Dia do lixeiro passar | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
83516 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “A Pequena Keruaka”: obra infantojuvenil mostra jornada para salvar os rios e florestas do Brasil
>>> Festival de Patinação de Rio do Sul abre inscrições
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Crônica, um gênero brasileiro
>>> Os melhores votos, de uma cética
>>> O que é a memética?
>>> Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian
>>> As garotas do Carlão
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> Boemia, aqui me tens de regresso
Mais Recentes
>>> O Poder Criativo da Mulher de Edino Melo pela Arca (2013)
>>> O Problema Dos Três Corpos de Cixin Liu pela Suma De Letras (2016)
>>> O Rei Dos Dividendos: A Saga Do Filho De Imigrantes Pobres Que Se Tornou O Maior Investidor Pessoa Física Da Bolsa De Valores Brasileira de Luiz Barsi Filho pela Sextante (2022)
>>> Capitaes De Areia (edicao De Bolso) de Jorge Amado pela Companhia De Bolso (2009)
>>> Manual De Persuasao Do Fbi de Jack Shafer pela Universo Dos Livros (2015)
>>> Dicionário Enciclopédico de Administração de Cary L. Cooper e Chris Argyris pela Atlas (2003)
>>> O Diario De Um Banana 1: Um Romance Em Quadrinhos (capa dura) de Jeff Kinney pela V&r (2008)
>>> A Revolucao Da Glicose. Equilibre Os Niveis De Acucar No Sangue E Mude Sua Vida de Jessie Inchauspe pela Objetiva (2022)
>>> Guia Completo de Reflexologia de Ann Gillanders pela Pensamento (2024)
>>> Autocura Pelos Florais de Bach de Pier Campadello pela Madras (2002)
>>> Ntc's Dictionary Of American English Phrases de Richard A. Spears pela Ntc (1995)
>>> Romance da Pedra do Reino de Ariano Suassuna pela Círculo do Livro (1987)
>>> Fogo Frio: Poemas De Tras Da Geladeira de Yasmin Gomlevsky pela Cassara (2013)
>>> Novíssima Gramática Da Língua Portuguesa de Domingos Paschoal pela Companhia Nacional (2008)
>>> Riqueza das Nações - 2 Volumes de Adam Smith pela Fundação Calouste Gulbenkian (1987)
>>> A Mao Esquerda Da Escuridao de Ursula K. Le Guin pela Aleph (2019)
>>> O Corpo Dela E Outras Farras de Carmen Maria Machado pela Planeta (2018)
>>> Teoria Geral Do Processo Civil de Milton Paulo De Carvalho pela Campus (2010)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Seguinte
>>> Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa - Formato Grande de Antonio Houaiss pela Objetiva (2001)
>>> A Imagem do Som de Gilberto Gil de Gilberto Gil pela Francisco Alves (2000)
>>> Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa - Não Acompanha CD de Antonio Houaiss pela Objetiva / Houaiss (2009)
>>> Os Lohip-hopbatos Em A Guerra Da Rua Dos Siamipês de Flavio De Souza pela Companhia Das Letrinhas (2013)
>>> Arquitetura E Planejamento Na Gestão Da Saúde de Richard M. J. Bohmer pela Bookman (2012)
>>> O Eufemismo e o Disfemismo no Portugues Moderno de Heinz Kroll pela Biblioteca Breve (1984)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/11/2008
Dia do lixeiro passar
Guga Schultze
+ de 6300 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Mulheres confabulam na cozinha e trocam informações numa freqüência muito alta. Prestam o máximo de atenção umas às outras e o mínimo de atenção ― só o suficiente para não trombar nele ― no sujeito que invade a cozinha atrás de um pouco de café. Não adianta perguntar, nesse momento, onde está a garrafa térmica. "Está guardada no lugar de sempre" seria a resposta provável. Mas o "lugar de sempre" é relativamente variável e a nova disposição dos apetrechos de cozinha, desde que o novo jogo de xícaras foi incorporado, não foi devidamente informada. Ou foi, mas a memória masculina não conseguiu gravar a informação, por dois motivos principais:

Primeiro: Não existe um elo sólido entre apetrechos de cozinha e a mente masculina. Uma garrafa térmica é só uma forma comprida onde costuma haver café. A antiga, que não funcionava direito, era amarela. Essa nova, agora, é preta. Mas a diferença precisa ser apontada porque no momento em que os olhos dele bateram na nova garrafa preta, a antiga foi imediatamente esquecida, como se nunca tivesse existido. E, de certa forma, ela nunca existiu. Existe apenas uma coisa, comumente chamada de garrafa térmica, onde costuma haver um pouco de café e todas elas, as garrafas, são a mesma garrafa porque são todas iguais.

Segundo: A informação de que havia uma nova disposição das coisas na cozinha foi realmente transmitida. A mulher disse ao homem que a garrafa térmica seria guardada em outro canto (uma cozinha pode ter centenas deles) e chegou a mostrar onde era esse canto. Mas essa informação não foi propriamente dirigida a esse homem. Porque as mulheres trocam informações entre si de uma forma muito eficiente, mas também costumam passar informações a outros seres vivos ― incluindo cachorros, jardineiros, gatos e bancários ― esperando o mesmo resultado em eficiência. Em suma, elas se dirigem sempre a uma outra mulher, não importando que na sua frente esteja um eletricista gordo e bigodudo. Que, coçando o bigode, não consegue compreender a diferença entre uma tomada "muito perto da porta" e outra "um pouco mais afastada e não tão alta" e que "esteticamente fará toda a diferença". Ele não vê a diferença. Provavelmente ele nem sabe o que é "esteticamente" ou, no melhor dos casos, sabe, mas nunca foi capaz de compreender plenamente o significado.

Não podemos perceber plenamente o significado de tantas coisas. O Sol se põe no final do dia e, às vezes, o espetáculo é grandioso. No meio do trânsito urbano, do alto de algum viaduto vemos, por breves instantes, o Sol se escondendo, com aquelas tintas transparentes e vermelhas, sobre a linha do horizonte. Outras vezes uma lua cheia assume o céu noturno, acima do pálido néon dos outdoors. As luzes mesquinhas da cidade ficam mudas por um instante e o disco lunar, entrevisto da janela do carro, faz sua pergunta invariável: "quem é você, cara?".

É uma pergunta retórica, caramba. Não é para responder. Pelo menos não para a mulher que está sentada ao lado, no banco da frente. Ela observa seu acompanhante com o canto dos olhos, onde alguma nesga de luz que vem da rua se reflete. Ela percebe o ínfimo namoro dele com a Lua, percebe nele a inclinação natural para se perder em perguntas retóricas, percebe sua atração infantil por questões abstratas. Não que ela seja imune a essas questões, mas uma mulher se relaciona, acima de tudo, com coisas concretas. Ela espera solidez do mundo que a rodeia. Espera, na sua condição de partícula atômica sem freios, um centro gravitacional que mantenha a sua órbita estável. "Não olhe pra cima" ― talvez ela pense ―, "essa Lua não vai te ajudar em nada. Olhe pra mim e me responda com toda honestidade: até onde você pretende ir comigo, até onde você me levaria?".

Muitas e muitas mulheres, talvez a maioria delas, em alguma época da vida, desejam filhos e muito já foi dito sobre o "instinto maternal", um conceito que as próprias mulheres, às vezes, rebatem como falso ou inadequado. Inadequado porque uma simples e premente necessidade de botar os pés no chão está, muitas vezes, atrás do desejo feminino de ter filhos. É toda a motivação que uma mulher precisa, ou quase toda e, enquanto os homens se concentram e se detêm entusiasmados no parágrafo referente à aproximação, sedução, conquista e namoro, as mulheres lêem o texto inteiro, o documento invisível escrito em cada célula do seu corpo, que trata da existência, da vida social, dos ritos de passagem e dos ritos permanentes ao longo do relativamente curto caminho que se chama vida.

Os ritos fazem parte do cotidiano e as mulheres sabem disso. É até possível especular que o cotidiano em si seja criado por uma sucessão de ritos diversos, e a mulher é uma criatura de rituais. Todos se originam nela: festas de aniversário infantis, casamentos, formatura, vernissages e happy hours. A função primária dos rituais, desde a tradição esotérica que os originou, é a concentração da atenção, de forma que o praticante não se perca em devaneios inúteis e não se distraia com outras coisas que não interessam no momento. Os homens se distraem com uma facilidade assombrosa, mas também têm a capacidade de focar a atenção rapidamente em pequenos flashes. As mulheres são toda a atenção ou nenhuma atenção.

A histórica associação entre mulheres e feitiçaria, uma associação que tomou um caráter nefasto durante a Idade Média, está longe de ser pura invencionice. Como modernas feiticeiras elas continuam com novos rituais e com eles conjuram a própria sociedade, o dia-a-dia, o cotidiano ao qual todos nós estamos acostumados. Um mundo sem mulheres (se tal coisa fosse possível) seria uma zona perpétua. Sem mulheres e homens, é lógico, não existiria ninguém, mas supondo que as mulheres fossem só um corpo com um cérebro de poodle, por exemplo. Haveria apenas tribos de homens indisciplinados, sujos e brigões. Todas as festas seriam iguais, entre bebedeiras e quebra-paus. Não haveria semáforos nas ruas e ninguém usaria óculos, por aí. Estou me divertindo aqui e fantasiando, é claro, como seria de se esperar, levando-se em conta que eu seria um desses bárbaros. Mas eu desconfio seriamente que todas as leis, as normas de conduta, o ar refrigerado, as famílias, os semáforos, as festas de aniversário e os relógios devem sua existência à presença da mulher (como ser pensante) no mundo.

Homens que desejam filhos quase sempre têm idéias românticas sobre descendência e prolongamento do sangue, sobre futuros pelés e einsteins, uma forma de perpetuar o cambaleante e pouco confiável "eu". Eles aprendem a gostar dos filhos, num processo que, às vezes, pode até levar mais tempo que o esperado. As mulheres, no geral, não sofrem esse processo. Os filhos já são desejados previamente ou já existem dentro dela, antes mesmo que se materializem no corpo, e representam o ímã, o objeto quase místico que permitirá o exercício que a sensibilidade feminina reclama, um exercício necessário dos sentimentos, e será também a âncora que manterá seus pés no chão. Elas se encantam com as coisas materiais, com os símbolos, os métodos e os procedimentos que permeiam a matéria: um anel de noivado, um gesto romântico, flores oferecidas, a múltipla possibilidade de um par de sapatos combinar com seu guarda-roupas, um sorriso do bebê, um contrato assinado e, por que não, um cheque em branco. Assinado, claro.

Enquanto os homens esperneiam para voar e se libertar das algemas, as mulheres vêm voando, não de Vênus, mas do país das fadas Sininho e colocam as algemas para testar a capacidade dessas algemas em segurá-las em algum lugar. Um lugar escolhido, diga-se de passagem. Por falar em passagem, está na hora de colocar o lixo pra fora. Porque hoje (tinha me esquecido de novo, como sempre), é dia do lixeiro passar. Então vamos ajudar a organizar esse mundo, rapaz. Ok, passar bem.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 26/11/2008

Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
04. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008
05. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/11/2008
09h52min
Coitados dos homens do SEU mundo, hein? No meu, eles não são assim. Meus pêsames para a sua mulher, caso você seja assim também. Adoro os muitos homens amorosos, corajosos, atenciosos, verdadeiros e sem preguiça que encontrei pela minha vida. Tenho certeza que a mãe e a inteligência deles os fez diferentes dos seus. Ah, e caso você não saiba, o que não falta por aí é mulher do tipo que você descreve os seus homens. Aliás, o mundo real não se divide em mulheres sensíveis e homens broncos. As mulheres colocadas em um patamar divino fazem parte do seu mundo machista acomodado, onde os homens esperam que as "deusas" melhorem/organizem o seu mundo. Viva os homens, as mulheres, as crianças e os idosos que têm consciência do seu papel e respeitam o ser humano!
[Leia outros Comentários de Caru]
27/11/2008
14h43min
As mulheres são antenas parabólicas que captam os mais diferentes sinais no mesmo espaço de tempo e consegue decifrá-los, analisá-los, aprová-los ou não. Os homens, por exemplo, que querem tomar café, querem só aquilo naquele momento e não conseguem enxergar outra coisa. Assim como, coisa inexplicável, nunca conseguem achar o par de meias que a mulher pôs na gaveta. Se não tiver ali, exatamente onde pensam que estaria, a mulher vai ter que pegá-lo para ele, invariavelmente. É nessa lógica que o mundo caminha e talvez seja interessante por isso. Não sei se sua visão é machista (Caru), mas é algo que de fato acontece e é delicioso ver o lado masculino nessa confusão toda. Beijo.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
28/11/2008
20h24min
Acesso o link do Julio e vejo que tem um artigo do Guga e não resisto: sei que terei motivo pra sorrir muito, bem do jeito que preciso, depois de um dia chato... E não dá outra, rapaz, você é adorável. Beijo ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
3/12/2008
11h19min
Guga, quanto mais eu leio textos como este seu - do qual gostei muito, não obstante o tom ácido e indignado adotado por alguns comentaristas - mais me convenço de que só posso ser um híbrido entre essas duas entidades míticas: "o homem" e "a mulher"...rs Parabéns pelo texto. Apesar de não concordar com alguns aspectos, o mais importante é que o modo com que você desenvolve o seu raciocínio é delicioso e absorvente. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Lívia Santana]
3/12/2008
14h58min
Adriana, minha resposta para você sobre se sou ou não machista está no meu blog, tá? Beijo
[Leia outros Comentários de caru]
11/12/2008
18h20min
Guga, lendo o que você escreveu percebo que os meus filhos procedem da mesma forma. Não sabem achar nada "que não esteja no lugar onde eles acham que deve estar". É verdade. E não adianta reclamar. É assim e pronto. E quanto às "mulheres lêem o texto inteiro", devo concordar. São detalhes e alguns verdadeiros. Gostei da parte onde diz estar fantasiando e se divertindo ao fazer o texto. Trabalhar só é bom quando isso acontece... Além do mais, ler o que você escreve é mesmo uma viagem. Adorei. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Anna (Anny)]
3/3/2009
16h57min
Olhe, quem não elogia é porque não entendeu o texto. É uma exposição deliciosa de uma verdade da natureza, e não tem nada a ver com críticas a ninguém, né?! Adorei! Continue assim, ok?
[Leia outros Comentários de cléo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As vezes eles matam
Oliver Bleeck
Francisco Alves
(1978)



La Gravure En Taille Douce
J. M. Billard
Dessain et Tolra
(1985)



O Beco Da Solidão
Crusa Jerotica Bellacpsa
J.s
(2000)



A Arte do Século XVIII
Stephen Jones
Circulo do livro
(1989)



Cama de Gato
Kurt Vonnegut
Aleph
(2017)



Maria Luisa Rodenbeck
Luciana Medeiros
Verbo Virtual
(2017)



Sustentabilidade a Economia Mais Humana
Elizabeth Oliveira
Salesiana
(2009)



A Elevação Espiritual Através da Umbanda
Paulo Sérgio da Fonseca Guimarães
Fundação Educacional e Editorial Universalista - FEEU
(2007)



Bush 2 a Missão e outras reflexões sobre o mundo do século XXI
Nelson Franco Jobim
Nova Prova
(2006)



Livro Infanto Juvenis Dizem Que os Cães Veem Coisas Coleção Saber Nordestino
Moreira Campos
Maltese
(1995)





busca | avançada
83516 visitas/dia
2,4 milhões/mês