Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2011
Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 33700 Acessos

Com As Senhoritas de Avignon inicia-se não somente o Cubismo, mas toda a revolução artística do século XX. Esta obra de Picasso anunciou uma nova era na história da arte. Continua sendo um dos mais importantes documentos da arte produzido no século XX.

Na origem do quadro encontra-se uma recordação da infância de Picasso, vivida em Barcelona. O tema do quadro é o bordel de Avignon, nome de uma rua de Barcelona onde havia um prostíbulo muito conhecido.

O título atual da tela foi dado muitos anos depois de concluída, por André Salmon. Quando no princípio de 1907 o artista começou a trabalhar na tela, os seus amigos a chamavam mais cruamente de O Bordel de Avignon. O destino da tela foi bastante curioso. Durante muitos anos ela só foi conhecida pelos artistas que freqüentavam o atelier de Picasso. Quando, no fim de 1907, Braque foi colocado diante da tela ele se disse convencido de que pintar daquela forma equivaleria a "beber gasolina para cuspir fogo!" Ficou chocado, mas também agitado como nunca, e depois de 1907 buscou soluções bastante próximas das que Picasso acabava de inventar.

Outra curiosidade é que esta tela, hoje universalmente conhecida, só foi reproduzida pela primeira vez em 1925, na revista Révolution Surréaliste, e apresentada ao público em 1937, no Petit Palais, quando da Exposição Universal de Paris. Nem o próprio Picasso, talvez, estivesse pronto para aceitar as liberdades que tomou, preferindo, então, guardá-la longe dos olhos do público por muitos anos.

Enquanto trabalhava na tela, Picasso entrou em contato com a escultura africana. O rosto como máscara na extrema esquerda, e, sobretudo, os rostos violentamente distorcidos e retalhados das duas figuras da direita são resultado do impacto que essa escultura exerceu sobre ele. Em três dos cinco rostos da tela vemos um artifício: os olhos estão de frente e os narizes de perfil. Não é uma simples estilização, mas algo diferente que se processa ali, mais conceitual: as coisas são dissociadas para satisfazer uma exigência da mente.

Sem dúvida, a arte negra constitui-se como uma autêntica revelação na Europa. A simplicidade das formas, a intensidade do seu conteúdo, o desejo de dar uma representação diferente às formas exteriores, determinou uma recepção positiva desta arte na Europa, principalmente pelos artistas renovadores. Trata-se de uma arte de criação intuitiva, mas que às vezes chega a uma perfeição clássica. A geometrização de suas formas constituiu um elemento enriquecedor para quem, através da lição de Cézanne, buscava no cubo e na linha os novos caminhos da plástica construtiva.

As Senhoritas de Avignon combina, na verdade, estilos absolutamente diferentes dentro da mesma imagem: as três mulheres à esquerda têm os rostos moldados segundo antigas esculturas ibéricas, enquanto os traços das outras provêm de máscaras tribais africanas.

Esta experiência com a arte negra sem dúvida incitou Picasso a estilizar as formas naturais, até atingir algo apenas sonhado por Cézanne, uma geometrização rigorosa, e por fim, uma deformação radical.

Mas não se pode dizer que foi unicamente a experiência com a arte negra que produziu esta orientação da pintura de Picasso. Ele fez uso dessa cultura que em parte aceitou, em parte impôs, na medida em que encontrou nessa cultura, ou na interpretação dela, a confirmação do que procurava.

Portanto, não foi a arte exótica que "inspirou" Picasso na criação do quadro, não foi a arte negra que orientou seu estilo, mas foi uma visão analítica pessoal que o fez voltar-se para uma exploração particular dessa arte. Aliás, a arte negra atua apenas mais diretamente sobre as feições de duas personagens à direita, ao passo que é na visão do conjunto que se manifesta o espírito novo da arte de Picasso.

As primeiras obras cubistas de Picasso relacionam-se a uma série de circunstâncias culturais e plásticas que naquele momento o inquietavam. Antes de tudo, seguiam o princípio de Cézanne, que preconizava a volta às formas da pura geometria, do cone e do cilindro. Cézanne havia produzido uma revolução simplesmente por se concentrar num problema formal, a realização do espaço pela justaposição de áreas de cor pura.

O mais forte contato de Picasso com Cézanne foi durante o Salão de Outono de 1907, quando houve a exposição retrospectiva do mestre de Aix en Provence. Os jovens Picasso e Braque, com aproximadamente 25 anos, juntos, ali permaneceram absolutamente comovidos com a obra de Cézanne. E a influência das banhistas de Cézanne sobre Picasso será óbvia, como se pode perceber já na figura abaixo, pintad por Cézanne.

Em As Senhoritas de Avignon, a idéia do quadro como uma totalidade unitária, dominante na arte européia desde o Renascimento, cede lugar a uma visão de mundo com vários pontos de vista. Os nus femininos que figuram na tela, especialmente os dois à direita, foram pintados com a preocupação de encontrar novos meios de proporcionar o efeito do volume sobre a superfície plana, certamente, de forma diferente do procedimento clássico. Trata-se de questionar os próprios fundamentos da perspectiva.

Segundo Nicolau Sevcencko, no seu livro O Renascimento, com os fundamentos da perspectiva renascentista, institui-se a visão fixa e monocular. Mas esta é apenas uma entre outras possibilidades, não sendo a perspectiva linear absolutamente correspondente da complexidade fisiológica da visão humana. A visão humana é bifocal e não monocular, sendo ainda dinâmica, formando imagens através de movimentos constantes, e não fixa, e devido ao formato esferóide do globo ocular, percebe a realidade através de planos curvos e não retilíneos, como na perspectiva geométrica.

Picasso questionou este sistema ao demonstrar que, apesar do caráter matemático e racional, tratava-se de um método artificial que acabou criando para o olhar ocidental uma armadura.

Em As Senhoritas de Avignon temos um novo enfoque do problema da representação dos volumes tridimensionais numa superfície plana. É aí que reside a originalidade deste quadro de Picasso. Agora, é como se Picasso tivesse andado 180 graus ao redor do modelo e tivesse sintetizado suas sucessivas impressões numa única imagem. Adotou a hipótese de um mundo com qualidades espaciais múltiplas, em que o ponto de vista varia segundo consideramos as partes com um só olhar, de perto ou de longe, e sucessivamente; de um mundo em que a unidade teórica não é dada por uma estrutura única do pensamento.

Severini explica: "Os objetos eram seccionados anatomicamente para que sua aparência visível se mostrasse uma vez em perspectiva e ao mesmo tempo de perfil, a seguir numa posição de frente em projeção vertical e depois na sua espessura, de acordo com a projeção horizontal".

Picasso praticamente esculpia a realidade no espaço plano. Como ele mesmo disse: "Esta pintura, bastaria recortá-la, não sendo as cores, no fim das contas, mais do que indicações das diferentes perspectivas, dos planos inclinados de um lado ou do outro, e depois agrupá-los, segundo as indicações dadas pela cor, para nos encontrarmos em presença de uma escultura.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/12/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
03. Treliças bem trançadas de Ana Elisa Ribeiro
04. Meu Telefunken de Renato Alessandro dos Santos
05. Alguns Jesus em 10 anos de Alexandre Petillo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIDERANÇA E O GERENTE MINUTO
KENNETH BLANCHARD, PATRICIA ZIGARMI E DREA ZIGARMI
RECORD
(1986)
R$ 24,00
+ frete grátis



DEPRESSÃO: UM BECO SEM SAÍDA
J. A. SESPEDES
AUDIOLIVRO
(2010)
R$ 15,00



O ENFORCADO
TAMI HOAG
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 17,85



DE CORPOS E ALMAS
SOFIA MATHIAS
LR
(1983)
R$ 10,00



PROBABILIDADE: UM CURSO INTRODUTÓRIO
CARLOS A. B. DANTAS
EDUSP
(1997)
R$ 40,00



AS REGRAS DA SEDUÇÃO.
MADELINE HUNTER
ARQUEIRO
(2013)
R$ 28,90



SÃO PAULO POR KLAUS KARALL
ALBERTO BEUTTENMULLER
HUMAITÁ
(1997)
R$ 8,90



MAU-OLHADO
MIRANDA, VEIGA
EDUSP
R$ 60,00



LIVRO, ISTO
VARIOS
TERCEIRO NOME
R$ 19,47



A CRIAÇÃO DE MITOS NA PUBLICIDADE
SAL RANDAZZO
ROCCO
(1997)
R$ 30,00





busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês