Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
Mais Recentes
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> The 1999 - John Dinkeloo Memorial Lecture de Will Bruder pela The Univ. Michigan/ USA (1999)
>>> Não estamos abandonados de Eliana Machado Coelho pela Lúmen (2016)
>>> This Charming Man de Marian Keyes pela Penguin Books (2009)
>>> Anybody Out There de Marian Keyes pela Penguin Books (2007)
>>> The Undomestic Goddess de Sophie Kinsella pela A Dell Book (2005)
>>> A voz do fogo de Alan Moore pela Conrad (2002)
>>> The Innocent Man de John Grisham pela A Dell Book (2006)
>>> The Innocent Man de John Grisham pela A Dell Book (2006)
>>> Bluebonnet Belle de Lori Copeland pela Steeple Hill (1997)
>>> Bluebonnet Belle de Lori Copeland pela Steeple Hill (1997)
>>> Tratado de comunicação organizacional e política de Gaudêncio Torquato pela Cengage Learning (2011)
>>> Catálogo de Periódicos Brasileiros Microfilmados de Coord. Ana Fanda/ A. Romano de Sat' Anna:Presid. pela Biblioteca Nacional/ RJ. (1994)
>>> Vá em frente não deixe para depois de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Regimes de historicidade - presentismo e experiencias do tempo de François Hartog pela Autentica (2013)
>>> Amazônia: 20 Lendas e Mitos/ Legends And Myths from Amazônia (5 lín de Gea: Coordenadoria Editorial pela Graf. Ed. da Amazônia
>>> La Amada Inmóvil de Amado Nervo pela Soc. Edit. Latino- Americana (1950)
>>> Um (One) de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Um (One) de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Amando Uns aos Outros: o Desafio das Relações Humanas de Leo Buscaglia pela Record/ RJ.
>>> A força do entusiasmo de Prof.Gretz pela Viabilização de Talentos Humanos (2005)
>>> Legislação Penal Especial : Crimes Contra a Economia Popular.- Crimes Falimentares.- Crimes Contra a Liberdade de Imprensa de Manoel Pedro Pimentel (Min. Trib. Alçada Criminal / Sp) pela Revista dos Tribunais (1972)
>>> Os tomadores de decisão de Robert Heller pela Makron (1991)
>>> Farmácia de pensamentos de Sonia de Aguiar pela Relume Dumará (2000)
>>> Hipnotizando Maria de Richard Bach pela Integrare (2019)
>>> Tudo Sobre Finanças - Guia Prático de A a Z ( Exame) de Tim Hindle pela Nobel (2002)
>>> Estranho À Terra de Richard Bach pela Hemus
>>> Estranho À Terra de Richard Bach pela Hemus
COLUNAS

Terça-feira, 11/3/2014
Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5900 Acessos

Para o artista não é necessário apenas produzir uma imagem, mas problematizar, através das próprias criações, qual o status que goza a imagem no mundo contemporâneo, mundo no qual ele é, também, um criador de representações. É o que faz Fabricius Nery, numa instigante obra que denominou Narciso.

Pintada em janeiro de 2014, a obra retoma o mito de Narciso, ou seja, a história do jovem que se deixa morrer ao se apaixonar por si mesmo ao se deparar com a própria imagem refletida num lago. Nery retoma o mito criando outra perspectiva iconográfica, inserindo-a na questão central da vida contemporânea: o sentido da obsessão pela fabricação da própria imagem e sua consequente adoração como uma problemática de nossos dias.

Dessa vez, Narciso está diante de um espelho, onde se vê a si próprio, fotografando-se nu, sendo visível, no pênis ereto, a excitação sexual que é gerada por essa relação de adoração pela própria imagem e, ainda mais, por sua fabricação.

Além da foto que faz de si mesmo ao espelho, de corpo inteiro, aparece ainda, fora do espelho, um dos pés do personagem, indicando que outra camada de realidade se faz presente no quadro. Como se nós, espectadores, fôssemos partícipes da cena, quase fotógrafos de nós mesmos, olhando no espelho nossa própria imagem sendo registrada. Desse inferno ninguém está livre, parece dizer o pintor.

O quadro vai além, colocando na forma labiríntica de sua construção a ideia de que é a geração da própria imagem e a observação desse ato que impulsiona, por si mesmo, o prazer narcísico.

Esse recurso da interpenetração de várias realidades é um dos elementos fortes da arte contemporânea e de sua reflexão sobre a realidade fragmentada, enganosa e labiríntica do mundo. Nery está atento ao que se passa ao seu redor. Para pensar qual o sentido da imagem no mundo atual, nada melhor para o artista, ele também fabricador de imagens, do que trazer a figura de Narciso para o centro do debate.

A sua tela enfrenta a questão. Para além da geometria do espelho que reflete o personagem, outras geometrias vão se recortando dentro do quadro, ampliando essa ideia de que uma imagem não passa de uma sobreposição de camadas da realidade, que são recortadas e montadas incessantemente como se fossem a própria "realidade".

O procedimento formal de desconstrução das próprias imagens que cria, refletindo sobre seu valor no mundo atual, não é novo na obra de Fabricius Nery, que tem adotado o procedimento do recorte em suas telas como um dos elementos de sua poética. Talvez esteja aí o sentido de sua contemporaneidade. Faz-nos pensar naquilo que Jean Baudrillard disse da fotografia: "A foto é o que nos aproxima mais da mosca, de seu olho facetado e de seu voo em linha quebrada".

O resultado desse procedimento, em seu Narciso, é a sensação que o quadro nos transmite, de que o que estamos vendo já foi fotografado e é, ao mesmo tempo, a própria foto no momento em que está sendo feita e, em seguida, ela já em situação de imagem fixa em um álbum. Isso cria dentro da tela quatro tempos: a figura do pé aparece no interior do espelho e também fora do espelho, a imagem que vemos já é a fotografia tirada e revelada e a foto que vemos está fixada no quadro como se já estivesse contida em algum álbum de fotografias.

O quadro é, ele próprio, o registro dessa atividade de se fotografar a si mesmo e se ver ao mesmo tempo se fotografando e o transformar-se da imagem pronta em objeto para ser visto pelo próprio criador da imagem e pelos outros, agora convertidos em espectadores do meu amor próprio, de minha autoimagem publicitária, de minha figura narcísica.

A perspicácia do artista foi somar a esse labirinto de imagens os recortes geométricos ao qual a figura central se submete. E a representação que vemos é uma possível fotografia, situada dentro do quadro, sobre a cor vermelho escuro, recortada por uma geometria que a faz parecer uma foto de álbum. Estamos diante de uma imagem que acontece no instante em que se faz existir e, ao mesmo tempo, já condicionada em espaço de possível ou desejada admiração como fotografia de si mesmo.

A leitura atual do tema faz-se necessária. Vivemos num tempo onde a imagem narcísica de si mesmo transformou-se num fetiche absoluto ou em uma neurose aguda. A adoração da autoimagem, acima de todos os outros valores, é quase o "espírito de nosso tempo". Com a vulgarização da fotografia digital ou de celular, pela qual todos podem se fotografar o tempo todo e se exibir em redes sociais como se fossem personagens importantes (para outros narcisos que fazem e pensam a mesma coisa), a ideia de uma sociedade onde as pessoas estão apaixonadas por si mesmas é corrente e é necessária sua discussão em qualquer debate cultural.

A excitação sexual explícita da figura central, que se fotografa no quadro de Nery, revela esse amor obsessivo por si mesmo, que toma conta do mundo contemporâneo, num jogo libidinal doentio. Nada parece dar mais prazer ao narcisista do que registrar a sua própria imagem e vê-la refletida em algum lugar. Por isso, fez-se necessário ao pintor criar o desnudamento da figura e seu obsessivo olhar narcísico, que ao mesmo tempo constrói e admira, para que se revele esse prazer, esse desejo e essa excitação pela autoimagem que faz do ato narcísico a raison d´être do homem contemporâneo.

A face introspectiva do personagem revela esse estar-se no mundo apenas para si mesmo, prisioneiro psíquico de um universo fechado ao entorno, alienado daquilo que não seja a sua própria imagem. É o retrato do gozo por si mesmo num rosto que quase fecha os olhos num momento de supremo deleite. E esse gozo existe enquanto imagem, porque tem como auxílio a máquina fotográfica (a flor Narciso de nossos dias), que registra essa entrega ao orgasmo que a imagem de si próprio lhe proporciona.

O que Nery acaba por fazer é revelar, nessa forma sobreposta e entrecortada de imagens, que "na fotografia as coisas articulam-se por uma operação técnica que corresponde à articulação de sua banalidade. Vertigem do pormenor perpétuo do objeto. O que é uma imagem para outra imagem, uma foto para outra foto: contiguidade fractal, nenhuma relação dialética. Nenhuma´visão de mundo`, nenhum olhar - a refração do mundo, em seu pormenor, com armas iguais". (Baudrillard)

O objetivo da investigação visual empreendida por Nery, recorrendo aqui novamente ao raciocínio de Baudrillard, é "reconstituir, como na anamorfose, a partir de seus fragmentos, e seguindo uma linha quebrada e fraturada, a forma secreta do nosso mundo".

Com essa obra Nery faz uma leitura radical e profunda sobre o duplo significado que hoje é atribuído à imagem: em primeiro lugar, o sentido da adoração da imagem vazia e publicitária de si mesmo; em segundo, como prisão que construímos para nós mesmos neste terreno movediço, que é um labirinto, onde o próprio conceito de real se transformou na ideia de imagem.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
05. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉLULAS A COMBUSTÍVEIS
KELLEN CRISTINA MESQUITA BORGES, ROSANA F. GONÇALVES UND MARIO J. GODINHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



AYRTON SENNA E A MÍDIA ESPORTIVA
RODRIGO FRANÇA (AUTOGRAFADO)
AUTOMOTOR
(2010)
R$ 24,00



USABILIDADE E ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO PARA ESTRUTURAÇÃO DE PORTAIS
THIAGO MARINHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



AMOR A ROMA
AFONSO ARINOS DE MELO FRANCO
NOVA FRONTEIRA
R$ 41,00



SOLUÇÃO GRADUAL
CARL HONORÉ
RECORD - GRUPO RECORD
(2016)
R$ 46,20



MEMÓRIAS DA SAUNA FINLANDESA
MEMÓRIAS DA SAUNA FINLANDESA
34
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



TAPETES E TAPEÇARIAS ARRAIOLOS NR 10 ANO 2 PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL
CASA MIDÕES

R$ 24,88



ÊSSE CONTINENTE CHAMADO BRASIL
EDUARDO TOURINHO
JOSÉ OLYMPIO
(1964)
R$ 7,38



CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 05 DE OUTUBRO DE 1988
EQUIPE DA EDITORA ATLAS
ATLAS
(1988)
R$ 7,00



INSTITUIÇÃO E RELAÇÕES AFETIVAS
MARLENE GUIRADO
SUMMUS EDITORIAL
(1986)
R$ 70,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês