Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Propostas para o nosso milênio (I)
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
Mais Recentes
>>> Os donos do poder - 02 vols.
>>> Quem é Você, Alasca?
>>> O Homem do Céu
>>> Lolita
>>> Vida Querida
>>> Paula
>>> Caetés
>>> Sem Marido... E Agora?
>>> Angústia
>>> Gafe não é Pecado
>>> Se Abrindo pra Vida
>>> O Despertar da Águia
>>> Cartas
>>> Linhas Tortas
>>> São Bernardo
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
COLUNAS >>> Especial Oscar 2001

Domingo, 25/3/2001
Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra
Adriana Baggio

+ de 6700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Náufrago é um dos prediletos na edição 2001 do Oscar. Por conta disso, muito já se discutiu sobre o roteiro, sobre a atuação de Tom Hanks, sobre se há ou não pieguice, sobre as mensagens que o filme pode passar ao público: "não perca a esperança", "dê valor à vida", "o tempo é relativo", etc.

A parábola do homem perdido numa ilha deserta já é antiga, e sempre volta à tona, adaptada a cada época. Neste caso, a época é da velocidade. Nunca buscamos tanto a rapidez como nos dias de hoje. Vivemos na era do non-stop, fast food, express, on line, e, é claro, FedEx.

Chuck Noland vive obcecado pelo tempo e pela velocidade. Como o típico executivo-que-não-dá-bola-para-a-vida-pessoal, Chuck tem um compromisso pessoal com o tempo de entrega das encomendas da empresa para qual trabalha, a FedEx. Mas o avião que o transporta rapidamente de um ponto a outro cai no mar, e só ele sobrevive. E aí o tempo pára. Não é mais preciso se preocupar com as encomendas, nem com a vida pessoal, nem com o desempenho da empresa. Ele tem todo o tempo do mundo para aprender a viver na mítica ilha deserta, sem os recursos da vida moderna.

No começo ele resiste, e mantém a postura de que aquilo "é só por um tempo, logo virão me resgatar". Quando isso não acontece, é preciso aceitar a situação para sobreviver. Chuck abre as caixas com encomendas para que ajudem-no em seu novo habitat. A caixa que ele preserva intacta é o sinal de pieguice para os críticos, mas é coerente com o comportamento racional do personagem. Isolado, sem nenhum tipo de estímulo, talvez ele saiba que a única maneira de se manter ligado com a realidade anterior é conservando algum símbolo.

O filme mostra Chuck vivendo como talvez tivessem vivido os homens pré-históricos. Ele precisa do fogo, aprende a fazê-lo para sobreviver. Não se sabe se ele é religioso ou se é ateu, mas cria uma imagem, um amuleto, na forma do Wilson da bola de vôlei. Acredito que Wilson esteja mais para um deus pagão do que para o Sexta-Feira. Chuck também registra suas atividades e seus pensamentos nas pedras, marcando as datas, desenhando o rosto de Kelly (sua namorada), contando sua trajetória, exatamente como faziam os homens das cavernas.

A dor de dente de Chuck é um ótimo ponto de coerência. Em "Robinson Crusoé" ou "A Lagoa Azul", esses males menores que não matam mas incomodam profundamente a vida das pessoas nunca acontecem com os náufragos nas ilhas. Ninguém nunca teve cárie, unha encravada, micose, cistite, conjuntivite, etc.

No quarto ano na ilha, Chuck parece conformado com a vida que leva. As conversas que têm com Wilson sugerem que enlouqueceu, que perdeu a tênue ligação com o mundo de outrora. A chegada da placa de metal que servirá de vela em sua jangada acende novamente o desejo de tentar escapar. Mais tarde, ele explica que tentou se matar, mas não conseguiu fazê-lo da maneira desejada, e isso representou um sinal de que deveria permanecer vivo.

Para um homem acostumado ao controle, Chuck aprende a viver ao sabor dos acontecimentos, esperando pacientemente que as coisas aconteçam. É assim quando desiste de se matar e também quando é resgatado e volta para a civilização. Kelly está casada, e ela é o único elo de ligação entre a vida que levava antes e o agora, e que também permaneceu com ele na ilha. Chuck não pode mais contar com Kelly, e mais uma vez ele se põe pacientemente a esperar que as coisas aconteçam em sua vida.

No fim, de acordo com o american way of life, Chuck parece feliz, esperançoso do que a nova vida pode lhe reservar. Provavelmente ele será um homem mais calmo, que dará mais atenção aos entes queridos, deixará de consumir tantos pratos prontos e sentirá prazer em perder tempo na cozinha. Talvez sua conexão com a internet não seja das mais velozes, seu jornal só chegue após o meio-dia, tenha apenas um telefone fixo e não celular e pager. Pode ser que ele não se irrite quando alguém demorar para perceber o semáforo verde, ou quando o correio atrasar a entrega de alguma coisa.

Mas o final deveria apresentar uma outra situação, mais realista e menos piegas. Será que o tempo passado na ilha não afetou a vida de Chuck de uma maneira mais forte do que mostra o filme? Talvez ele sinta-se perdido, por não pertencer mais ao mundo em que vivia antes, e ao mesmo tempo por não querer voltar à vida na ilha. Talvez ele tenha se tornado rústico demais para a civilização, mas continue civilizado demais para a vida rústica. Com isso tudo, talvez Chuck tenha realmente se tornado no land.


Adriana Baggio
Curitiba, 25/3/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
04. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
03. Marmitex - 1/11/2001
04. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
05. Aqui o sol nasce primeiro - 8/11/2001


Mais Especial Oscar 2001
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/2/2002
01h58min
Eu gostaria de saber o que tinha na caixa conservada.
[Leia outros Comentários de Érico R. de Castro]
18/2/2002
10h14min
Érico, sinto desapontá-lo, mas sinceramente não lembro o que havia na caixa. Ele devolve a caixa para a dona, e o filme sugere que eles começam um relacionamento. Se não me engano, ela era uma espécie de artista plástica, ou algo assim. Acho que ela estava enviando uma encomenda para alguém. Sugiro que você pegue o filme em vídeo, já deve estar disponível.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DESPERTAR DA MEIA NOITE
LARA ADRIAN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 10,00



THE LORD IS MY SHEPHERD AND HE KNOWS IM GAY
CHARLES L. LUCAS
A BANTAM BOOKS
(1978)
R$ 19,90



OS FILHOS DO IMPERADOR
CLAIRE MESSUD
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 5,00



DOCES MOMENTOS
DANIELLE STEEL
RECORD
(2008)
R$ 9,90



O SERMÃO DA MONTANHA
GEORGES CHEVROT
ASTER / CASA DO CATELO (PORTUGAL)
(1965)
R$ 8,00



O SEGREDO DE CHIMNEYS
AGATHA CHRISTIE
RECORD
R$ 8,99



MEU PRIMEIRO DICIONARIO OXFORD DE CIÊNCIAS DA NATUREZA
GRAHAM PEACOCK
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2016)
R$ 20,00



LORD JIM
AUTOR CONRAD
PAN CLASSICS
(1978)
R$ 8,00



SÃO PAULO PARA COLECIONADORES
ALEX XAVIER
PANDA BOOKS
(2003)
R$ 5,00



PUBLICIDADE EM CORDEL: O MOTE DO CONSUMO - GILMAR DE CARVALHO
GILMAR DE CARVALHO
MALTESE
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês