Contra reforma ortográfica | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
38448 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou
>>> Woody Allen
>>> The Second Coming of Steve Jobs, by Alan Deutschman
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> estar onde eu não estou
>>> Churrascaria Ponteio Grill, 30 anos
>>> Metade da laranja ou tampa da panela?
Mais Recentes
>>> La Divina Comedia - 2 volumes de Dante Alighieri pela Sopena (1942)
>>> Marília, Mar e Ilha de Rosana Rios pela Saraiva (1998)
>>> A Relíquia de Eça de Queiroz pela Galex
>>> Manual de engenharia elétrica - volume 3 de Siemens pela Nobel (1988)
>>> Manual de engenharia elétrica - volume 1 de Siemens pela Nobel (1988)
>>> A Eneida de Virgílio pela Atena (1956)
>>> O encantador de cães: compreenda o melhor amigo do homem de Cesar Millan pela Verus (2007)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Instituto Divulgação Cultural
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> O Cortiço de Aluisio Azevedo pela Ática (1979)
>>> Areia e espuma de Gibran Khalil Gibran pela Acigi
>>> A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se: Uma estratégia inusitada para uma vida melhor de Mark Manson pela Intrínseca (2017)
>>> Estudo dirigido de desenho para o ensino programado - volume 1 de Carlos José Fiorano pela Discubra
>>> Manual de Engenharia Elétrica - volume 2 de Siemens pela Nobel (1987)
>>> Mecânica dos fluidos de Chemello Luzzatto pela Sagra
>>> Mecânica dos sólidos de Acilio Chemello e Darcy Luzzatto pela Sagra
>>> Zeitoun de Dave Eggers pela Companhia das Letras (2011)
>>> Zeitoun de Dave Eggers pela Companhia das Letras (2011)
>>> Zeitoun de Dave Eggers pela Companhia das Letras (2011)
>>> Zdm - Fogo Amigo - Vol. IV de Nathan Fox pela Panini Livros (2012)
>>> Yalo - o Filho da Guerra de Elias Khoury pela Record (2012)
>>> Xadrez - Dicas para Iniciantes de Matthew Sadler pela Artmed (2007)
>>> Xadrez - Dicas para Iniciantes de Matthew Sadler pela Artmed (2007)
>>> Wunderkind de D Andrea G. L. pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Wild Cards - Apostas Mortais de George R. R. Martin pela Leya (2014)
>>> Wild Cards - Apostas Mortais de George R. R. Martin pela Leya (2014)
>>> Wild Cards - Apostas Mortais de George R. R. Martin pela Leya (2014)
>>> Wikileaks - Segredos, Informações e Poder de Jose Antonio Domingos pela Idea (2011)
>>> Wikibrands - Como Reinventar Sua Empresa de Sean Moffitt, Mike Dover pela Bookman (2011)
>>> Welcome to Night Vale de Joseph Fink, Jeffrey Cranor pela Intrinseca (2016)
>>> Weber de Sam Whimster pela Penso (2009)
>>> Wayne de Gotham de Tracy Hickman pela Casa da Palavra (2013)
>>> Wayne de Gotham de Tracy Hickman pela Casa da Palavra (2013)
>>> War - as Aventuras da Brigada Rifle - Vol. 5 de Garth Ennis, Carlos Ezquerra pela Opera Graphica (2005)
>>> Vozes Guardadas de Elisa Lucinda pela Record (2016)
>>> Vozes do Éden de R. M. Lamming pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Voto de Silêncio de Linda Castillo pela Novo Século (2012)
>>> Voo para a Escuridão de Marcelo Simões pela Geração (2010)
>>> Voo de Rapina (poesias) de Piero Eyben pela Horizonte (2014)
>>> Volver a Matar de Juan B. Yofre pela Sudamericana (2009)
>>> Voltar a Educar de Adriana Puiggrós pela Agir (1997)
>>> Voltaire Historiador de Marcos Antônio Lopes pela Papirus (2001)
>>> Você Sempre Jovem de Michael F. Roizen, Mehmet C. Oz pela Rocco (2009)
>>> Você Sempre Jovem de Michael F. Roizen, Mehmet C. Oz pela Rocco (2009)
>>> Você Sempre Jovem de Michael F. Roizen, Mehmet C. Oz pela Rocco (2009)
>>> Você Sempre Jovem de Michael F. Roizen, Mehmet C. Oz pela Rocco (2009)
>>> Você Sabe? de Todolivro pela Todolivro (2008)
>>> Você Está Em um Lugar Seguro? de Anderson Lima pela Ágape (2014)
>>> Você Está Em um Lugar Seguro? de Anderson Lima pela Ágape (2014)
>>> Você e Seu Filho na Hora do Choro de Michelle Kennedy pela Publifolha (2003)
COLUNAS >>> Especial Reforma Ortográfica

Quarta-feira, 10/9/2008
Contra reforma ortográfica
Guga Schultze

+ de 8100 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Proponho uma nova reforma ortográfica. Não essa nova, mas uma mais nova ainda. É uma coisa sobre a qual tenho pensado desde sempre, através do meu longo processo de alfabetização; desde quando fui repreendido por um trema ausente, numa palavra cheia de ubiqüidade, numa redação que fiz na escola fundamental.

O fato da redação ter sido legal, com um bom texto e idéias bem desenvolvidas, além de ser um texto muito poético, passou despercebido. A ausência do trema, essa, não passou.

Pressenti ali mesmo que teria que lidar, para sempre, com essa gente que lê um texto procurando tremas ausentes e crases indevidas. Sujeitos sistemáticos, de óculos, muito limpinhos e organizados. Mulheres, idem, as sombrancelhas arqueadas e uma insatisfação vital que se exprime no controle compulsivo das minúcias.

Essa gente, corroborando minha profecia infantil, existe em toda parte e é a pedra no caminho de todo escritor relaxado, que acredita ainda que o sabor de um texto não passa pelo crivo burocrático dessas pobres almas insones.

Citei meu processo de alfabetização como sendo longo porque ainda não terminei esse processo, é bom que se diga. Não domino minha língua e, pior, não acredito que alguém tenha o domínio perfeito da língua portuguesa. Nem os que escrevem essas Introduções à Gramática da Língua Portuguesa. São livros que pesam um quilo ou mais cada um e que servem apenas para corroborar minhas suspeitas. Uma gramática não devia pesar tanto.

Tenho alguns trunfos, é verdade. Possuo, por exemplo, a intuição da crase. Posso me gabar disso. É algo que você tem que nascer já possuindo, ou então vai demorar alguns meros quarenta anos para dominar esse assunto razoavelmente. Se você estuda francês, então, meu amigo, ande com um manual debaixo do braço. Porque o francês adora crases e tenho minhas dúvidas se não foi por pura inveja, por pura tentativa de emular uma pretensa sofisticação da língua francesa que a crase se estabeleceu por aqui.

A crase, aquele sinalzinho do contra, que se coloca acima de uma vogal inocente, indicando algo acima e à esquerda, algo que na verdade não existe no ato de falar, aponta sempre, infalivelmente, para nossa incapacidade pessoal de decorar aquelas regras arbitrárias que seu uso exige e provoca, a contragosto, uma exasperação íntima. (Notaram o domínio da crase? Hein?)

Existem centenas de exemplos de mau funcionamento da língua, de coisas que não podem ser ditas, ainda que você queira muito dizê-las, em português. Flexões do verbo haver, aliterações que se tornam indesejáveis, cacofonias que precisam ser evitadas. Não tenho mesmo uma alma burocrática e não vou fazer a lista aqui. Mas penso em contribuir para as futuras gerações de brasileiros e brasileiras, cujo destino parece que vai ser, como tem acontecido, o de lutar surdamente com sua própria língua, sob os olhos severos dos burocratas guardiões, caso ninguém tome alguma providência.

Apresento aqui uma reforma ortográfica. Simples, sucinta e que qualquer um pode entender. Crases: crau nocês; tremas: tremei; acentos: levantai-vos e sumi; aurélios: tomai na orelha; Houaiss, nada mais simples, uai. Vamos lá:

1. Das vogais
De agora em diante serão oito (8) vogais, a saber:

A ― Â ― E ― Ê ― I ― O ― Ô ― U.

Fim de papo. Essas vogais são auto-explicativas. Seria bom criar um símbolo para as vogais A, E e O, quando fechadas. Mas fica pra mais tarde. Deve ser algo simples de fazer. Se não passar pelos grupos normativos de gramáticos e lingüistas, será uma coisa simples. Caso contrário, só deus sabe o que vai sair.

Estou colocando provisoriamente o acento circunflexo sobre as vogais com o som fechado para diferenciá-las das que tem o som aberto. Mas nem me passa pela cabeça instituir o acento diferencial. Estou propondo uma nova vogal para o Ã, por exemplo. Simplesmente porque o Á é uma coisa e o à é outra, o Ó é uma coisa e o Ô é outra.

Só porque os baianos falam "bãnãna" e "córação" não quer dizer que essas sejam as mesmas vogais que as outras civilizações brasileiras utilizam. Fala-se "mámão" e "mãmão" por aí. Mas nem mesmo um baiano fala "mámãe". Então são duas vogais para a letra A, duas para a letra E, duas para a letra O. É melhor deslindar esse negócio, meu rei.

2. Das consoantes
Vão ser as mesmas, só o Q vai embora. Pqp, que quiprocó! Mas ele se torna desnecessário e todas as consoantes terão funções restritas, bem definidas, a saber:

Todos os sons sibilantes terão, como seu representante, a letra S. Adeus ao Ç, SS, SC. E ao C e X, quando for o caso. Exemplos:

Deso as escadas (e não desço as escadas).

Nesesidade (e não necessidade).

Acresentar (e não acrescentar).

Eselente (e não excelente).

Livre como um tacsi (e não livre como um táxi. A frase é do Millôr).

Quando a pronúncia for Z, usar o Z, é claro. Exemplos:

Por ezemplo, uze o Z aci. Ezatamente nesa poZisao.

No exemplo acima, demonstra-se também o uso do C. Em tudo que tem som de K, o C será usado. Adeus ao Q e ao QU. Exemplo:

Acilo (e não aquilo).

Cuando (e não quando).

Fi-lo porce ci-lo, dise uma ves o prezidente Janio Cuadros.

X substitui CH, sempre. Exemplos:

Xuva (e não chuva).

Ese testo e muito xato (e não chato).

A Xuxa já está certinha! E os cariocas poderão grafar: Doix maix doix é iguau a sinco. Maix ce legau. Taí, goxtei.

L no final das palavras, vira U. Lógico:

Legau. Animau. Transendentau.

G apenas para o som gutural: gago, gato, gordo e Guga. Não será necessário essa bobagem de G e U juntos: Algem dise ce ningem e santo.

O resto é J:

Ajir (e não agir), jema (e não gema), jerensia (e não gerência).

Pensei em substituir os R guturais (quando iguais a "rr") e os próprios RR por H. Só porque gosto dessa letra e não queria ver o H de fora, na hora h. Assim:

Ahastah (e não arrastar). Ahumadeira (e não arrumadeira). Ahsebispo (e não arcebispo).

A geha do Irace foi uma geha de arace.

O R fica só pro som rápido de ponta de língua:

O Pereira sofre de piriri cronico cuando pensa em perereca.

Ok? O H é um problema, só por causa do presente do indicativo do verbo HAVER: há. Eu proponho, nesse caso, dobrar o a:

Aa mais coizas sobre o vehbo aveh do ce supoe a nosa va filozofia.

Mas o H está banido do começo de palavras como hoje, homem etc. Assim: Ja fui um politico, oje sou um omem onesto.

A letra H é meio arbitrária demais, apesar de ser uma letra bonita. Enfeita as palavras, mas entra muda e sai calada. Os homossexuais virarão omosecsuais e perderão a impressão de serem cientificamente aceitos pelos eterosecsuais. Que pensarão duas vezes na hora H (que passa a ser a ora O), antes de abrir os precedentes e aderir a um nome tão feioso.

LH e NH viram LL e NN, respectivamente. Exemplos:

Vella (e não velha), amanna (e não amanhã).

Porque quando se pronuncia LH ou NH, você simplesmente dobra os "Ls" e "Ns". O H não tem nada a ver com isso. Entrou inexplicavelmente nessa história. Qualquer criança irá perceber que um L dobrado é mais verdadeiro que o LH. E, como o Kiko do Chaves, dirão para os seus Madrugas da gramática: Jentalla, Jentalla!

Todos os acentos serão enxotados como pássaros e voarão para Portugal e outras latitudes portuguesas, pousando nas velhas palavras, se ainda forem necessários por lá. Gramáticos e lingüistas em pânico protestarão nas ruas contra a perda das raízes e dos radicais. Mas eles próprios são muito radicais nessa busca insana das raízes ocultas das palavras. Cultivem mandiocas e serão mais felizes. Minha sugestão é que formem uma sociedade secreta cujo objetivo é perpetuar os segredos da morfologia, de forma que quando for pronunciada a palavra "Ibirapuera", por exemplo, os iniciados, e apenas eles, saberão que trata-se de uma palavra indígena ou paulista, e não latina ou árabe. Isso dará a eles um sentimento de superioridade que compensará, acredito, o fato incômodo de que ninguém dá a mínima pra origem das palavras. Pelo menos numa conversa sobre assuntos muito mais interessantes.

É evidente que minha reforma ortográfica está apenas sendo esboçada aqui. Mas eu posso garantir que o livro oficial dessa reforma não terá mais que quarenta páginas. Posso garantir que a alfabetização será mais rápida e que os alunos do ensino fundamental terão muito mais segurança no uso de sua língua pátria. Essa reforma ortográfica é fácil, muito mais lógica e, uma vez compreendida, é algo inescesiveu.

Só de ser possível escrever como se fala, já ajuda bastante. Ou não? Também é legal para evitar excessos de xenofobia e fica simples absorver algumas palavras urgentes de outros idiomas, para incorporá-las (por quê não?) ao nosso. Olha só: Heclamasoes: cahtas para a hedasao, pliz.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 10/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
04. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
05. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
04. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008
05. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008


Mais Especial Reforma Ortográfica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/8/2008
15h09min
Achei bem legal essa reforma, vou esperar o livro. E se não quiserem reformar, criamos a língua Schultzês. lol
[Leia outros Comentários de LucasCF]
29/8/2008
10h53min
Muito boa sua proposta, só não gostei do c, no lugar do qu. Fica esquisito. O seu Guguês ou Shultzês poderá causar danos "iheversiveis" na alma de muitos. Vou tentar: "Olla, vosê tem ci tomar cuidado, ta legau? Mêxêr com a linga não é faciu!!!" Bêijo.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
11/9/2008
17h58min
Interessantes as suas "soluções" para a língua portuguesa. De fato, as línguas de normatização recente têm adotado a idéia de um som = um fonema. Um exemplo é o Aragonês. Procura no YouTube por "mallacan subtitulos". Só não gosto da grafia por ser totalmente baseada no Espanhol, mas aí a questão já é ideológica... :D
[Leia outros Comentários de Yuji]
12/9/2008
09h45min
Esse Shultzês não daria certo, porque é totalmente artificial, mais artificial ainda que o Esperanto. Sem falar que iria abolir a origem das palavras. Só tem dificuldade em escrever as palavras portuguesas com s, sc, ss, x etc. quem nunca teve familiaridade com o Latim. Um pouco do antigo Latim que era ministrado antigamente nas escolas não faria mal a ninguém! E ajudaria uma barbaridade na análise sintática. A propósito: carioca escreveria Braziu? Braziuziuziuziuziuziu!!!
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
19/9/2008
10h03min
Bom, ficaria bem artificial mesmo. Qualquer reforma ortogrática, para ser usada e adotada por todos, deve sempre passar pela consulta popular e não imposta, como o governo está fazendo. Sou contra a retirada dos acentos, como eles estão impondo, apesar de que apóio a retirada da crase e do trema. Enquanto não houver manifestação popular contra isso, seremos sempre reprimidos por certos intelectuais com olhar severo. Aliás, se tirar acento, como vou direrenciar as palavras sábia, sabia e sabiá?
[Leia outros Comentários de Fábio Valentim]
19/9/2008
11h46min
Concordo plenamente com os seus primeiros parágrafos: castrações literárias, repreensões intelectuais e por vezes até morais são frequentes devido à supervalorização da ortografia. Que, em suma, é uma bobagem, mera questão de memória e não mede de forma alguma a competência de alguém como escritor em língua portuguesa. Me divirto quando alguém repreende um erro de ortografia tratando-o como "erro de português". Como se português fosse a ortografia do português. Mas português é a sua sintaxe, a sua morfologia, o seu léxico, a sua semântica, a sua fonética e a sua escrita, ocupando a ortografia um espaço minúsculo dentro desta última dimensão. A proposta é divertida, mas é também fruto dessa obssessão pela ortografia e de uma crença ingênua (perdoe-me) de que a gente possa "escrever como se fala". É impossível, pois a ortografia é uma padronização necessária que apenas lembra a fala, muito mais rica e variada. E, por favor, pare de associar linguistas a gramáticos e à busca etimológica!
[Leia outros Comentários de Luisa Godoy]
23/9/2008
22h41min
Olá, comprei um quadro vinte anos atrás em Belo Horizonte cujo autor era Guga Schultz. Seria por acaso você?
[Leia outros Comentários de Breno Calazans]
8/11/2008
13h24min
Guga, muito interessante as suas propostas para a contra-reforma ortográfica. Ninguém pode dizer que elas não têm lógica. Quanto aos dígrafos LH e NH, uma segunda alternativa seria subistituí-los por NI e LI. Então, "velho", ficaria "velio" e "canhão" seria "canião". E aproveitaríamos para acabar de vez com o hífen. Abração!
[Leia outros Comentários de LEM]
8/11/2008
16h27min
Guga, gostei da sua idéia de uma reforma para a racionalização do uso da língua... Uma consideração é incluir também alguns sons usados em Portugal. Quanto a adoção da nova reforma: já existem muitas pessoas escrevendo assim... Pior é que não dá para culpá-las e dizer que não tem lógica. Mas uma coisa é certa: mesmo com a reforma, sem esforço não se aprende a usar a língua corretamente.
[Leia outros Comentários de RAM]
30/12/2008
01h53min
Bom eu proponho uma outra reforma ortográfica. Já que a idéia é facilitar, proponho que utilizemos apenas vogais. Por exemplo, reforma passaria a ser "eoa", e vento, "eo". Oh, Senhor, tu acorda e bang, o Brasil ficou pior do que era antes.
[Leia outros Comentários de Vasco]
30/12/2008
13h59min
Ainda que eu não veja como o Brasil possa ficar pior, penso que podemos simplificar mais ainda. Poderíamos simplesmente abolir toda a ortografia, vogais e consoantes. Pelo menos ninguém mais escreveria bobagens. Nem eu as minhas, nem o Vasco as dele. Oh, Senhor, teu senso de humor é contagioso e se espalha sobre os homens como praga.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERRA NOSTRA
VITOR MANUEL ADRIAO
MADRAS
(2013)
R$ 62,00
+ frete grátis



A IGREJA LATINO-AMERICANA ENTRE O TEMOR E A ESPERANÇA
PABLO RICHARD
EDIÇÕES PAULINAS
(1982)
R$ 25,01



DO POVO PARA O POVO - UMA NOVA HISTÓRIA DA DEMOCRACIA
ROGER OSBORNE
BERTRAND BRASIL RIO DE JANEIRO
(2013)
R$ 30,00



PALHAÇO, O
EVALDO CABRAL DE MELLO
MASTER BOOKS
(2012)
R$ 31,84



LEMBRANÇAS DA CAPITAL MINEIRA : UM PÂNDEGO À SOLTA PELA BH DOS
LUIZ CLAÚDIO PÁDUA NETTO
PELICANO
(2005)
R$ 26,82



ISTO É: MANUAL DOS JOGOS OLÍMPICOS SYDNEY 2000 (1878)
OBRA COLETIVA
TRÊS
R$ 45,00



FUGINDO DE CASA - 63ª EDIÇÃO - COLEÇÃO GIRASSOL
SUZANA DIAS BECK
MODERNA
(1998)
R$ 6,00



A ALGARAVIA
JORGE SEMPRUN
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 15,00



EXPLICANDO DEUS NUMA CORRIDA DE TÁXI
PAUL ARDEN
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 8,00



ABRASÍMETRO MARTINDALE
KENIA REGINA STREICH UND HEIDEROSE H. PICCOLI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00





busca | avançada
38448 visitas/dia
955 mil/mês