Cheiro de papel podre | Carlos Goetteanuer | Digestivo Cultural

busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
>>> Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
>>> nem tanto assim
>>> Sob o domínio do Mal
Mais Recentes
>>> Conjugação dos Verbos Em Português de Maria Aparecida Ryan pela Ática (2012)
>>> Em Busca do Sonho, Vinte Anos de Aventuras da Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Record (2006)
>>> As Cidades do Brasil - Florianópolis de José Geraldo Couto e Caio Vilela pela PubliFolha (2006)
>>> Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil de Melquíades Pinto Paiva (Coord.) pela Ufc (1997)
>>> La Nausée de Jean-Paul Sartre pela Le Livre de Poche (1966)
>>> A Fishkeeper's Guide to Marine Fishes de Dick Mills pela Salamander (1985)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Edibolso (1977)
>>> O Médico e o Monstro de Robert Luis Stevenson pela Bup (1963)
>>> Teoria e Prática em Aquarismo Marinho de W. Naccarato pela Direkta (1983)
>>> Cristo Minha Vida de Clarence J. Enzler pela Paulinas (1974)
>>> Princípios de Filosofia de René Descartes pela Guimarães (1984)
>>> Problemática de Estética e Estética Fenomenológica de Moritz Geiger pela Progresso (1958)
>>> O Papel da Violência na História de Friedrich Engels pela Poveira
>>> Le Nouveau Roman de Jean Ricardou pela Editions du Seuil (1973)
>>> Quints 1, 2, 3, 4, 5 - The Cleanup de Little Golden Book pela A Golden Book (1990)
>>> Winnie the Pooh and the Missing Bullhorn de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Mickey's Christmas Carol de Walt Disney Productions pela A Golden Book (1991)
>>> The Little Mermaid de Walt Disney Pictures pela A Golden Book (1991)
>>> Lady and the Tramp de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Geografia Interativa 8º Ano: A estrutura do Poder: América e África de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> História Interativa: 9º Ano: Integrada de Ubirajara F. Prestes Filho e Edson Xavier pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Geografia Interativa 9º Ano: Recursos Naturais, Europa, Ásia e Oceania de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Ensino Religioso: Conexão Essencial: 8ª Série - 9º Ano de Adolfo S. Suárez e Marcos De Benedicto e Rodrigo P. Silva pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> O caso Oppenheimer de Heimar Kipphardt pela Brasiliense (1966)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução - Edição especial de Carlos Marcelo pela Agir (2009)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2013)
>>> A Fera de Macabu (A História e o Romance de Um Condenado à Morte) de Carlos Marchi pela Record (1998)
>>> Foklore fondano de Insegnante Dario Lo Sordo pela Associazione maestri Cattolici
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Norte de Soldan, Edmundo Paz pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Norte de Soldan, Edmundo Paz pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Norte de Soldan, Edmundo Paz pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Norte de Soldan, Edmundo Paz pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Norte de Soldan, Edmundo Paz pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Norte de Soldan, Edmundo Paz pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Norte de Soldan, Edmundo Paz pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Raylan de Leonard, Elmore pela Companhia Das Letras (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 16/11/2010
Cheiro de papel podre
Carlos Goetteanuer

+ de 6900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

"Livro é fetiche". É o que tenho ouvido por aí há algum tempo, principalmente após o lançamento do Kindle, seguido pela popularização dos leitores eletrônicos. Esse fetichismo, associado a uma necessidade de contato físico com o objeto da adoração, foi apontado como uma das razões potenciais para o insucesso dos leitores eletrônicos. Na cabeça dos resistentes à modernidade, o livro é mais que um acumulado de folhas de papel. Trata-se de um objeto de adoração, merecedor de carinho, amor e afago com a ponta dos dedos.

Essa tendência ganhou sua maior representação ano passado, com uma declaração de Pedro Herz, dono da mágica Livraria Cultura. Ao ser questionado sobre o futuro dos livros eletrônicos, o empresário afirmou que os leitores consideravam o "cheiro do livro de papel" algo insubstituível. A relação odorífera com os livros seria tão poderosa que tornaria questionável o sucesso imediato dos modernosos leitores eletrônicos.

Insatisfeito com o falatório alheio, resolvi procurar a definição de fetiche na Wikipédia em uma fonte confiável, para ver se havia o harmonia entre meus sentimentos é a máxima do fetichismo literário. O Dicionário Aurélio nos explica que fetiche é um "objeto animado ou inanimado, feito pelo homem ou produzido pela natureza, ao qual se atribui poder sobrenatural e se presta culto; ídolo, manipanço". Impossível não se encantar com o texto da definição. E, confesso, para mim, livro é, sim, um objeto de culto.

Encaro a literatura, e com ela os livros, quase como uma religião. Na estante, meu altar particular, tenho várias imagens sacras, como São Machado de Assis e São Italo Calvino. E, se há um espaço que é para mim uma catedral, tal lugar é uma boa livraria sortida de títulos desejados. Entre as estantes estão reunidas muitos de meus deuses, aprisionados em folhas de papel. Com alguns Reais, sempre mais do que eu possuo, eu posso capturar a bênção entidades santas e levar para casa um pouco de sua divindade.

Portanto, enxergo em um livro um poder realmente sobrenatural. Mas, recentemente, acabei cedendo à tentação do coisa-ruim e cometi um pecado que, em outros tempos, garantir-me-ia o comparecimento ao incêndio de uma fogueira portentosa, com direito de visão pelo lado de dentro. Decidi comprar um leitor eletrônico.

A escolha não foi fácil, principalmente porque em nossas terras brasileiras o assunto ainda engatinha. Primeiro, estabeleci dois critérios, a qualidade da leitura e a disponibilidade de livros em português. Excluí o leitor da Sony, que, apesar de possuir touchscreen é muito reflexivo. Depois, nadei contra a corrente majoritária e ignorei o Kindle, queridinho da atualidade. O aparelho, apesar de possuir a gigante Amazon por trás, ainda tem poucos títulos em português e é incompatível com a maioria dos livros fornecidos pelas poucas livrarias eletrônicas nacionais e com o formato epub, no qual é possível encontrar centenas (talvez milhares) de títulos de domínio público totalmente de graça. Optei, assim, pelo Nook, leitor eletrônico da Barnes & Noble, que, apesar de quase ignorado no Brasil, pode ser uma boa opção para quem consegue realizar compras no exterior.

Após a decisão e, com a tradicional ajuda do amigo-que-vai-para-fora, consegui comprar meu leitor eletrônico. No entanto, minha estreia na leitura eletrônica deu-se de maneira acidental. Os deuses da literatura me fizeram perder o exemplar do livro de papel que estava lendo e tive que recomprar o título, oportunamente, no formato eletrônico. Mas, ainda que abrupta, a transição foi agradável. Após alguns minutos de leitura do papel eletrônico, eu já me sentia familiar com aparelho e sequer me tocava que, um dia antes, ainda lia a versão de papel da mesma obra. Para trocar de página, basta apertar um botão e a folha de papel que estava na sua frente, como que por mágica, fica meio borrada e muda seu conteúdo. Certamente, trata-se de um objeto produzido por forças malignas, para emular um livro com perfeição e afastar os literatos de seu objeto verdadeiro de adoração.

Verdade que nem tudo são flores. Vez ou outra um reflexo incomoda um pouco e, para quem, como eu, cultiva o hábito exótico de leitura em penumbra, a falta de um contraste melhor pode incomodar. O reduzido tamanho da tela não chega a ser um problema para quem está acostumado a ler edições de bolso. Por outro lado, os ganhos são incalculáveis. O número de obras de qualidade disponíveis para domínio público é tão grande que já justifica o investimento no eReader. Basta pensar quanto custa, por exemplo, uma coleção de obras completas de Machado de Assis e lembrar que você pode pegar tudo absolutamente de graça na Internet.

Sempre haverá quem goste de carregar estantes nas costas a cada mudança de endereço. Há até quem veja nisso uma demonstração de sua fé. Eles me lembram aqueles que frequentam as igrejas para expiar os pecados da omissão literária. Mas, ao fim, esquecem que o Evangelho é uma ideia, não um livro ou mesmo um texto. Todavia, eu me tornei um herege a partir do momento que vi a telinha de papel eletrônico. E fetichismo por fetichismo, meu objeto eletrônico é muito mais mágico e cheio de feitiços. Para quem ainda espera sentir o odor de livro por muito tempo, vale um recado. Isso é só cheiro de papel em decomposição.

Nota do Editor
Carlos Goetteanuer mantém o blog Estado Crônico.


Carlos Goetteanuer
São Paulo, 16/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Enriquecer é Glorioso! de Marilia Mota Silva
02. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 1) de Diogo Salles
03. Amar a vida! de Daniel Bushatsky
04. O risco de se tornar um sem-noção de Marta Barcellos
05. Thor de Guilherme Pontes Coelho


Mais Carlos Goetteanuer
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/11/2010
07h24min
O livro de papel é um meio de informação, um objeto de decoração, e é com certeza uma obra de arte. Tem todo o trabalho artesanal, tem o trabalho científico, gráfico, na qual insere desenhos e fotografias. Independemente de hoje se escrever muito em computador. Podemos até escrever nas estrelas. A arte existe, e o livro como obra ainda resiste.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
19/11/2010
11h59min
Cadu, excelente o texto. Muito informativo e articulado. Você é um jornalista em potencial, hein?! Parabéns!
[Leia outros Comentários de Carolina Fellet]
24/11/2010
09h27min
Você mesmo possui a arte perfeita de seduzir através de seus textos eletrônicos. Confesso, no entanto, que a minha rendição a esta modernidade vem muito lentamente preenchendo minha adoração de passar entre os dedos páginas e mais páginas de um livro que exala um cheiro provocador de êxtase.
[Leia outros Comentários de Láyla]
25/11/2010
17h22min
Muito ilustrativo. Acredito que como quase tudo da minha geração o livro em papel tende à extinção. Creio firmemente que o livro eletrônico incorporará as funções do celular, TV e demais parafernálias eletrônicas que temos que ulilizar mas detestamos carregar.
[Leia outros Comentários de Marcus Goettenauer]
27/11/2010
08h43min
Adoro o cheiro de livro novo, a capa, passar os dedos pelas páginas, frequento sebos, tenho uma desorganizada biblioteca com mais de mil livros, mas estou pronto para passar a ler num "leitor eletrônico" como você. Só estou esperando o mercado consolidar um equipamento que tenha quase todos os livros publicados no Brasil. O culto ao livro de papel pode continuar, mas tendo o livro como objeto, e não como literatura. Esta é composta pelos textos, que podem estar em qualquer suporte físíco ou não.
[Leia outros Comentários de José Frid]
27/11/2010
08h45min
O livro de papel nunca vai acabar. Assim como uma pintura feita com o Photoshop nunca irá substituir um Van Gogh ou um Da Vinci, esses cacarecos eletrônicos não passam de um sucedâneo prático, sim, para os que conseguirem adaptar-se, talvez até um pouco mais baratos (embora os preços de livros que tenho visto nesse formato não se justifiquem, e recaímos na velha história dos custos), mas sem qualquer glamour. Eu não falo daquele livreco do Jorge Amado vendido promocionalmente aos quilos nas bancas de jornais: refiro-me àquela edição rara do Dom Quixote, talvez do século XVII, que num sebo eu vi ao módico preço de R$ 12.000,00 e que não terei nunca; ou mesmo edições de luxo, modernas, de grandes clássicos, que custam muito menos (cem ou duzentos reais), mas cuja beleza do acabamento técnico é tão envolvente quanto a própria obra (como uma recente edição do "Grande Sertão", de Rosa). Nesses termos, o livro não é uma simples "leitura", mas objeto de arte.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
17/6/2011
20h36min
Acredito que vale a pena se tornar um pecador. Um pecadinho desses é passível de perdão. No entanto devemos observar que enquanto um objeto real que terá suas páginas amareladas, com o tempo somente será apreciado por um verdadeiro devoto da literatura. Um falso leitor jamais gastará seus reais para encher uma estante de objetos recheados de palavras. Agora com os objetos do pecado, será possível carregar dezenas, centenas e quem sabe milhares de obras. Uma coisa é fato, a literatura é uma arte que poucos sabem como apreciar. Aqueles que sabem, independente do meio, jamais deixarão de estimá-la. Agora quem não sabe, não é preciso dizer nada!
[Leia outros Comentários de Vanderley Matias ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEMOLIDOR E BATMAN
CHICHESTERE MCDANIELE FISHERE WRIGHT
ABRIL JOVEM
R$ 14,80



LA VOZ DE DIOS
CINDY JACOBS
BETÂNIA
(1996)
R$ 50,00



RODA DA FORTUNA
MARTIN SCHULMAN
ÁGORA
(1988)
R$ 20,00



WICCA Nº 25 - ORÁCULOS II - NOSTRADAMUS - BOLA DE CRISTAL - TAROT
EDDIE VAN FEU
MODUS
R$ 15,00



HISTÓRIAS DE UM CANTO DO MUNDO: MEMÓRIAS DE PORTO ALEGRE E DO RIO GRANDE DO SUL
DEBORAH FINOCCHIARO, ROSINA DUARTE
TOMO EDITORIAL
(2008)
R$ 30,00



O VELHO E O MAR
ERNEST HEMINGWAY
FOLHA
(2003)
R$ 10,00



POESIA CHINESA CONTEMPORÂNEA; POESIA CHINESA CLÁSSICA
REVISTA POESIA SEMPRE, CHINA N°27 ANO 14
FBN
(2007)
R$ 29,82



REVISTA NINTENDO WORLD--187--CAPTAIN TOAD TREASURE TRACKER
CASE
CASE
R$ 18,00



NADA É IMPOSSÍVEL PARA DEUS
JOCYMAR FONSECA
CASA NAZARENO DE PUBLICAÇÕES
(2003)
R$ 18,00



DONNIE DARKO - EDITORA DARKSIDE
EDITORA DARKSIDE
DARKSIDE
(2016)
R$ 25,00





busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês