Troquei meus feeds RSS pelo Twitter | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Civilizado?
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Dar títulos aos textos, dar nome aos bois
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/4/2009
Troquei meus feeds RSS pelo Twitter
Julio Daio Borges

+ de 4500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Estava relendo as duas colunas que escrevi sobre a minha descoberta dos feeds (1 e 2) e parece que foi há séculos. Vai fazer quatro anos, da publicação, em junho. A descrição continua válida (e permanece como uma boa introdução aos feeds, aliás), mas o Bloglines já foi para o espaço (troque, no texto, por "Google Reader") e muitas esperanças, ali concebidas, terminaram frustradas.

Na época, eu não contei - ou, simplesmente, não havia acontecido ainda - mas feeds, inevitavelmente, causam overdose no leitor. A maioria dos blogueiros não assume isso publicamente, mas eu duvido que, mesmo o Robert Scoble, consiga ler aquela quantidade descomunal de informação e aproveitar. Eu passei tempos procurando entender qual era o "furo" nos leitores de feeds e minha única conclusão - parcial, talvez - é que não dá para ler "tudo de todo mundo".

Nem tudo o que todo mundo diz é relevante. Ou, parafraseando Churchill, nem todo mundo consegue ser relevante o tempo todo. Logo, não compensa assinar "tudo de todo mundo". Quando digo "todo mundo" não estou me referindo ao planeta inteiro, nem a toda a população que publica na internet, mas às pessoas que você se propõe a ler (tanto faz se são jornalistas, escritores, blogueiros ou comentadores de fórum). Pense em todos aqueles dos quais você gostaria de ler tudo. Então: não dá para ler tudo nem dessas pessoas...

Os leitores de feeds tentaram formas de selecionar o que é relevante (no meio de tudo), mas, ainda assim, não funcionou. Na verdade, no caso do Google Reader, apareceram mais folders ainda - com os "favoritos" das pessoas no meu address book... Ou seja: não bastando todos os feeds que eu mesmo assinei (e não consegui ler), o Google ainda me oferece a seleção de favoritos das pessoas que eu conheço por e-mail (algumas bem vagamente)...

Eu passei uma época frustrado porque havia temporariamente desistido dos meus feeds. Era um momento em que minha vida estava mudando muito e eu precisava simplificar minha rotina. Portanto, momentaneamente, parei de ler feeds. Abrir o leitor não é exatamente uma obrigação e você pode passar horas lendo e visitando novos links. Mas, numa certa altura, você se pergunta: estou usando tudo isso? Será que preciso de tanto? Onde é que esses feeds vão me levar?

Um belo dia, como todo mundo, os feeds foram se acumulando, eu já não conseguia reservar tanto tempo para eles (ou não queria mais) e, sem nenhum planejamento maior, fiz uma pausa ainda no Bloglines. Já havia aberto uma conta no Google Reader, mas sentia uma vertigem só de ver a velocidade com que passavam os itens novos na minha frente (não precisava nem marcar, cada um, como lido e já aparecia como "lido"!). Quando fui "ver", já estava há meses longe dos feeds. Quando as pessoas me perguntavam, eu respondia, meio sem graça, que havia parado... como um viciado para com alguma substância.

Pois é, tentei voltar, anos depois (não sei quantos anos, mas foram anos). Abandonei, simplesmente, meu Bloglines (em definitivo). E comecei, do zero, no Google Reader. Para não sofrer de overdose novamente, procurei assinar apenas os feeds dos sites, blogs etc. que me ocorriam de memória... Durou alguns meses, talvez. Parecia administrável e eu - já partidário do método GTD - havia reservado um tempo, inclusive na minha agenda, para ler diariamente. Mas comecei a usar o Twitter, também diariamente, e hoje sinto que não preciso de uma "segunda" fonte de links...

Porque o Twitter, para mim, é também isso: uma maneira de se saber o que está acontecendo na internet - ou o que estão lendo (e indicando) - em tempo real. A diferença, com relação aos feeds, é que eu não me sinto na obrigação de ler os tweets de todo mundo. Invariavelmente, não passo da primeira página. Como estou sempre seguindo (e parando de seguir) (novas) pessoas, parece que confio mais agora na minha própria seleção. E acredito que o que está ali deve ser relevante.

Normalmente, ao abrir o Twitter, encontro pelo menos um link relevante de fato (sem passar da primeira página, mais uma vez). E já me dou por satisfeito se, num momento de sorte, encontrar até meia dúzia de links relevantes de uma só vez. Para quê mais (se repito esse procedimento algumas vezes ao dia)? E preciso repetir, porque, geralmente, "solto" as coisas que escrevo, ou incluo no Blog do Digestivo, direto no Twitter. Ou seja, o Twitter me resolve dois problemas: o de atualizar as pessoas no que eu ando fazendo e o de me manter atualizado no que as pessoas (que me interessam) estão fazendo.

Formalmente, eu sei que são ferramentas diferentes. Mas, talvez pelo mesmo motivo, o "conceito" de seguir pessoas hoje me atraia mais. Falei sobre isso com o Ian Black, numa entrevista durante a Campus Party, e ele ficou espantado que eu nunca indicava ferramentas, mas sugeria que - em quaisquer ferramentas - fossem seguidas pessoas. Nietzsche já dizia que não existem filosofias mas, sim, filósofos e, mesmo quando eu assinava feeds de sites ou blogs, mais uma vez, eu assinava... pessoas. Eu quero saber o que o Michael Arrington, o Jason Calacanis, o Steve Rubel, o Hugh MacLeod, o Robert Scoble, o Inagaki, o Interney, o Dahmer, a Recuero e o Boëchat estão pensando (independentemente de onde estão publicando).

Por consequência, o FriendFeed me parece simpático. Através dele, você segue a pessoa em todas as suas atividades on-line... Pensando melhor, deve ser, também, excessivo no longo prazo. (Embora muitíssimo elogiado...) A vantagem do Twitter, mais uma vez, é se concentrar no que "vale a pena" ser passado pra frente. Porque eu posso marcar um site no Delicious, gravar uma foto no Flickr e até publicar um comentário num blog, mas isso tudo pode não ser relevante para os meus leitores (ou para as pessoas que me seguem). No Twitter, por mais rápido, barato e fácil que seja publicar, eu procuro me conter mais.

Eu lembro de todas as pessoas que parei de seguir porque fizeram bobagem e tento me comportar. Como os tweets são breves e os exemplos são recorrentes, a curva de aprendizado tende a ser otimizada. Você aprende todos os dias um pouco e os tweets, se você não for burro, vão melhorar em igual proporção. Agora, imagine essa analogia se aplicando ao Twitter como um todo - a ferramenta se aprimora como poucas... Eu sei, existem as celebridades, os fakes, os jecas - mas eu não sigo essas pessoas; você segue?

De uns tempos pra cá, eu me convenci de que temos de confiar mais no zeitgeist. Se vejo um livro interessante uma vez, não vou atrás dele na primeira hora. Espero alguém falar dele novamente. Espero algumas confirmações de pessoas em quem eu costumo confiar. Se uma ideia merecer sucessivas menções, no meu conselho de "formadores de opinião" (não são os da imprensa), é porque ela tem mais chances de sobreviver. É estatístico. O Twitter, até agora, respeita esse princípio. Já os feeds... não necessariamente.


Julio Daio Borges
São Paulo, 17/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
04. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
02. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/4/2009
09h17min
A contraposição entre zeitgeist e serendipity, angústia cada vez maior do homem moderno, me lembra aquela entre algoritmo e heurística. Há poucas semanas, em minha coluna web writing no iMasters/UOL, ao analisar o Times Reader do NYT afirmei [e penso não estar só na opinião] que o jornal é o software. Bem, não só o jornal, mas o livro, a revista, ou seja, interagimos com a informação e o conhecimento através de software, que é configurável, personalizável, anseia moldar-se às preferências do usuário. A internet é, em termos gerais de uso, software. Somos reducionistas pela ciência, mas precisaremos, cada vez mais, assumir uma postura holística em relação a ela [que é a mesma e outras, sobre o TCP/IP]. Desde o início de abril, realizo um experimento na Web, em que vou aglutinando software no contexto de uma ideia: a internet é um espaço para a criação de narrativas. É porque assim é a própria vida [os aglutinadores de lifestream não me desmentem].
[Leia outros Comentários de Claudio Soares]
7/7/2009
2. !
02h42min
interessante!
[Leia outros Comentários de Josué de Maria]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LAS SOMBRAS ANDAM SOLAS (LITERATURA JUVENIL - EM ESPANHOL)
OLGA MARTA PÉREZ
EDITORIAL GENTE NUEVA (CUBA)
(2007)
R$ 12,00



O SEQUESTRO DO SANTA MARIA
LUDENBERGUE GÓIS
COMPANHIA DOS LIVROS
(2011)
R$ 16,00
+ frete grátis



20 ANOS SHOPPING PÁTIO PAULISTA PAULISTA COMO VOCÊ
BOOKFIELD
SANTA MARTA
(2009)
R$ 4,99



O PARTEIRO DA CIDADANIA
GESIEL JUNIOR
ARAUCO
(2009)
R$ 29,00



ENGLISH VERBAL IDIOMS
FREDERICK T. WOOD
MACMILLAN EDUCATION LTD
(1985)
R$ 29,82



THE GREAT SIGHTS OF NEW YORK A PHOTOPRAPHIC GUIDE
JAMES SPERO EDMUND V GILLON JR
DOVER PUBLICATIONS
(1991)
R$ 120,00



PERRY RHODAN #31 - O IMPERADOR DE NOVA IORQUE
W. W. SHOLS
EDIOURO
(1976)
R$ 5,00
+ frete grátis



MAL SECRETO
ZUENIR VENTURA
OBJETIVA
(1998)
R$ 10,00



REDES SOCIAIS PARA PAIS E FILHOS
VIEIRA ANDERSON DA SILVA
ALTA BOOKS
(2011)
R$ 27,00



LANNEE INTERNATIONALE 1990: ANNUAIRE GEOPOLITIQUE MONDIAL DE LA
FRANÇOIS JOYAUX
HACHETTE
(1989)
R$ 39,28





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês