cultural (1983)
>>> Livro - a Billion Voices de David Moser pela Penguin (2016)
>>> O Canto da Praça de Ana Maria Machado pela Atica (2002)
>>> Livro - Sonho Grande: Como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Bet... de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda de Ana Maria Machado; Sir Thomas Malory pela Scipione (1997)
>>> Livro - Criatividade e Dependência na Civilização Industrial de Livro - Celso Furtado pela Circulo do Livro (1978)
>>> Anonimato: O Importante não á a Fama (Com autógrafo) de Acyr Campos pela Chiado (2016)
>>> A Religião Civil do Estado Moderno de Nelson Lehmann da Silva pela Thesaurus (1985)
>>> O Existencialismo é um Humanismo de Jean-Paul Sartre; Vergílio Ferreira pela Editorial Presença (1978)
>>> Feijão, Angu e Couve: Ensaio Sobre a Comida dos Mineiros de Eduardo Frieiro pela Itatiaia (1982)
>>> História da Arte de German Bazin pela Martins Fontes (1980)
>>> Dengue no Brasil: Doença Urbana de Dr. Timerman & Outros pela Limay (2012)
>>> Movimentos da Arte Moderna: Realismo de James Malpas pela Cosac & Naify (2001)
>>> Chico Bento Nº 274 de Mauricio de Souza pela Globo (1997)
>>> Reporteros Brasil - Libro del Alumno 4 de Leandro Sangy (Autor) pela Difusión (2020)
>>> Reporteros Brasil - Libro del Alumno 4 de Leandro Sangy (Autor) pela Difusión (2020)
>>> Pamela e Satã ou Virtude ainda recompensada de Upton Sinclair pela Melhoramentos
>>> Filosofia e Sociologia - Volume Único de Marilena Chauí (Autor), Pérsio Oliveira (Autor) pela Atica (2019)
>>> Chico Bento Nº 261 de Mauricio de Souza pela Globo (1997)
>>> Van Gogh: Obra Completa de Pintura - Volume I de Ingo F. Walther; Rainer Metzger pela Taschen (2006)
>>> Limite Zero de Joe Vitale pela Rocco (2009)
>>> Chico Bento Nº 121 de Mauricio de Souza pela Globo (1991)
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2011
Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 42400 Acessos

Com As Senhoritas de Avignon inicia-se não somente o Cubismo, mas toda a revolução artística do século XX. Esta obra de Picasso anunciou uma nova era na história da arte. Continua sendo um dos mais importantes documentos da arte produzido no século XX.

Na origem do quadro encontra-se uma recordação da infância de Picasso, vivida em Barcelona. O tema do quadro é o bordel de Avignon, nome de uma rua de Barcelona onde havia um prostíbulo muito conhecido.

O título atual da tela foi dado muitos anos depois de concluída, por André Salmon. Quando no princípio de 1907 o artista começou a trabalhar na tela, os seus amigos a chamavam mais cruamente de O Bordel de Avignon. O destino da tela foi bastante curioso. Durante muitos anos ela só foi conhecida pelos artistas que freqüentavam o atelier de Picasso. Quando, no fim de 1907, Braque foi colocado diante da tela ele se disse convencido de que pintar daquela forma equivaleria a "beber gasolina para cuspir fogo!" Ficou chocado, mas também agitado como nunca, e depois de 1907 buscou soluções bastante próximas das que Picasso acabava de inventar.

Outra curiosidade é que esta tela, hoje universalmente conhecida, só foi reproduzida pela primeira vez em 1925, na revista Révolution Surréaliste, e apresentada ao público em 1937, no Petit Palais, quando da Exposição Universal de Paris. Nem o próprio Picasso, talvez, estivesse pronto para aceitar as liberdades que tomou, preferindo, então, guardá-la longe dos olhos do público por muitos anos.

Enquanto trabalhava na tela, Picasso entrou em contato com a escultura africana. O rosto como máscara na extrema esquerda, e, sobretudo, os rostos violentamente distorcidos e retalhados das duas figuras da direita são resultado do impacto que essa escultura exerceu sobre ele. Em três dos cinco rostos da tela vemos um artifício: os olhos estão de frente e os narizes de perfil. Não é uma simples estilização, mas algo diferente que se processa ali, mais conceitual: as coisas são dissociadas para satisfazer uma exigência da mente.

Sem dúvida, a arte negra constitui-se como uma autêntica revelação na Europa. A simplicidade das formas, a intensidade do seu conteúdo, o desejo de dar uma representação diferente às formas exteriores, determinou uma recepção positiva desta arte na Europa, principalmente pelos artistas renovadores. Trata-se de uma arte de criação intuitiva, mas que às vezes chega a uma perfeição clássica. A geometrização de suas formas constituiu um elemento enriquecedor para quem, através da lição de Cézanne, buscava no cubo e na linha os novos caminhos da plástica construtiva.

As Senhoritas de Avignon combina, na verdade, estilos absolutamente diferentes dentro da mesma imagem: as três mulheres à esquerda têm os rostos moldados segundo antigas esculturas ibéricas, enquanto os traços das outras provêm de máscaras tribais africanas.

Esta experiência com a arte negra sem dúvida incitou Picasso a estilizar as formas naturais, até atingir algo apenas sonhado por Cézanne, uma geometrização rigorosa, e por fim, uma deformação radical.

Mas não se pode dizer que foi unicamente a experiência com a arte negra que produziu esta orientação da pintura de Picasso. Ele fez uso dessa cultura que em parte aceitou, em parte impôs, na medida em que encontrou nessa cultura, ou na interpretação dela, a confirmação do que procurava.

Portanto, não foi a arte exótica que "inspirou" Picasso na criação do quadro, não foi a arte negra que orientou seu estilo, mas foi uma visão analítica pessoal que o fez voltar-se para uma exploração particular dessa arte. Aliás, a arte negra atua apenas mais diretamente sobre as feições de duas personagens à direita, ao passo que é na visão do conjunto que se manifesta o espírito novo da arte de Picasso.

As primeiras obras cubistas de Picasso relacionam-se a uma série de circunstâncias culturais e plásticas que naquele momento o inquietavam. Antes de tudo, seguiam o princípio de Cézanne, que preconizava a volta às formas da pura geometria, do cone e do cilindro. Cézanne havia produzido uma revolução simplesmente por se concentrar num problema formal, a realização do espaço pela justaposição de áreas de cor pura.

O mais forte contato de Picasso com Cézanne foi durante o Salão de Outono de 1907, quando houve a exposição retrospectiva do mestre de Aix en Provence. Os jovens Picasso e Braque, com aproximadamente 25 anos, juntos, ali permaneceram absolutamente comovidos com a obra de Cézanne. E a influência das banhistas de Cézanne sobre Picasso será óbvia, como se pode perceber já na figura abaixo, pintad por Cézanne.

Em As Senhoritas de Avignon, a idéia do quadro como uma totalidade unitária, dominante na arte européia desde o Renascimento, cede lugar a uma visão de mundo com vários pontos de vista. Os nus femininos que figuram na tela, especialmente os dois à direita, foram pintados com a preocupação de encontrar novos meios de proporcionar o efeito do volume sobre a superfície plana, certamente, de forma diferente do procedimento clássico. Trata-se de questionar os próprios fundamentos da perspectiva.

Segundo Nicolau Sevcencko, no seu livro O Renascimento, com os fundamentos da perspectiva renascentista, institui-se a visão fixa e monocular. Mas esta é apenas uma entre outras possibilidades, não sendo a perspectiva linear absolutamente correspondente da complexidade fisiológica da visão humana. A visão humana é bifocal e não monocular, sendo ainda dinâmica, formando imagens através de movimentos constantes, e não fixa, e devido ao formato esferóide do globo ocular, percebe a realidade através de planos curvos e não retilíneos, como na perspectiva geométrica.

Picasso questionou este sistema ao demonstrar que, apesar do caráter matemático e racional, tratava-se de um método artificial que acabou criando para o olhar ocidental uma armadura.

Em As Senhoritas de Avignon temos um novo enfoque do problema da representação dos volumes tridimensionais numa superfície plana. É aí que reside a originalidade deste quadro de Picasso. Agora, é como se Picasso tivesse andado 180 graus ao redor do modelo e tivesse sintetizado suas sucessivas impressões numa única imagem. Adotou a hipótese de um mundo com qualidades espaciais múltiplas, em que o ponto de vista varia segundo consideramos as partes com um só olhar, de perto ou de longe, e sucessivamente; de um mundo em que a unidade teórica não é dada por uma estrutura única do pensamento.

Severini explica: "Os objetos eram seccionados anatomicamente para que sua aparência visível se mostrasse uma vez em perspectiva e ao mesmo tempo de perfil, a seguir numa posição de frente em projeção vertical e depois na sua espessura, de acordo com a projeção horizontal".

Picasso praticamente esculpia a realidade no espaço plano. Como ele mesmo disse: "Esta pintura, bastaria recortá-la, não sendo as cores, no fim das contas, mais do que indicações das diferentes perspectivas, dos planos inclinados de um lado ou do outro, e depois agrupá-los, segundo as indicações dadas pela cor, para nos encontrarmos em presença de uma escultura.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/12/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ficção hiper-real de Gian Danton


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Discos de MPB essenciais - 14/6/2011
05. Marcel Proust e o tempo reencontrado - 6/12/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Estratégia da Genialidade 1
Robert B. Dilts
Summus
(1998)



Ensaio de Helena
Tatiana Piccardi
Marco Zero
(2006)



Propaganda e Promoção
Terence A. Shimp
Bookman
(2003)



A Maldição do Espelho
Agatha Christie
Nova Fonteira
(1977)



A volta ao mundo em oitenta dias.
Júlio Verne
Nova Cultural
(2003)



Monteiro Lobato em Quadrinhos - Dom Quixote das crianças
Monteiro Lobato, André Simas
Globinho
(2007)



Os Crimes dos Rosários
William Kienzle
Francisco Alves
(1980)



Guide du copropriétaire
Suzanne Lannerée
Puits Fleuri
(1996)



O Livreiro de Cabul
Asne Seierstad; Grete Skevik
Record
(2006)



Nos Bastidores da História - Contos Históricos - Volume 5
Paulo Setúbal
Saraiva
(1955)





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês