4 filmes sobre publicar livros | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51690 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Prefeitura de SP institui gratificação de até R$ 1.500 reais para diminuir rotatividade de docentes
>>> Queen Immortal faz show em homenagem ao aniversário de Freddie Mercury
>>> Projeto cultural gratuito traz cinema e teatro para cidades goianas
>>> Festival da Linguiça de Bragança retorna com expectativa de 70 mil visitantes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Graciliano Ramos, o gigante
>>> Entrevista com Gerald Thomas
>>> O fim do (meu) automóvel
>>> Sobre o som e a fúria
>>> 27 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Minhas caixas de bombons
>>> Direto do show do Chickenfoot
>>> Suicídio da grande imprensa
>>> Como ser uma webcelebridade
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
Mais Recentes
>>> Encontro À Meia-noite de Liliana Iacocca pela Ftd (1988)
>>> Ó (de) Itabira de Marcus Accioly pela José Olympio (1980)
>>> O Moleque Ricardo de Jose Lins do Rego pela Jose Olympio (1981)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Jose Olympio (1995)
>>> O Velho Feiticeiro de Assis Brasil pela Melhoramentos
>>> A Filosofia Contemporanea de Wolfgand Stegmuller pela Edusp
>>> O Negócio do Século XXI - o Guia do Pai Rico de Robert Kiyosaki pela Campus (2011)
>>> Alimentos Saudáveis, Alimentos Perigosos - Guia Prático de Readers Digest pela Do Autor
>>> Antes Que o Sol Apareça de Lucília Junqueira de Almeida Prado pela Brasiliense (1984)
>>> O Velho da Horta Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente, Segismundo Spina pela Brasiliense (1996)
>>> A Herança de Beni - uma Aventura Histórica e Virtual de Enio Rechtman / Silvio Fisberg pela Hebraica
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Brasiliense (1995)
>>> O Muiraquitã - Coleção Jovens do Mundo Todo de Odette de Barros Mott pela Brasiliense
>>> Contos de Andersen de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1958)
>>> Aprender Economia de Paul Singer pela Brasiliense (1994)
>>> Jesus de Paulo Leminski pela Brasiliense (1984)
>>> O Romance de Tristão e Isolda de Joseph Bédier pela Wmf Martins Fontes (2012)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela José Olimpio (1991)
>>> Qué Camino Tomar? de Edwin Becerra pela Santillana (2005)
>>> O Poder do Super Bicho de Edy Lima pela Melhoramentos (1979)
>>> Regras Oficiais de Beisebol de Não Consta pela Brasil (2008)
>>> Enigma na Televisão - Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica (1991)
>>> Ímpar de Marcelo Carneiro da Cunha pela Projeto (2002)
>>> O Caso dos Modelos de Pernas Longas de Etle Stanley Garcher pela Circulo do Livro
>>> Livro - 1968 Ditadura Abaixo de Teresa Urban e Guilherme Caldas pela Arte e Letra (2008)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/4/2020
4 filmes sobre publicar livros
Ana Elisa Ribeiro

+ de 1900 Acessos

Neste confinamento, a gente acaba se valendo da música, da literatura e do cinema/série/tv para manter a sanidade, a calma ou fazer uma espécie de catarse. Além de tentar tirar o atraso da fila de livros literários que se acumula na estante, resolvi também ver uns filmes de que ouvira falar, mas, principalmente, conhecer coisas que nem sabia que existiam. É claro que isso depende um pouco das trocas com amigos e amigas, namorado, familiares, que continuam acontecendo por todos os canais virtuais possíveis. O outro pouco depende apenas de buscar nessas listas que as plataformas nos dão, conforme algum algoritmo nem sempre muito esperto.

Um dos exercícios mentais que venho fazendo é uma habilidade importante na leitura, mas que vale para tudo o que a gente tenta entender: a comparação. Outra habilidade, que tem a ver com essa, é ficar tentando achar pontos em comum entre filmes diferentes, fazendo uns elos interessantes pelos quais olhar para essas obras. Há uns dias, publiquei sobre filmes cujo tema são as livrarias. Três belezuras a que assisti recentemente. Agora, consegui reunir alguns filmaços que se relacionam porque têm como figuras centrais escritores ou escritoras, cada um à sua maneira.

Quando a gente faz isso, não quer dizer que se tenha a obrigação de falar de todos os filmes ou livros do mundo. É curioso que a gente publique uma pequena lista e logo alguém se coce para completá-la. É esperado que nenhuma lista seja exaustiva, ainda mais uma com três ou quatro elementos, então não custa ter boa vontade sobre os objetivos de um texto curto como este. Mas também pode ser legal quando alguém indica um livro ou um filme para a gente conhecer, ainda mais quando o confinamento não dá muito mais opções. Bom, mesmo para quem não pode estar confinado/a, em algum momento, é preciso descansar e parar para respirar, manter a sanidade, desligar-se um pouco. Que seja lendo ou vendo algo bem interessante.

Vou começar por um filme argentino-espanhol chamado O cidadão ilustre (El ciudadano ilustre), dirigido por Gastón Duprat e Mariano Cohn, lançado em 2016. Ganhou prêmios e teve algumas indicações merecidas. As primeiras cenas já me fisgaram de jeito. O protagonista, Daniel Mantovani (vivido por Oscar Martínez), recebe o Prêmio Nobel de Literatura, com toda aquela pompa, mas faz um discurso desconcertante, desses que alfinetam deus-e-o-mundo, em especial o mundo aqui fora. Daí a vida dele fica ainda mais atribulada, com uma agenda lotadíssima de coisas que ele já não tem mais saco de fazer. Até que ele recebe um convite de sua cidade natal, no interiorzão da Argentina, quarenta anos depois de ter saído para morar na Espanha. Bom, ele resolve ir. E tudo quanto for treta inesperada acontece lá, além de cenas hilariantes em eventos a que ele precisa comparecer como “cidadão ilustre”, marias-escritor de que ele precisa se desvencilhar e cursos esvaziados que ele precisa ministrar. Não se trata, então, de um filme sobre um aspirante a escritor, mas de um filme sobre um escritor dos muito bem-sucedidos. Só de piscar assim é possível lembrar de outros com essa temática, sobre homens que escrevem, publicam e se tornam lendas. A novidade não está aí, claro, mas na ironia das cenas, reconhecíveis para quem tem alguma intimidade com esses bastidores ou para quem quer desglamourizá-los. Divertidamente irônico.

Do interior da Argentina contemporânea vamos para a Inglaterra dos anos 1940, também no “interior”, na verdade uma ilha dominada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata (em inglês, The Guernsey Literary and Potato Peel Pie Society) conta a história de uma escritora londrina, Juliet Ashton, que troca cartas com um morador da ilha, onde funciona uma sociedade literária, uma espécie de clube de leitura, com um funcionamento bem peculiar e uma história de fundação mais peculiar ainda. O filme é inglês, dirigido por Mike Newell, estrelado por Lily James e Michiel Huisman, e foi lançado no Brasil em 2018. O roteiro é inspirado no livro homônimo de autoria de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows, por aqui saído pela editora Rocco. Semelhantemente ao argentino indicado, neste filme de época, a personagem central é uma escritora bem-sucedida, com agente e tudo, viajada e razoavelmente endinheirada com seu trabalho nas letras. Impressionante para uma mulher de meados do século XX. Não é também uma aspirante, mas uma escritora constituída, que precisará, então, manter em segredo as incríveis histórias que vive (e escreve) sobre a ilha, onde acaba se estabelecendo (com o perdão do leve spoiler).

Para continuar nesse clima de época, vamos agora aos Estados Unidos, durante a Guerra de Secessão, no século XIX. Em Adoráveis Mulheres (Little Women), filme recém-ganhador do Oscar de melhor atriz (Saoirse Ronan), assistimos, agora sim, à vida difícil de uma jovem do interior que deseja ser escritora. Ou melhor, ela é escritora, passa noites em claro manuscrevendo suas peças e seus romances, mas obviamente encontra poucas oportunidades de publicá-los ou montá-los, exceto dentro de casa, entre mãe e irmãs. O pano de fundo da guerra está sempre ali, enquanto a vida das quatro moças e da mãe, junto a vizinhos prestimosos, segue um curso esperado para mulheres brancas, quase em qualquer tempo: nascer, crescer, casar-se. Não era exatamente o que a personagem, Jo March, desejava para si. Em algum momento, ela encontra espaço para suas publicações, e até recebe grana pelos textos, mas sem se assumir completamente e sem o êxito da inglesa do filme anterior. Adoráveis Mulheres foi lançado no Brasil em 2020. É inspirado no livro Little Women, de Louisa May Alcott, lançado aqui como Mulherzinhas, por várias editoras, já que está em domínio público (Zahar, Planeta, Penguin-Companhia das Letras, L&PM, José Olympio, etc.). É uma obra do século XIX, no cinema dirigida por uma mulher deste século, Greta Gerwig. Embora em português o título soe pejorativo, não, a ideia não é essa.

Em cada um desses filmes, o escritor ou a escritora são representados/as de um modo, mas a vida das mulheres nessa seara é um tanto mais difícil. E para completar os obstáculos, além do machismo reinante, passamos à Polônia do século XX, durante uma ditadura que censurava a publicação de livros. A médica ginecologista Michalina Wislocka, expert em controle de natalidade e sexóloga, vive experiências pessoais e profissionais à frente de seu tempo. O filme A Arte de Amar (The Art of Loving, em inglês) é dirigido por Maria Sadowska e chegou ao Brasil depois de 2017, estrelado por Magdalena Boczarska, num papel fascinante. Ao longo de sua carreira de médica, Michalina, incentivada por amigas e inúmeras pacientes, de todos os estratos sociais, escreve um livro, uma espécie de manual para a felicidade sexual, em especial a das mulheres. Tal livro leva anos a fio para se desvencilhar da censura, dos julgamentos de grupos de homens horrorizados e de membros da igreja católica. O manuscrito tem editora, que vislumbra nele um imenso sucesso, mas nunca consegue vir a público, por impedimentos de variada natureza. Até que... A Arte de Amar vem à luz e, sim, é o sucesso de que se suspeitava. O filme é inspirado numa espécie de biografia de Michalina, que existiu de fato e teve uma vida impressionante. Por enquanto, não o temos publicado no Brasil.

Não sei quem teve mais dificuldade de publicar um livro: Michalina ou Jo March, no interior dos Estados Unidos ou na Polônia. E depois, não sei quem encontrou mais bizarrices numa vida de escritor ou escritora bem-sucedido/a, Mantovani ou Juliet Ashton. Bem, certamente, para nosso querido escritor argentino, ganhador de um Nobel, o caminho foi muito menos tortuoso. Vale ver as quatro películas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 17/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
02. Confissões pandêmicas de Julio Daio Borges
03. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
04. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
05. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2020
01. Nem morta! - 4/9/2020
02. Ler, investir, gestar - 17/1/2020
03. Filmes de guerra, de outro jeito - 10/7/2020
04. Meu reino por uma webcam - 19/6/2020
05. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) - 27/11/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Revista Elvis Presley- O Legítimo e Único Rei Do Rock - Nº51
Vários Autores
Escala



Relacionamento
The School of Life
Sextante
(2018)



Leviathan
Paul Auster
Faber and Faber Uk
(2000)



A Espiã de Bagdá - Espionagem e Intrigas do Iraque para Londres
Corinne Souza
Landscape
(2004)



Apeosp - I Cant Breathe! Black Lives Matter + Balanço de Gestão 2019/2020
Apeosp
Sindicato dos Professores de Sp



Fundamentos do Ipi - Imposto Sobre Produtos Industrializados
Eduardo Domingos Bottallo
Revista dos Tribunais
(2002)



Cash - a Autobiografia de Johnny Cash
Patrick Carr, Johnny Cash
Leya
(2013)



Straigh Forward - Pre-intermediate (com Cd)
Philip Kerr
Macmillan
(2009)



Os provisórios
Helena Parente Cunha
Antares
(1990)



O Apanhador de Sonhos
Stephen King
Objetiva
(2001)





busca | avançada
51690 visitas/dia
2,0 milhão/mês