Considerações sobre Michael Jackson | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira Seis Contos da era do Jazz de F. Scott Fitzgerald pela José Olympio (1995)
>>> Livro Psicologia Libertando o Coração Espiritualidade e Psicologia Junguiana Coleção Estudos de Psicologia Junguiana Por Analistas Juinguianos de Lawrence W. Jaffe pela Cultrix (1990)
>>> Livro Poesia Chão de Vento de Flora Figueiredo pela Geração (2011)
>>> História Universal dos Algarismos 2 Tomos de Georges Ifrah pela Nova Fronteira (1997)
>>> Educação Psicocinética de Bruno Edgar Ries; Jacintho P. Targa; Luiz Settineri pela Sulina (1979)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Coleção Obra-Prima de Cada Autor 98 Macbeth de William Shakespeare pela Martin Claret (2002)
>>> Livro Literatura Estrangeira Contos Volume 1 de H. P. Lovecraft pela Martin Claret (2017)
>>> As Aventuras Dos Filhotes de Vários Autores pela Todolivro (2004)
>>> Maturação Psicomotoro no Primeiro Ano de Vida da Criança de Lydia F. Coriat pela Cortez & Moraes (1977)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Livro Pedagogia Sobre Educação (Diálogos) de Paulo Freire; Sérgio Guimarães pela Paz e Terra (1982)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1998)
>>> Livro Literatura Estrangeira Canibais e Missionários de Mary Mccarthy pela Nova Fronteira (1980)
>>> Livro Ensino de Idiomas The Canterville Ghost and Other Stories Level 4 de Oscar Wilde pela Pearson English Readers (2008)
>>> Anedotário Geral da Academia Brasileira de Josué Montello pela Francisco Alves (1980)
>>> Dudu E O Plástico-bolha de Stela Greco Loducca pela Companhia Das Letrinhas (2022)
>>> Livro Literatura Brasileira Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Possessing the Secret of Joy de Alice Walker pela Pocket Star Books (1992)
>>> Livro Literatura Brasileira Urupês Ml de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1997)
>>> Livro Mega Histórias 2 Em 1 Piratas E Dinossauros de Culturama pela Culturama (2016)
>>> Livro Culinária Alimentação Light de Ro Kupfer pela Ícone (1992)
>>> Grafite, Pichação & Cia de Célia Maria Antonacci Ramos pela Annablume (1994)
>>> Marquês de Sade - o Filósofo Libertino de Donald Thomas pela Civilizacao Brasileira (1992)
>>> Livro de Bolso Auto Ajuda Você é Insubstituível de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Comunicação Sem Complicação de Gustavo Gomes de Matos pela Campus
COLUNAS >>> Especial Michael Jackson

Sexta-feira, 7/8/2009
Considerações sobre Michael Jackson
Julio Daio Borges
+ de 10000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

* Eu lembro bastante da época do Thriller (1982). Penso que foi o mais perto que a minha geração chegou de vivenciar a beatlemania. Ainda que a morte do próprio Michael Jackson, e seus desdobramentos, tenha(m) dado um gostinho do que foi a "jacksonmania", a geração internet talvez não conheça nenhum fenômeno parecido. Na minha cabeça ― depois de ver E.T. e de haver visitado a Disney World e o EPCOT Center ―, o Michael Jackson fazia parte daquele imaginário que misturava a fantasia dos desenhos animados com o futurismo dos jogos eletrônicos. Michael Jackson não era somente música, era uma manifestação cultural que se impregnava no nosso dia a dia. Era um irmão mais velho, imaginário, com superpoderes, que levava toda a magia dos seus passos, e dos seus videoclipes, para a vida real ― porque, nesse momento, ele era o rei da música, ou da indústria, era idolatrado e rico como um faraó do antigo Egito.

* Então quando o Michael Jackson, dos anos 2000, morreu, eu me lembrei desse tempo da minha infância. E como o Michael Jackson dos anos 80, trabalhado pela computação gráfica, era uma obra de arte em si, ele não poderia ter morrido. Não fazia sentido. Seria como matar Mickey Mouse, Carmen Miranda, Carlitos... Michael Jackson foi um momento da cultura popular e é difícil apagá-lo em qualquer um que tenha vivido. Para mim, na fase em que mais me impressionou, Michael Jackson representava a contemporaneidade, a tecnologia e a arte de se produzir um artista, industrialmente, catapultando-o ao infinito. É um feito global, independente de se gostar dele ou não. Uma analogia exagerada seria pegar um artista de rua e replicá-lo em lares do mundo todo, de modo que sua presença se fizesse sentir, sua arte pudesse ser admirada, gerando dividendos e marcas na cultura. Antes da internet, é um feito incrível.

* Acho que foi no ano passado que assisti aos vídeos do Thriller, numa edição comemorativa dos 25 anos. A música não me dizia mais nada, depois de tanto tempo ouvindo outras coisas. E a estética me pareceu exagerada, típica dos anos 80, que trouxe o figurino das boates dos anos 70 para o dia a dia das pessoas... E Michael Jackson combinava perfeitamente com tudo aquilo ― com os efeitos especiais podia estender a infância, posando de figura assexuada e, ao mesmo tempo, investindo na própria androginia; congelando sua idade naqueles 25 anos, comprando "juventude eterna" através de sucessivas cirurgias; deslumbrando-se com o império que discograficamente construíra, e com o mundo que, momentaneamente, jazia a seus pés... E o que poderia fazer depois daquilo? Poderia morrer no auge, como alguns até conseguiram. Ou poderia encarar a decadência, porque o planeta inteiro já estava tomado e não havia mais para onde ir...

* O Bad (1987) eu até ouvi, na época, mas é como se não "colasse" mais. Cada disco de Michael Jackson, a partir daí, foi uma tentativa de repetir, claro, o sucesso estrondoso de Thriller. Aquela mistura de arte com indústria, que havia sido historicamente bem sucedida, desandou para o lado da indústria, que desejava novos recordes, e a arte ficou prejudicada, e, consequentemente, o artista. Dangerous (1991) eu só ouvi indiretamente por causa dos meus irmãos. Vendo os clipes dessa fase, e das que a sucederam, parece tudo uma grande montagem, hoje envelhecida, onde Michael Jackson só funcionava como um chamariz, para vender composições diluídas, shows em que ele mesmo se repetia, trazendo sobrevida à indústria que ajudara a consolidar, e que igualmente o produzira.

* Dias depois de sua morte, me ocorreu, como a outros comentaristas, que Michael Jackson foi a ascensão e a queda da própria indústria do disco... Que as gravadoras vêm definhando por causa da pirataria, do download e do compartilhamento de arquivos, todo mundo já sabia, mas, com o encerramento da carreira de Michael Jackson, parece que ficou mais claro, como numa fotografia mais nítida, porque subitamente revelamos o negativo (aliás, outra indústria que definha...). Traçar planos de dominar o mundo, a cada novo lançamento, deve ter se tornado mais e mais estressante, mais e mais frustrante, mais e mais impossível. Porque nem os "super efeitos especiais", nem a divindade do faraó, nem os passinhos de alienígena funcionavam mais sozinhos, sem uma megaestrutura como a que existia ― e que a internet pôs abaixo, fortalecendo a comunicação de "muitos para muitos", no lugar da antiga de "alguns para muitos" (televisão, rádio, cinema, jornais, revistas etc.).

* O que me traz a outro ponto, que me ocorreu enquanto rascunhava este texto. Lembrei também do Outliers, de Malcolm Gladwell. Michael Jackson é, certamente, um "fora de série" (ou um "ponto fora da curva"), um gênio (como repetiram tantas vezes), mas mesmo ele, multitalentoso, não teria sido possível fora do lugar e da época em que viveu. Para simplificar, basta construir um raciocínio hipotético de ele haver nascido na África, por exemplo... Para complicar, ele mesmo admitiu que "aprendeu a disciplina" através do pai (o mesmo que abusava da força quando ele não correspondia). Entendo a comoção geral e, como disse, todas as marcas deixadas na cultura popular, mas ele não era esse semideus que quiseram pintar ultimamente ― temos de dar crédito à indústria, com todos seus defeitos, à sua família, com todos os traumas, fora compositores, produtores, empresários, sem contar uma infinidade de artistas que o precederam...



* Muita gente queria que o mundo tivesse começado (e até acabado) com Michael Jackson, mas ele é resultado de um processo, não surge do nada, nem suas influências se apagam no limbo. Eu passei esse tempo, depois da morte dele, tentando fazer uma genealogia ― e sempre descubro, com interesse, uma admiração pouco divulgada, uma menção quase escondida, porque, em termos industriais, é mais fácil vender o "novo" ― criando uma moda, um frisson ―, que, para estabelecer novos recordes, tem de, estrategicamente, romper com o "velho"... Me ocorreu, por exemplo, James Brown, ouvindo rádio, outro dia. E, através da Wikipedia, acabei descobrindo que os Jackson 5 venceram seu primeiro concurso de calouros, em 1966, cantando, justamente, "I Feel Good". Também descobri que Michael Jackson quis homenageá-lo, por ocasião de sua morte, em 2006...



* E é inevitável pensar na cultura negra, na cultura que o negro trouxe para a América. (Do Norte, do Sul e Central.) É notável que Michael Jackson tenha se tornado o astro que se tornou, o "maior entertainer do mundo" ― e ninguém tenha querido matá-lo, como mataram Martin Luther King; ou, simplesmente, destruí-lo, como fizeram (não vou entrar aqui no mérito) com Wilson Simonal. E não é à toa que anunciavam tanto o perigo da morte de Barack Obama, se ele fosse eleito... Aliás, não canso de repetir que Obama teria sido impossível sem Jackson. (Claro que alguém ainda vai descobrir uma conspiração para desmoralizar Michael Jackson a partir de Thriller, porque seu sucesso incomodava muita gente etc.) E o Rei do Pop não é tributário, apenas, do soul da Motown, nem do funk de Brown, mas do rock de gente como Little Richard e Chuck Berry, e obviamente do jazz de gente como Louis Armstrong e Miles Davis.

* Quanto às inevitáveis acusações de pedofilia e abuso de crianças, é delicado afirmar qualquer coisa em definitivo. Eu nunca quis vasculhar esse assunto e não me imagino fazendo isso agora, depois de Michael Jackson morto. Tirando a hipótese (que eu sugeri antes) de um complô internacional para desmoralizá-lo, acho estranho que essas acusações tenham sido "plantadas" na sua biografia. Onde há fumaça, geralmente há fogo ― e, em termos de escândalos sexuais, poderíamos até afirmar que não há fogo: há incêndio. Ainda na pesquisa para este texto, me espantou a declaração de La Toya, acusando o próprio irmão de pedofilia (mesmo que ela a tenha retirado posteriormente). Concordo que a família Jackson não lá é muito unida, nem muito equilibrada, embora seja bem sucedida ― mas não é uma acusação de um menino, ou de um pai de um menino, é a opinião de alguém da família...

* Para terminar, a recente mitologia: "Michael Jackson não morreu"... Confesso que tanto quanto me espantei, com sua morte súbita, a hipótese, do sumiço, de repente me pareceu crível. E faz sentido: tudo o que Michael Jackson construiu, há mais de 25 anos, vinha sendo destruído ― por ele próprio. Para não prejudicar seu legado, e seu patrimônio, o mais indicado era morrer no auge (como eu disse), mas, não sendo mais possível, que tal "morrer" numa idade redonda (que tal 50 anos?), enquanto boa parte da população mundial ainda se lembra, ainda pode chorar e comprar os produtos de sua grife, perpetuando... o mito? Se o gênio de Thriller, por um instante, retornasse, acredito que faria isso... Mas, se ele não morreu, por outro lado, não acho que deva voltar. Pra quê? Para estragar a festa? A melhor coisa, para eternizar Michael Jackson agora, é preservá-lo morto e enterrado. Ou eternamente sumido. Seu último escândalo. Sua última obra-prima...


Julio Daio Borges
São Paulo, 7/8/2009

Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
02. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


Mais Especial Michael Jackson
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/8/2009
12h03min
Parabéns pelo texto, refletiu muito bem o que e quem foi MJ.
[Leia outros Comentários de neli]
18/8/2009
22h22min
Não sei que tipo de conhecimento você possui de Michael Jackson, mas as pessoas que são verdadeiros fãs de Michael conhecem sua personalidade e sua beleza interior. Nunca na minha cabeça aceito que esta pessoa fosse molestar menores que ele tentava ajudar. Qual o motivo? O que é mais aceitável de crer é que pessoas tentaram destruir sua carreira simplesmente por causa de sua raça - e, se você é uma pessoa informada, conhece o fato de que isso é muito comum nos EUA. Lá, é inaceitável um negro chegar no lugar que um homem branco nunca sonhou - implantar a globalização antes da internet. Michael era um negro bonito, inteligente, educado, sensual, comportado, puro e as mulheres de todas as raças o admiravam. Quer mais motivos para os "black haters" quererem destruí-lo?
[Leia outros Comentários de Ana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Travessia 395
William P. Young
Arqueiro
(2012)



Livro Biografias Não Há Silêncio Que Não Termine Meus Anos de Cativeiro na Selva Colombiana
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Comer, Rezar, Amar
Elizabeth Gilbert
Objetiva
(2008)



A Tres a Gente Sempre Sabe da Verdade e Salve o Casamento
Vand Grand
Oriom
(2008)



Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
IJb



Um Acordo de Cavalheiros
Lucy Vargas
Bertrand Brasil
(2017)



Imaginação Criadora
Roy Eugene Davis
Seicho no Ie
(1978)



Efeito Borboleta -um Simples Gesto, um Mundo de Diferença
Glenn Packiam
Garimpo
(2010)



As 5 Coisas Que Não Podemos Mudar
David Richo
Arx
(2006)



Um Sábado que Não Existiu
Renato Modernell
Mackenzie





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês