Cheiro de papel podre | Carlos Goetteanuer | Digestivo Cultural

busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Drago, o novo álbum de Marcos Sacramento
>>> 'Festivalzinho', para pais e filhos, acontece neste domingo no CCBB/RJ
>>> O escritor Klaus K.S. faz tarde de autógrafos irreverente para sua obra Crônicas da Insônia
>>> Ensaios fora de circulação de Jacques Rancière ganham edição em português
>>> Terça Aberta no Kasulo reúne trabalhos com temática LGBTQ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro I
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
Blogueiros
Mais Recentes
>>> No meio do caminho: 80 anos
>>> Piratas do Tietê no teatro
>>> Xilogravura na Graphias
>>> Caderno de caligrafia
>>> Ligações e contas perigosas
>>> Your mother should know
>>> 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo
>>> Man in the Arena testa o iPad
>>> Vá em paz, vó
>>> Ascensorista para o arranha-céu da literatura
Mais Recentes
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1995)
>>> O errante de Kahlil Gibran pela Claridade (2003)
>>> Histórias extraordinárias de Fernando Bonassi pela Conrad (2005)
>>> Histórias curtas de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Histórias de amor de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2012)
>>> Contos como eu conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> Lucky Luke, volume 4: 1956-1957 de Morris & Goscinny pela Zarabatana Books (2014)
>>> O jogo das contas de vidro de Hermann Hesse pela Record (2003)
>>> Las mejores fábulas de Esopo, La Fontaine et al. pela Biblioteca Popular (1994)
>>> Paixões de Rosa Montero pela Ediouro (2005)
>>> Por um teatro do povo e da terra de Luiz Maurício Britto Carvalheira pela Fundarpe (1986)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Civilização Brasileira (1994)
>>> As aventuras sexuais de Luís Ensinada de Vinicius Vianna pela Record (2000)
>>> Uivo - Kaddish e outros poemas de Allen Ginsberg pela L&PM (1999)
>>> História concisa do teatro brasileiro de Décio de Almeida Prado pela Edusp (1999)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Nova Fronteira (2000)
>>> Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz de Maria Rita Galvão pela Civilização Brasileira (1981)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
>>> Histórias de Atréfora de Ismael Artur/Layane Ventura pela Chiado (2014)
>>> O Mestre da Vida - Análise da Inteligência de Cristo de Augusto Cury pela Academia de Inteligencia (2002)
>>> Rua da alegria de Frances Parkinson Keyes pela Itatiaia (1969)
>>> A Fonte da Juventude - Os Segredos Seculares dos Monges Tibetanos para o Rejuvenescimento Perene de Peter Kelder pela Best Seller (1998)
>>> Da cova para o trono - a graça de Deus na vida de Jose de Jamê nobre pela Naos (2003)
>>> Travesía Español 1 de Amendola, Roberta pela Moderna (2017)
>>> O Ser Emocional de Valéria de Castro pela Ediouro (1998)
>>> Psicologia Geral e Infantil de Fernanda Barcellos pela Ediouro (1982)
>>> Ancestrais, Vida Intrauterina e Libertação do Homem de Maria Luiza Zanchetta pela Berthier (1982)
>>> Os Relaxamentos de Suzanne Masson pela Manole (1986)
>>> Elementos de Psicologia de Iva Waisberg Bonow pela Melhoramentos (1972)
>>> Feito Homem de Norah Vincent pela Planeta do Brasil (2006)
>>> Hospital Santa Catarina 1906 - 2006 de Textos e fotos; Claudio Pastro pela Grafa (2006)
>>> O Segredo das Crianças Felizes de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2003)
>>> Criando Meninos de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2002)
>>> Isto Não É Amor de Patrick J. Carnes pela Best Seller/ Círculo do Livro (1991)
>>> Vidas em Arco-Íris de Edith Modesto pela Record (2006)
>>> Guia de Orientação Sexual de Marta Suplicy et alii pela Casa do Psicólogo (1994)
>>> Sexualidade: A Difícil Arte do Encontro de Lidia Rosenberg Aratangy pela Ática (1996)
>>> Psicomotricidade: Da Educação Infantil à Gerontologia de Carlos Alberto Mattos Ferreira pela Lovise (2000)
>>> João do Rio - O dandi e a especulação de Raul Antelo pela Taurus (1989)
>>> O Português do Brasil - perspectivas da pesquisa atual de Wolf Dietrich e Volker Noll (orgs.) pela Vevuert /Iberoamericana (2004)
>>> Moderna Dramaturgia Brasileira de Sábato Magaldi pela Perspectiva (1998)
>>> Desafio aos Deuses de Peter L.Bernstein pela Campus/Elsevier (1997)
>>> Maus samaritanos- O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo de Chang,Ha-Joon pela Campus/Elsevier (2008)
>>> Os piores textos de washington olivetto de Editora planeta pela Planeta
>>> Tendencias contemporaneas de gestao de Jose meireles de sousa pela Pc editorial
>>> Transtornos bipolares,avances clinicos e terapeuticos. de E.vieta pela Novartis
>>> Estudos de politecnia e saude--4. de Mauricio monken pela Fio cruz
>>> Manual de gestao e programaçao financeira de pagamentos. de Carlos donato reis e jose vittorano neto. pela Edicta
>>> A cura e a saude pela natureza de Ernst schneider pela Casa
>>> Lexplication dans les sciences de la vie de Michel daune pela Centre national de la reicherche scientifique
COLUNAS

Terça-feira, 16/11/2010
Cheiro de papel podre
Carlos Goetteanuer

+ de 6900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

"Livro é fetiche". É o que tenho ouvido por aí há algum tempo, principalmente após o lançamento do Kindle, seguido pela popularização dos leitores eletrônicos. Esse fetichismo, associado a uma necessidade de contato físico com o objeto da adoração, foi apontado como uma das razões potenciais para o insucesso dos leitores eletrônicos. Na cabeça dos resistentes à modernidade, o livro é mais que um acumulado de folhas de papel. Trata-se de um objeto de adoração, merecedor de carinho, amor e afago com a ponta dos dedos.

Essa tendência ganhou sua maior representação ano passado, com uma declaração de Pedro Herz, dono da mágica Livraria Cultura. Ao ser questionado sobre o futuro dos livros eletrônicos, o empresário afirmou que os leitores consideravam o "cheiro do livro de papel" algo insubstituível. A relação odorífera com os livros seria tão poderosa que tornaria questionável o sucesso imediato dos modernosos leitores eletrônicos.

Insatisfeito com o falatório alheio, resolvi procurar a definição de fetiche na Wikipédia em uma fonte confiável, para ver se havia o harmonia entre meus sentimentos é a máxima do fetichismo literário. O Dicionário Aurélio nos explica que fetiche é um "objeto animado ou inanimado, feito pelo homem ou produzido pela natureza, ao qual se atribui poder sobrenatural e se presta culto; ídolo, manipanço". Impossível não se encantar com o texto da definição. E, confesso, para mim, livro é, sim, um objeto de culto.

Encaro a literatura, e com ela os livros, quase como uma religião. Na estante, meu altar particular, tenho várias imagens sacras, como São Machado de Assis e São Italo Calvino. E, se há um espaço que é para mim uma catedral, tal lugar é uma boa livraria sortida de títulos desejados. Entre as estantes estão reunidas muitos de meus deuses, aprisionados em folhas de papel. Com alguns Reais, sempre mais do que eu possuo, eu posso capturar a bênção entidades santas e levar para casa um pouco de sua divindade.

Portanto, enxergo em um livro um poder realmente sobrenatural. Mas, recentemente, acabei cedendo à tentação do coisa-ruim e cometi um pecado que, em outros tempos, garantir-me-ia o comparecimento ao incêndio de uma fogueira portentosa, com direito de visão pelo lado de dentro. Decidi comprar um leitor eletrônico.

A escolha não foi fácil, principalmente porque em nossas terras brasileiras o assunto ainda engatinha. Primeiro, estabeleci dois critérios, a qualidade da leitura e a disponibilidade de livros em português. Excluí o leitor da Sony, que, apesar de possuir touchscreen é muito reflexivo. Depois, nadei contra a corrente majoritária e ignorei o Kindle, queridinho da atualidade. O aparelho, apesar de possuir a gigante Amazon por trás, ainda tem poucos títulos em português e é incompatível com a maioria dos livros fornecidos pelas poucas livrarias eletrônicas nacionais e com o formato epub, no qual é possível encontrar centenas (talvez milhares) de títulos de domínio público totalmente de graça. Optei, assim, pelo Nook, leitor eletrônico da Barnes & Noble, que, apesar de quase ignorado no Brasil, pode ser uma boa opção para quem consegue realizar compras no exterior.

Após a decisão e, com a tradicional ajuda do amigo-que-vai-para-fora, consegui comprar meu leitor eletrônico. No entanto, minha estreia na leitura eletrônica deu-se de maneira acidental. Os deuses da literatura me fizeram perder o exemplar do livro de papel que estava lendo e tive que recomprar o título, oportunamente, no formato eletrônico. Mas, ainda que abrupta, a transição foi agradável. Após alguns minutos de leitura do papel eletrônico, eu já me sentia familiar com aparelho e sequer me tocava que, um dia antes, ainda lia a versão de papel da mesma obra. Para trocar de página, basta apertar um botão e a folha de papel que estava na sua frente, como que por mágica, fica meio borrada e muda seu conteúdo. Certamente, trata-se de um objeto produzido por forças malignas, para emular um livro com perfeição e afastar os literatos de seu objeto verdadeiro de adoração.

Verdade que nem tudo são flores. Vez ou outra um reflexo incomoda um pouco e, para quem, como eu, cultiva o hábito exótico de leitura em penumbra, a falta de um contraste melhor pode incomodar. O reduzido tamanho da tela não chega a ser um problema para quem está acostumado a ler edições de bolso. Por outro lado, os ganhos são incalculáveis. O número de obras de qualidade disponíveis para domínio público é tão grande que já justifica o investimento no eReader. Basta pensar quanto custa, por exemplo, uma coleção de obras completas de Machado de Assis e lembrar que você pode pegar tudo absolutamente de graça na Internet.

Sempre haverá quem goste de carregar estantes nas costas a cada mudança de endereço. Há até quem veja nisso uma demonstração de sua fé. Eles me lembram aqueles que frequentam as igrejas para expiar os pecados da omissão literária. Mas, ao fim, esquecem que o Evangelho é uma ideia, não um livro ou mesmo um texto. Todavia, eu me tornei um herege a partir do momento que vi a telinha de papel eletrônico. E fetichismo por fetichismo, meu objeto eletrônico é muito mais mágico e cheio de feitiços. Para quem ainda espera sentir o odor de livro por muito tempo, vale um recado. Isso é só cheiro de papel em decomposição.

Nota do Editor
Carlos Goetteanuer mantém o blog Estado Crônico.


Carlos Goetteanuer
São Paulo, 16/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
02. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
03. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
05. Guilherme Carvalhal de Guilherme Carvalhal


Mais Carlos Goetteanuer
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/11/2010
07h24min
O livro de papel é um meio de informação, um objeto de decoração, e é com certeza uma obra de arte. Tem todo o trabalho artesanal, tem o trabalho científico, gráfico, na qual insere desenhos e fotografias. Independemente de hoje se escrever muito em computador. Podemos até escrever nas estrelas. A arte existe, e o livro como obra ainda resiste.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
19/11/2010
11h59min
Cadu, excelente o texto. Muito informativo e articulado. Você é um jornalista em potencial, hein?! Parabéns!
[Leia outros Comentários de Carolina Fellet]
24/11/2010
09h27min
Você mesmo possui a arte perfeita de seduzir através de seus textos eletrônicos. Confesso, no entanto, que a minha rendição a esta modernidade vem muito lentamente preenchendo minha adoração de passar entre os dedos páginas e mais páginas de um livro que exala um cheiro provocador de êxtase.
[Leia outros Comentários de Láyla]
25/11/2010
17h22min
Muito ilustrativo. Acredito que como quase tudo da minha geração o livro em papel tende à extinção. Creio firmemente que o livro eletrônico incorporará as funções do celular, TV e demais parafernálias eletrônicas que temos que ulilizar mas detestamos carregar.
[Leia outros Comentários de Marcus Goettenauer]
27/11/2010
08h43min
Adoro o cheiro de livro novo, a capa, passar os dedos pelas páginas, frequento sebos, tenho uma desorganizada biblioteca com mais de mil livros, mas estou pronto para passar a ler num "leitor eletrônico" como você. Só estou esperando o mercado consolidar um equipamento que tenha quase todos os livros publicados no Brasil. O culto ao livro de papel pode continuar, mas tendo o livro como objeto, e não como literatura. Esta é composta pelos textos, que podem estar em qualquer suporte físíco ou não.
[Leia outros Comentários de José Frid]
27/11/2010
08h45min
O livro de papel nunca vai acabar. Assim como uma pintura feita com o Photoshop nunca irá substituir um Van Gogh ou um Da Vinci, esses cacarecos eletrônicos não passam de um sucedâneo prático, sim, para os que conseguirem adaptar-se, talvez até um pouco mais baratos (embora os preços de livros que tenho visto nesse formato não se justifiquem, e recaímos na velha história dos custos), mas sem qualquer glamour. Eu não falo daquele livreco do Jorge Amado vendido promocionalmente aos quilos nas bancas de jornais: refiro-me àquela edição rara do Dom Quixote, talvez do século XVII, que num sebo eu vi ao módico preço de R$ 12.000,00 e que não terei nunca; ou mesmo edições de luxo, modernas, de grandes clássicos, que custam muito menos (cem ou duzentos reais), mas cuja beleza do acabamento técnico é tão envolvente quanto a própria obra (como uma recente edição do "Grande Sertão", de Rosa). Nesses termos, o livro não é uma simples "leitura", mas objeto de arte.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
17/6/2011
20h36min
Acredito que vale a pena se tornar um pecador. Um pecadinho desses é passível de perdão. No entanto devemos observar que enquanto um objeto real que terá suas páginas amareladas, com o tempo somente será apreciado por um verdadeiro devoto da literatura. Um falso leitor jamais gastará seus reais para encher uma estante de objetos recheados de palavras. Agora com os objetos do pecado, será possível carregar dezenas, centenas e quem sabe milhares de obras. Uma coisa é fato, a literatura é uma arte que poucos sabem como apreciar. Aqueles que sabem, independente do meio, jamais deixarão de estimá-la. Agora quem não sabe, não é preciso dizer nada!
[Leia outros Comentários de Vanderley Matias ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DOMINANDO GERENCIAMENTO DE PROJETOS COM MS PROJECT 2000
FRANCISCO CONSTANT DE FIGUEIREDO
CIÊNCIA MODERNA
(2001)
R$ 9,90



O SENHOR DOS PESADELOS
ELISABETH MAGGIO
MODERNA
(1995)
R$ 4,90



AMAR DE NOVO
DANIELLE STEEL
ALTAYA/RECORD
(2001)
R$ 12,00



DOM CASMURRO
MACHADO DE ASSIS
O GLOBO - CLICK
(1997)
R$ 8,90



ABRUPTA SEDE
EMMANUEL MIRDAD
VIA LITTERARUM
(2010)
R$ 49,00



HEPATOLOGIA - PREPARATÓRIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA - SJT
SJT
SJT
R$ 29,90



JOSÉ ECHEGARAY (TEATRO ESPANHOL)
JOSÉ ECHEGARAY
DELTA
(1962)
R$ 7,00



UM CORAÇÃO QUE SEJA PURO
JOSÉ FERNANDES DE OLIVEIRA
PAULINAS
(1982)
R$ 8,00



O MUNDO PITORESCO - TOMO 1
W.M.JACKSON INC. EDITORES
W.M.JACKSON INC.
(1945)
R$ 14,00



LOLITA
VLADIMIR NABOKOV
ABRIL
(1981)
R$ 10,00





busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês