Redescobrir as palavras, reinventar a vivência | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 5/1/2016
Redescobrir as palavras, reinventar a vivência
Duanne Ribeiro

+ de 2200 Acessos

A alteridade como viagem, a linguagem como descoberta, eis os dois núcleos de Sem Vista Para o Mar, obra de estreia da escritora Carol Rodrigues, considerada o melhor livro de contos do ano tanto pela Biblioteca Nacional quanto pelo prêmio Jabuti - neste último, tendo concorrido com nomes já estabelecidos como Sérgio Sant'anna, João Ubaldo Ribeiro e Humberto Werneck. Aos 30 anos, com formação e carreira na área audiovisual, a autora constrói narrativas curtas, inventivas no trabalho da palavra, atenciosas quanto aos personagens, delicadas na apreensão dos momentos em que a rotina tropeça, em que o cotidiano se renova pela fuga.

Fuga - e outros conceitos que impliquem instabilidade semelhante - é a palavra que permite entrever todos os pequenos percursos do livro. Um menino foge porque seu desejo é um crime; um homem viaja para encontrar um amor que via como seu, mas que era dividido com outro; um velho despede-se por um instante do velhar; uma mulher larga um casamento como quem arruma um carro parado na estrada. O que se captura aqui é a percepção, quem sabe ilusória, de que tudo será diferente, tudo é diferente, pelo menos agora. Um passo em direção ao vazio.

Montado em primeira pessoa ou em discurso indireto livre, o estilo da escritora é sonoro e rítmico, como se vê em "Onde o Mar Acaba":
O menino no short listrado nem precisa dar de ombros tá escrito no seu ombro a gola furada a camiseta do uniforme pingada a marmita, tá escrito escola pública, tá escrito a blusa é velha, tá escrito tudo isso não precisa nem dizer. O chapeiro assente compreende e manda o menino pra prainha, fim de tarde tem bebida, tem jovem tem menina. Se veio pras loirinhas, do Paraná, melhor descer mais, aqui tem mais é índia feito tu. O menino frusta um gole no café com leite. Que menina já viu, de repente, as meninas já nem quer.
As figuras de linguagem dão a cadência: assonância ("a gola furada a camiseta do uniforme pingada a marmita"); anáfora ("tá escrito escola pública, tá escrito a blusa é velha, tá escrito tudo isso não precisa nem dizer"); aliteração ("prainha" e "compreende"), rima ("assente" e "compreende"). Recursos do tipo são usados ao longo de todo o livro. Além disso, o ritmo é dado pelo dinamismo da composição das cenas. Veja-se um trecho de "Penélope e a Roda":
Uma gota cai da cara ao colo é a hora. Um clec rec abre a porta. O pé sapatilha pisa a terra cola pó ao verniz. O pé faz ponta bailarina tica tica até o porta malas clec rec mum que se abre. O tampão lasca uma unha o esmalte penélope. O tampão ao banco de trás. O estepe michelin sete quilos doze por cento do seu peso matinal. O estepe ao chão topa uma pedra e cai oculto. O céu suga a terra um espiral brilha néon.
Cada frase compõe-se de dois lances, descreve imagem ou som e conta com pelo menos uma ação. O líquido no rosto, uma constatação; ouve-se um som, abre-se a porta; calçado no solo, close na poeira; o "tica tica" sugere o andar teso; e assim por diante. A velocidade também marca os diálogos. Por exemplo, em "Entre Maio e Junho":
Estalo a tira fina da calcinha asa delta e entro. Homem é trinta mulher é doze. A senhora de frente pergunta à senhora da porta aceita cheque. Não nem cartão só dinheiro quem ainda usa cheque. Pago a minha entrada pago a dela, coitada e pra terceira pega o troco pra você. Nisso um pulso quente pousa entre o debaixo da minha bunda e o fim da minha saia plissada. O pulso quente é de homem grande posso te pagar uma dose. Não diz qual bebida só assim uma dose. Diz que entrega tevê de plasma setenta e duas polegadas que o caminhão está cheio, logo ali, que se eu quiser, me mostra. Eu digo que depois querido depois.
O que vemos se mistura com o que ouvimos; mais profundamente, o gesto é o mesmo que o discurso.

Oscar Wilde teria dito: "Um escritor que chama uma enxada de enxada devia ser obrigado a usá-la". Há também um pouco dessa exigência de renovação em Carol Rodrigues. "Sonoplastia da lata abriu caminho"; "O gole tortura uma afta"; "O corpo sem ritmo torce gerúndios" - tais trechos reconduzem a descrição banal à possibilidade de expressão, pelo artesanato da frase. "Sonoplastia", sem filmes; "tortura", sem ditaduras; "gerúndios", sem gramáticas - o deslocamento dos termos do seu campo semântico produz o efeito. Em outros casos, a sobreposição de gesto e sentimento é que marca: "Barrei a náusea no olho fechado"; "Um soco na boca do estômago me dobra pra sempre". A concisão do recurso maravilha.

Encanto e Política
Em um artigo sobre como foi criar Sem Vista Para o Mar e em uma entrevista sobre o livro, Carol Rodrigues conta que suas histórias surgiram do fascínio pelos nomes de cidades do interior paulista, os mundos que sugeriam. Desde a origem e, como tentamos mostrar acima, através das escolhas de redação há uma busca pelo encanto, ou uma decisão de seguir só pela via do que encanta.

Uma postura assim implica em uma abertura, que, no livro, acaba também sendo política. A autora aborda mulheres independentes, que tomam posse da sua vida ("empoderadas", se poderia dizer); fala do amor homoafetivo; dá atenção a quem está às margens da sociedade. Sendo as lutas por identidade uma das temáticas públicas de maior força hoje, uma dúvida que pode surgir é se isso se dá de modo espontâneo ou movido por motivações programáticas. Além disso ser, de todo jeito, um falso dilema, em Carol Rodrigues o que acontece é que a diversidade é, como a linguagem, uma porta aberta ao diferente, similar ao que os personagens encontram. Dessa forma, pensar o outro é um passo em direção à abundância.

Outra questão que pode surgir, já de volta aos temas de estilo, é se a maneira como é narrado o livro - o abandono da pontuação em prol do fluxo, por exemplo - é somente um maneirismo (o que, na minha perspectiva, pesaria contra o texto) ou uma escolha e/ou algo que surge das necessidades de expressão do tema. Difícil afirmar sem saber como ela se desenvolverá. Esperemos, então: o próximo livro já está em produção e pode sair ano que vem. Deve se chamar: Os Maus Modos.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 5/1/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro
03. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
04. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
05. Livrarias de Ricardo de Mattos


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
02. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ASTRONOMIE ASTROPHYSIQUE - INTRODUCTION
AGNÈS ACKER
DUNOD
(2001)
R$ 150,00



AS VINHAS DA IRA 2 VOLUMES
JOHN STEINBECK
ABRIL CULTURAL
(1982)
R$ 45,00



O SERMÃO DA MONTANHA
GEORGES CHEVROT
QUADRANTE (SP)
(1988)
R$ 23,28



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA 1995 LIVRO DO ANO
RADIVERSOS AUTORES
ZAIROL
(1995)
R$ 75,00



INSTITUIÇÕES DE DIREITO CIVIL- VOL. 3-FONTES DAS OBRIGAÇÕES
CAIO MÁRIO DA SILVA PEREIRA
FORENSE
(1970)
R$ 41,31
+ frete grátis



ADOLESCÊNCIA IDADE CRÍTICA?
MÁRIO DE NORONHA E SÉLIA DE NORONHA
PLÁTANO
(1994)
R$ 17,75



MOTHERN: MANUAL DA MÃE MODERNA
JULIANA SAMPAIO; LAURA GUIMARÃES
MATRIX
(2005)
R$ 10,00



CASA & JARDIM - EDIÇÃO DO ANO
J. ALEXANDRE QUINTÃO DIRETOR-PRESIDENTE
EFECÊ
R$ 9,00



POR QUE OS HOMENS MENTEM E AS MULHERES CHORAM?
BARBARA PEASE; ALLAN PEASE
SEXTANTE
(2003)
R$ 9,90



UMA VOZ DO OUTRO MUNDO
MARGARIDA PATRIOTA
DIMENSÃO
(2008)
R$ 12,00





busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês