Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Sexta-feira, 29/5/2009
Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais
Julio Daio Borges

+ de 7700 Acessos
+ 6 Comentário(s)

"Os jornais não vão acabar" ― Os jornais estão acabando. Até a Veja já sabe. É natural que jornalistas ― e demais envolvidos na cadeia produtiva de um jornal ― neguem a evidência até a morte. Mas, ao mesmo tempo, espera-se que tenham o mínimo de honestidade para informar, ao público leitor, quando a realidade se torna absolutamente incontrastável. Assim, na próxima vez que você encontrar um jornalista, e ele tentar te convencer do contrário, só existem duas alternativas: ou ele está mentindo deslavadamente (para preservar sua posição) ou ele está imperdoavelmente mal-informado.

"Uma mídia não substitui a outra, assim como a TV não substituiu o rádio etc." ― É muito bonito esse discurso, mas ele é falacioso. Ninguém, em sã consciência, nega que o jornal perdeu espaço para o rádio (na primeira metade do século XX); que, por sua vez, perdeu espaço para a TV (na segunda metade do século XX); que, por sua vez, está perdendo espaço para a internet (no começo do século XXI). Estamos falando do tempo das pessoas ― e, como qualquer grandeza física, ele não é infinito. Historicamente, e culturalmente, se você quiser pensar: qual rádio tem hoje a penetração que a Rádio Nacional teve nos anos 30? E qual televisão tem hoje a penetração que a TV Record teve nos anos 60? Quem é maior, a Globo ou o Google?

"Mas o CD não acabou com o LP; e o download não acabou com o CD" ― OK, não acabou. Mas quantos CDs você comprou ultimamente? E quantos LPs? Nenhuma mídia física precisa ser varrida da face da Terra para que seja decretada oficialmente a sua extinção. Estamos falando num sentido mais amplo. O CD, para a circulação de música, tornou-se irrelevante. E, mesmo com o download pago, a indústria fonográfica não se reergueu como antes. É lógico que os jornais não vão sumir da nossa vista para sempre ― mas se tornarão, como veículos, cada vez menos relevantes; como o CD, no caso da música, não serão mais centrais para a circulação da informação.

"A crise dos jornais é dos EUA, e não chegará ao Brasil" ― Mentira, porque já chegou. E chegou antes da crise atual. Você sabe quanto a Folha ― então "o maior jornal do País" ― vendia nos anos 90? Nos tempos gloriosos dos brindes dominicais, chegava a vender algo na casa do milhão. E, recentemente, você sabe qual a circulação do jornal que ultrapassou a Folha e se tornou "o maior do País"? 300 mil exemplares. Menos de um terço do recorde dos anos 90. E você sabe quais são os números do primeiro trimestre de 2009? O Globo (260 mil), O Estado de S. Paulo (217 mil), Diário de S. Paulo (61 mil), Correio Braziliense (52 mil) e Jornal da Tarde (50 mil).

"Mas os jornais não vão simplesmente acabar, eles vão encontrar uma solução" ― Meu amigo, nem o New York Times ― indiscutivelmente, o mais importante jornal do mundo ― encontrou. Por que, então, você acha que a solução vai surgir aqui no Brasil? A verdade é uma só: a publicidade na internet não tem como sustentar as redações dos velhos tempos (dos jornais). Nem o Google tem como sustentar. Nem Warren Buffett ― um dos maiores administradores de empresas de todos tempos ― tem uma solução para os jornais. Os administradores das empresas jornalísticas tiveram desde os anos 90 para se adaptar, economicamente, à Web ― e seu tempo se esgotou.

"Os jornais físicos podem acabar, mas as empresas jornalísticas continuam"Nem sempre. Vale repetir: mesmo os sites mais lucrativos da internet no mundo não têm como pagar a conta das redações de jornal. Logo, os jornais têm duas opções: ou morrem, como veículos, com suas redações inchadas; ou se resumem à versão on-line, cortando a velha redação e se reestruturando com uma nova redação (enxuta). De qualquer forma, a relevância de um jornal impresso ― que era quase um monopólio em muitas cidades do mundo ― cai indiscutivelmente quando o veículo se resume à sua versão na internet, junto com zilhões de outros sites, blogs etc.

"O problema é que os blogueiros, no fundo, vivem de parasitar os jornais" ― Se você lê a blogosfera mais desenvolvida da internet, aquela escrita em inglês, você sabe que não é verdade. Você já leu o TechCrunch? Você sabia que ele é "fonte" para todos os cadernos de informática e internet que você lê aqui no Brasil? Você sabia que o TechCrunch já fez subir e descer as ações do Yahoo, quando este ameaçava ser comprado por uma das maiores empresas do mundo, a Microsoft? Você sabia que o TechCrunch está lançando um concorrente para o Kindle da Amazon? E você sabia que o TechCrunch começou como um blog?

"Mas é só em tecnologia que os blogueiros dominam" ― Vou dar só mais um exemplo do TechCrunch: foi ele, e não a imprensa cultural norte-americana, que revelou o plano das grandes gravadoras para a música: manter o CD vivo só até 2011. Você leu isso em algum outro lugar? Aposto que nem mesmo num "caderno de cultura" de jornal brasileiro! Sem falar na blogosfera política. Por que você acha que o Obama era chamado de "o candidato da internet"? Porque ele arrecadou, graças à Web, como nenhum outro candidato antes na história (durante sua campanha). Você acha que existe algum limite para uma mídia que pode eleger o homem mais poderoso do mundo?

"No fundo, no fundo, os blogueiros estão loucos para publicar em jornal" ― Pense bem: você acha que o Michael Arrington, do TechCrunch, com milhões de visitantes por mês, e milhões de dólares no banco, prefere ― na verdade ― ser "editor do tecnologia" do New York Times? Ora, c'mon! Você acha, mesmo, que ele vai querer ser menos influente, e ganhar menos dinheiro, só para publicar no New York Times? Ele, provavelmente, já deve ter publicado em todas as mídias que uma dia desejou e já deve ter recebido todos os convites do mainstream jornalístico ― mas ele prefere fazer do TechCrunch uma das principais fontes de informação do mundo (e não só em matéria de tecnologia). Não é tão difícil de entender, vai... Até um jornalista, no lugar dele, preferiria!

"Mas não existe nenhum blogueiro, no Brasil, em situação parecida" ― Você já ouviu falar do Interney? Você acha que o Edney Souza, mesmo não sendo nenhum TechCrunch, preferia trocar o blog dele, rendendo dezenas de milhares de reais/mês, por um "cargo" no Estadão, na Folha ou no Globo, que, além de nunca pagar o que ele já ganha, não lhe conferiria a mesma exposição em todos estes anos? E o Inagaki ― você acha que, na realidade, ele preferiria ser editor do "Caderno2" ou da "Ilustrada"? Veja bem: nem o Noblat, que trocou um lugar na redação pela blogosfera, quer voltar para trabalhar em jornais. Nem o Pedro Doria, que defendia com unhas e dentes as redações de papel, agora deixa de empreender na internet.

"Quando os jornais acabarem, você vai se arrepender: as noticias vão acabar" ― Quanta bobagem. Há muito tempo que os jornais vivem das notícias que recebem das ... agências de notícias! Tudo bem que, no Brasil, muitas delas coincidem com as próprias empresas jornalísticas (Agência Estado, por exemplo). Mas as agências de notícias, ao contrário dos jornais, não morrem, sobrevivem. E você sabe por quê? Porque elas vendem notícias para os portais de internet, que não vão acabar como os jornais. Aliás, foi esse fenômeno que permitiu o crescimento das agências de notícias, ao mesmo tempo que os jornais foram diminuindo, diminuindo...

"Quando os jornais acabarem, todo mundo vai sentir falta, inclusive você" ― Agora talvez caiba um testemunho pessoal. Eu não leio mais nenhum jornal diário desde 2006. Você sentiu alguma diferença no que eu escrevo aqui, para o Digestivo Cultural? Embora brigue todos os dias com as assessorias de imprensa, elas me fornecem muitas informações (e elas não vão acabar como os jornais). Na minha área, como eu já conheço as pessoas, obtenho muitas informações diretamente também, falando com as próprias "fontes" (autores de livros, discos, filmes etc.). A imprensa foi uma referência para mim, mas, agora, não é mais. A internet é a minha referência.

"Mas quem trabalha com informação (como você) é a exceção e, não, a regra" ― Pode ser, mas em quem você acha que as novas gerações vão se espelhar? Será que vão preferir se agarrar a uma mídia que está sucumbindo, ou vão querer participar de algo que está crescendo e que podem construir ― mesmo não sendo jornalistas, mesmo não adotando a Web como profissão? Por que as novas gerações vão querer sustentar uma "casta", que lhes diga o que é certo e o que é errado, o que é bom e o que é ruim, quando podem meter a mão na massa, fazer ouvir sua voz, criar os veículos do futuro? Eu não pensaria duas vezes se fosse jovem. E olha que eu nem sou mais...


Julio Daio Borges
São Paulo, 29/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Livrarias de Ricardo de Mattos
02. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
03. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges
04. Por que a discussão política tem de evoluir de Julio Daio Borges
05. Espírito e Cura de Ricardo de Mattos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
02. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
03. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
04. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/5/2009
16h01min
Parabéns.
[Leia outros Comentários de Daniel Pellizzari]
29/5/2009
17h48min
Pronto! Você provou por A+B o que eu falei no meu artigo e os retardatários criticaram. Vai morrer, e pronto! Belo texto!
[Leia outros Comentários de jardel]
31/5/2009
18h43min
Morrer, não vai. O jornal vai virar artigo de luxo, retrô. Moda "cult". Mas não vai morrer... Entretanto, concordo que o império Times está em ruínas e que o valor agregado ao nome, marca, produto também. Uma nova era começa e novas referências estão a surgir. Do século XX foi do papel para internet. No XXI vai ser da internet para o papel, assim estabelecendo novas distinções jornalísticas especializadas, como, por exemplo, o que eu disse sobre "moda cult": ler jornal de papel é cool.
[Leia outros Comentários de Tiago Antunes]
1/6/2009
12h38min
O jornal vai acabar, a TV vai perdendo sua força (discutível), o rádio é só mais um acessório. Os CDs idem. Mas se é assim, pra que tanta discussão? É uma evolução tecnólogica, o homem vai usando as ferramentas mais eficientes e vamos seguindo. Não vejo muito mais sentido em discutir isso. Os jornalistas da mídia impressa vão ter que se adaptar, o jornal também... mas é um processo como tantos outros. Só não vejo pra que tanta discussão, mesmo que seus argumentos sejam extremamente convincentes. Desculpe. É que tenho um pouco de preguiça disso tudo...
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
18/7/2009
16h21min
O jornal vai se mudar para a internet, mas não vai acabar por completo. Haverá uma grande redução de empresas, mas algumas sobreviverão para sempre. Basta ter jornais para cada bairro, com notícias (em vez de opiniões). Acho que levará mais uns 20 anos até que no Brasil todos tenham acesso a internet. Veja que tem áreas que só agora estão recebendo energia elétrica. Estamos em fase de adaptação.
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
20/11/2009
21h48min
Vou quase na mesma linha do Tiago Antunes. O papel jornal é um suporte, que pode virar qualquer produto, acredito que o jornal é uma mídia a ser engolida por completo pelos publicitários. Com certeza, o jornal continuará no processo de sua implosão como força política, social e econômica. Artigo muito bom, vou mostrar pros meus amigos.
[Leia outros Comentários de André Quitério]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINERVINO FRANCISCO SILVA (LITERATURA DE CORDEL)
MINERVINO FRANCISCO SILVA
HEDRA
(1999)
R$ 14,00



UM POMBO E UM MENINO
MEIR SHALEV
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 10,00



BEIJING - CHINA
JD BY BOOK
JD BY BOOK
(2002)
R$ 20,92



ANJOS E DEMÔNIOS - CAPA DO FILME
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 13,55



A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO
STIEG LARSSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 6,00



VIAGEM PELAS PROVINCIAS DO RIO DE JANEIRO E MINAS GERAIS
AUGUSTE DE SAINT HILARE
ITATIAIA
(2018)
R$ 30,00



PAES SEM SEGREDO
SARA LEWIS
MARCO ZERO
(2010)
R$ 30,00



CARTAS DE ANIVERSÁRIO - EDIÇÃO BILÍNGUE
TED HUGHES
RECORD
(1999)
R$ 15,00
+ frete grátis



LAÇOS ETERNOS
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2003)
R$ 19,90



COURS SUPÉRIEUR DORTHOGRAPHE
E. BLED / O. BLED
CLASSIQUES HACHETTE
(1954)
R$ 28,84





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês