Sobre o som e a fúria | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Mais Recentes
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Noite na Taverna de Álvares de Azevedo pela Avenida (2005)
>>> Financiamento de campanhas eleitorais de Denise Goulart Schlickmann pela Juruá (2007)
>>> Terra de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Os Degraus do Pentágono de Norman Mailer pela Expressão e Cultura (1968)
>>> Infinito de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Serena de Ian McEwan pela Cia das Letras (2012)
>>> Comentáros à Lei de Responsabilidade Fiscal de Ives Gandra da Silva Martins & Carlos Valder do Nascimento & Organizadores pela Saraiva (2009)
>>> Estrela da Noite de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Reflexo de Antonio José pela Grafica da Bahia (1979)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda L. Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Procedimento Administrativo nos Tribunais de Contas e Câmaras Municipais de Rodrigo Valgas dos Santos pela Del Rey (2006)
>>> Vito Grandam de Ziraldo pela Melhoramentos (2005)
>>> Lei Eleitoral Comentada (lei 9. 504, de 30 de Setembro de 1997) de Renato Ventura Ribeiro pela Quartier Latin (2006)
>>> Manual de Direito Civil - Vol 3 Contratos e Declarações Unilaterais de Roberto Senise Lisboa pela Revista dos Tribunais (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/3/2008
Sobre o som e a fúria
Guga Schultze

+ de 13100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

No dia do seu aniversário, quando completa trinta e três anos de idade, Benjamin Compson caminha ao longo da cerca que separa os terrenos da velha mansão Compson do campo de golfe. Acompanhando Benjamin está um adolescente negro, Luster, encarregado de tomar conta dele e distraí-lo, dentro do possível, porque Benjamin é um deficiente mental.

O campo de golfe ocupa agora o antigo pasto, que pertenceu aos Compson. Supomos que havia, em outros tempos, alguma criação bovina, ou eqüina; ou seja, outros animais além dos membros da família. Da "sólida milha quadrada de terra" dos Compson resta, agora, apenas o terreno que circunda a velha mansão.

Benjamin segue os jogadores, caminhando rente à cerca, às vezes chorando, às vezes emitindo um som desarticulado, um lamento quase impessoal. Mas não está interessado no jogo, que nem sequer compreende; nem nas pequenas bolas brancas que caem por ali ocasionalmente e que Luster procura e recolhe, para negociar com elas depois. Benjy quer apenas ouvir uma palavra, que os jogadores gritam esporadicamente, chamando os empregados encarregados de buscar as bolas lançadas: "Caddie! Aqui, caddie!"

Benjamin procura pelo som dessa palavra, que o vento traz do campo de golfe até o outro lado da cerca, onde ele está. Porque nessa palavra ele ouve um nome, que foi proibido em sua própria casa: o apelido de sua irmã, Candace Compson, ou Caddy, a única pessoa que ele alguma vez amou, e que foi embora, para nunca mais voltar. Dentro da névoa espessa de sua idiotice incurável, o nome de sua irmã dispara as lembranças, desde quando eram ainda crianças, quando ela ainda estava junto a ele, para mimá-lo e protegê-lo. Benjamin não pode sequer lembrar-se dela por si mesmo, e precisa ouvir o som do seu nome para recordar. Por isso ele segue os jogadores, ao longo da cerca, e a cada vez que gritam "caddie", uma série de memórias, espocando como flashes, ocupam seu vazio interior.

O dia é 7 de abril de 1928, numa região rural de Jefferson, uma cidade imaginária do Mississippi, sul dos Estados Unidos, e essa é a abertura do romance de William Faulkner, O Som e a Fúria (Cosac&Naify, 2004, 332 págs.).

No final dos anos vinte, Faulkner havia se retirado para sua pequena fazenda, também no Mississippi, e dedicava-se a escrever, quase que exclusivamente. Parte de sua melhor produção vem dessa época, em que esteve isolado e dedicando-se a exorcisar seu "demônio interior", conforme suas palavras, na célebre entrevista que concedeu à Paris Review, em Nova York, 1956, quando já era o conhecido ganhador do prêmio Nobel de literatura de 1949.

"... o único ambiente de que o artista necessita é qualquer lugar onde possa obter paz, solidão e prazer a um preço não muito alto".

"... as únicas ferramentas que preciso para meu ofício são papel, tabaco, comida e um pouco de uísque".

Considerado por muitos como sua obra capital, o romance O Som e a Fúria foi também o mais difícil para o próprio autor. Faulkner confessa que tentou contar a história de várias formas, de vários ângulos e perspectivas, e que o resultado final ainda estava longe de ser satisfatório para ele mesmo. O livro se compõe de cinco partes distintas. As três primeiras são narradas por três dos principais personagens. Três dos irmãos Compson, respectivamente: Benjamin, o deficiente mental; Quentin Compson, estudante em Harvard e cujos estudos, interrompidos porque Quentin comete suicídio, foram custeados pela venda das terras da família; e Jason Compson, o último e frio solteirão. A quarta parte, narrada em terceira pessoa, focaliza melhor a velha empregada negra da família, Dilsey. E finalmente um apêndice, relativamente extenso, onde a genealogia dos Compson é descrita como um pequeno romance em si mesma.

Percebemos algumas coisas essenciais da história na medida em que lemos e conseguimos extrair algumas informações valiosas:

Benjamin foi batizado com o nome de Maury, o mesmo de um tio seu, mas trocaram seu nome quando sua mãe percebeu o que ele era. Foi castrado quando, aparentemente, ameaçou sexualmente alguma menina que passava em frente ao portão dos Compson.

Candace, ou Caddy, como a chamavam, tinha um espírito impetuoso, mas arruinou um bom casamento porque estava grávida de outro homem. Foi expulsa pelo marido e banida por sua própria mãe, que proibiu que seu nome fosse pronunciado em casa.

Quentin, o outro irmão, também a amava, mas incestuosamente. Suicidou-se em Harvard, depois do primeiro ano, provavelmente porque não pode suportar seu amor impossível.

A filha de Caddy ganhou seu nome antes mesmo que Caddy soubesse o sexo da criança e chamava-se Quentin, o mesmo nome de seu tio suicida. Caddy a entregou, ainda um bebê, aos cuidados da família, que se resumia agora na velha mãe, sempre doente, a empregada Dilsey e seus dois irmãos restantes, Benjy e Jason.

Jason Compson era frio, calculista e relativamente cruel. Trabalhava num armazém, administrava os escassos recursos da família e roubava de sua sobrinha a pensão que Caddy enviava para o sustento dela. Aos dezessete anos de idade, a menina Quentin, quebrando o vidro da janela do quarto de Jason, seu tio odiado, arromba a pequena caixa que continha quase sete mil dólares, penosamente acumulados ao longo de vinte anos, e foge, com um empregado de um circo que estava na cidade.

Depois da morte de sua mãe, Jason entrega seu irmão a um asilo de loucos em outra cidade, dispensa a velha Dilsey e vende a mansão, indo morar na parte urbana de Jefferson, onde monta um apartamento acima do seu local de trabalho, um armazém onde agora é o único proprietário.

Nenhum desses acontecimentos está explicitamente descrito, o que existe são alusões, frases ditas aqui e ali pelos personagens envolvidos e o leitor tem, obrigatoriamente, que montar as peças e formar o quadro geral.

Se foi um livro difícil para o próprio autor, o que dizer para quem lê. Não é um livro fácil e Faulkner, como sempre, se recusa terminantemente a fazer quaisquer concessões, ou a estabelecer, minimamente, uma cumplicidade com o leitor. Este precisa deduzir grande parte da história, sintonizar sua intimidade através da intimidade intensa que os personagens apresentam com o drama e da qual, ele, o leitor, está ausente. É uma característica do texto faulkneriano, a imposição de uma visão particular ― no caso, a visão dos personagens ―, em detrimento de uma visão mais ampla, ou mais generosa, da história como um todo. Uma visão míope, mas apenas no sentido em que Faulkner escreve como se pegasse o leitor pelo pescoço e o obrigasse a um mergulho de cabeça, uma proximidade extrema com o fio condutor da narrativa, com o relevo complexo da história. Uma árvore onde a visão corre folha por folha, sem vislumbrar a árvore como um todo. Um cinema de ação psicológica intensa, feito só de close-ups.

A maior parte da crítica admite Faulkner como sendo um dos escritores capitais da língua inglesa, pelo menos do século XX. Mas críticos são leitores, antes de mais nada, e é preciso quase uma vocação especial por criptografia para desenrolar o denso novelo, a densa novela, decifrando as paredes escuras do labirinto com a luz da única vela que Faulkner deixa à disposição do leitor, ou seja, sua hábil retórica absolutista. Sem ela para costurar todos os vácuos, não haveria sequer a possibilidade de perceber o texto como o romance grandioso que é.

É fácil identificar as raízes de muitas outras obras literárias; autores que beberam na fonte do imaginário de Faulkner, ou devem a ele o impulso para suas próprias criações. Nesse ponto, Faulkner se mostra como o minotauro em seu próprio labirinto, uma presença silenciosa capaz de transformar esse labirinto, entre tantos outros labirintos artificiais da literatura, num lugar inesquecível para quem nele se aventurar.

Faulkner também encarna a figura mítica, ou romântica, como querem alguns, do escritor completamente envolvido com sua arte. É geralmente considerado como "um escritor americano sulista" mas, seja o que for que isso signifique, é um reducionismo. Seu romance poderia ser facilmente transplantado para o Uruguai ou para a Islândia, com as devidas adaptações. É um dramalhão, no sentido de ser grande, de ocupar, sem folga, um espaço limitado em alguns poucos dias; pesado como a marreta de um pedreiro, demolindo um muro de convenções sociais. Na entrevista da Paris Review, deixa seu recado para as futuras gerações de escrevinhadores:

"O escritor não precisa de liberdade econômica. Tudo de que precisa é lápis e papel. Eu nunca soube que algo bom em literatura tivesse se originado da aceitação de uma oferta gratuita de dinheiro. O bom escritor nunca pede auxílio a uma instituição cultural. Está ocupado demais, escrevendo alguma coisa".

Não é uma história agradável e, nesse ponto, lamento o fato de Faulkner ser mais uma voz vinda do inferno, na literatura. Mas é uma voz muito poderosa, quase hipnótica. Em toda literatura não existe, que eu saiba, uma abertura mais pungente, ou mais bela em sua dramaticidade perturbadora do que a desse romance, O Som e a Fúria. É uma opinião pessoal, é claro. Mas posso afirmar isso com certa tranqüilidade, porque sei que é muito difícil provar o contrário. Encontramos em Shakespeare (Macbeth, cena cinco) a origem do título e algo da gênese dessa mesma abertura:

"Life's but a walking shadow, a poor player
That struts and frets his hour upon the stage
And then is heard no more: it is a tale
Told by an idiot, full of sound and fury,
Signifying nothing."


Que, numa tradução bastante livre, seria algo como:

"A vida é só um vulto, um pobre ator, que se pavoneia e choraminga num momento, sobre o palco, e depois não é mais ouvido. É uma fábula, contada por um idiota, cheia de som e de fúria, significando nada".

Mas para a literatura, o nada pode ser quase tudo.

Para ir além






Guga Schultze
Belo Horizonte, 26/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
03. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
04. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
05. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
04. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008
05. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/3/2008
01h21min
Fantástico. Tentei ler esse livro ano passado, no original, e não entendi nada, pois meu inglês era ainda pior. Estava sempre adiando para o dia de São Nunca uma nova tentativa. Essa resenha pode ter sido o empurrão que faltava. Agora vai! Abraço.
[Leia outros Comentários de Daniel Lopes]
1/4/2008
11h03min
Guga, mais uma vez, meus parabéns pelo excelente texto. Bj
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
2/4/2008
12h09min
Li este livro com uma reserva causada pela sua parte inicial. Depois, fui enredado por uma arquitetura que revelava a história para além da trama. Utilizando diversos recursos estilísticos e uma intenção arbitrária de desafiar o leitor, Faulkner construiu em "O Som e a Fúria" uma obra-prima, que ainda desafia o leitor com a sua inventiva e intensa narrativa. Grande resenha, Guga.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTORIAS PARA LER SEM PRESSA
MAMEDE M. JAROUCHE; ANDRÉS SANDOVAL
GLOBO
(2008)
R$ 10,00



ARMAMENTO E MILITARISMO
DIETER SENGHAAS
SIGLO VEINTUNO
(1974)
R$ 15,82



COMÉRCIO UM MUNDO DE NEGÓCIOS
LUIZ RATTO
SENAC
(2004)
R$ 7,00



OBRAS COMPLETAS DE FERNANDO PESSOA-POEMAS DE ALBERTO CAEIRO
FERNANDO PESSOA
ATICA
R$ 8,00



DO GROTESCO E DO SUBLIME
VICTOR HUGO
PERSPECTIVA
(2004)
R$ 15,00



LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL - GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA AS PREFE
AMIR ANTÔNIO KHAIR
BNDES
(2001)
R$ 9,82



ANTIGUIDADES DE LOS JUDÍOS - TOMO 3
FLAVIO JOSEFO
CLIE
(1986)
R$ 90,00



CRIANDO CLIENTES
DAVID H. BANGS, JR
NOBEL
(1997)
R$ 12,00



VOCÊ PODE ENTEDER A BÍBLIA !
WATCH TOWE BIBLE AND TRACT SOCIETY
WATCH TOWE BIBLE AND TRACT SOC
(2016)
R$ 6,00



O NOVIÇO
MARTINS PENA
EDIOURO
(1999)
R$ 8,64





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês