A arapuca da poesia de Ana Marques | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Van Halen 2013
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Jornalismo em tempos instáveis
>>> Rasgos de memória
>>> História da leitura (II): o códice medieval
>>> Rufo, 80 II
>>> Jeitos de trabalhar
>>> The GigaOM Show
Mais Recentes
>>> Apostila workshop urbano curso perícias em avaliação de imóveis. de Caavi pela Caavi (2011)
>>> Stewardship: Choosing Service over Self-Interest de Peter Block pela Berrett-Koehler (1993)
>>> Fuvest 2000 - Literatura de Célia N. A. Passoni pela Núcleo (1999)
>>> Doze Contos Peregrinos de Gabriel Garcia Márquez pela Record (1992)
>>> Outeiro da Glória Marco na História da Cidade do Rio de Janeiro de Jorge de Souza Hue e Outros pela Artepadilla (2015)
>>> Le Voyageur et son Ombre de Nietzsche pela Mediations (1979)
>>> Avenidas da Saúde de Dr Haroldo Shryock pela Casa Publicadora Brasileira (1963)
>>> Livro Anne Whit An E Lucy Maud Bordando com as Estrelas de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Flâneur - um Passeio Pelos Paradoxos de Paris de Edmund White pela Companhia das Letras (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Coleção o Globo de Manuel Antônio de Almeida pela O Globo (1997)
>>> O mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (2000)
>>> Veneno Digital de Walcyr Carrasco pela Ática (2017)
>>> Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2015)
>>> Um Olhar Sobre a Ciência: Desenvolvimento, Aplicações e Políticas de Eloi de Souza Garcia pela Interciência (2003)
>>> O Verão e a Cidade - Os Diários de Carrie de Candance Bushnell pela Galera Record (2011)
>>> O Cotidiano de um Deficiente de Patricia Vaitsman dos Santos pela Interciência (2001)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Ano Inesquecível de Babi Dewet, Bruna Vieira, Paula Pimenta e Thalita Rebouças pela Gutenberg (2015)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1978)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (1983)
>>> A Linguagem e Seu Funcionamento - as Formas do Discurso de Eni Puccinelli Orlandi pela Brasiliense (1983)
>>> A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows pela Rocco (2009)
>>> Poesia Que Transforma de Bráulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia de Thomas Bulfinch pela Harper Collins (2018)
>>> Memórias Quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> A Gênese de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Guerra Não Tem Rosto de Mulher de Svetlana Aleksiévitch pela Companhia das Letras (2016)
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber de Antônio Carlos Vilela pela Melhoramentos (2006)
>>> Engenharia genética - O Sétimo dia da criação de Fátima Oliveira pela Moderna (1995)
>>> O Ladrão de sonhos e outras historias de Ivan Angelo pela Atica (1999)
>>> Necronomicon: the Best Weird Tales of de H. P. Lovecraft pela Gollancz (2008)
>>> Um Dia "Daqueles": Uma Lição de Vida Para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> A Cidadela do Caos de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1990)
>>> O Calabouço da Morte de Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1984)
>>> O Feiticeiro da Montanha de Fogo de Steve Jackson; Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1991)
>>> Rostos da Portugalidade de Luís Machado pela Vega (2010)
>>> LIVRO NOVO! A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Nave Espacial Traveller de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1982)
>>> Norse Mythology de Neil Gaiman pela W. W. Norton & Company (2017)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2016)
>>> Buda: na Floresta de Uruvella -vol. VI de Osamu Tezuka pela Conrad (2005)
>>> Buda. Em Busca da Iluminação. Vol. IV de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> Literatura Ao Sul de Luis Augusto Fischer pela Universidade de Passo Fundo (2009)
>>> Buda. a Outra Margem do Rio. Vol. III de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> O Cavaleiro da Esperança de Jorge Amado pela Record (1987)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Globo (2015)
>>> Passagens da Antiguidade ao Feudalismo de Perry Anderson pela Brasiliense (1987)
>>> O Não Me Deixes - Suas Histórias e Sua Cozinha de Rachel de Queiroz pela Arx (2004)
>>> George Sand de René Doumic pela Perrin (1922)
>>> Sybil de Flora Rheta Schreiber pela Círculo do Livro
COLUNAS

Terça-feira, 22/11/2011
A arapuca da poesia de Ana Marques
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 17100 Acessos

Da Arte das Armadilhas é o segundo livro de poesia de Ana Martins Marques. É publicado, agora, pela prestigiosa editora Companhia das Letras. O livro aparece dois anos depois do excelente A Vida Submarina, publicado em uma edição muito caprichada pela editora Scriptum, de Belo Horizonte. O primeiro livro recebeu minha resenha aqui no Digestivo, no dia 23/03/2010, sob o título de "Poesia sem ancoradouro".

Na orelha do novo livro, o poeta Armando Freitas Filho chama a atenção para a "beleza sem esforço" da poesia de Ana Marques. Característica presente em ambos os livros. E aí está a marca maior de sua poesia: a capacidade de armar, através da expressão coloquial dos versos, a arapuca que finalmente cairá sobre o leitor, que, desprevenido, se vê aprisionado de uma hora para outra. Como se andando em ritmo compassado, caísse, de repente, num buraco sem saída. É a sensação que fica ao término da leitura de cada poema.

Misto de melancolia e ironia, os poemas não apontam saída para o drama humano, seja em sua relação com o amor, a natureza, o tempo, os objetos do mundo. E, pior, nem o verso escapa da ratoeira que o transforma, depois de capturado, em um "rato morto". "A linguagem/ sem cessar/ arma/ armadilhas", diz um dos poemas.

Entender as armadilhas? Não há como, pois, diz o mesmo poema, "somos nós as presas". E as armadilhas são tantas que nos envolvem em todos os campos e lugares da vida, principalmente no amor que, como a linguagem, também "sem cessar/ arma/ armadilhas". Um dos poemas do livro resume bem a ideia:

CAÇADA

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se

Na poesia de Ana Marques os objetos são traiçoeiros, não são o que aparentam ser, são mesmo, talvez, o contrário do que anunciam ser, como a vida e o amor, que se insinuam como promessa e terminam em fracasso. O título Açucareiro nos remete imediatamente a agradável sensação dos cristais de açúcar docemente derretendo na língua. Mas o que guarda o poema, sua armadilha, é o gosto amargo que aparece a partir de um objeto trivial do mundo cotidiano, o açucareiro, e de onde a poeta desvela o descontentamento com a experiência do amor: "De amargo/ basta/ o amor/ Agridoce,/ ela disse/ Mas a mim/ pareceu/ amargo".

A experiência negativa da vida vai sendo revelada a cada objeto apresentado. O poema Fruteira, nos faz pensar imediatamente em Caravaggio, que apresenta as frutas no ápice de sua potência e beleza e, ao mesmo tempo, num canto de uma ou outra fruta ou folha, já anuncia sua podridão e morte na sugestão do seu apodrecimento. O poema e o quadro são armadilhas que os artistas armam, expondo a doçura da vida, mas que ao primeiro piscar de olhos revela seu contrário imediato: a morte.

FRUTEIRA

Quem se lembrou de pôr sobre a mesa
essas doces evidências
da morte?

O mesmo se dá com relação à faca, que por trás de sua beleza, elegância e brilho, guarda o pior: "Sua fria elegância/ não escamoteia/ o fato:/ é ela que melhor se presta/ ao assassinato". Também o capacho das portas das casas, que vendem a mentira do "lar doce lar", revela-se na poesia de Ana Marques como o desejo de fuga para outro lugar que não a casa, mas a rua: "Home/ sweet/ rua".

Outro objeto carregado de negatividade é o brinco, abandonado na cama de seu querido, que "pode ser" a tentativa de impor uma lembrança, mas acaba "como se fosse/ (mas ó tão inexato)/ o meu amor". Afinal, diz o mesmo poema: "um cachorro estirado ao sol não é o sol". O brinco não é o amor e sua possibilidade, como o amor não é tão exato ou exatamente o quanto se espera que seja.

A condição dos leitores da poesia de Ana Marques, que se deleitam e sofrem a cada poema, pode ser comparada aos pássaros do poema Arapuca: "armando arapucas/ onde os pássaros/ caem cantando". Ao mesmo tempo em que nos inebriamos com a composição dos poemas e sua capacidade de nos pegar no laço, sentimos o quanto é difícil aceitarmos a prisão da arapuca que, apesar de revelar as desilusões, não nos deixa saídas: "Há desilusão/ mas não há/ fuga".

Em entrevista à Folha de São Paulo, Ana Marques fala de sua relação com o mar e seu aparecimento na poesia de alguém que vive em um Estado (Minas Gerais) sem mar. O que ela diz pode ser muito bem usado como uma metáfora da sua própria poesia. Diz Ana: "Acho que o que me atrai poeticamente no mar é ele ser ao mesmo tempo superfície e interior; ao mesmo tempo simples, regular, aberto, plenamente inteligível, e imprevisto, secreto, perigoso".

Não é outra coisa sua própria poesia, aparentemente simples, mas profunda e perigosa. Por trás do delicado rosto melancólico e do belo sapato de boneca da poeta (como na foto de divulgação), esconde-se aquela criança travessa, pronta a armar a arapuca que lhe proporcionará o prazer de ver a presa surpreendida pelo inesperado. Eis a magia da sua poesia.

Sobre ou contra o teatro da representação dos papéis da vida, Ana Marques joga com versos simples, mas que demonstram uma alta capacidade de aceitar e se armar do pior, como no poema Teatro:

TEATRO
Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho

Partindo da inutilidade dos objetos, como no poema Relógio, a poeta exibe ao mesmo tempo a contraposição entre a inutilidade do relógio e a afirmação mais negativa ainda de um outro tempo, um tempo próprio, interior, mas que também não deixa de ser regulado por ações que criam a prisão da vida em formas congeladas: "De que nos serviria/ o relogio? (...)/Se derramamos água:/ dia/ se entornamos vinho:/ noite/ (...) quando abrimos certos livros lentos/ e os mantemos acesos/ à custa de álcool, cigarros, silêncio:/ noite/ se adoçamos o chá:/ dia (...)/ se desabotoas lentamente/ tua camisa branca:/ dia/ se nos despimos com ânsia/ criando em torno de nós um ardente círculo de panos:/ noite (...)".

Apesar de alguns raros momentos bastante leves, o livro Da arte das Armadilhas não deixa o conforto ser dominante. Não dá para acomodar numa almofada macia e rosa a existência dos seres e objetos depois de sua leitura. Então, esses momentos breves de doçura são apenas como a bonita sombrinha que o equilibrista usa, mas com à qual, por mais bela que ela seja, não poderá contar para amortecer sua queda, como diz o poema A queda.

Um poema sugestivo é A descoberta do mundo, também uma metáfora do próprio ofício do poeta, que tenta alcançar o mundo com palavras, mas no fim das contas, solitário e "com os dois pés/ no cimento frio", se torna consciente do fracasso: "onde estás/ no que escrevi?".

Para ser coerente com a alma do livro e sua grandeza, não podemos deixar de pensar que depois de sua leitura "todas as coisas ficam marcadas/ como se estivessem/ impregnadas de veneno", para usar os termos da própria poeta no poema São Paulo.

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Jogando com Cortázar de Cassionei Niches Petry
02. Repensando a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
03. Mosaico de Rancores, romance de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
04. Caetano, não seja velho coronel de Humberto Pereira da Silva
05. Os ventos finais do inverno de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Uma Mulher Inacabada
Lillian Hellman
Francisco Alves
(1981)
R$ 20,00



Administração de Medicamentos - Revisando uma Prática de Enfermagem
Nébia Maria Almeida de Figueiredo
Yendis
(2006)
R$ 44,10



Passando a Limpo - a Trajetória de um Farsante
Pedro Collor de Mello
Record
(1993)
R$ 14,99



Nuevo Recreo - Vol. 4 - Livro do Aluno + Multirom
Roberta Amendola
Moderna
(2014)
R$ 134,95



A Moreninha
De Macedo , Joaquim Manuel , Lafonte (Editor), Editora (Editor) & 2 Mais
Lafonte
(2018)
R$ 12,00



Redação Publicitária - Sedução pela Palavra
Celso Figueiredo
Thompson
(2005)
R$ 22,00



Os Teledependentes
M. Alfonso Erausquin/Luis Matilla/Miguel Vásquez
Summus
(1983)
R$ 5,00



Histoire Générale Du IV Siècle a nos Jours- Tomo VI Louis Xiv
Ernest Lavisse e Alfred Rambaud
Armand Colin
(1895)
R$ 49,00



Acendedor 11 a 20
Igreja Seicho no Ie
Seicho no Ie
(1968)
R$ 8,95



Descobrindo a Si Mesmo - 4º Ed.
Migule Perosa
Moderna
(1996)
R$ 5,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês