Marmitex | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Propostas para o nosso milênio (I)
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
Mais Recentes
>>> Os donos do poder - 02 vols.
>>> Quem é Você, Alasca?
>>> O Homem do Céu
>>> Lolita
>>> Vida Querida
>>> Paula
>>> Caetés
>>> Sem Marido... E Agora?
>>> Angústia
>>> Gafe não é Pecado
>>> Se Abrindo pra Vida
>>> O Despertar da Águia
>>> Cartas
>>> Linhas Tortas
>>> São Bernardo
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
COLUNAS

Quinta-feira, 1/11/2001
Marmitex
Adriana Baggio

+ de 6400 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Não sei se as pessoas que moram sozinhas têm as mesmas experiências que eu. Apesar de saber cozinhar um pouco e até de gostar de cozinhar, às vezes fico de saco cheio com meu cardápio. Tudo é muito prático e rápido, com cara de lanche. No fim de semana, quando dá tempo, até que rola uma refeição com arroz, carne, ou alguma massa mais elaborada (lasanha entra nessa categoria), mas no dia a dia, é fast food mesmo. Não que os pratos não sejam saudáveis. Até que são. Procuro não fritar nada, só assar (exceção feita às batatinhas palito congeladas); uso peito de peru em vez de presunto; apesar de não gostar de salada, procuro pelo menos incluir um tomatinho na receita. E todo o dia como uma fruta e tomo leite ou iogurte, por causa da osteoporose. Se minha mãe soubesse das minhas precauções, acho que aprovaria. Nessas alturas vocês devem estar se perguntando porque eu não compro um monte de congelados ou não como em restaurante por quilo. Até faço isso de vez em quando, mas meu orçamento não permite que seja rotina. Outro ponto é que, em João Pessoa, o povo tem hábito e tempo de almoçar em casa. Ou seja, mesmo que eu pudesse almoçar sempre fora, seria muito deprimente fazer isso sozinha todo dia. Assim, almoço em casa, faço meu próprio rango e brinco um pouco com o Ferrugem, meu poodle, que passa muito tempo só.

Depois de jogar muita comida fora porque não dava tempo de consumir antes que estragasse, aprendi a usar aquele compartimento da geladeira chamado congelador. Congelo queijo mussarela, molho de tomate, carne ensopada, lasanha, arroz, enfim, tudo que dê para compor uma outra refeição. Fico muito orgulhosa da minha logística para não repetir pratos com freqüência. Mas às vezes chego em casa, morrendo de fome, e as opções parecem que não vão dar conta do recado. Um dia desses, a algumas quadras de casa, comecei a revistar mentalmente o congelador e vi que o cardápio disponível não ia ser viável para aquele almoço. Tinha carne ensopada, mas não tinha o arroz, e fazer arroz demora, ou seja, fora de cogitação. Quase chegando em casa, lamentando por ter que encarar um sanduíche na hora do almoço, passo por uma placa que diz: marmitex R$ 2,50. É uma padaria que também serve um bufê de comida por quilo, bem simples, julgando pela aparência. Confesso que sou meio enjoada para comida, mas estava com tanta fome e sem saco de comer pão que resolvi encarar o marmitex. Deixei a mulher completar a embalagem metálica com arroz, feijão, macarrão, "lombo?", "sim" e "salada?", "não!". Peguei a sacolinha com a marmita e fui para casa. Já tinha me animado com o cheirinho que saía do bufê. Tirei a tampa de papelão e me recusei a comer dentro do negócio de metal. Peguei um prato e tentei me servir separadamente de cada tipo de comida. Quando vi que luta seria infrutífera, peguei arroz, macarrão e feijão, tudo misturado mesmo. O lombo eu consegui separar. Coloquei meu paninho americano na mesa, liguei a tv, peguei o prato e encarei o marmitex. E se eu disser prá vocês que foi uma das melhores coisas que comi na minha vida? Que aquela mistura de arroz, macarrão e feijão estava uma delícia? Até o lombo foi uma surpresa, porque não era carne de porco, como eu pensava, e sim um pedaço de posta (depois de 10 meses aqui, ainda não domino completamente o dialeto local; quando se trata de comida, isso é um problema...). Posso confessar aqui que comi sofregamente o marmitex. Fiquei maravilhada como a gente pode tirar prazer das coisas simples da vida. E como minha mãe ficaria indignada comigo, que sempre reclamava da comida em casa.

Gostaria de ter comentado sobre isso com alguém. Difícil perceber como uma situação tão prosaica possa causar tanto impacto, mas talvez algumas pessoas entendam. Não consegui pensar em ninguém para falar ao vivo sobre a refeição (por telefone não teria graça. Imagine ligar e dizer: "Oi, hoje comi um marmitex insuperável!"). Por isso, enquanto degustava a iguaria, me ocorreu que essa experiência pudesse virar um texto. Eu tinha que me expressar! Lembrei também da nossa colunista especializada em assuntos gastronômicos, a Vera Moreira. Ela escreve maravilhosamente bem sobre todos os assuntos, mas especialmente quando se trata de comida, sempre leio os textos com água na boca. Talvez ela fique horrorizada por causa da mistura de arroz e macarrão e feijão, mas tenho que te dizer, Vera, estava bom demais!

A experiência a que me refiro na primeira frase do texto é essa: sentir prazer com alguma coisa que você já desdenhou, ou que nunca deu uma atenção mais detalhada. Acredito que a comida em si foi bem feita, bem temperada, no estilo "caseiro" que esses restaurantes gostam de divulgar. Mas também sei que pude curtir tanto um prato tão simples porque meu cardápio tem passado longe dessas coisas prosaicas, saborosas e impossíveis como ter quatro tipos de comida em uma mesma refeição. Já faz uma semana que comi o meu primeiro marmitex, e ainda não repeti a dose. Tenho me mantido com o menu tradicional de pratos rápidos e o suprimento do congelador. Estou guardando e aguardando saborosamente o momento de repetir o marmitex da padaria da esquina, e ter de novo o regozijo de degustar uma mistura de arroz, feijão e macarrão.


Adriana Baggio
Curitiba, 1/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
05. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
03. Marmitex - 1/11/2001
04. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
05. Aqui o sol nasce primeiro - 8/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/11/2001
08h13min
Apesar de odiar comer em marmitas, confesso que de tão saborosa estava esta comida que prometir a mim mesma que irei provar o sabor de comer em uma marmitex, quem sabe não mudarei de ideia e ao invés de almoçar em restaurantes a quilo optarei por uma marmita?
[Leia outros Comentários de Teresa A. Nolasco]
6/11/2001
12h57min
Teresa Que bom que o texto conseguiu passar o sabor que eu senti. Talvez outras pessoas não sintam, mas tudo depende do estado gastronômico de cada um! Espero que a sua seja tão saborosa quanto a minha.
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
6/11/2001
19h11min
Bem interessante, mas me deu uma fome... imagina que eu estava aqui na faculdade, entre uma aula e outra, e de repente abri meu E-mail e dei de cara com esse papo gastronômico, no começo achei estranho, mas depois me identifiquei, pois também morei algum tempo na Paraíba e,com certeza passei por isso. Valeu relembrar!
[Leia outros Comentários de Andréa F. Leite]
7/11/2001
00h56min
moito interesante mais eu ja comi bastante marmitex,ou marmita mesmo,ao longo da minha vida,e jamais deixarei de comer,mais um pratinho com saladas fresca e u m bom bife acebolado...
[Leia outros Comentários de oseas b. ribeiro]
7/11/2001
13h44min
Olá Andréa e Oseas Em primeiro lugar, obrigada pelos comentários! E bem vindos ao clube dos apreciadores de marmitas!
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DESPERTAR DA MEIA NOITE
LARA ADRIAN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 10,00



THE LORD IS MY SHEPHERD AND HE KNOWS IM GAY
CHARLES L. LUCAS
A BANTAM BOOKS
(1978)
R$ 19,90



OS FILHOS DO IMPERADOR
CLAIRE MESSUD
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 5,00



DOCES MOMENTOS
DANIELLE STEEL
RECORD
(2008)
R$ 9,90



O SERMÃO DA MONTANHA
GEORGES CHEVROT
ASTER / CASA DO CATELO (PORTUGAL)
(1965)
R$ 8,00



O SEGREDO DE CHIMNEYS
AGATHA CHRISTIE
RECORD
R$ 8,99



MEU PRIMEIRO DICIONARIO OXFORD DE CIÊNCIAS DA NATUREZA
GRAHAM PEACOCK
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2016)
R$ 20,00



LORD JIM
AUTOR CONRAD
PAN CLASSICS
(1978)
R$ 8,00



SÃO PAULO PARA COLECIONADORES
ALEX XAVIER
PANDA BOOKS
(2003)
R$ 5,00



PUBLICIDADE EM CORDEL: O MOTE DO CONSUMO - GILMAR DE CARVALHO
GILMAR DE CARVALHO
MALTESE
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês