À luz de um casamento | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/10/2001
À luz de um casamento
Adriana Baggio

+ de 10200 Acessos
+ 2 Comentário(s)



Nada mais prosaico do que falar sobre casamento. Talvez seja até piegas, nos dias de hoje. Mas sábado fui a uma cerimônia que me fez voltar a acreditar nos aspectos mais essenciais deste sacramento. Eu, particularmente, adoro casamentos. Acredito que é uma ocasião muito especial mesmo, e que nós, os convidados, devemos nos preparar de acordo com a importância do evento. Seremos testemunhas da união. Ao participar de um casamento, penso que as pessoas devem sentir o quanto é fundamental celebrar. Tudo bem, há casamentos e casamentos. Existem aqueles onde não somos muito íntimos dos noivos, somos apenas agregados de algum outro convidado. Ficamos pensando se temos o direito de estar ali. E existem casamentos que parecem uma farsa, que acontecem por motivos diversos, menos por aqueles que justificam a união.

Pois bem, o casamento de sábado não era nem uma coisa, nem outra. Era o casamento do meu chefe, e apesar de conhecê-lo há pouco tempo, já gosto muito dele e da noiva, quer dizer, esposa. Eu sei que o sentimento entre eles é autêntico, e a vontade de estar junto também. Fiquei muito feliz ao ser convidada para cerimônia. Passei por todos os momentos de ansiedade pelos quais passam os convidados mais empolgados, como é o meu caso. Mas minha situação ainda tinha um agravante, que me deixou mais entusiasmada ainda. Como sou “estrangeira” em João Pessoa, ser convidada para uma cerimônia tão importante, de pessoas tão bacanas, foi marcante para mim. Senti-me aceita e participante da comunidade.

A primeira novidade do casamento foi o horário - às 11 da manhã. Nunca tinha assistido um casamento durante o dia. É impressionante como as coisas parecem mais “honestas” à luz do dia. Normalmente as cerimônias de casamento à noite têm um componente muito fake, quase de disfarce. As mulheres usam maquiagens e penteados inadmissíveis para outro horário ou situação (eu sei disso, porque já fiz um negócio no meu cabelo que não usaria nem em um baile de carnaval). As roupas são, ou pretendem ser, suntuosas, tanto que a gente se espanta ao ver como as pessoas ficam diferentes do habitual. As mulheres e seus longos, os homens e seus ternos. Alguns mais à vontade nos saltos e paletós, outros parecem que estão amarrados ou pisando em bolinhas de gude. Mas, faz parte do show.

Pois bem, em um casamento de dia não tem isso. Primeiro, porque o horário não permite muita acrobacia na roupa, no penteado e na maquiagem. Fica ridículo até para as peruas mais assumidas. Todas as rugas e defeitos aparecem, não há preto que afine uma silhueta. À luz do dia, fica difícil se disfarçar. Então, o negócio é assumir. Na decoração acontece a mesma coisa. Não dá para contar com truques de iluminação. Então, já imaginou um casamento que não seja completamente autêntico em seus objetivos ser realizado de dia? Seria um desastre!

Foi por ser tão honesto que o casamento do meu chefe foi lindo à luz do dia. Minha segunda surpresa foi quanto à igreja. Não tinha aquele aspecto gótico ou barroco que às vezes parecem um pouco opressivos nos templos católicos. E também não era um ícone de arquitetura moderna. Era um lugar simples, de chão de pedra tosca. A igreja é pequena e ladeada por enormes janelões, que vão quase até o chão. Esse “quase” permite a formação de muretas, que servem de banco para aqueles que não conseguiram lugar. Não acho que a igreja seja muito antiga, mas os janelões terminavam em uma espécie de arco bem suave, típico de construções coloniais. Seguindo a mesma linha, o altar é muito simples, com só uma imagem. Também é pequeno, permitindo apenas a presença do padre e da mesa. Fiquei encantada com o despojamento da igrejinha, que na sua simplicidade era muito natural, e honesta. Preciso dizer isso mais uma vez, mesmo correndo o risco de ser repetitiva.

Estava tudo muito coerente. Além da luminosidade, o ambiente tinha charme também. A decoração do corredor que leva ao altar, ao invés de flores, tinha frutas. Enormes vasos verdes guardavam maçãs verdes e folhas da mesma cor, só que num tom mais escuro. Não sei se isso é comum, mas para mim foi novidade, e me encantou. Não pude deixar de notar a relação que não aconteceu. Se fosse vermelha, a maçã poderia sugerir erotismo, paixão, até pecado. Mas sendo verde, dava uma sensação de frescor. Fiquei imaginando como é gostoso e fresquinho comer uma maçã verde bem geladinha... Mas voltando à decoração, uma faixa de tecido branco ligava as colunas que seguravam os vasos de maçãs. No berço formado por essa faixa estavam mais folhas verdes, deixando a igreja parecida com um bosque.

Os pais e padrinhos entraram na igreja ao som de Renato Russo: “Ainda, que eu falasse a língua dos homens, que eu falasse a língua dos anjos, sem amor, eu nada seria”. E, surpresa das surpresas, a trilha sonora para a noiva não foi a Marcha Nupcial. Enquanto ela entrava na igreja, e o noivo lá na frente sorria de orelha a orelha, o conjunto tocava e cantava: “Vem comigo meu amado amigo (...) Sou teu homem, sou teu pai, teu filho, sou aquele que te tem amor...”. Disseram-me que é o tema do desenho “A Bela e a Fera”. Enfim, parecia que era o próprio noivo que cantava para ela. Sei que, a essas alturas, meu romantismo está atrapalhando a objetividade, mas eu juro que foi lindo!

A noiva estava simples, seguindo o estilo da cerimônia. Ela tem um cabelo comprido, meio claro. O cabelo estava cacheado, solto em volta do rosto. Atrás da cabeça um pequeno arranjo segurava um véu curto. Não pude deixar de pensar, enquanto ela entrava na igreja e se ouvia o som suave de um pandeiro na música, que aquilo parecia um casamento hippie, por mais incongruente que possa parecer essa idéia.

Depois que ela já estava devidamente entregue ao noivo no altar, o padre começou a falar. Mais uma grata surpresa foi perceber que o padre não era alienado. Suas palavras foram sensatas e objetivas, mas encorajadoras. Não sei se ele usa o mesmo discurso para todas as cerimônias. Não parecia. Ele passava um visível interesse por aquele casamento em especial. Todos esses elementos contribuíram para deixar um monte de gente chorando, eu e minhas amigas, inclusive. Nessas horas, não tem como não se emocionar.

E o casamento decorreu assim, simples, honesto e charmoso. Deve ter durado 1 hora ou mais, mas não percebi o tempo passar. Para terminar, os noivos saíram da igreja ao som de uma Ave Maria pop, meio gospel, com muito ritmo. Fomos para a recepção em um lugar à beira da praia. Dava para ver o mar e sentir a brisa, que foi muito bem-vinda com aquele calor. Na hora da noiva jogar o buquê, a mesma coisa de sempre: um monte de moças solteiras correram para pegar o troféu. Uma das vantagens da minha altura foi não ter que fazer muito esforço para ficar com aquele arranjo tão desejado. No fundo, no fundo, espero que a tradição se confirme.


Adriana Baggio
Curitiba, 18/10/2001



Quem leu este, também leu esse(s):
01. 10 vídeos musicais no YouTube de Rafael Fernandes
02. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra de Adriana Baggio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
03. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
04. Marmitex - 1/11/2001
05. Aqui o sol nasce primeiro - 8/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/10/2001
00h00min
Cara Adriana, Sinto por você não ter tido oportunidades de ir a casamentos matinais. Sim, eles existem. O meu foi no dia 17/01/96 assim, simples e às claras. O de um casal amigo, no ano seguinte, foi também às claras e mais simples, pois ocorreu numa pequena igreja de Santa Edwirges, a padroeira dos endividados! Ambos os casamentos foram em Fortaleza e foram duas das pouquíssimas (mesmo) oportunidades em que entrei numa igreja nos últimos dez anos. Parabéns pelos seus textos e meus sinceros votos para que o buquê agarrado por você cumpram mesmo a tradição, pois casar é tão bom que já estou no segundo (o primeiro, não o fiz na igreja). Será que a benção só veio no segundo, por ter casado na igreja, e pela manhã? Um abraço Bernardo Carvalho Goiânia - GO
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
26/6/2011
20h42min
Os casamentos ainda existem, seja de manhã, de tarde ou na calada da noite. Eles se repetem, seguindo sempre o mesmo ritual e tradição de nossos ancestrais. Viva o casamento!!!!!!!!
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANTOLOGIA POÉTICA
AUGUSTO DOS ANJOS
EDIOURO
(1997)
R$ 4,00



NOVECENTOS
ANTON PULIDO NOVOA
NOVA GALICIA EDICIONS
(1999)
R$ 148,71
+ frete grátis



THE PEARL GIRL
STEPHEN RABLEY
LONGMAN DO BRASIL
(2008)
R$ 9,90



AVENTURAS DE TOM SAWYER
MARK TWAIN
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 4,90



CANTO JOVEM - A HORA DO AMOR
ÁLVARO CARDOSO GOMES
FTD
(1994)
R$ 4,50



O DESAFIO DA MODERNIZAÇÃO POLÍTICA - AUTOGRAFADO
AMAURY MORAES DE MARIA AUTOGRAFADO
JALOVI
(1969)
R$ 30,00



KI E O CAMINHO DAS ARTES MARCIAIS
KENJI TOKITSU
CULTRIX
(2012)
R$ 30,00



RECOMEÇOS
DANIELLE STELL
RECORD
(1989)
R$ 25,00
+ frete grátis



DE LAS CAVERNAS A LA INTELIGENCIA ARTIFICIAL - 200 MOMENTOS
LA AVENTURA DE LA HISTÓRIA, Nº 200 DE 2015
UNIDAD EDITORIAL (MADRID)
(2009)
R$ 34,28



INTERNATIONAL DISCLOSURE STANDARDS
STEVEN G. TEPPER / ARNOLD & PORTER
BOWNE
(2000)
R$ 60,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês