Promoarte 2001 | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/8/2001
Promoarte 2001
Adriana Baggio

+ de 3500 Acessos

Já comentei aqui neste espaço a vinda de uma exposição internacional de artes plásticas à Paraíba, promovida pelo Tribunal de Justiça do Estado. A Expoarte 2001 começou no dia 10 de agosto e vai até o dia 30. Pelos jornais acompanhei a repercussão do evento, desde as colunas sociais, que registraram a vernissage cujo ingresso custou R$ 100,00, até outras matérias falando do quão movimentada está a visitação, principalmente por excursões escolares. Analisando este último aspecto, pensei horrorizada na possibilidade de ter que me apertar entre as telas com um bando de alunos e seus professores. Nada contra eles, mas um ambiente lotado e barulhento, como é típico de crianças, não é o mais adequado para quem vai ver um Picasso pela primeira vez.

Escolhi este último domingo para ver a Expoarte, já no final do horário de visitação. Escolha acertada, pois a movimentação era pouca. Tinha feito um dia de sol, e provavelmente a praia era um programa mais adequado àquele dia. Cheguei com um casal de amigos à praça onde fica o Tribunal de Justiça da Paraíba. Gostaria de falar um pouco sobre a arquitetura da fachada do prédio, mas confesso que não lembro. Sei que é um prédio antigo, imponente, como são todos os prédios do Poder Judiciário, mesmo aqueles inacabados. Mas a fachada, que gostaria de comentar, estava coberta por diversas flâmulas gigantes. Estas flâmulas eram feitas de algum material que lembrava veludo vermelho. Sobre este fundo, para acentuar ainda mais a idéia de pompa e circunstância, estava impressa a marca da exposição em letras douradas. À primeira vista, parecia um cenário mal-feito de alguma peça sobre castelos europeus, com aquelas flâmulas rubras e douradas. Para completar, alinhadas com a fachada, um monte de bandeiras de diversos países. Será que a idéia era passar o caráter internacional mostrando as bandeiras de diversos países? Fiquei na dúvida.

Refeitos da impressão inicial, subimos as escadarias que levam à entrada do edifício. Logo no começo, uma mesa e uma estante de aço faziam as vezes de chapelaria e guichê. Ali compramos nossos ingressos e tivemos que deixar nossas bolsas e chaves. Fiquei decepcionada, pois gostaria muito de ter tirado um pedacinho da tinta da tela de Picasso para colar na minha agenda e ter de lembrança. Depois deste procedimento inicial, subimos uma escadaria central que se bifurcava em dois caminhos. Escolhemos o que dizia ENTRADA - ENTRÉE - WAY IN. Junto ao corrimão, bandeiras intercaladas do Brasil e da França. Desde quando bandeira é objeto de decoração? Será que não deveria ter uma bandeira da Bélgica e da Espanha também, já que entre as obras haviam algumas de artistas destes países? Enfim, subimos e ficamos esperando por poucos minutos em uma ante-sala do Salão Nobre do Tribunal, local que estava tendo a honra de receber a exposição. Assim que um dos monitores ficou livre, entramos na sala para a visitação. Recebeu-nos um monitor mal-preparado, que tinha decorado as informações sobre cada quadro, e que passava rapidamente por cada um deles. As obras estavam dispostas em corredores. Faltava tempo e espaço para uma contemplação adequada, já que estávamos procurando acompanhar as explicações do monitor. Em certo momento, nos atrasamos e acabamos perdidos no grupo da monitora que vinha logo atrás, que era muito melhor em termos de naturalidade e informações.

Percorremos todas as obras, e como o horário de visitas tinha terminado, pudemos ficar passeando à vontade. Mais ou menos à vontade, porque todo o tempo um dos seguranças me seguia de perto, com medo que eu cedesse aos meus instintos e desse uma canivetada no Renoir. E por falar em segurança, atração à parte foram os guardinhas vestidos como Dragões da Independência, com uniformes vermelhos e azuis, plumas e uma casaca que se abria em abas bem na altura do derrière. Eles ficariam melhores lá fora, junto das flâmulas e bandeiras.

O primeiro quadro da exposição é um Portinari, meio deslocado ali no meio de todos aqueles franceses. O título é Perna de Pau e sua Senhora. As mãos, pés e faces do casal são mal-tratados, grosseiros, sendo as extremidades desproporcionais do resto do corpo. É uma maneira de caracterizar o povo brasileiro, principalmente os trabalhadores, a parte mais sofrida. Depois dele vem as obras internacionais da exposição. Não vou falar detalhadamente sobre cada um dos quadros, pois o objetivo do texto não é este.

Apesar de o tema da curadoria ser o impressionismo francês, a exposição conta com obras cubistas, expressionistas e surrealistas. É um recorte de tempo e espaço do que aconteceu nas artes plásticas no fim do século XIX e início do século XX, principalmente na França. Uma das obras que mais me chamou a atenção, por uma questão de gosto pessoal, foi Carnaval em Veneza, de Felix Ziem. O céu deste quadro é fantástico, toma conta de quase metade da tela. Deste céu destaca-se a catedral de São Marco, que por ser branca, parece saltar da tela. Depois, as velas de um barco, vermelhas e amarelas, dão um colorido emocionante ao conjunto. Por último, os barcos menores e seus passageiros estão imprecisos, são apenas pinceladas de cores, como reza o impressionismo.

Também fiquei maravilhada com o Matisse O Vestido Branco. Com pinceladas em várias direções, espaços brancos e uma perspectiva esquisita, parece mais um desenho de criança, que usou demais o azul e viu sua tinta preferida acabar. Muito distante dos rigores do classicismo, o quadro de Matisse é uma beleza.

Mas a maior emoção, e confesso que meus sentimentos foram muito direcionados pelo mito e não somente pela estética, foi estar frente a frente com dois Picassos: Natureza Morta com Cerejas e Mulher de Chapéu Verde. Este último, principalmente, é o que eu gostaria de ter na parede da minha casa, caso tivesse 3 milhões de dólares para investir neste mimo. Mulher com Chapéu Verde é um Picasso típico. O rosto de uma mulher é recortado em várias formas geométricas, formando um quebra-cabeça cujas partes não correspondem. Um dos olhos está de lado, observando os observadores de viés. De um lado da cabeça, o penteado. De outro, o famoso chapéu verde. É uma desconstrução incrível, uma gestalt cujo resultado é fascinante, maravilhoso.

Outra obra intrigante é a Shéhérazade, de Magritte. Uma imagem surrealista. Contra um fundo de céu e mar azuis, e uma gramínea verde, está uma estrutura em volutas como se fosse formada por diversas bolinhas brancas. Esta estrutura forma dois olhos e uma boca. Ao lado, uma bola branca maior, como uma caixinha redonda. A expressão dos olhos e da boca é incrível. De longe, parecem recortes aplicados na tela. É realmente uma imagem de sonho. Disse o monitor que a bola branca é característica da obra de Magritte, já que aparece em outros quadros. Mas ninguém ainda descobriu o mistério do seu significado. Para mim, o conjunto lembra pérolas. Pérolas que formam a estrutura, e a bola branca é uma pérola maior, ou a concha de onde vieram as outras pérolas.

A exposição tem ainda outras obras famosíssimas, como um Renoir. E para finalizar, duas telas do pintor paraibano Pedro Américo, do século XIX. O estilo é clássico, e uma delas retrata os filhos de Henrique IV, e a outra, um Cristo com a coroa de espinhos. Também estão meio deslocadas ali, não pelo valor, mas pelo estilo escolhido para a exposição.

Terminada a visita, descemos as escadarias, pegamos nossas bolsas e chaves e comprei o catálogo da exposição, a R$ 10,00, que achei caro. Achei mais caro ainda quando abri e vi o céu azul de Felix Ziem transformado em um cinza amarronzado. Mas quase rolei escadaria abaixo ao ver a reprodução da obra de Portinari. O Perna de Pau e sua Senhora tinham trocado de lugar. Talvez a Senhora estivesse cansada de apoiar o marido, e por isso pediu que ele mudasse de lado. Ou será que foi o pessoal da gráfica que inverteu o cromo?

É por essas e outras que não dá para deixar de lado o espírito crítico, mesmo tendo uma oportunidade ímpar de ter contato com obras que, provavelmente, passariam pela Paraíba só no espaço aéreo. O problema é a motivação por trás da Expoarte. Um objetivo promocional faz com que uma exposição deste porte, em vez de ser instalada em um espaço amplo, mais adequado para a visitação, fique confinada em uma sala do Tribunal de Justiça. A monitoria é mal preparada, e corre por entre os quadros para poder atender a fila que se forma no lado de fora do edifício. A decoração e a sinalização do Tribunal são pretensiosas de uma maneira provinciana. É a tentativa do imponente que falha e cai no ridículo, no grotesco. Mas o pior defeito, a meu ver, é a curadoria mal delimitada. Parece que as obras que vieram para cá eram as disponíveis na Galerie Cazeau-Béraudière, e com base neste lote, definiu-se o tema da exposição.

Na mídia, a repercussão da Expoarte tem sido sempre positiva, nunca crítica. Vangloria-se a iniciativa do desembargador Marcos Souto Maior e do restaurador Flávio Capitulino, articulador da vinda das obras. Ninguém fala dos problemas de organização, dos erros grotescos do catálogo, do caráter puramente promocional deste evento. A única criativa que li foi de uma pessoa que achava que deveria haver exposições assim com os artistas locais. Ou seja, ninguém questiona a maneira como as coisas foram feitas, questionam apenas quem é o beneficiário de tanta atenção.

Dando uma de Polyana e vendo o lado bom da coisa - porque há, não tenham dúvida-, pelo menos o desembargador optou por trazer uma exposição de arte para se promover, e não um show de pagode ou coisa parecida. Esquecendo os fins e se concentrando apenas nos meios, a oportunidade de ver os Picassos, o Matisse, o Renoir e outros pintores maravilhosos que eu nem conhecia, é imperdível. É bom perceber que, mesmo deslocado naquele recorte, nosso Portinari não deixa nada a dever a nenhum daqueles pintores. E finalmente, meu coração se enche de esperança ao perceber que, mesmo por motivos um pouco tortuosos, a prosaica João Pessoa entrou no circuito internacional das artes plásticas. E para os críticos o desembargador já mandou um aviso: ano que vem chega uma penca de quadros de Salvador Dali para a Expoarte 2002.



Adriana Baggio
Curitiba, 23/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
03. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
04. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
05. Viagem através da estepe de Celso A. Uequed Pitol


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
03. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
04. Marmitex - 1/11/2001
05. Aqui o sol nasce primeiro - 8/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO ENFRENTAR A ASMA E OUTRAS ALERGIAS
LAIN PONTES DE CARVALHO
JOSÉ OLYMPIO
(1971)
R$ 7,90



ARTE-EDUCAÇÃO NO BRASIL - 7ª EDIÇÃO
ANA MAE BARBOSA
PERSPECTIVA
(2012)
R$ 30,95



SHANGRILÁ 2 - MULHER IMORTAL - CAPA DURA
IRVING STONE
EDART
(1962)
R$ 7,00



REDE DE SABERES DIFERENTES PRÁTICAS E NOVOS SABERES NA FORMAÇÃO DOCENTE
CARLA MARIA KIRILOS MATTAR DE OLIVEIRA (ORG)
NEW HAMPTON PRESS
(2006)
R$ 50,00



OS SENSOS INCOMUNS, CONTOS
MARIA ISABEL BARRENO
CAMINHO
(1993)
R$ 31,26



ROMEU E JULIETA
WILLIAM SHAKESPEARE
MARTIN CLARET
(2007)
R$ 7,90



LA REINA EN EL PALACIO DE LAS CORRINTES DE AIRE
STIEG LARSSON
DESTINO
(2009)
R$ 60,00



PROCESSO DE EXECUÇÃO E CAUTELAR 12
MARCUS VINICIUS RIOS GONÇALVES
SARAIVA
(2003)
R$ 7,00



COMENTÁRIOS À CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DAS LEIS DO TRABALHO
VALENTIN CARRION
ED. SARAIVA
(2002)
R$ 5,00



EDUCAÇÃO FÍSICA MUNDIAL - CAPACIDADE AERÓBICA 2
KENNETH H COOPER
AGIR
R$ 10,00





busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês