Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
78320 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta novos episódios do projeto Música Fora da Curva
>>> Quarador de imagens partilha experiências em música, teatro e cinema
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Temporada Alfa Criança estreia Zazou, um amor de bruxa dia 24 de abril
>>> Operilda na Orquestra Amazônica Online tem temporada grátis pela Lei Aldir Blanc
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A morte da Gazeta Mercantil
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Blogging+Video=Vlogging
>>> In London
>>> Mil mortes de Michael Jackson
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Dalton Trevisan revisitado
>>> Who killed the blogosphere?
Mais Recentes
>>> Metanoia - A Chave Está Em Sua Mente de JB Carvalho pela Chara (2018)
>>> 8 Hábitos Do Líder Eficaz De Grupos Pequenos de Dave Earley pela Ministério Igreja em Células (2013)
>>> Final Da Tempestade de Deive Leonardo pela Quatro Ventos (2020)
>>> Enquanto Isso (journal) de Fernanda Witwytzky pela Quatro Ventos (2020)
>>> A caminho do Sótão de Denis Mattar pela Livraria Cultura (1978)
>>> Devocional Simplificando O Secreto (Capa Dura) de Vários pela Quatro Ventos (2020)
>>> A santa sem véu de Tibério Vargas Ramos pela Age (2013)
>>> Danuza & sua visão de mundo sem juízo de Danuza Leão pela Agir (2012)
>>> Fora de mim de Martha Medeiros pela Objetiva (2010)
>>> Contos de Voltaire pela Abril Cultural (1983)
>>> O assassino de Evelyn Anthony pela Martins (1974)
>>> O condenado de Gabriel Lacerda pela Lacerda Ed. (1998)
>>> Curso de Aperfeiçoamento Em Betão Armado - livro de J. Darga e Lima e Outros pela Lnec (1969)
>>> O dinheiro de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1975)
>>> A insurreição de Antonio Skármeta pela Francisco Alves (1983)
>>> Era Uma Vez o Amor, Mas Tive Que Matá-lo de Efraim Medina Reyes pela Planeta (2006)
>>> Dominó de Ross King pela Record (2010)
>>> Jogos Surrealistas de Robert Irwin pela Record (1998)
>>> Revista Planeta 11 - Julho 1973 - a Psicologia Pode Melhorar o Mundo de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1997)
>>> Livro Alegria e triunfo de Lourenço Prado pela Pensamento (2021)
>>> Perigos Que Rondam o Ministério de Richard Exley pela Ucb (2003)
>>> Revista Planeta 12 - Agosto 1973 - Para que serve a Ioga de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> Predestinação e Livre-arbítrio de John Feinberg pela Mundo Cristão (1989)
>>> Cartas de João Guia de Estudos Práticos de Laudir e Sonia Pezzatto pela Sepal (1989)
COLUNAS

Terça-feira, 11/3/2014
Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 7100 Acessos

Para o artista não é necessário apenas produzir uma imagem, mas problematizar, através das próprias criações, qual o status que goza a imagem no mundo contemporâneo, mundo no qual ele é, também, um criador de representações. É o que faz Fabricius Nery, numa instigante obra que denominou Narciso.

Pintada em janeiro de 2014, a obra retoma o mito de Narciso, ou seja, a história do jovem que se deixa morrer ao se apaixonar por si mesmo ao se deparar com a própria imagem refletida num lago. Nery retoma o mito criando outra perspectiva iconográfica, inserindo-a na questão central da vida contemporânea: o sentido da obsessão pela fabricação da própria imagem e sua consequente adoração como uma problemática de nossos dias.

Dessa vez, Narciso está diante de um espelho, onde se vê a si próprio, fotografando-se nu, sendo visível, no pênis ereto, a excitação sexual que é gerada por essa relação de adoração pela própria imagem e, ainda mais, por sua fabricação.

Além da foto que faz de si mesmo ao espelho, de corpo inteiro, aparece ainda, fora do espelho, um dos pés do personagem, indicando que outra camada de realidade se faz presente no quadro. Como se nós, espectadores, fôssemos partícipes da cena, quase fotógrafos de nós mesmos, olhando no espelho nossa própria imagem sendo registrada. Desse inferno ninguém está livre, parece dizer o pintor.

O quadro vai além, colocando na forma labiríntica de sua construção a ideia de que é a geração da própria imagem e a observação desse ato que impulsiona, por si mesmo, o prazer narcísico.

Esse recurso da interpenetração de várias realidades é um dos elementos fortes da arte contemporânea e de sua reflexão sobre a realidade fragmentada, enganosa e labiríntica do mundo. Nery está atento ao que se passa ao seu redor. Para pensar qual o sentido da imagem no mundo atual, nada melhor para o artista, ele também fabricador de imagens, do que trazer a figura de Narciso para o centro do debate.

A sua tela enfrenta a questão. Para além da geometria do espelho que reflete o personagem, outras geometrias vão se recortando dentro do quadro, ampliando essa ideia de que uma imagem não passa de uma sobreposição de camadas da realidade, que são recortadas e montadas incessantemente como se fossem a própria "realidade".

O procedimento formal de desconstrução das próprias imagens que cria, refletindo sobre seu valor no mundo atual, não é novo na obra de Fabricius Nery, que tem adotado o procedimento do recorte em suas telas como um dos elementos de sua poética. Talvez esteja aí o sentido de sua contemporaneidade. Faz-nos pensar naquilo que Jean Baudrillard disse da fotografia: "A foto é o que nos aproxima mais da mosca, de seu olho facetado e de seu voo em linha quebrada".

O resultado desse procedimento, em seu Narciso, é a sensação que o quadro nos transmite, de que o que estamos vendo já foi fotografado e é, ao mesmo tempo, a própria foto no momento em que está sendo feita e, em seguida, ela já em situação de imagem fixa em um álbum. Isso cria dentro da tela quatro tempos: a figura do pé aparece no interior do espelho e também fora do espelho, a imagem que vemos já é a fotografia tirada e revelada e a foto que vemos está fixada no quadro como se já estivesse contida em algum álbum de fotografias.

O quadro é, ele próprio, o registro dessa atividade de se fotografar a si mesmo e se ver ao mesmo tempo se fotografando e o transformar-se da imagem pronta em objeto para ser visto pelo próprio criador da imagem e pelos outros, agora convertidos em espectadores do meu amor próprio, de minha autoimagem publicitária, de minha figura narcísica.

A perspicácia do artista foi somar a esse labirinto de imagens os recortes geométricos ao qual a figura central se submete. E a representação que vemos é uma possível fotografia, situada dentro do quadro, sobre a cor vermelho escuro, recortada por uma geometria que a faz parecer uma foto de álbum. Estamos diante de uma imagem que acontece no instante em que se faz existir e, ao mesmo tempo, já condicionada em espaço de possível ou desejada admiração como fotografia de si mesmo.

A leitura atual do tema faz-se necessária. Vivemos num tempo onde a imagem narcísica de si mesmo transformou-se num fetiche absoluto ou em uma neurose aguda. A adoração da autoimagem, acima de todos os outros valores, é quase o "espírito de nosso tempo". Com a vulgarização da fotografia digital ou de celular, pela qual todos podem se fotografar o tempo todo e se exibir em redes sociais como se fossem personagens importantes (para outros narcisos que fazem e pensam a mesma coisa), a ideia de uma sociedade onde as pessoas estão apaixonadas por si mesmas é corrente e é necessária sua discussão em qualquer debate cultural.

A excitação sexual explícita da figura central, que se fotografa no quadro de Nery, revela esse amor obsessivo por si mesmo, que toma conta do mundo contemporâneo, num jogo libidinal doentio. Nada parece dar mais prazer ao narcisista do que registrar a sua própria imagem e vê-la refletida em algum lugar. Por isso, fez-se necessário ao pintor criar o desnudamento da figura e seu obsessivo olhar narcísico, que ao mesmo tempo constrói e admira, para que se revele esse prazer, esse desejo e essa excitação pela autoimagem que faz do ato narcísico a raison d´être do homem contemporâneo.

A face introspectiva do personagem revela esse estar-se no mundo apenas para si mesmo, prisioneiro psíquico de um universo fechado ao entorno, alienado daquilo que não seja a sua própria imagem. É o retrato do gozo por si mesmo num rosto que quase fecha os olhos num momento de supremo deleite. E esse gozo existe enquanto imagem, porque tem como auxílio a máquina fotográfica (a flor Narciso de nossos dias), que registra essa entrega ao orgasmo que a imagem de si próprio lhe proporciona.

O que Nery acaba por fazer é revelar, nessa forma sobreposta e entrecortada de imagens, que "na fotografia as coisas articulam-se por uma operação técnica que corresponde à articulação de sua banalidade. Vertigem do pormenor perpétuo do objeto. O que é uma imagem para outra imagem, uma foto para outra foto: contiguidade fractal, nenhuma relação dialética. Nenhuma´visão de mundo`, nenhum olhar - a refração do mundo, em seu pormenor, com armas iguais". (Baudrillard)

O objetivo da investigação visual empreendida por Nery, recorrendo aqui novamente ao raciocínio de Baudrillard, é "reconstituir, como na anamorfose, a partir de seus fragmentos, e seguindo uma linha quebrada e fraturada, a forma secreta do nosso mundo".

Com essa obra Nery faz uma leitura radical e profunda sobre o duplo significado que hoje é atribuído à imagem: em primeiro lugar, o sentido da adoração da imagem vazia e publicitária de si mesmo; em segundo, como prisão que construímos para nós mesmos neste terreno movediço, que é um labirinto, onde o próprio conceito de real se transformou na ideia de imagem.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eleições: opções ruins, mas pelo menos existem de Adriana Baggio
02. O que você não está lendo? de Ana Elisa Ribeiro
03. Cultura pop de Gian Danton


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Piratas, Tesouros e Canibais
Nero Blanc
Ediouro
(2004)



Contos Flumineses
Machado de Assis
Dcl
(2015)



Pollyanna Moça
Eleanor H. Porter
Martin Claret
(2008)



Passes e Radiações
Edgard Armond
Aliança
(1991)



Como Educar Seus Pais Obrigado Esparro
Cesar Cardoso / Claudia Souto
Objetiva



Legítima Defesa
Jonathan Kellerman
Mandarim
(1997)



Brincadeiras Pegadinhas e Piadas da Internet
Amir Mattos
Leitura
(2001)



6.720 Horas - Gravidez Sem Duvida
Regina Leal, Sylvia;Protasio
Carnevale
(2005)



Contos e Lendas dos Heróis da Grécia Antiga
Christian Grenier
Cia. das Letras
(2009)



A Televisão
Feliciano Lorenzo Gelices
Biblioteca Salvat
(1979)





busca | avançada
78320 visitas/dia
2,6 milhões/mês